Vanessa Alencar

A volta da primeira-dama

Foto: Agência Alagoas Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Renata Calheiros e a consulesa francesa

Nos últimos dias, a primeira-dama de Alagoas, Renata Calheiros, compareceu, na posição de protagonista, a alguns eventos públicos, entre eles, reunião com o presidente da Algás, Arnóbio Cavalcanti, encontro com a consulesa francesa, Alexandra Loras, e visita ao Centro de Recuperação e Educação Nutricional (Cren).

Desacostumados a figura de uma primeira-dama na mídia, os alagoanos têm visto com interesse e curiosidade a presença da elegante Renata no papel.

Sem deixar de acompanhar o governador Renan Filho (PMDB) nos eventos de maior destaque do governo, ela agora tem realizado voos solos, mostrando interesse especial em questões sociais e culturais.

Apesar de considerado ultrapassado por alguns, a aura de tradição que envolve o cargo de primeira-dama segue firme no Brasil e em outros países, a exemplo dos Estados Unidos, onde mulheres como Hillary Clinton e Michele Obama se tornaram tão (ou mais) populares que seus maridos.

Que Renata Calheiros mostre a diferença – positiva – que uma primeira-dama pode fazer.

 

Aedes aegypti: deputado quer punição mais dura para casos de negligência

Foto: Ascom/ALE Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Deputado Isnaldo Bulhões

Em pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa nesta quinta-feira, 26, o deputado Isnaldo Bulhões (PDT) conclamou seus pares a discutirem uma legislação mais dura em relação àqueles que, em suas residências, estabelecimentos comerciais ou empresas, negligenciarem o combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue, chikungunya e zika vírus.

“Educação é essencial, mas temos que buscar legislação mais firme, mais dura, quem sabe até com uma certa penalidade para aqueles que não têm atenção devida e cultivam focos do mosquito, porque é espantosa a situação que hoje vivemos”, destacou Bulhões.

O parlamentar deu continuidade à discussão ocorrida ontem em plenário, quando outros deputados demonstraram preocupação com o possível surto de microcefalia em Alagoas.

Bulhões está correto quando diz que educação é essencial, e também quando afirma, nas entrelinhas, que, em muitos casos, a “conscientização” das pessoas só surge quando o bolso dói.

Sem perder o foco de que a cobrança deve ser permanente para que os órgãos de saúde atuem com eficiência no combate ao mosquito, talvez seja mesmo necessário discutir, paralelamente, penalidades para quem, por puro descaso, prejudica não só a si mesmo, mas toda comunidade.

Microcefalia no parlamento: campanha, turismo e adiamento da gravidez

Foto: Ascom ALE/Arquivo Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Deputado Francisco Tenório

Presidente da Comissão de Educação e Saúde da Assembleia Legislativa, o deputado Francisco Tenório (PMN) demonstrou preocupação com o possível surto de microcefalia em Alagoas e cobrou dos órgãos responsáveis, a exemplo da Sesau e secretarias municipais, a realização de uma ampla campanha de combate ao Aedes aegypti.

“Se os casos de microcefalia forem realmente em função do mosquito da dengue, daqui há seis, nove meses, com o surto que tivemos de chikungunya, dengue e zika, quantos casos existirão?”, questionou, lembrando que ontem foram confirmadas 42 ocorrências de microcefalia, entre janeiro e outubro deste ano.

Em aparte, Sérgio Toledo (PDT) lembrou que, caso a epidemia seja comprovada, isso pode prejudicar também o turismo no Estado.

Já a deputada Jó Pereira (DEM) seguiu o entendimento da Frente Parlamentar da Saúde e sugeriu que, por enquanto, as mulheres suspendam o planejamento da gravidez...

Bienal: roqueiros dos anos 80 falam sobre ponte entre música e literatura

Foto: Vanessa Alencar/CadaMinuto Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Carlos Maltz na Bienal de Alagoas

Mediado pelo jornalista Luis Vilar, editor-geral do grupo CadaMinuto, o bate-papo entre os roqueiros e escritores Carlos Maltz, ex-baterista do Engenheiros do Hawaii, e Thedy Correia, vocalista da banda Nenhum de Nós, foi uma das atrações da noite de terça-feira, 24, na 7ª Bienal do Livro de Alagoas.

A dupla iniciou a conversa falando sobre a ponte entre música e literatura. “A geração rock anos 80 é muito ligada a ideias, livros... É tudo uma coisa só”, disse Maltz, citando outros artistas da mesma geração que também se arriscaram nas letras, a exemplo de Lobão.

Ainda sobre a década de ouro do rock nacional, resumiu: “Foi a época em que a música brasileira peitou, nas prateleiras, a música internacional”.

O músico, escritor, psicólogo e astrólogo, contou que, hoje, mais do que nunca, está sempre atento a melodia dos que as pessoas lhe contam. “Presto muita atenção nas palavras que não são ditas e escrevo livro para não ficar doido”, brincou.

Thedy Correia revelou que a relação do Nenhum de nós com os livros é antiga e que o ponto de encontro dos integrantes do grupo – que se conheceram na infância – ocorria na biblioteca do colégio onde estudavam, em Porto Alegre.

O músico e escritor brindou a plateia com histórias curiosas, como a que inspirou a criação de um dos maiores sucessos da banda, a música “Camila”, sobre uma estudante vítima da violência por parte do namorado.

Correia disse que a maior parte das composições da banda foram inspiradas em histórias reais e em livros de autores consagrados, a exemplo de John Fante e Jorge Luis Borges.

Ao final da conversa, após responderem as perguntas do público, a dupla deu uma palhinha musical que incluiu “Camila” e “Depois de nós”, de Carlos Maltz.

Deputado pede que governador pague 13º no mês do aniversário

Foto: Vanessa Alencar/CadaMinuto/Arquivo Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Galba Novaes

Depois que a CCJ da Casa de Tavares Bastos barrou o Projeto de Lei (PL) determinando o pagamento do décimo terceiro salário aos servidores estaduais no mês do aniversário, o deputado Galba Novaes, autor da matéria, buscou outro caminho.

Na semana passada, por meio de indicação aprovada em plenário, o parlamentar requereu à Mesa Diretora o encaminhamento de ofício solicitando que o governador Renan Filho (PMDB) envie à Assembleia Legislativa, projeto instituindo o pagamento do décimo dos servidores públicos estaduais civis e militares na data do aniversário.

A CCJ entendeu que a proposição de Novaes era de competência do Executivo, por se tratar de matéria orçamentária. Apesar de discordar do entendimento da Comissão, o deputado decidiu apelar ao governo.

Desde que a Mesa Diretora da ALE, comandada por Luiz Dantas (PMDB) assumiu, os servidores da Casa passaram a receber o décimo no mês do aniversário.

Mas, Novaes sempre criticou o fato de a medida ser administrativa, quando, segundo ele, deveria ser lei.

O governador ainda não se manifestou sobre o pedido.

"Aqui é meu paraíso", diz escritor estreante sobre Bienal

Foto: Vanessa Alencar/CadaMinuto Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Éverton Lacerda

Aos 20 anos, o estudante de Psicologia Éverton Lacerda, natural de Santana do Ipanema, bateu de porta em porta - literalmente - até conseguir apoio cultural para lançar seu primeiro livro, "Já vivi, já senti... Mas, nunca o vi: isso é chamado de amor".

A obra reúne poesias e reflexões, foi editada pelo Instituto Educacional SWA e lançada durante a Bienal do Livro, no stand que reúne outros escritores santanenses.

"É um privilégio estar aqui, uma forma de me sentir incluso, de interagir com outros autores... Aqui é meu mundo, meu paraíso", disse, se referindo a bienal, em um declaração que os apaixonados pela literatura vão entender.

O novo escritor adiantou ao Blog que trabalha no próximo livro, um longo diálogo, escrito todo no formato de "mensagens de texto" Até o próximo domingo a Bienal traz a Maceió editoras e autores conhecidos nacionalmente - e até mundialmente - , mas, garimpando, encontramos histórias preciosas (e universais) de nossa própria aldeia.

Vereador critica interdição de agências bancárias no Centro

Foto: Assessoria/Arquivo Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Operação da Sempma

Durante a sessão desta quinta-feira, 19, na Câmara de Maceió, os vereadores repercutiram o fechamento, pela Secretaria Municipal de Proteção ao Meio Ambiente (Sempma), de 11 agências bancárias no Centro de Maceió.

Silvânio Barbosa (PSB) criticou duramente a medida e acusou a Sempma de ter agido com truculência para retirar os clientes de dentro dos bancos para que eles fossem interditados.

Ele disse ainda que a mesma ação “enérgica” não é vista diante dos crimes ambientais cometidos na orla da capital, onde há despejo de esgoto direto no mar.

Por outro lado, a ação da Sempma foi elogiada pelos vereadores Guilherme Soares e Marcelo Gouveia (PRB), que parabenizou a Secretaria pela coragem.

Longe da Casa de Mário Guimarães, alguns lojistas do Comércio têm reclamado do fechamento das agências bancárias, alegando que ele refletiu diretamente na queda do movimento.

Sem entrar no mérito da operação, o fato é que nesta quinta-feira era possível constatar o impacto da interdição das agências bancárias nas ruas – quase vazias – do Centro de Maceió. O que, em época de crise, não é nada bom.

 

 

 

"A maconha foi descriminalizada no Brasil. E agora?"

Divulgação Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

"A maconha foi descriminalizada no Brasil. E agora?". Com esse mote fictício, uma agência de publicidade de São Paulo, a nova/sb, lançou um desafio inusitado para selecionar nove estudantes que irão integrar o projeto “ComunicaQueMuda”.

Para participar da seleção, o interessado deve contar à agência como comunicaria a descriminalização da droga – e seus prós e contras – para pais, professores e a sociedade em geral. O currículo e a ideia (que pode ser em forma de roteiro, vídeo, texto, ilustração, etc.) devem ser enviados para o e-mail desafiocqm@novasb.com.br, até o dia 15 de dezembro.

Serão nove vagas remuneradas (R$ 1.100 cada) em regime de free lancer, para trabalhar durante um mês no projeto, onde poderão se inscrever estudantes e profissionais recém-formados em quaisquer áreas, maiores de 18 anos.

Durante o mês os nove selecionados, divididos em três grupos, deverão produzir uma campanha sobre o tema. O melhor trabalho poderá render contrato com a agência e veiculação nos meios de comunicação.

Mais informações: http://www.novasb.com.br/inovacao/cqm.

 

Comissão de Ética da ALE: toma que o filho é teu

Foto: Vanessa Alencar/CM Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Deputado Sérgio Toledo

Ao repercutir uma reportagem da jornalista Andrezza Tavares, publicada no jornal Tribuna Independente, o deputado Pastor João Luiz (DEM) afirmou, no início da sessão desta terça-feira, 17, que a Comissão de Ética da Assembleia Legislativa já foi instalada e é presidida pelo deputado Sérgio Toledo (PDT).

A informação, confirmada pelo presidente em exercício da Casa, deputado Ronaldo Medeiros (PT), foi “corrigida” com bom humor por Sérgio Toledo: “Eu não participei de nenhuma instalação da Comissão de Ética e não fui eleito presidente. Seria uma honra, mas para ter a composição, a Comissão precisa ser instalada”.

Com a explicação do “ex-futuro” presidente, Medeiros voltou atrás: “Não houve ainda a instalação, mas segundo a assessoria do plenário, os membros estão nomeados e devem se reunir”.

A convocação para instalação da Comissão, composta pelos deputados Gilvan Barros Filho (PSDB), Severino Pessoa (PPS), Inácio Loiola (PSB), Sérgio Toledo e João Luiz, deve feita pelo deputado mais velho.

Em plenário, o Pastor garantiu que irá conversar com os colegas sobre o assunto.

Pode ser que, perto de terminar o ano legislativo, a Comissão de Ética saia, finalmente, do papel...

Comissão do Senado analisa fim do “número privado”

Ilustração Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Deverá ser apreciado nesta terça-feira, 17, na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) do Senado, o substitutivo ao Projeto de Lei 433/2013, que torna obrigatória e gratuita a identificação do número originador de chamada telefônica para aparelho celular.

Segundo divulgou a Agência Senado, a proposta também proíbe a venda de produtos e serviços que bloqueiam o reconhecimento do número de discagem.

Futuramente, caso a proposta seja aprovada em plenário, será o fim – ao menos legalmente - do “número privado” ou “desconhecido”.

O relator do projeto, senador Walter Pinheiro (PT/BA), explicou que a nova regra pretende dificultar a prática de crimes por meio das redes de telefonia e coibir abusos referentes aos serviços de telemarketing e de cobranças.

Também por meio de substitutivo, o senador José Medeiros (PPS/MT) quer incluir, na Lei 9.472/1997, que trata dos serviços de telecomunicações, a proibição da venda de telefones celulares com bloqueio para chips de outras operadoras.

 

Comercial (82) 3313.6040 (82) 99812.2189 comercial@cadaminuto.com.br
Redação (82) 3313.2162 (82) 99664.2221 cadaminutoalagoas@hotmail.com