Raízes da África
Raízes da África

Postado em 25/09/2016 às 18:49 0

Presidente da Fundação Palmares prestigia a 2ª edição do Projeto Ocupação Preta.


Por Arísia Barros

 

Na última quinta-feira, dia 22/09,o presidente da Fundação Cultural Palmares, em Brasília,entidade ligada ao Ministério da Cultura, Erivaldo Oliveira, compareceu à ação denominada Ocupação Preta , em Maceió,AL.

O Projeto Ocupação Preta, idealizado pelo Instituto Raízes de Áfricas,  aconteceu no Shopping Pátio Maceió, localizado no Tabuleiro do Martins.

  Erivaldo Oliveira foi recepcionado por Arísia Barros, coordenadora do Instituto Raízes de Áfricas e idealizadora  da ação.

Aproveitando a ocasião, a coordenadora, apresentou ao presidente , a primeira edição do jornalzinho Eku abo ( lançado na atividade, em parceria com a SECOM) e um exemplar da Cartilha  Omirá, sobre a saúde da população afro-brasileira.

Em sua fala, o presidente da Palmares destacou a ação de articulação do Instituto  Raízes de Áfricas, com o governo do Estado objetivando  substanciar políticas públicas e citou como exemplo a proposição do Fundo Estadual para a Promoção da Igualdade Racial.

Acompanharam o presidente,  o coordenador-geral do Centro Nacional de Informação e Referência da Cultura Negra, Vanderlei Lourenço Francisco, a coordenadora Departamento de Proteção ao Patrimônio Afro-Brasileiro, Carolina Conceição Nascimento e Márcia Uchoa, diretora do Departamento de Fomento e Promoção da Cultura Afro-Brasileira.

 

O Projeto Ocupação Preta

O Projeto Ocupação Preta objetiva uma abordagem inédita, como estratégia provocativa e de enfrentamento ao racismo social e institucional, buscando  a construção dos diagnósticos das ruas.

 A proposta é ocupar espaços/territórios, buscando dar destaque às demandas da população preta.

 Nessa edição contou com o apoio institucional do Shopping Pátio Maceió, Secretaria de Estado da Saúde, Agência Desenvolve  e Secretaria de Estado da Comunicação-SECOM.

O Ocupação Preta é aberto a todos os públicos.

 


Postado em 24/09/2016 às 06:52 0

Núcleo Afro do PMDB cobra do governo TEMER as políticas para igualdade racial.


Por Arísia Barros

Alvo de ataques da oposição e de fogo amigo de partidos de sua base, o presidente Michel Temer sofre com uma rebelião de parte de seu próprio partido, o PMDB.

Dirigentes do núcleo afro da legenda fazem duras críticas ao que consideram uma falta de atenção do presidente ao setor e apontam retrocesso na entrega da Secretaria de Igualdade Racial ao PSDB. Em junho, Temer nomeou a tucana Luislinda Valois, primeira mulher negra a se tornar juíza no país, para o cargo.

A Folha ouviu integrantes do grupo nos últimos dias, alguns sob anonimato. A queixa generalizada é que o governo ignorou o partido na discussão das políticas de igualdade racial, tema que pouco interessaria ao Planalto.

"Se ele [Temer] não olha nem para os negros do partido, que dirá para os demais. Tivemos mais espaço no governo Lula e Dilma", diz Eudes Carvalho, presidente do PMDB Afro de Sergipe. "Esse governo Temer é do preconceito, do racismo e da discriminação. Quer colocar a gente na senzala de novo."

O presidente do núcleo do Paraná, Saul Dorval da Silva, diz que "nem o governo nem a cúpula que o cerca" os ouvem. "Isso nos revolta, todas as ações afirmativas não estão sendo tocadas. Queremos a demissão imediata da secretária. Essa atual gestão, além de paralisada, não sabe o que está fazendo, é um retrocesso."

A presidente do PMDB Afro paulista, Tatiane Cardoso, também fez críticas em redes sociais. À Folha, porém, disse apoiar Temer e "todas as pessoas que ele escolheu".

Presidente nacional do núcleo, Vanderlei Lourenço contemporiza: "A escolha da direção da condução das políticas para os negros foi do governo e, naturalmente, gerou certo descontentamento em alguns companheiros. Mas a gente busca o diálogo institucional com o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil)".

Valois diz se surpreender com as críticas. "Estou sabendo agora dessa insatisfação. A porta do meu gabinete está sempre aberta, não levo em conta partido A, B ou C."

A secretária afirma que está encaminhando todas as demandas ao ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, a quem a pasta está agora subordinada e que as questões têm sido bem recebidas.

Em nota, o Planalto afirmou que "o PMDB tem o maior apreço pelas políticas de igualdade racial e o governo já recebeu esse grupo várias vezes. A prova disso foi a escolha para o cargo uma pessoa do gabarito da secretária".

 

info: FOLHA

RANIER BRAGON
DE BRASÍLIA
23/09/2016 02h00


Postado em 23/09/2016 às 14:42 0

Instituto Raízes de Áfricas propõe a realização Ciclo de Formação sobre Direito Penal e Racismo.


Por Arísia Barros

Em reunião acontecida na manhã desta sexta-feira, 23/09, no gabinete do o secretário de Estado da Segurança Pública, Lima Júnior, a coordenadora do Instituto Raízes de Áfricas, Arísia Barros esteve reunida com o presidente da Fundação Cultural Palmares, Erivaldo Oliveira da Silva, a secretaria adjunta Luci Monica, o coordenador-geral Centro Nacional de Informação e Referência da Cultura Negra, Vanderlei Lourenço Francisco, a coordenadora Departamento de Proteção ao Patrimônio Afro-Brasileiro, Carolina Conceição Nascimento, e Márcia Uchoa, diretora do Departamento de Fomento e Promoção da Cultura Afro-Brasileira da Palmares para tratar sobre a  realização do I Ciclo de Formação sobre Direitos Humanos e Diversidades: Direito Penal e Racismo.

O I Ciclo tem como objetivo  discutir o  racismo estrutural e  institucional e a relação entre sistema penal e grupos vulneráveis,  estabelecendo medidas de ação afirmativa,

aquelas que, a partir da identificação de uma desigualdade, cria políticas para alterar esse cenário de forma a garantir acesso a direitos, bens e serviços semelhante ao restante da população.

Segundo, Lima Júnior: “A Secretaria está aberta  a todos os projetos que tragam propostas  que contribuam para diminuir  os números da violência em Alagoas.”

Erivaldo Oliveira, por sua vez colocou a Fundação Palmares a disposição  como parceira na elaboração e realização do Ciclo que deve acontecer em novembro.

 


Postado em 22/09/2016 às 08:16 0

Jornalista Lenilda Luna será a mediadora do Bate Papo Preto Político.


Por Arísia Barros

O debate político, denominado Bate Papo Preto Político promovido pelo Instituto Raízes de Áfricas e apoio institucional da Federação das Indústrias do Estado de Alagoas,que acontece, dia 22 de setembro, terá como mediadora a jornalista Lenilda Luna.

Lenilda .jornalista e radialista,atualmente trabalhando na assessoria de comunicação da Ufal

O objetivo da ação é pautar o debate sobre o tema da discriminação, racismo e desigualdades raciais, mudando a lógica  da discussão sobre questão das desigualdades sociais em Maceió,AL.

A ideia é aprofundar o debate sobre os direitos da população negra , reforçando a importância das ações afirmativas para impulsionar o aumento da participação política-cidadã dos homens e mulheres negras.

O debate  intensifica a importância do olhar político para os direitos iguais  das  pessoas diferentes”.

O  Bate Papo Preto Político, acontece as 15h, no Espaço Expansão do Shopping Pátio Maceió, no Tabuleiro do Martins, e faz parte do Projeto Ocupação Preta Eku abo.


Postado em 22/09/2016 às 05:54 0

Jornalzinho Eku abo será lançado, nesta quinta,22/09, na 2ª Ocupação Preta, no Shopping Pátio Maceió.


Por Arísia Barros

 

Ekua abo, na língua ioruba  significa bem vindo, que por sua vez significa acolhimento.

E é assim que o Instituto Raízes de Áfricas  e a Secretaria de Estado da Comunicação-SECOM, apoiador institucional do  jornalzinho,  acolherá todo povo que se fizer presente em seu lançamento, que acontece,na quinta, 22/09, às 11h30 no Espaço Expansão, do Shopping Pátio Maceió, bairro do Tabuleiro.

 Nascido a duas mãos: Instituto Raízes de Áfricas com o Governo do Estado, através da SECOM, o Eku abo chega para  OCUPAR lugares no diálogo institucional, tornando-o  igualitário, trazendo a multiplicidades de saberes, das várias culturas, etnias e ancestralidades componentes da feitura do estado de  Alagoas, que caminha para seus  bicentenário. 

A proposta  original do  jornalzinho, foi do Eduardo Epifânio, o Cadu, chefe de redação da SECOM e como ativista preta entramos com o nome e os fatos, e aí meses depois surge  esse menino preto.

 Eku abo, sejam  bem-vind@s  à gira e aproveitem para levar seu exemplar.

Seja bem vind@!

 


Postado em 21/09/2016 às 17:02 0

Meu pai, Seu Antonio Pedro, era conhecido como mestre funileiro.


Por Arísia Barros

O nome do meu pai é Antônio Pedro. Era conhecido como mestre funileiro
Meu pai morreu faz 14 anos e se vivo fosse, hoje (20/09) faria 87 anos.
Era um sujeito áspero de um coração enorme. Apesar da rudeza das palavras que impactava a alma da gente, trazia a integridade de caráter como marca de vida.
Fugiu jovem de Matriz de Camaragibe, interior do estado de Alagoas, direto para a capital Maceió, para não ser esmagado pelo poder da cana de açúcar que adoça a vida, mas escraviza pessoas.
Meu pai não tinha medo da vida, o temor era a dependência moral e física. Nunca quis ser empregado de ninguém, pois não admitia receber “ordens” de patrão nenhum. Acreditava no trabalho como força motor para o crescimento econômico e pessoal. Amava o que fazia e dizia que a melhor morte seria aquela que o encontraria trabalhando. Eu penso igual.
Hoje em mim existe o sentimento da ausência do Seu Antônio Pedro, aquele mesmo que me chamava de Sinhá Arísia.
Ainda guardo comigo os valores da sacrossanta honestidade ,que meu pai fazia questão de repassar a todos os nove filhos.
Era semianalfabeto, mas foi com ele que apurei o olfato, tato, coração para a leitura. Isso me levou a ser escrevente que hoje sou.
Eu, criança bem que fuçava em sua funilaria querendo aprender o ofício do mestre, mas ele me mandava sair dizendo que era coisa para homem.
Meu pai era assim: distinguia lugares de homens e mulheres.
Faz tempo que não vejo meu pai fisicamente, entretanto a lembrança é tão presente que hoje acordei e disse: Feliz Aniversário, seu Antônio.
Hoje meu pai vive a vida eterna.
Saudades!


Postado em 20/09/2016 às 21:51 0

Bate Papo discute igualdade racial, enquanto política pública, em Maceió.


Por Arísia Barros

O Instituto Raízes de Áfricas, com a colaboração da cientista política, Luciana Santana,/UFAL e apoio institucional da Federação das Indústrias do Estado de Alagoas, realiza dia 22 de setembro, o Bate Papo Preto Político.

O objetivo da ação é pautar o debate sobre o tema da discriminação, racismo e desigualdades raciais, mudando a lógica  da discussão sobre questão das desigualdades sociais em Maceió,AL.

A ideia é aprofundar o debate sobre os direitos da população negra , reforçando a importância das ações afirmativas para impulsionar o aumento da participação política-cidadã dos homens e mulheres negras.

O debate  intensifica a importância do olhar político para os direitos iguais  das  pessoas diferentes”.

O  Bate Papo Preto Político, acontece as 15h, no Espaço Expansão do Shopping Pátio Maceió, no Tabuleiro do Martins, e faz parte do Projeto Ocupação Preta Eku abo.

O Projeto Ocupação Preta

O Projeto Ocupação Preta objetiva uma abordagem inédita, como estratégia provocativa e de enfrentamento ao racismo social e institucional, buscando  a construção dos diagnósticos das ruas.

 A proposta é ocupar espaços/territórios, buscando dar destaque às demandas da população preta.

 Nessa edição conta com o apoio institucional do Shopping Pátio Maceió, Secretaria de Estado da Saúde e Secretaria de Estado da Comunicação, Agência Desenvolve.

E como programação teremos um ambulatório, montado no Shopping, pela SESAU –AL, para exames, como também palestras sobre financiamento da Agência Desenvolve,lançamento do jornalzinho Eku abo pela SECOM-AL, demonstração de turbantes, roda de conversa preta,  panfletagem, apresentações afro-artísticas, etc.

O Ocupação Preta é aberto a todos os públicos


Postado em 18/09/2016 às 18:30 0

Pelé terá de ir aos tribunais.


Por Arísia Barros

O pecado: não ajudar financeiramente seus netos. Octávio e Gabriel carregam Arantes do Nascimento nos nomes. São filhos de Sandra, filha de Pelé. Ela nasceu de um relacionamento fora do casamento. Sua mãe, Anísia Machado, trabalhava como empregada doméstica. Quando Sandra nasceu, em 1964, Pelé era casado.Renegou a filha.Anísia aceitou a situação.Sandra, não.

Ela entrou na justiça, queria o reconhecimento do pai.Foi uma batalha pública.Por meio de seus advogados, Pelé recorreu 13 vezes.Não queria se submeter ao exame de DNA.Até que não houve como fugir.E ficou constatado que Sandra era sua legítima filha.Ele nunca aceitou reconhecê-la publicamente.Nunca permitiu a aproximação.Tudo ficou ainda pior quando ela entrou para a política.Foi eleita duas vezes vereadora por Santos.

Sua maior conquista foi a gratuidade de exames de DNA.A inspiração era sua relação com o pai.Sandra conseguiu que famílias carentes se submetessem aos testes.Seu projeto logo foi aprovado no país inteiro.Para aumentar o drama de toda situação, Sandra ficou doente.Teve câncer de mama.Religiosa, se negou a fazer o tratamento convencional.A postura acabou por espalhar a doença.

Pelé não foi visitar a filha internada, condenada de morte.Quando ele morreu, Pelé enviou folhes.Elas foram devolvidas pela família.Sandra tinha dois filhos.

Pelé só viu os netos uma vez, em 2011. Também não quis maior contato. Os dois tentaram a sorte no futebol. Jogavam nas categorias de base do Paraná Clube.Foram ‘adotados’ pelo empresário Vagner Ribeiro.

Milionário, ele descobriu Robinho, Neymar, Lucas e dezenas de outros jogadores.É conhecido como o ‘homem das cem almas’.Disse na mídia que cuidaria da dupla.Trouxe a família toda para morar em São Paulo.E colocou os dois nas categorias de base do São Paulo Futebol Clube.Receberiam R$ 8 mil mensais.

A reviravolta aconteceu em 2011.Só que o tempo passou.E Octávio e Gabriel não conseguiram se firmar como jogadores.Como haviam assinado contrato, ficaram encostados no clube.Apenas recebiam.Logo não precisavam nem mais treinar.As notícias que chegaram a Juvenal Juvêncio eram esclarecedoras.Não tinham talento para ser jogadores do São Paulo.O grande golpe de marketing, ter os netos de Pelé, não deu certo.O pai dos meninos acabou por levá-los para treinar no Grêmio Osasco.Ozéas Felinto acreditava que foram boicotados no São Paulo.Também em Osasco não tiveram destaque. Acabaram dispensados. E Pelé seguindo sua vida de maneira normal.Sem participar do que acontecia com os netos.

Diante das dificuldades econômicas, o viúvo de Sandra decidiu.Entrou na justiça contra Pelé.Seus advogados querem uma pensão de R$ 13 mil para cada um deles.A revista Veja avalia o patrimônio atual de Pelé em cerca de R$ 80 milhões.Não faz propagandas por menos de R$ 2 milhões.A marca Pelé é conhecida mundialmente.E vale pelo menos R$ 600 milhões.São cifras enormes.

Esse questão dos netos poderia ter sido resolvida há muito tempo. Sem envolver empresários de futebol, imprensa, tribunal. Mas Pelé não quis. Mesmo avisado por amigos que acabaria exposto.Mas repetiu o erro cometido com Sandra.Preferiu enfrentar a justiça.Depois de ser reconhecido como pai que não quis a filha…Agora é acusado de avô que vira as costas para os netos.

Pelé passa por isso porque quer. Bastaria olhar para o lado. Ver como Neymar reconheceu o filho que teve solteiro. E tantas outras pessoas.

Mas Edson Arantes do Nascimento, não.Quis brigar com a verdade.E está exposto.Milionário vendo seus netos procurar a justiça para receber pensão.Acusado de jamais ter dado assistência financeira ou moral aos meninos.De acordo com o advogados dos garotos, ele quis fazer de conta que não existiam.Tanto existem que o processo foi marcado para o dia 20 de novembro.

Como tudo que envolve Pelé, a vergonha não é só dele.É patrimônio nacional.Ele ainda é o brasileiro mais conhecido no mundo.E se deu tanto orgulho dentro do campo, fora dele é diferente.Deu motivo para constrangimentos na Copa da Confederação.Enquanto manifestantes protestavam contra a corrupção, ele veio a público.E pediu que evitassem confusão.Iria atrapalhar a Seleção Brasileira.

Depois foi pior. Falou sobre o que classificou como ‘roubo’ na construção das arenas da Copa.Pelé pediu para esquecer.Na vida pessoal doeu ainda mais.Primeiro por negar reconhecer a filha.Mesmo depois que o DNA apontava ser sua.Agora, a ausência da vida dos netos.Não é só Pelé quem está indo para os tribunais.O Brasil também vai para julgamento.Envergonhado pela situação que envolve seu filho mais ilustre.Aquele que mereceu do mundo o apelido de Rei.

Quem dedicou o seu milésimo gol às criancinhas abandonadas.,mas é acusado de virar as costas aos próprios netos.assim como fez com a filha…

 

Fonte http://www.jornaldopais.com.br/pele-um-rei-sem-coroa-e-sem-alma/

 

 


Postado em 15/09/2016 às 14:02 0

2ª edição do Projeto Ocupação Preta realiza Bate Papo Preto Político, com os candidatos à prefeitura de Maceió.


Por Arísia Barros

O Instituto Raízes de Áfricas propõe e realiza, com a colaboração da cientista política, Luciana Santana,/UFAL, o Bate Papo Preto Político, que acontece dia 22 de setembro, das 15 às 18h, no Espaço Expansão, do Shopping Pátio, Maceió, localizado no Tabuleiro dos Martins.

O foco do debate é a necessidade de construir pontes, que aproximem o tema das desigualdades raciais, mudando a lógica da discussão sobre questão das desigualdades sociais em Maceió, AL, do debate político.

A proposta é dialogar com os candidatos postulantes ao cargo de Prefeito de Maceió sobre o programa de governo pautada nas as propostas afro-afirmativas. O Bate Papo Preto Político faz parte da programação da 2ª edição do Projeto Ocupação Preta

O Instituto Raízes de Áfricas acredita que: “Precisamos falar sobre esses

silenciamentos em relação ao racismo institucional, que opera a manutenção de privilégios.”

 

O Projeto Ocupação Preta

O Projeto Ocupação Preta objetiva uma abordagem inédita, como estratégia provocativa e de enfrentamento ao racismo social e institucional, buscando  a construção dos diagnósticos das ruas.

 A proposta é ocupar espaços/territórios, buscando dar destaque às demandas da população preta.

 Nessa edição conta com o apoio institucional do Shopping Pátio Maceió, Secretaria de Estado da Saúde e Secretaria de Estado da Comunicação-SECOM.

E como programação  teremos um ambulatório, montado no Shopping, pela SESAU –AL, para exames, como também palestras sobre finaciamento da Agência Desenvolve,lançamento do jornalzinho Eku abo pela SECOM-AL, demonstração de turbantes, , roda de conversa preta,  panfletagem, apresentações afro-artísticas, etc.

O Ocupação Preta é aberto a todos os públicos.


Postado em 15/09/2016 às 11:23 0

O racismo faz adoecer. O racismo mata.


Por Arísia Barros

Quem nos conta esse caso- um de muitos é  a militante, ativista e coordenadora do Fórum Permanente de Educação Etnico-Racial de Florianopolis, a professora universitária Jeruse Romão:

"O menino universitário e trabalhador está em casa medicado por psiquiatra. Mal come, mal dorme. O menino é humilhado no seu local de trabalho. Sofre de assédio moral e racismo. Está impossibilitado para os estudos e para o trabalho. Quem me conta é a mãe. Uma mulher sozinha. Com uma receita de remédio que atesta a gravidade da situação. É o terceiro caso de racismo associado com assédio moral em dois meses. Em todos,a saúde emocional das pessoas foi afetada. Não vou dizer mais nada. Não precisa."


Postado em 15/09/2016 às 08:16 0

Desenvolve apresentará linhas de crédito para artesãs do movimento afro, na 2ª edição do Ocupação Preta


Por Arísia Barros

 

O  texto  é de Eliete Amâncio, da Agência  Desenvolve.

A equipe de crédito da Desenvolve, atendendo convite do Instituto Raízes de Áfricas, participará de evento que promoverá ações e encontros étnicos para discussão de propostas voltadas à melhoria da qualidade de vida da população afrodescendente de Alagoas. A apresentação ocorrerá dia 22, no shopping Pátio Maceió, no bairro Benedito Bentes, em Maceió.

Segundo o gerente de crédito da Desenvolve, Thiago Pires, a Agência fará a exposição das linhas de crédito que possam atender ao público empreendedor ligado ao projeto Ocupação Preta Ekua Abo.

“Na ocasião, iremos diagnosticar o perfil destes empreendedores e traçar, segundo o objetivo econômico deles, as propostas de crédito que melhor se adequem à realidade financeira do grupo”, apontou Pires, completando que a equipe estará à disposição para atender também outros interessados no crédito subsidiado pelo Estado que estejam visitando o espaço.

De acordo com Arísia Barros, coordenadora do Instituto Raízes de Áfricas, a participação da Desenvolve, assim como de outras secretarias, fortalece o entendimento de que o Governo estadual está preocupado com a interlocução consciente e a desmistificação do racismo, pensando ações que favoreçam esse público.

Rafael Brito, presidente da Desenvolve, apontou a ação como mais uma etapa de retirada da Agência de sua zona conforto, atuando em favor de públicos diversificados, a exemplo dos microempreendedores das grotas, que estão sendo beneficiados pela linha Procomunidade, e dos pescadores do município do Pilar, que receberão crédito do Estado na próxima semana.

 


Postado em 12/09/2016 às 13:38 0

2ª edição da Ocupação Preta acontece dia 22/09, no Shopping Pátio Maceió.


Por Arísia Barros

A convite do Shopping Pátio Maceió, o Projeto Ocupação Preta Eku abo, idealizado pelo Instituto Raízes de Áfricas, acontece dia 22 de setembro, das 10 às 18h, no  Shopping Pátio, bairro Tabuleiro dos Martins.

O Projeto Ocupação Preta objetiva uma abordagem inédita, como estratégia provocativa e de enfrentamento ao racismo social e institucional, buscando  a construção dos diagnósticos das ruas.

 A proposta é ocupar espaços/territórios, buscando dar destaque às demandas da população preta.

 Nessa edição conta com o apoio institucional do Shopping Pátio Maceió, Secretaria de Estado da Saúde e Secretaria de Estado da Comunicação-SECOM.

E como programação  teremos um ambulatório, montado no Shopping, pela SESAU –AL, para consultas médicas e exames, como também palestras sobre as doenças prevalentes da população preta ,lançamento do jornalzinho Eku abo pela SECOM-AL, oficina de turbantes, exposição das bonecas Abayomis, roda de conversa preta,  panfletagem, apresentações afro-artísticas, etc.

O Ocupação Preta é aberto a todos os públicos.