Geraldo de Majella

A literatura alagoana não entra nas escolas de Maceió

  • 19/11/2015 12:52
  • Geraldo de Majella

 

O então vereador Pedro Alves (PSB), em 2002, apresentou à Câmara Municipal um projeto de lei tratando da difusão da literatura alagoana nas escolas municipais de Maceió. O plenário da Câmara de Vereadores aprovou, e a prefeita Katia Born sancionou a Lei 5.205, publicada no Diário Oficial de Maceió em 18/5/2002.

        O artigo 1º diz: “As Escolas Públicas Municipais do Município de Maceió manterão em suas bibliotecas o número mínimo de 200 (duzentos) títulos de livros de autores alagoanos”.

E no artigo 3º, a lei determina: “anualmente, as escolas da rede pública indicadas no artigo anterior deverão promover eventos específicos para divulgação e difusão da literatura alagoana”.

A rede municipal de ensino de Maceió conta com 83 escolas, segundo dados do INEP de 2015. A Lei 5.205 garante a compra de 16.600 títulos anualmente.

Maceió continua no ranking das cidades mais violentas do Brasil e do mundo, e as principais causas de morte são os assassinatos de jovens negros e pobres, moradores da periferia. Esses indicadores cruéis não têm sensibilizado os gestores públicos.

A educação, a cultura e os esportes são áreas fundamentais para resgatar milhares de jovens do obscurantismo e da violência.

A escola é um dos locais onde é possível mudar o destino da juventude. Porém não há nenhuma politica estruturada nesse sentido. Os jovens “são ganhos” pelo tráfico e passam a sentir repulsa pela escola.

A percepção de que a escola pública não é mais um fator de atração para a juventude não tem preocupado os atuais gestores. O resultado tem chegado através das taxas de evasão escolar, do crescimento do consumo e tráfico de drogas nas escolas, da violência, da baixa estima dos professores e funcionários e do sucateamento dos equipamentos públicos de educação.

A desgraça tem sido ampliada ano após ano, e nada é feito de concreto para reverter esse estado deplorável na educação pública.       

O livro didático é um avanço no Brasil, isso é indiscutível. Houve uma considerável melhora tanto na quantidade de títulos como na qualidade e conteúdo dos livros didáticos. Mas em Maceió o conteúdo específico dos livros didáticos de literatura, história, geografia e outras áreas ainda é deficiente, para dizer o mínimo.

Os autores alagoanos precisam saber que existe uma lei que obriga a Prefeitura Municipal de Maceió a difundir a literatura alagoana.

Mãos à obra, gente!

 

 

Em memória de Jayme Miranda

  • 07/11/2015 15:38
  • Geraldo de Majella

Jayme Miranda (1926) nasceu quando o prestigio da Revolução Russa multiplicava os partidos comunistas e seus militantes por todo o mundo. O Partido Comunista Brasileiro (PCB) surgia em 1922 e elegeria seus primeiros representantes em 1928, o operário marmorista Minervino de Oliveira, e o alagoano de Viçosa, Octávio Brandão, ambos pela legenda do Bloco Operário e Camponês (BOC).

A juventude de Jayme encontrou o mundo em guerra e a União Soviética como esperança da humanidade contra a máquina liberticida do nazismo.  

A resistência dos povos da URSS e Exército Vermelho comovia e mobilizava o mundo, quando Jayme se alista nas fileiras dos combatentes da liberdade na sua Alagoas.  

A vitória contra o nazismo muda o panorama político no mundo e no Brasil. Mas no Brasil por pouco tempo. O PCB é logo posto na clandestinidade, exigindo que um grande número de militantes renunciasse à vida legal para prosseguir na militância socialista: Jayme é um deles.  

A direita italiana rearticulou a máfia depois da guerra, mas não pôs o Partido Comunista na ilegalidade. De Gaulle procurou restringir a atuação do Partido Comunista Francês (PCF), mas não impediu sua ação legal. O obscurantismo e o caráter antinacional das elites brasileiras no pós-guerra baniram a energia patriótica e transformadora do PCB e de seus aliados do cenário nacional, com graves prejuízos para os interesses do País e do povo brasileiro.

O imperialismo e suas forças auxiliares promoveram o Golpe de 1964. A caçada aos que resistiram aos golpistas alcançava Jayme Miranda em 1975 no Rio de Janeiro.  No breve perfil de Jayme que escrevi para o jornal Movimento no final dos anos 70, havia a versão de que teria sido tiroteado em Pilares, Rio de Janeiro, e seu corpo em seguida jogado ao mar.  

O ensaio biográfico de Geraldo Majella tem a virtude de cultivar sua memória, memória das lutas do povo alagoano, memória da luta do povo brasileiro.

Brasília, 1º de fevereiro de 2014.

Aldo Rebelo, ministro da Defesa  

 

O tema da maconha no folclore

  • 04/11/2015 07:32
  • Geraldo de Majella

 

 

Publicado em 29 de outubro de 2015 por Ticianeli em Memória Urbana, Opinião, Personalidades // 0 comentários

 

Abelardo Duarte

Maconha-Cannabis sativa. Var. indica. L. — Marácia sub-arbustiva, erecta e cosmopolita. (Dos dicionários).

Há mais de quarenta anos, os professores Pernambuco Filho e Adauto Botelho estudaram em “Vícios sociais elegantes” (1), ao lado de outras toxicomanias, o vício da Diamba. Obra aparecida em 1924, quando esse vício era “quase desconhecido”, segundo aqueles autores, mas já “invadia de modo assustador o interior do Brasil”, determinando as primeiras medidas policiais, dá-nos contudo a descrição perfeita dele e dos efeitos maléficos da diamba. (*1) Se reaparecesse hoje, em edição correta e aumentada, viria a obra naturalmente ampliada com as novas substâncias alucinogênicas, LSD, messalina, etc. e os novos conhecimentos que se tem, através de estudos experimentais, sobre a maconha, assim com as minúcias sobre o modo como é utilizada a planta pelos viciados. O Professor Ulisses Pernambuco e seus colaboradores realizaram, por exemplo, interessantes observações no Recife, que não podem ser esquecidas, no caso. E foram posteriormente retomadas e ampliadas por novos pesquisadores.

Entretanto, “não é um vício novo; ao contrário, é bem velho”. (2)

Até aquela época, era apenas um vício das camadas mais baixas do povo e ainda não se tornara realmente, como hoje, um vício elegante. Daí a expressão de que se serviram os dois ilustres psiquiatras. Atualmente, a toxicomania deixou os seus penetes plebeus e rurais e chegou aos arranha-céus de Copacabana e de Boa Viagem… e de muitos outros centros urbanos importantes do Brasil.

 

Anúncio de cigarros de maconha Indios

Herdado dos velhosescravos africanos, generalizou-se por estes brasis afora, onde o negro se fixou na obra da colonização, e sobrevive nos hábitos e costumes dos seus descendentes, passando a fazer parte, nos dias que correm, dos hábitos mundanos, na triste e deplorável corte das toxicomanias sociais. Planta exótica, trouxeram-na certamente os escravos negros e, em breve, florescia em solo brasileiro, ao que parece nas Alagoas. Ela aqui se aclimou bem: e as espécies se perpetuaram, apesar da tenaz campanha que as autoridades sanitárias e policiais movem, em boa hora, contra a toxicomania e, como parte dessa luta, do extermínio das suas plantações.

Assinala com acerto Alfredo Brandão (3) que “no domínio da botânica, poucas denominações vegetais encontramos que lembrem a origem bantu“. Escreve mesmo o saudoso médico e historiador alagoano: “Os negros, parece que sempre foram de uma ignorância crassa a respeito de nossa flora e empregavam sempre as designações indígenas”. Alguns africanismos dessa espécie, porém, ficaram. O vocábulo diamba, por exemplo. Vindo do quimbundo riamba, cânhamo, segundo Renato de Mendonça (4), conservou-se na língua popular, e designa esse vegetal utilizado pelos negros como fumo, o “fumo de Angola“. Como se sabe, o quimbundo era a língua geral da Angola e com a entrada dos negros dessa procedência herdamos alguns nomes quimbundos.

Jacques Raimundo registra Diamba, Liamba, Riamba, como nome angolês do pango, “de que os negros usavam à guisa de tabaco para caximbarem“. (5)

A diamba (cannabis sativa, var. indica L.) é, pois, a planta sinistra, cujas flores e folhas, secas, são fumadas pelos viciados. Afirma A. Inácio de Menezes (6) que “todas as suas partes sãotóxicas e narcóticas“. Sua sinonímia vai em crescendo: diamba, liamba, riamba, maconha, fumo de Angola, fumo da Costa, marica, baseado (G. Alagoas), nicota (G. Alagoas), pango, macumba, marijuana, maria-joana.

Em torno do vício da diamba, da maconha, movimenta-se também a literatura popular. Já a poesia desse gênero a sagrou. E não é de agora. Registrou-se, de há muito, a existência de reuniões ou verdadeiras “sessões de fumeries“, as célebres fumagens ou na linguagem matuta as “fumagem“, ou a queima, como dizem os viciados da capital alagoana, durante as quais os viciados diziam versos ou loas alusivos ao tóxico. Nessas sessões, ditos versos faziam parte de uma espécie de ritual. São conhecidas algumas loas desse gênero em cidades alagoanas, principalmente no Penedo, Piaçabuçu. Viçosa e também, em Maceió.

“Assembleia”, nome dado às reuniões sociais onde se fumava e cantava loas

 

Eis um exemplo, lembrando a sua origem afro-negra:

Ô diamba,
Ôcan min
Ôcan min,    (côro)
O diamba
(Bis)

(Penedo, Alagoas)

Pelas expressões legítimas africanas nele contidas, parece ser esse um dos mais velhos cânticos ou refrões ou loas das sessões de maconha, entre nós, e absolutamente inédito. Em geral, a erva e chamada pelos viciados maconha, denotando o nome diamba uma origem mais remota, possivelmente dos tempos da escravidão. Foi colhido no Penedo, há muitos anos passados.

A loa seguinte vem registrada no livro de Pernambuco Filho e Adauto Botelho:

Ó diamba, sarabamba!
Quando eu fumo a diamba
Fico com a cabeça tonta
E com as minhas pernas zamba.

Fica zamba, mano? (pergunta um)

Dizô! Dizô!  (respondem em coro) (6)

Moreno Brandão registrou a seguinte quadra na sua coletânea “Musa Anônima“, talvez recolhida no Penedo, Alagoas:

Lá detraz de minha casa
Existe um pé de maconha
P’ra te fumaçar o rosto
Descarado, sem-vergonha. (7)

Num dos contos de seu livro Canaviais, Alberto Deodato põe na boca dos seus personagens estas quadras populares, ao descrever cenas de embriaguez pela maconha:

Maricas, minha maricas,
Maricas de Neo cangonha;
Eu morro de boca torta
De tanto chupar maconha.

E de Congo
Saraminhongo…
— É de Congo
Saraminhongo…

Maconha é bicho danado,
Bicho danado é maconha;
De tanto bem à maricas
A gente perde a vergonha…
— E de Congo
Saraminhongo… (8)

Loas alusivas à maconha colhidas nas Alagoas:

O diamba, êi, óia o tômbo
Cadê meus companheiro
Ficaro no terreiro
Éi, ôia, o tombo
(Interior das Alagoas)

Ôu, ôu ôu,
Vamos queimar
Ôu, ôu ôu,
Vamos queimar
Começa logo
P’ra não demorar
ôu ôu ôu
Vamos queimar.
(Interior das Alagoas)

É de Congo, é de Congo,
Êi, congá
Êi, congá
Rê, rê, é de Congo.
(Interior das Alagoas)

Muitas são as quadras do populário alagoano alusivas à diamba; estas foram colhidas em Maceió e no Penedo:

Moco, moco, maco, maco
— O seu nome é maconha.
Moco, moco, maco, maco
Tira o juízo e a vergonha.

É um cabra perdido
O fumador de maconha
Fuma de noite e de dia
Até perder a vergonha

Maricas, minha Maricas,
Do cabelo pixaim.
Com as frô desta ervinha
Sonho até c’os querubim.

Há, na paremiologia das Alagoas, um provérbio que pode fazer parte do folclore da diamba: “Deus me livre de três coisas: sífilis do Penedo, cadeia de Água Branca e maconha de Viçosa“.

 

Diambista fuma em “maricas” feita de cabaça – 1940

Nas Alagoas, a erva é mesmo mais conhecida por maconha, embora ultimamente também por marica, baseado enicota. Segundo Manoel Querino, é chamadopunho no Rio de Janeiro e macumba na Bahia. As “fumagem” ou “queima” realizam-se fazendo-se uso de cachimbos ou cigarros; geralmente, de cachimbos especiais, feitos de uma “cabaça” com água para lavagem e resfriamento da fumaça e dum fornilho de barro onde se deita a maconha com uma brasa; aspira-se a fumaça por um canudo de “taquari” (Tacuari) ligado ao tosco aparelho, de modo que esta chega lavada e resfriada à boca, permitindo fortes aspirações (“trago”). Também usam um vidro de boca larga, para substituir a cabaça.

Registra Gilberto Freyre que são atribuídas também à maconha “virtudes místicas”. Diz na nota 73, do capítulo IV de Casa Grande & Senzala: — “fuma-se ou queima-se a planta com certas intenções, boas ou más” (9).

Segundo o sociólogo-antropólogo pernambucano, “é grande ainda o uso de maconha” entre barcaceiros e pescadores das Alagoas e Pernambuco.

Alista-se entre os mais inveterados maconheiros, na cidade de Maceió, os jovens sem profissão chamados “maloqueiros” e muitos jornaleiros, marginais e frequentadores do bas fonds e meretrizes, segundo se depreende facilmente da crônica policial na qual figuram amiúde. Um dos mais célebres chamava-se Moleque Namorador, de nome próprio Armando Veríssimo. Era filho de Manoel Veríssimo Ribeiro e Maria Bela dos Santos, solteiro, 27 anos de idade, analfabeto, pesava 50 quilos, tinha 1,50 ms. de altura, dados colhidos na Tese do Des. Osório Calheiros Gatto, intitulada “Menores Infelizes” (10). Faleceu em Maceió, vitimado por tuberculose pulmonar. Foi o rei da Maconha, como viciado.

O vício leva a requintes. A colheita da erva deve obedecer a certos métodos e cuidados. A maconha preferida é a preta, que é de boa qualidade. A esverdeada não tem boa cotação.

Garcia Moreno (11), no seu excelente estudo, diz o seguinte a respeito da colheita da maconha em Sergipe: “Colhê-las assoviando, ou na presença de mulher menstruada, troca o sexo da planta, a planta fêmea macheia e perde as virtudes”.

Esse tabu entre os viciados procede do fato de que, havendo os pés machos e fêmeas, as verdadeiras “virtudes” ou propriedades alucinógenas e entorpecentes, e outras da maconha residem ou estão contidas, inteiramente, na planta fêmea. Os pés machos não servem, dizem eles, para a queima, na sua experiência.

Um daqueles pormenores referidos por Garcia Moreno também se observa nas Alagoas, onde não se faz a colheita da terrível morácia diante de mulher de paquete ou seja, menstruada. Para a planta não marchear:

Não se chegue nesta hora
Com seu paquete no porto
Não estrague minha sina
Sinão, muié, eu não vorto.

Diz-se também do milharal. E do fumo. Getúlio César no seu “Crendices do Nordeste” (12) assinala que “na colheita e na fabricação, as mulheres na época catamenial, não devem chegar nem ao menos perto de quem está lidando com as folhas, porque, se o fizer, o fumo ficará perdido”.

Por isso, diz a quadrinha popular que anda de boca em boca:

Marica pra ser boa,
Tem hora de ser colhida.
Doutro modo não entoa
Perde a graça na saída.

Os viciados comuns das cidades, os maconheiros malandros, fazem uso apenas de cigarros da erva que são chamados, na gíria, “dolar“:

— Vai, crioulo, passa um “dolar” para o papaizinho aqui”.

Os grã-finos que queimam para esnobar, os que dela fazem uso também nas esticadas, dão preferência ao cigarro da erva, igualmente. É mais prático e elegante, dizem eles, os viciados (no fundo igualados aos marginais). O nome Marica é muito aplicado, por extensão, ao cachimbo.

Marica, meu bem,
‘Stou sem vintém.
Me lembra agora
E chegada a hora
Da fumacinha
Olé sinhá Aninha.

Cadê Marica, ó Marica,
Que de pobre virou rica?

Francisco de Assis Iglésias, autor de um trabalho “Sobre o vício da diamba” (13), teve ocasião de visitar em Caroatá, no Piauí, os clubes dos diambistas, “queimantes” ou maconheiros, como são chamados nas Alagoas. Esses clubes são casas ou locais próprios em que se reúnem os viciados (como aconteceu no andar térreo do velho palacete do Barão de Jaraguá, em Maceió, fundo de uma antiga agência de jornais (*2); nas “malocas” das praias (daí o termo maloqueiros), sendo os maconheiros chefiados pelo célebre Moleque Namorador, já falecido para a fumagem ou “queima” em grupo. Chegaram a cultivar a erva maldita na praça fronteira,praça D. Pedro II, ao citado prédio, entre as plantas ornamentais, nos canteiros, em plena capital alagoana!

No livro “Caatingas e Chapadões” (14), Assis Iglésias transcreve os versos, “versos toscos”, que ouviu em Caroatá, além daqueles já citados na obra de Pernambuco Filho:

Diamba matô Jacinto
Por ser um bom fumadô
Sentença de mão cortada,
P’ra quem Jacinto matô.
— Matô, mano matô?
Dizô, dizô!
E dizô turututu
Bicho feio é caititu
Fui na mata de Recursos
E sai no Quiçandu.
Muié briga cum marido
mode um poco de biju.
— Brigô, mano, brigô?
Dizô, dizô!
Dizô, cabra ou cabrito
Na casa da tia Chica
Tem carne, não tem farinha,
Quando não é a tia Chica
Então é a tia Rosa.
Quanto mais véia mais seboza,
Quanto mais nova mais cherosa.
— Cherosa, mano, cherosa?
Dizô, dizô!

A propósito do termo dizô, pensa Iglésias que se trata de africanismo e traduz ideia de assentimento, aprovação.

Em Maceió, os viciados no uso da maconha dizem que vão “queimar”, quando se entregam ao torpe vicio da erva do Diabo. “Queimar” é mesmo que fumar maconha. E sinônimo, na gíria alagoana, quiçá do Nordeste. “Queimante” é o fumante da erva; também, na gíria, “queimante” é arma de fogo (revólver ou pistola).

Um antigo ritual dos fumadores alagoanos da erva do Diabo chegou a ser descrito por Leonardo Mota (15). E semelhante ao citado por Iglésias, no qual o refrão coral e “Dizô, dizô”.

No ritual dos maconheiros das Alagoas, o dito refrão colhido por Leonardo Mota é substituído por “Ajuê, Manca!”. Dá-se mais ou menos assim:

Na “saída”, ou ao tomar o seu primeiro trago, o “queimante” diz “Ajuê, Manca!” e improvisa uma quadra sem terminar o último verso para que o seu companheiro o faça, de modo a ser assim continuado por todos os do grupo, com o refrão seguindo-se a cada quadra:

“Marica, diz ajué
Ajuê, Marica!”

Já ao tempo do Moleque Namorador não se usava mais esse refrão.

Alceu Maynard (16) registrou nas suas pesquisas em Piaçabuçu, município alagoano, que “uma vez feita a roda de fumantes, quando vão passar a “Marica”, nome local do cachimbo de maconha, para seu companheiro, dizem: “Joéie Marica” e a seguir profere a sua loa. Este “Joéie“, isto é, ajoelhe, nos dá a impressão de que antigamente se fazia uma genuflexão em homenagem à diamba, ao recebê-la”.

Não teria havido uma deformação de “Ajué”, o velho refrão das loas, ouvido tanto tempo nas Alagoas? Quem sabe? Uma das loas recolhidas por Alceu Maynard Araújo, em Piaçabuçu:

Ajoie Marica,
gonga sapianga
não me meta em cipoá,
me bote em campo franco
onde eu possa me maniá.

Evoca Raul Bopp, (17) no seu poema de fundo folclórico — Diamba — com que enriqueceu a poesia negra erudita brasileira, o negro escravo entregue ao vício da erva:

DIAMBA

Raul Bopp

Negro velho fuma diamba
pra amassar a memória
O que e bom fica longe…

Os olhos vão se embora pra longe
O ouvido de repente parou.

Com mais uma pitada
O chão perdeu o fundo
Negro se sumiu
Ficou só uma fumacinha.

— Ai leva-me-leva
E a fumaça tossiu:

Apareceu então uma tropa de elegantes trotando
cinquenta elefantes
puxando uma lagoa.
— Pr’onde e que você tão levando essa lagoa?

Tá derramando água no caminho
A água do caminho juntou
correu correu
Fez o rio Congo.

— Ai leva-me-leva.

Aquele navio veio buscar o rio Congo
Então as florestas se reuniram
e emprestaram a sombra por rio Congo dormir.

Ao longo da poesia popular, da literatura de cordel, a poesia erudita enfileira-se assim, também, tratando o tema da Maconha. E o faz tão sugestivamente neste poema de Raul Bopp — Diamba, poema estruturado em mistério e subjetivamente, emocionalmente uma reação do negro escravo através do sonho, da fuga de Maconha —, essa Marica infernal e alucinógena, que o Negro trouxe para aliviar o seu martírio, vencer o banzo.

“RONDA DA CIDADE – Declarações do maconheiro “Peixe Cru”.

Ha dias, agentes da Delegacia de Ordem Política e Social Investigações e Capturas, prenderam o indivíduo Luiz Marcolino da Silva, mais conhecido pelo vulgo de “Peixe Cru”. Não tem residência. Uma vez pernoita na rua do Ouricuri, zona do baixo meretrício e outra vez, na praia. Não tem profissão. Diz-se filho de Marcolino Silva e de Regina Silva. Nada sabe mais a respeito dos pais. Sabe, porém, que nasceu em Serra Grande.
Foi preso porque estava fumando maconha. A polícia apreendeu em seu poder alguns pacotes daquela erva tóxica.
A reportagem desta folha ouviu-o quando se achava no xadrez se maldizendo.
— Onde encontrou aquela maconha? Indagamos.
— Comprei a um ajudante de caminhão da Paraíba, na Praça do Mercado.
O caso se deu assim: Passava eu pelo referido caminhão quando senti o cheiro daquela erva. E que não engana a ninguém…
Descobri quem fumava e me aproximei do ajudante, pedindo para me vender um pouco do “baseado”.
Se ele negasse, eu procurava logo a polícia para denunciá-lo. Mas, o ajudante de caminhão é sabido e me vendeu um pacotinho da liampa, por 50 cruzeiros.
— A maconha e de boa qualidade?
— Não tanto. Não e das pretas, das boas. É meio esverdeada. Mas dá para fumar.
— E onde você fuma a erva?
— Muitos a fumam nos fundos do Mercado no “lixo” da Levada, porém eu só fumo na praia. Ali a gente está seguro.
— Você gosta mesmo daquilo?
— É melhor do que cigarro de fumo… E não faz como a cachaça. A gente não tomba. Fica e leve, como se estivesse voando, voando.
Agora, dá vontade de comer. Comer muito, demasiado. E tem uma coisa: quando a gente come, desaparece a bebedeira. Fuma-se novamente para se ficar embriagado.
O repórter depois de ouvir o maconheiro, lembrou-lhe o mal que estava fazendo a si mesmo. Mais tarde vinha a doença incurável, a loucura, a desgraça.
O maconheiro ouvia tudo calado e depois de instantes, como que voltando a si, disse enfático:
— Não quero mais “queimar”.
Mas o repórter não acreditou na disposição de “Peixe Cru”. Ele falara daquele modo porque estava separado do Mercado e da praia, por meia dúzia de grades de ferro. — Gazeta de Alagoas. Maceió, 19/3/54.

(*1) Em torno dos efeitos — pelo menos a agressividade a violência, — provocados no homem pela maconha, variam as opiniões dos cientistas e pesquisadores. Todavia, a maioria dos autores se inclina para sua nocividade, atestada nos fenômenos clínicos apresentados; e no hábito, porta aberta à Toxicomania e à degradação social e ruína humana total, física e moral.

(*2) Com a restauração do referido prédio, funciona exatamente no local da antiga agencia de jornais o “Arquivo Público de Alagoas” (APA).

REFERÉNCIAS

(1)—Pernambuco Filho e Adauto Botelho — Vícios sociais elegantes — Liv. Fran. Alves, 1954, Rio. 
(2)—Luiz Alípio de Barros e José Medeiros — Maconha — A planta do Diabo —O Cruzeiro, 22-2-47. 
(3)—Alfredo Brandão — Os negros na história de Alagoas — in Estudos Afro-Brasileiros, 1° vol., Rio, 1935. 
(4)—Renato Mendonça — A influência africana no português do Brasil — Col. Rio. 
(5)—Jacques Raimundo — O elemento afro-negro na língua portuguesa — Rio, 1933. 
(6)—A. Inácio de Menezes — Flora da Bahia — Col. Brasileira. 
(7)—Moreno Brandão — Musa Anônima — Revista do Inst. Hist. de Alagoas, vol. XVII. 
(8)—Alberto Deodato — Canaviais. — Contos. 
(9)—Gilberto Freyre — Casa Grande & Senzala — 5° edição, Col. José Olympio. Rio. 
(10)—Osório Calheiros Gano — Menores Infelizes — Tese de concurso. Maceió, 1946, p. 27. 
(11)—Garcia Moreno — Aspectos do Maconhismo em Sergipe, Sergipe, Aracaju, 1946. 
(12)—Getúlio César — Crendices do Nordeste — Rio de Janeiro, 1941, Irmãos Pongetti Edts. 
(13)—Francisco de Assis Iglésias — Sobre o vicio da Diamba — An. Paul. Med. Cir. IX, 1918. 
(14)—Francisco de Assis ‘giestas — Caatingas e Chapadés — Brasiliana, vol. 271. 
(15)—Leonardo da Mota — Sertão Alegre — Imprensa Oficial de Minas Gerais, Belo Horizonte. 1928. 
(16)—Alceu Maynard Araujo — Medicina Róstica — Brasiliana, Vol. 300, São Paulo. 
(17)—Raul Bopp — Urucungo.

*Publicado originalmente na Revista da Academia Alagoana de Letras, nº 8, de dezembro de 1982.

 

Robson Costa, cientista, poeta e político

  • 30/10/2015 18:13
  • Geraldo de Majella

Texto de Edberto Ticianeli 

 

Robson Costa (Foto)

Robson Geraldo Costa nasceu no dia 7 de outubro de 1947 em Marechal Deodoro, filho de Eliete Vilela Costa e Arrisson Prudente Costa. Iniciou os estudos primários ainda na antiga Alagoas. Depois, já em Maceió, para onde se mudou com sua mãe e quatro irmãos em 1960, estudou no Colégio Marista, onde concluiu o curso secundário em 1967.

Destacava-se por sua inteligência. Em 1967, ministrou o curso de Iniciação à Ciência realizado pelo CECINE e escrevia contos e poesias. Para ajudar no sustento da família, dava aulas particulares e trabalhava numa empresa no ramo fotografia.

Em 1968 foi aprovado no exame vestibular paraMedicina na Universidade Federal de Alagoas. No segundo ano de Medicina passou a ministrar um Curso Extraordinário de Bioquímica. Era promovido pelo Diretório Acadêmico de Medicina e Odontologia e voltado para os alunos do primeiro ano. Esse curso existiu por vários anos.

Para o Diretório Central dos Estudantes, ministrava outro curso, o de Citologia e Evolução. A sua ativa participação no movimento estudantil, num período marcado pela repressão militar, levou Robson Costa a ter alguns entreveros com professores. Entretanto, mesmo sendo perseguido por alguns, fazia valer a sua inteligência e preparo intelectual.

Foi assim que antes de serem instituídas as monitorias na Ufal, foi convidado para sermonitor nas disciplinas: Fisiologia, Farmacologia e Bioquímica (1971/73). Nesse mesmo período foi professor de Química do Colégio Estadual de Alagoas (1973) e do Colégio Marista (1971/72), além dos vários cursos pré-vestibulares (1969/73).

Tinha Doutorado pela Universidade de Saint Andrews, na Grã-Bretanha, e Mestrado na Universidade Federal de Peranmbuco

Quando terminou o curso de Medicina, em 1973, já estava totalmente envolvido com o ensino e a pesquisa, sendo admitido imediatamente como professor da Ufal, após ser aprovado em concurso público. Em 1977, concluiu o Mestrado em Bioquímica na Universidade Federal de Pernambuco, iniciado em 1974.

Por ser considerado um dos melhores alunos que já cursara aquele mestrado na UFPE, foi convidado para lecionar Química Geral, um dos tópicos do curso de pós-graduação em Nutrição daquela instituição (1976).

Em 1978 ministrava aulas no próprio curso de Mestrado que acabara de concluir. Na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, lecionava Tópicos de Bioenergética, Óxido-Redução e Cadeia Transportadora de Elétrons (1979) e Tópicos de Bioenergética em 1980.

Em 1980 vai para a Universidade de Saint Andrews, na Grã-Bretanha, realizar o Doutorado, que termina em 1983, especializando-se em Biotecnologia, especificamente em novas tecnologias para a produção do álcool, como contribuição para a redução da importação de petróleo.

De volta a Alagoas, reassume o ensino nos cursos de Medicina da Ufal e da Escola de Ciências Médicas. Criou o Grupo Biotecnologia na Ufal e assumiu a função de Consultor Científico do NATT (Núcleo de Absorção e Transferência de Tecnologia), órgão da Cooperativa Regional dos Produtores de Açúcar de Alagoas.

Foi subchefe do Departamento de Química da Ufal e do Departamento de Ciências Fisiológicas da ECMAL, além de Consultor Científico do CNPq.

Casou-se com a também médica Wlademir Gusmão do Nascimento, a Wlade, em 1974, com quem teve dois filhos: Juliano e Mariana. Usavam as alianças que ele tinha ganho em concurso de contos promovido por uma revista de circulação nacional. O conto Estória do nosso casamento lhe rendeu as joias da H. Stern, famoso joalheiro de Paris.

Destacou-se como cientista na área da Biotecnologia. Era consultor científico do NATT e do CNPq

Antes, no II Festival de Verão de Marechal Deodoro, já tinha conquistado outro prêmio com o conto Um Dia, Um Juca. Robson Costa faleceu prematuramente aos 37 anos, vítima de choque elétrico, no dia 22 de junho de 1985.

O político

Após a sua morte, o então vereador Fernando Costapropôs, e a Câmara aprovou, uma Lei dando o nome do Dr. Robson Geraldo Costa a uma das ruas de Maceió. O advogado e também professor Marcus Robson, seu amigo, escreveu um texto sobre a homenagem, ressaltando o lado político do Robson Costa.

“Minha amizade com Robson Geraldo remonta à nossa adolescência. Cedo experimentamos muitas alegrias e incontáveis decepções. Permanecemos sempre juntos, animados por uma impenitente preocupação: o futurodeste País que tanto amamos, motivo principal de nossos curtos momentos de euforia e das longas quadras de desilusão

Tornamo-nos amigos nos idos de 1968. Naquela época, o movimento estudantil, do qual participamos, crepitava em respostas insolentes aos humores persecutórios da ditadura militar, em plena era Costa e Silva, de triste memória. Sentamos praça ao lado dos oprimidos, dos deserdados de toda sorte de propriedade, dos perseguidos. Ligamo-nos, a partir daí, por laços indissolúveis, permanentemente reforçados pela “necessidade ideológica” de construir um futuro melhor para o povo brasileiro — sob a égide do humanismo socialista, da paz e da esperança…

A discussão dos grandes temas nacionais alimentava, dia e noite, nossa sede de justiça. Por caminhos diversos, travamos conhecimento com as obras de Marx, de Engels, de Lênin; os exemplos do Pe. Camillo Cienfuegos e do Comandante Ernesto Guevara tinha para nós a profundidade insondável do martírio que traduz uma doação definitiva — como em Jesus Cristo — à causa da permanência do ser humano enquanto meio de explicar a própria permanência do Universo.

Tintamos consciência do que nossa participação na luta em favor do homem era importante, pelo mínimo que pudéssemos. Mas eu sentia que o Robson reverberava, mais que os outros companheiros de nossa geração, uma forte vocação para o sacrifício pessoal. Encantavam-lhe os versos de um poeta estrangeiro — talvez Agostinho Neto — que diziam só estar o homem preparado para a vida quando fosse capaz de deixar-se arrastar, como uma folha seca varrida pela tempestade, sem o menor ruído, em defesa de seus ideais.

Quando Robson viajou para a Europa, acompanhado de Wladi, sua mulher, e dos filhos, a fim de fazer seu PhD em Bioquímica, fomos todos os amigos — o Paulo Sílvio, o Marcelino, a Inocha, o Carlos Augusto e tantos outros despedirmo-nos dele. Era o momento da anistia política, da reconciliação da família brasileira. Os exilados voltavam para novos embates — e o amigo partia para enfrentar o seu maior desafio acadêmico.

Quando ele voltou, encontrou o País em marcha batida para a redemocratização. O quadro era outro, com novos partidos políticos surgindo para romper o factício maniqueísta do bipartidarismo imposto. O povo retornava às ruas, explorado ainda, humilhado como sempre, mas armado de justificadas esperanças.

O Robson voltou e sentiu-se mais em casa do que quando partiu. Agradava-lhe esta outra face da Pátria querida, bem mais risonha sem as rugas de uma juventude precocemente envelhecida, sem as lágrimas das viúvas do “talvez e do quem sabe”, sem as pústulas malcheirosas dos cemitérios clandestinos.

Alegrou-se. Deu vivas ao Brasil e foi à luta. Alistou-se num partido político e, confiante, entregou-se à obra de preparar o futuro de seus filhos. “Os homens fazem sua história, mas não a fazem como querem” sentenciou Marx. Numa tarde igual às outras, Robson partiu para sua última viagem, quase em silêncio, como Maiakovski, que escreveu pouco antes de morrer: “O incidente está encerrado /Inútil passar em revista /As dores, /As desgraças, /Os erros recíprocos. /Sede felizes”.

É também de Marx a frase: “A tradição de todas as gerações mortas oprime como um pesadelo o cérebro dos vivos”. Lembrou-me outra vez, o poeta, o pensador, o cientista Robson Geraldo Costa”.

A rua que homenageia Robson Costa fica na Serraria, em frente ao jornal Tribuna Independente, onde se situa o Colégio Isaac Newton.

Fonte: Boletim de Documentação Histórica das Atividades de Cientistas Alagoanos, nº 1, 1987, Secretaria de Planejamento do Estado de Alagoas – Coordenação de Desenvolvimento Científico e Tecnologia e depoimentos de amigos.

historiadealagoas.com.br/robson-costa-cientista-poeta-e-politico/

 

Ciência e Tecnologia não interessam à Segurança Pública

  • 21/10/2015 12:05
  • Geraldo de Majella

 

Direito de resposta:

Laboratório de Universidade desiste de convênio e Perícia Oficial fecha nova parceria

Exame é de extrema importância para a conclusão de laudos e indispensável para os peritos.

Aarão José - Poal  

A direção da Perícia Oficial esclareceu, nesta segunda-feira, 19, que foi Laboratório de DNA Forense da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) quem rompeu o convênio que mantinha com a Perícia, e não o contrário. Segundo o comando da Perícia, o convênio vigorou de 2010 a 2012 e visava a identificação de pessoas desaparecidas, alimentando o banco de dados existente no laboratório da Universidade.  

A partir de 2012 até 2014, passou a valer um contrato, assinado em 3 de novembro de 2012, com validade de um ano, renovado em 2013 mas, com a aproximação do término da vigência, teve o pedido de renovação feito pela Perícia negado pelo coordenador do laboratório.  

Por meio de ofício pelo enviado à Perícia Oficial em novembro de 2014, o coordenador do Programa de Identificação Humana e Diagnóstico Molecular da Ufal, professor Luiz Antônio, diz: “Informo que o Laboratório de DNA Forense da Universidade Federal de Alagoas, devido à grande demanda de estudos de paternidade, não tem interesse em renovar o convênio firmado com a Secretária de Defesa Social para a realização de estudos do DNA em casos criminais e identificação humana”. 

A decisão obrigou a Perícia Oficial a procurar novas alternativas para garantir a realização dos exames de DNA forense.  

O referido contrato tinha como propósito a realização de exames laboratoriais para identificação humana, por meio de análise e estudos comparativos de DNA de corpos não identificados, de vestígios coletados em locais de crime e de vestígios de crimes sexuais, perfazendo o valor total R$ 438.100,00.  

“O mesmo convênio ainda previu e concretizou o treinamento específico de 33 peritos médicos-legistas, cinco peritos odontolegistas, 37 peritos criminais e 12 técnicos forenses para a padronização de procedimento de coleta, acondicionamento e encaminhamento de amostras biológicas para os referidos exames, os quais foram realizados pelo próprio professor Luiz Antônio. Nesse sentido, nunca houve resistência da Secretaria da Segurança Pública, nem da Perícia Oficial para firmar convênio com o Laboratório de DNA Forense da Ufal, o que houve foi uma negativa de demanda do coordenador do programa”, afirma o perito geral da Poal, Manoel Melo.  

Tendo em vista a necessidade desses exames para a Perícia Oficial, dentro do contexto da segurança pública, várias tentativas de renovação do contrato foram realizadas, porém, as condições impostas pelo professor Luiz Antônio, como a aquisição pela Perícia Oficial de um sequenciador de DNA no valor de R$ 600.000,00 tornou o pleito inviável.  

Diante dos entraves e tendo ciência de que este laboratório não é o único deste tipo na Ufal, a Perícia Oficial entrou em contato com outro laboratório da mesma instituição, o Laboratório de Genética Molecular, Genômica e Proteônica (Gempro) que vem realizando exames de confronto genético forense em parceria com Instituto de Criminalística, uma vez que este ainda não possui laboratório de Genética Forense.  

A perita criminal Rosana Coutinho, chefe de perícias de laboratórios do IC, especialista em DNA Forense e doutoranda em biotecnologia em saúde, cujo projeto de tese é na área de genética forense, vem ao longo destes últimos meses realizando exames de DNA no Gempro. Os frutos desta experiência, credenciaram o laboratório, coordenado pelo geneticista molecular professor  Eduardo Ramalho, Ph.D/PD, para firmar convênio com a Perícia, processo este que já foi aberto e referendado pelo reitor da Ufal e pelo secretário da Segurança Pública Alfredo Gaspar de Mendonça Neto que desde o início da gestão tem como meta solucionar esta demanda.  

Além disso, existe uma determinação do Governo Federal, por meio da Lei nº 12.654, de 28 de maio de 2012, que todas as unidades de Perícia do País tenham seus próprios laboratórios de genética forense para a coleta de perfil genético como forma de identificação criminal, cujos resultados farão parte do Banco de Dados Nacional, gerenciado pela Polícia Federal e vinculado ao Codis - Combined DNA Index System (Sistema de Índices Combinados de DNA) vinculado ao FBI – Federal Bureau of Investigation (Agência Federal de Investigação), motivo este que levou a direção da Perícia Oficial a pleitear junto ao Ministério da Justiça a aquisição de equipamentos para montagem de um laboratório próprio de DNA no Instituto de Criminalística, negociação esta que também já está bem avançada.

Esclarecimentos:

1- A Secretaria de Segurança Pública ou Defesa Social demorou quase 11 anos para assinar o convênio com o Laboratório de DNA Forense da UFAL. E quando o fez, a duração foi por um curto período.

  
2- Acompanhei por mais de uma década as relações desinteressadas e por vezes desrespeitosas por parte de alguns dos ex-secretários e responsáveis pela criminalística. Em 16 anos, nada mais nada menos que 12 secretários passaram pela pasta da Segurança Pública.


3- Não vejo nenhum problema em o professor Dr. Luiz Antônio Ferreira, Coordenador do Programa de Identificação Humana e Diagnóstico Molecular da UFAL, desistir de continuar com o convênio, como informou a Perícia Oficial e expôs os motivos: “Informo que o Laboratório de DNA Forense da Universidade Federal de Alagoas, devido à grande demanda de estudos de paternidade, não tem interesse em renovar o convênio firmado com a Secretária de Defesa Social para a realização de estudos do DNA em casos criminais e identificação humana”.


4- O Laboratório cumpriu integralmente o acordado em convênio. O que me deixa estarrecido é a alegação da Perícia Oficial de que o que inviabilizou a renovação do convênio foi o pleito do professor Luiz Antônio Ferreira, que seria a aquisição pela Perícia Oficial de um sequenciador de DNA no valor de R$ 600.000,00 (seiscentos mil reais). Esse foi o pretexto encontrado intramuros.


5- É obvio que o Laboratório de DNA Forense da UFAL não é uma extensão da Perícia Oficial do Estado de Alagoas. Há pesquisas científicas desenvolvidas no laboratório e outros trabalhos firmados.

  
6- Esse “impasse” de ocasião é parte integrante da rejeição histórica e do corporativismo institucional.


7- O custo incalculável tem sido “pago” pela sociedade alagoana e principalmente pelas famílias vítimas da crescente violência. Nesse caso específico, a família do adolescente Davi da Silva.


8- A Perícia Oficial deve prestar contas das suas ações à sociedade alagoana. Quero deixar claro aos senhores e senhoras que o meu blog continua aberto à manifestação contrária ou a favor das minhas posições aqui postadas.

Geraldo de Majella     

 

Ciência e Tecnologia não interessam à Segurança Pública

  • 15/10/2015 14:09
  • Geraldo de Majella

Em maio de 2003, foi realizado um ato conjunto da Fundação de Amparo à Pesquisa de Alagoas (Fapeal), da Secretaria de Ciência e Tecnologia e da Secretaria de Defesa Social (SDS), na sala do Conselho Superior da Fapeal, o então presidente da fundação José Márcio Malta Lessa assinou o termo de outorga que concedia R$ 257 mil para a compra de equipamentos e insumos para o Projeto de cunho estratégico “Tipagem de DNA para fins Forenses”.

“O projeto será desenvolvido em cooperação com a Secretaria de Defesa Social e visa à implantação de técnicas de coleta, transporte e armazenamento de amostras biológicas coletadas em locais de crimes, como também ao treinamento de peritos das diversas polícias na extração e transporte dessas amostras para fins forenses.”

A Segurança Pública nunca se interessou efetivamente em firmar convênios com o Laboratório de Genética Forense da Ufal. O combate à criminalidade tem acontecido com os métodos arcaicos e com o uso ainda maior da violência.

A Perícia Oficial não está ainda qualificada tecnicamente para realizar exames de DNA Forense; isso é motivo para procurar o apoio cientifico de quem dispõe de experiência e tem reconhecimento internacional nessa área.

O Secretario de Segurança Pública deve com urgência resolver esse problema, vindo a público asseverar que a Pericia Oficial, nesse quesito, não dispõe de expertise suficiente para garantir um exame seguro de DNA Forense.

Esse gesto seria um gesto nobre e de respeito às famílias de tantas vitimas da violência em Alagoas. A minha parte, como gestor público, eu cumpri em 2003, quando exerci o cargo de Secretario Executivo de Ciência e Tecnologia do Estado de Alagoas.

Nesse ato solene a Fapeal através do seu presidente, afirmou: “Na oportunidade, Gerado de Majella, que foi um dos pioneiros na busca de apoio ao projeto, expressou a sua satisfação em Alagoas dar esse passo inicial na busca por uma polícia que, equipada com ferramentas cientificas, esteja à altura de enfrentar o crime organizado e reduzir a criminalidade”.

Secretário Alfredo Gaspar de Mendonça, a ciência e a tecnologia são fundamentais no cotidiano da Secretaria de Segurança Pública. O improviso tem sido o caminho mais rápido e impõe derrotas aos gestores e agentes públicos da Segurança quando é levado a sério, como tem sido a marca histórica da Segurança Pública em Alagoas.

 

Cadê o Davi?

  • 14/10/2015 14:17
  • Geraldo de Majella

O Estado de Alagoas deve explicações à sociedade e à família do adolescente Davi Silva, de 17 anos, desaparecido desde o dia 25 de agosto de 2014, após ser abordado por uma viatura da Polícia Militar no bairro Benedito Bentes.

O caso tornou-se emblemático depois que a mãe do adolescente foi atingida por disparos de arma de fogo, classificados pela polícia alagoana como “balas perdidas”. Felizmente dona Maria José da Silva não morreu.

     O corpo encontrado no bairro da Serraria em Maceió pode ou não ser o de Davi Silva. Mas para tanto a Perícia Oficial terá de apresentar um laudo conclusivo.

            Esse tem sido um problema recorrente em Alagoas. Desde 1997, quando foi implantado o Laboratório de DNA Forense da Universidade Federal de Alagoas pelo professor doutor em Genética Molecular da Ufal, Luiz Antônio Ferreira da Silva, apresenta-se intramuros a resistência da Segurança Pública em firmar um convênio entre a SSP/Perícia Oficial/IML e o Laboratório de DNA Forense.

            O Laboratório tem prestado relevantes serviços à Polícia Federal e às polícias de vários estados, mas a segurança pública alagoana o desconhece, e a sociedade passa por esse tipo de constrangimento.

      A página da Perícia Oficial, ontem, dia 13/10, diz o seguinte: “Responsável pelo exame de DNA de comparação entre amostras recolhidas de um corpo encontrado no bairro da Serraria, em Maceió, com o material genético fornecido por Maria José da Silva, mãe de Davi da Silva, Rosana Coutinho explicou que a necessidade de um novo prazo foi decorrente das complicações na extração do DNA do corpo, que foi encontrado exposto a fatores ambientais adversos e em avançado estado de decomposição”. http://www.periciaoficial.al.gov.br/sala

Banco de Dados ajuda na busca de desaparecidos

      Desenvolvido e mantido pelo Laboratório de DNA Forense da Ufal, o Banco de Dados de Pessoas Desaparecidas é o único deste tipo no Brasil. Quando estiver sendo utilizado para o fim para o qual foi criado, o Banco vai ajudar pessoas não apenas de Alagoas e sim do Brasil inteiro – é o que garante o chefe do Laboratório, professor Luiz Antônio.

A utilização do Banco deveria ser feita por instituições como IML, ONGs, Delegacias e Conselhos Tutelares. Ao acessar a plataforma, o usuário efetua o cadastro da pessoa desaparecida e fica responsável por alimentá-lo com informações sobre o caso, “pois não temos como saber se a pessoa retornou ou não para casa, e isso acontece com muita frequência”, ressalta o coordenador do Laboratório. http://www.ufal.edu.br/noticias/2011/07/laboratorio-de-dna-forense-um-centro-de-referencia-no-brasil

 

            Diante do vexame público da Segurança e da recorrência desse tipo de fatos, seria razoável firmar um convênio com o Laboratório de DNA da Ufal e sair da areia movediça do corporativismo institucional, pois assim quem sabe não ocorreriam essas respostas típicas do improviso na Perícia Oficial e do resto no trabalho da Segurança Pública em Alagoas. É tão fácil e simples. Acontece que o simples em Alagoas torna-se quase impossível.

 

            A pergunta que continua a ser feita é: “Cadê o Davi?”.

Beto Leão, um artista múltiplo

  • 10/10/2015 07:23
  • Geraldo de Majella

Alberto Leão Maia (1949-2015), conhecido como Beto Leão, artista plástico, ator, diretor de arte, cineasta, compositor, cenógrafo, esse artista múltiplo nasceu em Quebrangulo – AL, no dia 4 de maio de 1949. Filho de Arani Tenório Maia e Maria Elizabete Leão Maia.

Iniciou os estudos na escola pública em sua cidade natal, e na adolescência inicia as leituras dos clássicos da literatura com o seu conterrâneo, Graciliano Ramos. A juventude em Maceió é o ponto inicial de sua participação nos movimentos culturais.

O temperamento agregador entrava em choque com o ambiente opressivo e de censura, resultando na constituição informal de um grupo de jovens artistas e intelectuais na Maceió do final da década de 1960 e início da década de 1970, que se reuniam em residências, na Praça Deodoro e no Teatro Deodoro para ler poesia, falar de cinema e teatro, compor músicas e participar dos festivais de poesias e canções organizados pelo Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

Esses grupos onde Beto Leão pontificava eram constituídos por gente como José Geraldo Marques, Isaac Bezerra, Lúcia Guiomar Teixeira, Carlos Vasconcelos, Everaldo Moreira, Leureny Barros, José Márcio Passos, Ângela Uchoa, Alex Barbosa, Juarez Gomes de Barros, Juarez Gomes de Barros, Ronaldo de Andrade, Maria Beatriz Sá Brandão, Homero Cavalcanti, Dario Bernardes, Maria Lídia Torres Bernardes e outros.

O epicentro da contracultura em Maceió foi a Praça Deodoro, o imponente Teatro Deodoro e o Teatro de Arena. Essa trupe, inicialmente liderada por Beto Leão, José Geraldo Marques e Lucia Guiomar, transpirava arte e irreverência como arma para enfrentar, à maneira deles, a opressão.

O encontro da trupe com a turma da Praça Deodoro, segundo me falou o poeta Marcos de Farias Costa, aconteceu naturalmente e, sobretudo, pelas afinidades intelectuais. Assim, dividiram o espaço físico e compartilharam ideias de contestação política, dos costumes e da censura; nutriam o gosto pelo cinema de arte, pela literatura e pela política em plena ditadura e na vigência do Ato Institucional nº 5 (AI-5).

A turma da Praça Deodoro, constituída por Gildo Marçal Brandão, Djalma Cahet, Marcelino Máximo Dantas da Silva, Henrique Rodrigues, Rui Sales Costa, César Rodrigues, Imanoel Caldas, Denis Bernardes, flertava com o marxismo quando os espaços políticos se fechavam. As discussões nos pequenos salões e nas sessões do Cine Arte passaram a ocupar boa parte do tempo desses jovens irrequietos e contestadores.      

Os festivais de música, poesia e o Festival de Verão de Marechal Deodoro eram um dos fatores mobilizadores da energia de Beto Leão e dos demais jovens. A música, a poesia e as artes plásticas no final da década de 1960 impulsionaram a sua carreira.       

A sua participação no cinema inicia-se profissionalmente ao ingressar na equipe do cineasta Cacá Diegues durante as filmagens de Joana Francesa (1971), quando contracena com Jeanne Moreau, “a diva do cinema francês”. Ainda trabalhou com Cacá Diegues no filme Xica da Silva (1976). Já com Nelson Pereira dos Santos trabalhou como cenógrafo em Tenda dos Milagres (1977) e A Ilha dos Escravos (2008), dirigido por Francisco Manso.

Na Rede Globo trabalhou na novela Lampião e Maria Bonita como ator, e na equipe de produção de Rabo de Saia e Renascer, bem como nas minisséries O Tempo e o Vento, Quarup e Os Homens que eu Tive.

Na extinta TV Manchete foi o diretor de arte das novelas Kananga do Japão, Amazonas e Helena. Em São Paulo, atuou no SBT, tendo realizado a cenografia das novelas Éramos Seis, As Pupilas do Senhor Reitor e Sangue do Meu Sangue.

A sua obra cinematográfica é pequena; são três filmes curta metragem em vídeo: Um Baile no Paraiso (2002), A Casa dos Santos Alagoanos (2002) e Jayme Miranda, Vida e Luta (2006).

A ideia do documentário enfocando aspectos da vida do jornalista e dirigente comunista Jayme Miranda, fui eu quem sugeriu a Beto Leão. A minha participação foi com a pesquisa histórica e o pré-roteiro, a finalização foi realizada pelo cineasta Pedro Rocha.

Entre outros trabalhos no teatro, o último, salvo engano, foi como diretor, cenógrafo, figurinista, iluminador e criador da trilha sonora do espetáculo Graciliano, um Brasileiro (2004), com Paulo Poeta e Chico de Assis, apresentado em Alagoas e em outros estados do Nordeste, e no Rio de Janeiro, no programa Alagoas de Corpo e Alma.

Em 1979, na Galeria Alternativa, em Maceió, ocorre a sua primeira individual, com curadoria de Juarez Gomes de Barros. Só volta realizar outra individual em 2014, intitulada Ofícios, na Galeria Fernando Lopes, no Centro Universitário Cesmac, com curadoria de Carol Gusmão e participação da professora e poeta Vera Romariz. A exposição foi uma retrospectiva da produção artística de Beto Leão, compreendendo o período de 1970 a 2014.

Nesse evento também ocorreu a noite de autógrafos do livro Inversão de Orfeu, escrito nos anos setenta, organizado pelo professor Antônio José Rodrigues Xavier e editado pela Uneal em parceria com o Cesmac.

A capacidade de criação e de realização transformou-o num artista múltiplo. Em 1971, em companhia de Solange Chalita Lages, realiza um dos mais ousados eventos daquela época, o Festival de Verão de Marechal Deodoro. A temática girava em torno da música, poesia e artes plásticas.

Após o festival de verão muda-se para o Rio de Janeiro, onde passa a morar e de onde se projeta nacionalmente. O seu regresso a Alagoas acontece décadas depois, quando é convidado e assume o cargo de secretário da Cultura de Alagoas, no governo Ronaldo Lessa, função que exerce por dois anos (1999 a 2000).

Beto Leão foi um artista múltiplo, o mais brilhante de sua geração. Numa das sua músicas disse, referindo-se a Maceió:  

“(...) Mas eu vou voltar pra passear no mar”.

Bom passeio, Beto.   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Assembleia concede comenda Lêdo Ivo

  • 30/09/2015 19:39
  • Geraldo de Majella

 

 

O pesquisador Francisco Reinaldo Amorim de Barros, autor do ABC das Alagoas - dicionário biobliográfico, histórico e geográfico de Alagoas recebeu, no último dia 28/08, a comenda Lêdo Ivo, da Assembleia Legislativa de Alagoas. O deputado Davi Davino Filho foi o autor da proposta legislativa.  

Francisco Reinaldo, professor aposentado da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro, além do magistérios exerceu outras funções, como assessor do ministério da agricultura, do senado federal e também trabalhou na assessoria da Presidência da República na gestão de José Sarney.

Ao se aposentar deu inicio as pesquisas para escrever o ABC das Alagoas, a mais completa fonte de pesquisa já produzida sobre Alagoas em todos os tempos. O ABC das Alagoas desde que foi lançado em 2005, pela editora do Senado Federal, tornou-se numa obra de referência com informações sobre artistas, escritores, políticos, personalidades da vida pública – alagoanos ou com vínculo com Alagoas –, instituições, história e geografia.

A primeira edição teve mais de 6.000 verbetes e a segunda edição, em preparação, será lançada em novembro na Bienal do Livro de Alagoas, revista e ampliada, terá 10.000 verbetes.

 

        

Professor da UFAL denuncia ameaça da morte.

  • 26/09/2015 11:59
  • Geraldo de Majella

 

O professor Magno Francisco é um ex-militante do Movimento Estudantil da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), ativista social, articulador do Comitê Memória, Verdade e Justiça de Alagoas e primo do adolescente alagoano Davi da Silva, 17 anos, que se encontra desaparecido desde o dia 25 de agosto de 2014, após ser abordado por policiais da PM de Alagoas.

Magno Francisco, com a sua tia, mãe de Davi da Silva, tem feito uma ampla campanha por justiça e contra o extermínio da juventude pobre de Alagoas. Depois da repercussão do Caso Davi da Silva, o professor Magno Francisco recebeu ameaça de morte. Postou um vídeo na internet denunciando o fato.

É importante lembrar que Maria José, mãe de Davi, sofreu um atentando ao sair do trabalho, sendo atingida por um tiro na cabeça, noticiado como uma bala perdida, e felizmente sobreviveu.

Isso merece a atenção do governador Renan Filho, do secretário de Segurança Pública, Alfredo Gaspar de Mendonça, e do comandante da PM, coronel Lima Júnior. Essa denúncia feita pelo professor Magno Francisco precisa ser acompanhada pela área de Segurança e pela sociedade alagoana.

O que dona Maria José quer é a elucidação do crime e que o corpo do seu filho Davi Silva seja encontrado. Magno Francisco clama para que as autoridades da área de Segurança Pública mantenham-se atentas, passem a investigar o caso e localizem os autores das ameaças.

 

 

 

Abaixo a burguesia, viva o anarquismo

  • 07/09/2015 22:23
  • Geraldo de Majella

O militante anarquista mais conhecido em Alagoas é Nô Pedrosa. Nasceu em Santa Luzia do Norte (AL), há 75 anos, no dia 7 de setembro de 1940, e foi registrado com o nome de Walfredo Pedrosa de Amorim. Filho de Hermes Calheiros de Amorim e Lidia Pedrosa de Amorim. Por ironia do destino, nasceu no dia em que o Brasil comemora a Independência de Portugal.

        Nô Pedrosa pertence a uma família com tradição e militância política na esquerda alagoana. O irmão mais velho, o escritor e engenheiro Valter Pedrosa de Amorim, foi o primeiro que iniciou a militância política quando se filiou ao Partido Comunista Brasileiro (PCB), na segunda metade da década de 1950. Nô e Waldir Pedrosa de Amorim seguiram o primogênito; dos quatro irmãos, três militaram no PCB.

        O que liga as famílias Calheiros-Amorim a Miranda são os irmãos Hermes, irmão de Hermé Calheiros, que por sua vez casou-se com Manoel Simplício de Miranda e constituíram uma prole com dez filhos, entre eles, os jornalistas Jayme e Nilson Amorim de Miranda, dirigentes do PCB em Alagoas.

        Os primos constituíram um núcleo destacado na estrutura do PCB nas décadas de 1950 e 1960. O ativismo do jovem Nô Pedrosa ajudou a formar vários núcleos de jovens militantes comunistas no movimento estudantil secundarista e universitário.

        O golpe civil-militar de 1964 levou os irmãos Jayme e Wilton Miranda, Nô e Valter Pedrosa para o cárcere, e outros irmãos e primos para a vida incerta na clandestinidade. Nilson, Anivaldo, Waldemir e Clístenes Miranda tiveram de sair de Alagoas e viver em outros estados clandestinamente.

        Nô Pedrosa ao sair da prisão continuou a militância política, voltou a estudar na Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e a sonhar com uma possível resistência armada, e dessa maneira derrotar a ditadura. O tempo passou, prisões voltaram a acontecer, líderes estudantis foram presos e submetidos a tortura em Alagoas e por todas as partes do país.

        A delegacia de Ordem Política e Social (Dops) anotou na ficha do Nô Pedrosa, após o golpe civil-militar de 1964, o seguinte: “participou de todos os movimentos grevistas nos sindicatos filiados ao CGT, em companhia do comunista Nilson Miranda e outros. Tomou parte ativa nos comícios programados pelo CGT. Desenvolve atividades comunistas no meio dos estudantes. Distribui literatura comunista e boletins subversivos. Preso no movimento revolucionário de 31 de março de 1964”.  

        A militância comunista se esvai, e Nô Pedrosa torna-se cada vez mais um anarquista em franca aliança com os demais grupos de militantes de esquerda. Não deixa de ser curiosa a sua atitude. O que não mudou entre uma fase e outra foi a capacidade de aglutinar jovens seguidores. Fez da porta da biblioteca pública estadual e dos corredores da Ufal o seu palco de proselitismo político-ideológico.       

Esse personagem é uma raridade em nossos tempos, despojado de qualquer apego a bens materiais. Para muitos é tido como louco; para outros, é um ser integrado à paisagem urbana de Maceió e umbilicalmente vinculado à Biblioteca Pública Estadual (BPE).

O fato de nunca ter vendido a sua força de trabalho a qualquer patrão o torna um ser livre das amarras da sociedade capitalista. Encantado com os livros, continua a viver como nasceu: livre. De uma coisa ele não pode ser acusado: de que não gosta de livros e de bibliotecas. Fez disso um sacerdócio. Digo isso consciente de que estou proferindo uma heresia, já que o incrédulo anarquista talvez não entenda que o seu modo de viver é um sacerdócio.

Vida longa ao camarada Nô Pedrosa.

Meus irmãos.

  • 06/09/2015 09:44
  • Geraldo de Majella

(*)Tibério Canuto Queiroz Portela

 

Meus irmãos.


Eu tenho muitos irmãos.Precisaria de um ábaco para contá--los.
Nunca ví o rosto desses meus irmãos e sequer sei seus nomes.
Mas sei de sua dor. Eles fogem dos horrores de uma guerra insana e ensandecida, milhares de vezes mais maldita do que a Rosa de Hiroshima.
Essa bomba não destruiu apenas duas cidades. Destruiu um país, a Síria, de uma arquitetura e cultura milenar. E espalhou meus irmãos sírios pelo mundo.
Como não verter lágrimas ao saber que meus irmãos estão se afogando nas águas do Mediterrâneo e sendo marcados como se fossem gados?

Mas eu tenho outros irmãos, além dos sírios.
Eles estão nos campos de refugiados de palestinos, no Norte e no Chifre da África, e no Afagenistão, claro.
Meus irmãos são espoliados por coiotes, afixiados em caminhões, verdadeiras câmeras de gás ambulantes, atravessam mares em barcos mais frágeis do que os de papel.
E meus irmãos sobreviventes - sim, há sempre alguém que sobreviva, assim como sobreviveram alguns judeus nos campos de concentração nazista - são recebidos por uma Europa dura e insensível, preconceituosa, intolerante e racista.
Meus irmãos são todos os que fogem da fome, da guerra, da intolerância religiosa, étnica, cultural e política.
No Dia do Irmão quero abraçar todos e gritar bem alto:
"Eu tenho tantos irmãos que não os posso contar. E uma irmã muito formosa chamada Fraternidade".

(*) Jornalista

Povos Indígenas

  • 02/09/2015 09:56
  • Geraldo de Majella

 

O livro Povos Indígenas, do professor pesquisador Dr. Jorge Vieira, retrata a realidade dos povos indígenas do Brasil, tendo como enfoque o ressurgimento e reivindicação da garantia dos direitos constitucionais das doze etnias no Estado de Alagoas nas últimas décadas.

Secularmente massacrados e espoliados de seus territórios desde o período colonial, em 1872, o então presidente da presidente da Província de Alagoas, Luiz Rômulo Perez Moreno publicou em relatório anual a extinção dos povos indígenas existentes, possibilitando como isso a transferência dos territórios indígenas para terceiros. Um século depois, no final da década de 1970, esses povos emergem no cenário estadual e nacional lutando por reconhecimento étnico e os direitos a assistência em saúde, educação e demarcação dos territórios.

No contexto das celebrações oficiais dos 500 anos do Brasil, é feito um balanço das políticas indigenistas implantadas pelos governos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sustando o debate teórico sobre a esquerda e as diferenças étnicas.

Destacam-se nesse processo o papel das lideranças indígenas que se dedicaram ao apoio e à defesa dos direitos indígenas, a exemplo do cacique Genésio Miranda Geripankó e do pajé Antônio Celestino Xucuru-Kariri, como também das lideranças (in memorian) Maninha Xucuru-Kariri e Gecivaldo Xucuru-Kariri. Além dos sujeitos indígenas, registra-se o papel dos aliados, a exemplo da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Conselho Indigenista Missionário (CIMI), bispos, padres e professores universitários.

Na oportunidade serão homenageados o cacique Genésio Miranda Geripankó e o pajé Antônio Celestino Xucuru-Kariri pela luta em defesa dos direitos indígenas, além do jornal O Semeador da arquidiocese de Maceió, por seu centenário e publicação das lutas indígenas.

O lançamento ocorrerá no dia 11 de setembro de 2015, às 9h, em Sessão Pública proposta pelo deputado estadual Ronaldo Medeiros (PT), no Plenário da Assembleia Legislativa de Alagoas, com participação de autoridades civis e religiosas, lideranças indígenas e população alagoana.

O dia em que Deus criou Alagoas

  • 27/08/2015 06:51
  • Geraldo de Majella

 

Escrevi certa vez que Deus, além de brasileiro, era alagoano. 
Em verdade, não se cria um estado com tanta beleza, sem cumplicidade. 
Sou capaz de imaginar o dia da criação de Alagoas. 
Ô São Pedro, pegue o estoque de azul mais puro e coloque dentro das manhãs encarnadas de sol; faça do mar um espelho do céu povilhado de jangadas brancas; que ao entardecer sangre o horizonte; que aquelas lagoas que estávamos guardando para uso particular, coloque-as neste paraíso. 
E tem mais, São Pedro: dê a esse estado um cheiro sensual de melaço e cubra os seus campos com o verde dos canaviais. 
As praias... Ora, as praias deverão ser fascinantementes belas, sob a vigilância de ativos e fies coqueirais. 
Faça piscinas naturais dentro do mar; coloque um povo hospitaleiro e bom; 
e que a terra seja fértil e a comida típica melhor que o nosso maná. 
Dê o nome de Alagoas e a capital pela ciganice e beleza de suas noites, 
deverá chamar-se Maceió e a padroeira; 
Nossa Senhora dos Prazeres.

Noaldo Dantas

Brasil Mais Seguro: com a palavra o ministro José Eduardo Cardoso.

  • 20/08/2015 14:40
  • Geraldo de Majella

 

O programa Brasil Mais Seguro foi lançado com pompa pelo ministro da Justiça José Eduardo Cardoso ainda na gestão do governador Teotônio Vilela, em 2012.  Alagoas estava – e continua ainda - acumulando altos índices de criminalidade. A repercussão negativa dos números crescentes da violência em Alagoas, fez com que o Ministério da Justiça, a toque de caixa, implantasse o programa Brasil Mais Seguro.

A ideia continua sendo louvável. Mas falta efetividade na construção e execução do programa. A pactuação  entre os entes federados estabelecida através de um convênio é um ato formal, apenas. Pouca consequência tem tido. Dezenas de itens teriam de ser executados pelo governo federal, pelo estado de Alagoas e pela prefeitura de Maceió e não foram até agora. Muito pouca coisa tem sido realizada. A não ser os repasses financeiros mensais destinados ao pagamento das diárias dos membros da Força Nacional pelo Ministério da Justiça que estão trabalhando em Alagoas.

O ministro José Eduardo Cardoso aproveitando a sua passagem por Maceió poderia prestar contas à sociedade alagoana das ações do programa Brasil Mais Seguro. Assim a sociedade ficaria informada do andamento do programa de sua autoria que “servirá" de protótipo para a redução da violência no Brasil.

Com a palavra o ministro José Eduardo Cardoso.

  

Lava-Jato e as Mãos Limpas

  • 05/08/2015 15:43
  • Geraldo de Majella

No Brasil como na Itália, a corrupção foi institucionalizada. Disso, creio que não haja qualquer sombra de dúvida. E também não há dúvida de que as mudanças no cenário político nacional têm sido percebidas como um sinal de mudança qualitativa no Brasil. Os moradores dos andares de cima nunca foram incomodados pela ação do Estado; agora, para surpresa geral, estão tendo de se explicar diante da Polícia Federal e do Ministério Público Federal.

        O andar de cima da sociedade brasileira é constituído pelos megaempresários e diretores de empresas privadas, por dirigentes de grandes empresas estatal, no caso específico da Petrobras, a maior empresa do Brasil e uma das grandes no ramo petrolífero no mundo. E os políticos com mandatos, ex-parlamentares, ministros e ex-ministros de Estado e do Tribunal de Contas da União. E um séquito de operadores de níveis variados.

O modo de olhar por sobre os ombros, como quem diz: “não vai dar em nada”. Esse modo conformado de encarar a vida nacional tinha realmente prevalecido diante de mudanças quase imperceptíveis ocorridas.

A primeira mudança é que o Brasil completou trinta anos de normalidade democrática. Nesse período, largo para uma história pontilhada de quarteladas e golpes militares, nada de anormal ocorreu. As instituições funcionaram sem sustos de fantasmas oriundos das casernas. Esse é um ganho “nunca antes visto na história desse país”.

A segunda mudança vem ocorrendo num ritmo relativamente lento, mas constante. É a renovação de áreas do Estado brasileiro, como a Polícia Federal, o Ministério Público Federal e a Controladoria-Geral da União, órgãos vitais na modernização do Estado brasileiro. Esses e outros órgãos foram fortalecidos e/ou criados durante o regime democrático, ou seja, a partir de 1985.

A operação Mãos Limpas na Itália teve como saldo a investigação de 6.059 pessoas, dentre elas 872 empresários, 1.978 administradores e 438 parlamentares, dos quais quatro haviam sido primeiros-ministros.

A Lava-Jato está longe do fim. Os números relativos aos investigados correm em segredo de justiça e são parciais, mas o resultado político e econômico é alvissareiro. É possível manter-se esperançoso no Brasil, e tão importante quanto o aprofundamento de operações de combate à corrupção é o brasileiro permanecer vigilante e jamais desacreditar na democracia.

A opinião pública, na democracia, é quem controla os agentes estatais e as empresas privadas. As mudanças qualitativas por que o Brasil está passando necessitam de aprofundamento. 

O Brasil esta mudando, o Brasil precisa continuar no caminho das mudanças.

 

  

 

Perseguido pela Ditadura Militar pós-64, o Professor Marques de Melo foi declarado Anistiado Político pelo Ministério da Justiça.

  • 20/07/2015 11:00
  • Geraldo de Majella

 

Presidente da Comissão Nacional de Anistia  formalizou pedido de desculpa  do Estado Brasileiro pelos prejuízos ao itinerário intelectual do Primeiro Doutor em Jornalismo do Brasil  e pelos sofrimentos causados à sua  família,  naquele período.   Co-fundador da ECA-USP,  INTERCOM e ORBICOM,  Jose Marques de Melo exerce, há 20 anos,  o cargo de Diretor-titular da Cátedra UNESCO   de Comunicação na Universidade Metodista de São Paulo.

 

Reunida em Brasília para deliberar sobre casos pendentes,  a Comissão nomeada pelo Ministro da Justiça  para aplicar a legislação da Anistia Política aos cidadãos penalizados  pela Ditadura de 1964, examinou, no dia 13 de julho de 2015,   o processo de n. 2009.01.63528, referente à declaração do Prof. Dr. José Marques de Melo como anistiado político e à conseqüente reparação  a que faz jus nos termos da lei.

Analisado judiciosamente pelo Conselheiro Manuel Severino Moraes de Almeida, o processo culminou com o parecer que atesta a perseguição sofrida pelo Requerente,  evidenciada em  documentos fidedignos, justificando-se portanto o seu “deferimento”. Posto em votação, o relatório foi aprovado por unanimidade.

Antes de proferir o veredicto processual,  o Presidente   Paulo Abrahão notificou a presença, no recinto,   do  Prof. Dr. Marcelo Briseno Marques de Melo e de sua esposa, a Dra. Priscila Zerbinato Marques de Melo, respectivamente filho e nora, representando  o Requerente, impossibilitado de comparecer ao ato, por motivos de saúde :

Declaro formalmente o Sr José Marques de Melo anistiado político brasileiro, por decisão unânime desta Comissão de Anistia.  Neste momento,  o Estado Brasileiro formaliza o pedido de desculpas pelas perseguições, pela prisão, pelo tempo em que esteve afastado do seu emprego e por todos os reflexos causados também à sua família.”

Finalizando a sessão, o Dr. Abrahão informou que os “autos do processo de Anistia”, conforme recomendação do Relator Moraes de Almeida, serão enviados para a Comissão da Verdade na USP, com a finalidade  de “contribuir para o desenvolvimento dos trabalhos e acesso ao direito à memória e à verdade da mesma instituição”. 

Retrospecto

José Marques de Melo iniciou sua trajetória intelectual como jornalista, engajando-se no movimento estudantil,  no começo dos anos 60, na cidade de Recife. Integrou a delegação pernambucana que participou do histórico Congresso da UNE no Hotel Quintandinha (Petrópolis).  Foi protagonista de episódios notáveis como a mobilização da imprensa para cobrir as visitas de Célia Guevara e Joffre Dmazedier ao Nordeste.

Respaldando a ascensão política de Miguel Arraes, veio a integrar sua equipe de governo nas áreas de educação e cultura. Preso e processado pelos golpistas de 1964, viu-se na contingência de migrar  para São Paulo, contratado para lecionar na Faculdade de Jornalismo mantida pela Fundação Cásper Líbero e prestando concurso na Universidade de São Paulo para integrar o corpo docente fundador da Escola de  Comunicações Culturais.

Em ambas as instituições,  enfrentou resistências e sofreu perseguições, encabeçando a lista dos professores que o General Ednardo D`Avila, comandante do II Exército,  rotulou como  “subversivos”, determinando sua defenestração do sistema universitário. Por se tratar de documento sigiloso, os atos dele decorrentes permaneceram inacessíveis (alguns incinerados), na tentativa  de assegurar a incolumidade dos funcionários que integravam o “terceiro estágio”, atuando como “dedos-duros” nas “assessorias de segurança e informação” dos Reitores que abdicaram das prerrogativas da autonomia universitária, nos estertores do regime militar (particularmente no período 1974-1979), quando cresciam em todo o país os clamores pela Anistia.

Fortuna crítica

Antecipando-se à decisão histórica da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, a Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação – INTERCOM – acolheu proposta no sentido de homenagear o fundador da entidade, publicando a coleção Fortuna Crítica de José Marques de Melo (São Paulo, INTERCOM), reunindo textos exegéticos da sua obra acadêmica, escritos por mais de uma centena de colegas e discípulos, em 4 volumes: 1 – Jornalismo e Midiologia, 2-  Teoria e Pesquisa da Comunicação, 3 -   Comunicação, Universidade e Sociedade, 4 – Liderança e Vanguardismo – cuja organização  coube a Osvando J. de Morais, Sonia Jaconi, Eduardo Amaral Gurgel,  Iury Parente Aragão e Clarissa Josgrilberg Pereira.

A coleção está sendo doada pela INTERCOM a bibliotecas e centros de pesquisa em comunicação de todo o país, simbolizando o espírito de luta do Guerreiro Midiático (como foi caracterizado o Professor Marques de Melo pelo seu biógrafo Sergio Mattos), não esmorecendo em sua epopéia para legitimar as ciências da comunicação no Brasil.

Medalha de ouro

No dia 5 de setembro de 2015, às 19 horas, no Rio de Janeiro, durante o 38º. Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, o Diretor do  CIESPAL, Francisco Sierra, fará entrega da Medalha de Ouro que representa o reconhecimento da comunidade acadêmica da comunicação aos  3 mais importantes Pensadores da Comunicação na América Latina. Ao lado do Professor Marques de Melo, figuram, nessa distinção, o boliviano Luis Ramiro Beltrán e o colombiano Jesus Martin Barbero.

Outras homenagens

No próximo dia 20 de agosto, o Professor Marques de Melo recebe o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Estadual de Alagoas. Ainda não foi agendada a solenidade em que a Universidade Federal do Piauí lhe outorgará semelhante comenda.

Fonte: Cátedra UNESCO/UMESP de Comunicação / 17/07/15

 

 

 

 

 

 

17 de julho de 1997, dezoito anos depois

  • 17/07/2015 22:54
  • Geraldo de Majella

(*) Kátia Born

O dia 17 de julho de 1997 passou para a história de Alagoas como o dia em que o povo exigiu, nas ruas de Maceió, a renúncia do governador Divaldo Suruagy. A crise moral, ética, econômica e administrativa tornou o nosso Estado ingovernável. Os funcionários públicos ficaram durante dez meses sem receber os seus salários e o crime organizado controlava integralmente a segurança pública.

A administração se achava nas mãos de um secretário da Fazenda que conduziu calma e seguramente o Estado ao maior abismo econômico do século XX. Alagoas ficou à deriva. Era o fim do ciclo iniciado em 1983, quando a fraude derrotou José Costa e a administração estadual consistia num condomínio que algumas famílias e a oligarquia dominavam a ferro e fogo.

Amanheci o dia 17 de julho no programa do França Moura, na Rádio Gazeta de Alagoas. Era possível perceber o clima pesado. As lideranças sindicais achavam-se nas ruas de Maceió já no início do dia; policiais militares e civis armados, em meio a milhares de servidores e populares, marchavam em direção à praça Dom Pedro II, onde fica a Assembleia Legislativa. Tudo poderia acontecer, até mesmo um banho de sangue. Certamente muitos poderiam morrer crivados de balas dos militares.

Durante o dia 16 recebi informações da assessoria militar do meu gabinete, de companheiros do movimento sindical e de outras fontes, inclusive de oficiais superiores do Exército brasileiro. Nada indicava que o dia 17 seria um dia em que os servidores fariam mais uma passeata denunciando o estado de miséria e abandono.

Ao amanhecer o dia 17 de julho, o prédio da Assembleia Legislativa foi tomado militarmente pelo Exército. As tropas ocuparam-na ostensivamente e se postaram em sentido de defesa do Poder Legislativo. Os militares da PM, sob o comando da suas entidades de classe, também se postaram em posição de ataque. Estava montado o cenário ideal para a guerra anunciada.

Antes do dia 17 de julho mantive contatos com militares das Forças Armadas, que me externaram preocupação com a situação caótica e, sobretudo, pelo claro, para eles, descontrole na segurança pública. A cadeia de comando na Polícia Militar estava combalida, segundo avaliação de oficiais superiores do Exército, o que para eles era um fato inconcebível.

Os militares residentes em Alagoas acompanhavam o dia a dia e, pasmem, não acreditavam que a Polícia Militar fosse capaz de manter a ordem, e muito menos a segurança pública, devido à insubordinação da tropa e ante a possibilidade de ocupação do Palácio Floriano Peixoto ou mesmo da Assembleia Legislativa.

O descontrole e a crescente mobilização dos servidores civis e militares e da população indicavam a gravidade dos fatos. Aumentava ainda mais a crise de Poder, evidenciando a ingovernabilidade.

A sucessão de tragédias familiares vinha acontecendo dia após dia. Funcionários públicos desesperados cometiam suicídio: assassinavam seus familiares e em seguida atentavam contra a própria vida. A falência no comércio em Maceió e nas cidades do interior crescia enormemente; um rastilho de sangue e dor se propagou por toda Alagoas.

Terminada a entrevista com o radialista França Moura, fui ao encontro da multidão de funcionários públicos e populares na praça Dom Pedro II. Senti-me no dever de entrar no prédio do parlamento estadual, ocupado pelo Exército. Pelo microfone do carro de som dos manifestantes falei a todos e disse que iria como prefeita de Maceió adentrar o prédio. Postei-me entre os militares da Polícia Militar de Alagoas e dos policiais civis, e juntos derrubamos as grades – menos pela nossa força física e muito mais pela aglomeração da multidão forçando as grades. Desse momento em diante foi aberto fogo pelos militares do Exército. Felizmente, diante da multidão enfurecida, os militares recuaram.

A cena de guerra, a derrubada da grade e todo o clima de quase insurreição popular certamente abreviaram a renúncia do governador Divaldo Suruagy. O dia 17 de julho de 1997 mudou Alagoas. E o Partido Socialista Brasileiro (PSB) nesse contexto contribuiu enormemente para que ocorressem mudanças significativas em Alagoas.

(*) Dentista, ex-prefeita de Maceió e ex-Secretaria de Estado da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos.

Ainda sobre a violência na escola

  • 08/07/2015 23:48
  • Geraldo de Majella

 

A violência tem mudado o comportamento de pessoas e de instituições nos grandes centros urbanos, mas também em pequenas cidades do Brasil e do mundo. O senso de autoproteção manifesta-se e perpassa todas as classes sociais, mudando apenas a maneira da defesa. Individualmente, o cidadão de classe social mais abastada ergue muros intransponíveis, instala sistemas de vigilância eletrônica em suas residências e/ou condomínios, contrata guarda-costas, cria cães ferozes, investe parte significativa da sua economia para a própria proteção e a dos familiares.

        As instituições públicas e privadas utilizam-se dos modernos recursos tecnológicos à disposição no mercado. As pessoas cercam-se com redes elétricas contra bandidos e passam a viver a sensação de segurança, sendo diuturnamente vigiadas pelos olhos eletrônicos das câmaras.

        É perceptível a formação de enclaves em meio às cidades. Toda a energia “intelectual” volta-se para a defesa do patrimônio público e/ou privado, muitas vezes como se fosse um fim em si mesmo.

        Diante dessa realidade cruel, a escola está a caminho célere da blindagem. Está convertendo-se em pequenas fortalezas em meio a uma crescente área de excluídos social e economicamente que vivem nas periferias das cidades. Os condomínios residenciais de classe média tentam livrar-se da insegurança, como se isso fosse possível. É comum, hoje, nas escolas o gradeamento, os sistemas eletrônicos de proteção deixando transparecer que na escola, assim como nos presídios, há algo de semelhante à estética da segurança através dos muros altos ornados por lanças de metal ou cacos de vidros.    

        Criminalizar a pobreza certamente não é o caminho para entendermos o fenômeno do crescimento da violência em nosso país, mas serve para ficarmos atentos à brutal e crescente desigualdade social que o modelo capitalista tem imposto globalmente. Pela gravidade do problema devemos refletir se esse tipo de sociedade é satisfatório. Eleger o consumo, mais que isto, cultuando-o como se divindade fosse.

O que dizer da outra ponta do problema? A falta, cada vez maior, de perspectiva de futuro para os jovens que chegam ao mercado de trabalho, mundialmente exigente, sem que tenham tido oportunidade de estudar em escola pública de qualidade, torna-os inevitavelmente incapazes de ascender socialmente através do trabalho digno na indústria, no comércio, no setor bancário ou como funcionários públicos.

        Evidentemente que a pobreza e a miséria de maneira isolada do contexto social não explicam a crescente violência, nem são a fonte geradora de tal fenômeno. Para resolver a questão é preciso refletir sobre o fato, com a devida responsabilidade e agilidade que a situação requer. Interferir mudando o modo de pensar os fenômenos e as situações excepcionais. A violência é um tema que deve despertar o Estado e a sociedade em conjunto, para enfrentar esse “dragão da maldade”.

        As ideias que nortearam a manutenção da ordem dentro dos muros da escola de há muito foram superadas pela vida e, claro, pelas circunstâncias a que a escola foi submetida: ao desprezo e paulatinamente ao desmonte físico, como se fosse a terraplanagem da sociedade da ignorância – sem escola pública para os filhos da classe média e para os filhos dos trabalhadores de baixa renda.

        O espaço público que é a escola transforma-se num enclave, sendo também uma vitima da violência. A incivilidade e a agressão recorrente no interior e no entorno da escola têm sido motivos de esgarçamento dessa tão importante instituição.       

        Recortemos os tipos de manifestações de violência que há em outras localidades e passemos a trabalhar com o que atinge frontalmente o caso alagoano. Logo veremos que estamos num ponto intermediário entre as regiões conflagradas do Sudeste e do Nordeste brasileiro.  

 

 

 

A Violência na Escola

  • 02/07/2015 12:02
  • Geraldo de Majella

​ ​

A violência tem se manifestado de forma crescente e variada na sociedade brasileira. Em algumas regiões, como as metropolitanas, que são densamente habitadas, as ações ligadas ao consumo e tráfico de drogas têm causado transtornos à população de um modo geral. Sejam moradores das favelas, da classe média ou da elite, o fato real é que ninguém, hoje em dia, está imune aos efeitos danosos da violência.

        A escola, por definição, é um espaço aberto e democrático, mas tem sido nas últimas décadas, palco de ações violentas. Deixou de ser incomum atos isolados de rebeldia e até mesmo de violência praticada por alunos, que a despeito de algum tipo de problema emocional ou pequenos desentendimentos ocasionais, eram resolvidos através do dialogo na sala do coordenador(a) pedagógico ou, em casos mais graves, na direção. Felizmente, porém, tais ocorrências não chegavam a afetar o cotidiano da escola ou colocar em risco a segurança coletiva da unidade de ensino.

        Esse território, a escola pública ou privada, instituído legalmente e respeitado por todos por ser área destinada exclusivamente ao saber e à formação intelectual, moral e ética dos alunos tem se tornado, notadamente, nos centros urbanos mais adensados do Brasil, em localidades de grande risco, inclusive de vida.

        Diante da crescente violência na escola enquanto espaço físico, os alunos, professores e funcionários têm se tornado presas fáceis dos traficantes, sejam “varejistas” que vendem, consomem e convivem, muitas vezes, como aluno e/ou com os alunos no mesmo ambiente, fazendo desse  espaço e do entorno,  ponto de comercialização de drogas, atraindo com essa relação todas as mazelas originadas pelas disputas do comércio de drogas junto às crianças e adolescentes.

        As constatações de que tem aumentado o número das manifestações de violência na sociedade, seja no trânsito, nos lares, nos esportes ou nas escolas é evidente, mas resta saber o que os educadores podem fazer para tentar estancar essa “hemorragia” que não pára de sangrar. Claro que não será a escola isoladamente que vai reverter esse quadro geral de expansão da violência. No entanto algumas perguntas devem ser feitas, diante desse grave problema. Tem sido discutido nas salas de aulas e nas reuniões de professores uma saída para tão sufocante questão? Ou isso é um problema da polícia?

        O comum e usual no ambiente escolar é rapidamente deslocar a discussão colocando como uma questão onde a responsabilidade é da polícia pura e simplesmente. Assim, criminalizando o problema, talvez se encontre uma solução duradoura e quem sabe segura para todos: escola, alunos, funcionários e família.

        A complexidade da questão é a chave do problema. Se fosse de fácil resolução a policia já teria resolvido. Mas essa questão é bem mais complexa do que se imagina, devendo envolver outros atores na discussão. Chegando-se a um ponto de convergência, principalmente, entre os formuladores de política de segurança: que só a atuação da polícia não resolve o problema.

        Há uma necessidade de se realizar estudos aprofundados e integrados, pois quem está na ponta do sistema, nesse caso em particular, são os profissionais da educação, que não têm experiência e nem formação específica para tratar da questão como especialistas. Para tanto, a multidisciplinariedade, a parceria com Organizações Não Governamentais e a rápida integração da escola com a comunidade, poderão ser saídas pontuais para o problema da insegurança na escola.

Com essa constatação, o distanciamento que há entre escola e comunidade, se torna um dos problemas centrais na relação de poder interno na escola. E nesse caso cabem dois questionamentos: se a violência está no interior da escola e também no seu entorno, ou seja, na comunidade, por que atrair essa população “violenta” para a escola? E, como a escola vai se relacionar com essa gente? Penso que estes são elementos chaves para o problema.

        Exigir da escola que mude sua forma de agir, já tradicional e secular é algo difícil, mas perfeitamente possível. Porém deve ser em sintonia e aberta ao novo, que é o seu envolvimento no enfrentamento do problema da violência, e portanto na falta de segurança no seu cotidiano. Esse tipo de questão jamais foi pensada, pelo menos nessa magnitude e urgência. É chegada a hora.

A História de Alagoas agora está na internet

  • 25/06/2015 09:38
  • Geraldo de Majella

O jornalista Edberto Ticianeli teve a ideia e desenvolveu um site que é uma novidade sobre como ver a história de Alagoas com olhares da nossa época, em pleno reinado das imagens.

No História de Alagoas em Fotos (www.historiadealagoas.com.br), o internauta pode navegar por uma quantidade surpreendente de temas da nossa história, nunca abordados em sala de aulas, por exemplo.

        Os movimentos sociais estão presentes em diversos campos, como o movimento estudantil, o movimento sindical e de moradores. Todas essas áreas são fartamente abordadas sempre de forma muito ilustrada, com fotografias inéditas.

        Temas como o quilombo dos Palmares e os remanescentes quilombolas, os indígenas alagoanos, os movimentos sociais que lutaram e lutam pelos direitos das mulheres e as religiões passarão a constituir na principal plataforma de informação sobre a história de Alagoas.

        Os partidos políticos, as personalidades, a memória urbana e o fotojornalismo dão uma dimensão do quanto poderá crescer o registro da história de Alagoas na internet, num site tão abrangente.

        Há também os Ebooks grátis de autores alagoanos ou que tratem de temas da história de Alagoas em qualquer período. Em breve a obra do ecologista, militante político e político alagoano, Octávio Brandão, será disponibilizada.

        O historiador Osvaldo Maciel, professor da UFAL, já autorizou a postagem de dois dos seus livros e artigos.

        Os meus livros, quatro deles, estão acessíveis para downloads gratuitos pelo site, os outros virão em seguida.

Outra novidade do site é a interatividade. Há um grupo no Facebook com o mesmo nome, onde qualquer pessoa pode contribuir para a História de Alagoas em Fotos. É a história como construção coletiva.

 

 

Fecoep: dinheiro na mão é vendaval

  • 22/06/2015 09:05
  • Geraldo de Majella

 

O Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza – Fecoep é uma iniciativa do ex-governador Ronaldo Lessa, criado pela lei 6.558, de 30 de dezembro de 2004. O fundo tem o “objetivo de viabilizar para toda a população de Alagoas o acesso a níveis dignos de subsistência, cujos recursos serão aplicados exclusivamente em ações suplementares de nutrição, habitação, educação, saúde, saneamento básico, reforço de renda familiar e em outros programas de relevante interesse social, voltados para a melhoria da qualidade de vida”.

        A redução da miséria em Alagoas não está relacionada – pelo menos nunca ficou explícito através de indicadores – aos recursos destinados ao Fecoep pela arrecadação correspondente ao adicional de 2% na alíquota do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS).

        O Portal da Transparência disponibiliza os dados de gastos do Fundo, da ordem de R$ 185.920.547,93 nos anos de 2010 a 2013. Esses recursos são apenas uma parte menor do que foi arrecadado em mais de uma década de existência do Fecoep.

        O Portal da Transparência não disponibilizou os dados referentes aos anos anteriores. Estimo que o Fecoep tenha arrecadado algo como 420 milhões de reais desde 2005 até maio de 2015.

O Fecoep foi criado com um período determinado: seria de 1º de janeiro de 2005 a 31 de dezembro de 2010.

        É necessário repensar o papel do Fecoep, torná-lo transparente, com metas e controle. Isso é tão importante como a elaboração do Plano Estadual de Combate à Pobreza, conforme o artigo 5º, inciso VI, pelo Conselho Integrado de Políticas de Inclusão Social.

Os alagoanos precisam saber que aproximadamente 420 milhões de reais já foram gastos no combate à pobreza em Alagoas e que os indicadores não mudaram em nada.

O governador pode operar mudanças efetivas, modernizadoras e transparentes no funcionamento do Fecoep, com as quais as ações possam ser monitoradas e os resultados quantificados através de indicadores de eficiência.

Assim as práticas antigas, clientelistas, eleitoreiras que também induzem aos desvios de finalidades, poderão ser erradicadas, bem como a pobreza. Não faltam organismos com respeitabilidade e experiência na área de controle e monitoramento.

Se não houver mudanças no Fecoep, como diz o samba do Paulinho da Viola, “dinheiro na mão é vendaval”.

Governar é fazer escolhas.

  • 10/06/2015 23:09
  • Geraldo de Majella

 

Esse jargão usado pelos políticos é antigo e surrado. Aparece com ar de novidade nas crises econômicas, e isso não causa estranheza, pois quem primeiro sai perdendo são os trabalhadores.

        Os governos diligentes cortam gastos e investimentos. É a primeira medida. O orçamento é contingenciado. Outra palavra mágica a ser pronunciada pela presidente da República e em coro pelos ministros.  

        Os cortes incidem nos “gastos” em áreas essenciais como educação, saúde e na seguridade social. É a regra nesses momentos.   

Na Esplanada há ministérios de primeira e segunda classe, e há também os inclassificáveis: as secretarias com status de ministérios, criadas para coordenar políticas públicas dos grupos sociais historicamente vulneráveis e, acrescente-se, com alto grau de invisibilidade para o Estado brasileiro.

Em Alagoas a crise fez morada há 25 anos. O Estado quebrou e não conseguiu honrar sequer o pagamento dos salários dos funcionários públicos e as dívidas com os fornecedores.

O governador de então renunciou, e o presidente Fernando Henrique Cardoso fez uma intervenção branca na Secretaria da Fazenda, na Segurança Pública e no comando da Polícia Militar, enviando secretários e militares de Brasília para administrar Alagoas.

O saldo da intervenção branca foi a demissão de cerca de 25 mil funcionários através do Programa de Demissão Voltária (PDV), opção oferecida após dez meses de atraso dos salários.  

A estrutura administrativa melhorou nesses 16 anos, nos governos Ronaldo Lessa e Teotônio Vilela, mais ainda é insuficiente. A saída da insolvência para o atual estágio é visível.

Diante da atual crise, o governador Renan Filho já fez as suas escolhas: cortou “gastos” nas áreas essenciais como educação, saúde, segurança pública e cidadania e direitos humanos. Seguindo a receita da presidenta Dilma Rousseff e de sua equipe econômica.

A estruturação do sistema de proteção e garantias dos direitos humanos em nível estadual teve avanços e recuos durante os governos Ronaldo Lessa e Teotônio Vilela, e estava se consolidando com a participação dos movimentos sociais e das ONGs.

E agora, qual foi a escolha feita? O esvaziamento em nome da crise. O custeio dessas áreas historicamente sempre foi pequeno, raquítico. Insuficiente para a manutenção dos trabalhos da Secretaria da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos havia o mínimo de funcionários para executar os trabalhos da pasta.

O corte atingiu tão profundamente que paralisou a Secretaria da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos nada funciona, nem a área administrativa tem desempenho mínimo.    

Alagoas é o estado mais violento do Brasil, e Maceió é uma das cidades mais violentas do mundo. A crise econômica que assola o estado de Alagoas não é motivo para desmantelar um sistema ainda incipiente de defesa, promoção e garantia dos direitos humanos.

   Há conselhos de proteção à criança e ao adolescente, igualdade racial, LGBT, direitos humanos, à pessoa com deficiência, e o comitê de prevenção e combate à tortura. Todos esses órgãos estão sob a responsabilidade da Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos. O desmonte é um fato incontestável.

A Secretaria da Juventude, Lazer e Esportes foi criada com o objetivo de estruturar políticas públicas para a juventude de Alagoas, segmento com maior taxa de homicídios. Nem assim há sinais de priorização; o índice de insensibilidade é absoluto. O que vigora é o discurso da “guerra” contra a marginalidade.  

        Os jovens, por falta de políticas públicas, optam pela marginalidade. São vitimas da falta de políticas públicas e alvo da política de extermínio da juventude negra, pobre e moradora da periferia de Maceió e das cidades do interior.

As escolhas foram feitas.  

Minhas Alagoas São Outras II

  • 03/06/2015 19:29
  • Geraldo de Majella

 

Marechal Deodoro surge em 1611, quando foi construída uma casa assobradada, sendo batizada como Madalena do Sumaúma. Muda várias vezes de nome nos três séculos seguintes: passa de Madalena do Sumaúma para Santa Maria Madalena da Alagoas do Sul, Alagoas do Sul e, mais tarde, simplesmente Alagoas, quando se torna, em 1817, capital da Província por ato régio de D. João VI, rei de Portugal, e finalmente Marechal Deodoro, homenagem prestada em 1939 pelo governo de Alagoas ao proclamador da República.   

Em 1633 sofreu com a invasão holandesa: canaviais, casas e a primitiva igreja matriz, nada foi poupado do incêndio batavo.

O patrimônio arquitetônico e histórico é a herança deixada do período colonial. O desafio para a atual geração e as futuras é manter e preservar esse bem cultural de valor inestimável.

O conjunto de imóveis restaurados e em condições de receber visitas é considerável, a começar pela igreja Santa Maria Madalena e pelo convento de São Francisco, a igreja da Ordem Terceira de São Francisco, as igrejas Senhor do Bonfim, de Nossa Senhora do Amparo e a igreja matriz de Nossa Senhora da Conceição, além do convento e da igreja do Carmo, o Palácio Provincial, a Cadeia e a Casa de Câmara.

O casario, nem sempre conservado, é um cenário cinematográfico e pode transportar o morador e o visitante ao período colonial da história brasileira. E as ruas estreitas remetem aos nossos ancestrais, escravos, índios, soldados e senhores de engenhos, gente que construiu Alagoas, com trabalho, suor e lágrimas.

A marca registrada da cidade é a música e as suas festas sagradas e profanas realizadas em todos os povoados.

O Festival de Verão tornou-se uma referência como evento cultural na década de setenta para os alagoanos. Nas várias edições do festival apresentaram-se artistas como o cantor Luiz Gonzaga, a cantora Maria Alcina, os Quintetos Violado e Armorial, este uma inspiração do escritor Ariano Suassuna, a dupla Toquinho e Vinicius de Moraes, entre outros.

A realização dos festivais foi um gesto ousado diante das dificuldades impostas pela ditadura civil-militar, que exercia controle sobre as pessoas e os eventos, desde a política e as manifestações artísticas até o comportamento da juventude.   

Os órgãos de informação, como a Delegacia de Ordem Politica e Social – Dops, em Alagoas, geraram prontuários onde eram relatadas as atitudes e o comportamento dos jovens “transgressores da ordem”, na ótica do regime, com cabelos e barbas longas, gestos livres de viver e encarar a vida, e até mesmo consumir maconha, a droga ilícita mais usada naqueles tempos.

Em 1979, na praia do Francês, os banhistas, a maioria jovens, ouviram pela primeira vez um trio elétrico: o Trio Elétrico Tapajós. Até hoje essa geringonça continua alegrando o povo.

Andar pelas ruas de Marechal Deodoro é prazeroso, tanto quanto saber que aquela terra nos deu bons artistas e intelectuais, como o político e escritor Aureliano Candido Tavares Bastos, o artista plástico Rosalvo Ribeiro, o jornalista e escritor Aylton Quintiliano, a poeta e escritora Arriete Vilela, e o músico Nelson da Rabeca, que embora haja nascido em Boca da Mata (AL), foi em Marechal Deodoro que se projetou para o Brasil.

A Festa Literária de Marechal Deodoro (Flimar) é, depois da Bienal do Livro de Alagoas, o mais importante evento cultural do estado. A literatura e as artes dão as mãos durante três dias de intenso convívio entre escritores e leitores, no salão, nas ruas da cidade e na praia do Francês.

Salve Marechal Deodoro!