Kleverson Levy
Kleverson Levy

Postado em 26/04/2017 às 17:20 0

Marcha dos Vereadores em Brasília reacende disputa pela Uveal

Domício Júnior (PSL - Jequiá da Praia), Jalmir Santos (PDT - São Miguel dos Campos), Del Cavalcante (PMDB - Marechal Deodoro) e Paulinho Bugarin (PSC - Pilar) estão unidos para eleição


Por Kléverson Levy

Foto: Cortesia

Domício Júnior (PSL - Jequiá da Praia), Jalmir Santos (PDT - São Miguel dos Campos), Del Cavalcante (PMDB - Marechal Deodoro) e Paulinho Bugarin (PSC - Pilar)

A informação repassada ao blog é que a XV Marcha dos Vereadores, realizada até esta quinta-feira, 27, no centro de eventos da CNTC, em Brasília, é palco para que vereadores alagoanos reacendam a eleição para presidente da União dos Vereadores de Alagoas (Uveal). 

Como se sabe, o pleito na entidade foi suspenso por determinação do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ-AL) desde o dia 24 de março.

Ou seja, acabou de completar o aniversário de um mês.

A decisão monocrática foi do desembargador Pedro Augusto Mendonça de Araújo, relator do processo, no entendimento de que a eleição estava 'eivada de vícios formais'. 

Leia mais aqui: TJ determina suspensão da eleição para Uveal

Por outro lado, os vereadores Domício Júnior (PSL - Jequiá da Praia), Jalmir Santos (PDT - São Miguel dos Campos), Del Cavalcante (PMDB - Marechal Deodoro) e Paulinho Bugarin (PSC - Pilar) estão unidos para manter a antiga chapa "Por uma Nova Uveal" novamente na disputa. 

A comitiva foi participar da Marcha dos Vereadores com o intuito de conversar com maioria dos parlamentares alagoanos, aproveitar o momento para decidir o nome de consenso e lançar a candidatura da chapa que se manteve unida após a "novela mexicana" pela cadeira de presidente.

Apesar da eleição está parada por decisão do TJ-AL, o grupo de vereadores vem se reunindo - constatemente - para escolher um novo candidato à presidência da Uveal que seja aceito por todos e, posteriormente, assim que houver a liberação da Justiça, lançar a nova chapa no pleito.

O que disseram os parlamentares a este jornalista:

"O grupo não aceita mais a imposição do PMDB que foi prejudicial na eleição que nem se findou. Portanto, agora, o que os vereadores do grupo 'Uma Nova Uveal' querem é fazer uma campanha pela luta de classe e não de partidos políticos". 

Será? 

É aguardar os desdobramentos, contudo, mais uma vez. 

Redes Sociais: Kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com 


Postado em 24/04/2017 às 09:27 0

Deputado deve trocar disputa na ALE por Câmara dos Deputados

Severino Pessoa (PSC) trabalha nos bastidores para tentar uma das nove vagas; Arapiraca hoje não tem um nome que represente o município em Brasília


Por Kléverson Levy

Divulgação

Confesso que a ficha ainda não caiu, diz Severino Pessoa

Mesmo sem expressão política, diga-se que não há discursos notórios ou projetos em evidência, o deputado estadual Severino Pessoa (PSC) deverá disputar uma das nove vagas na Câmara dos Deputados em 2018. 

Como Arapiraca ficou ausente de uma liderança estadual, desde que a ex-prefeita Célia Rocha (PSL) desistiu de sair candidata pela reeleição e "abandonou" a disputa, o nobre deputado "acordou" para a política do agreste de um imediatismo não muito peculiar com sua atuação na Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE).

No entanto, dizem que Severino Pessoa - apesar de 'calado' - é um bom articulador e ganhou força ao ter os prefeitos Rogério Teófilo (PSDB) e Júlio Cezar (PSB), respectivamente, Arapiraca e Palmeira, como aliados.

Vale lembrar ainda que a vice-prefeita de Teófilo, a Fabiana Pessoa (PRB), é esposa do parlamentar.  

Com isso, Pessoa quer pegar o voo alto para Brasília por ter base de apoio à candidatura de deputado federal. Há sim uma articulação 'pesada' para que o parlamentar arapiraquense consiga ser eleito representante da terra de Manoel André a partir do próximo ano. 

Já foi o tempo em que Arapiraca teve forte representatividade política em Brasília. Da década de 90 pra cá, nomes como de Ceci Cunha, Célia Rocha e até o atual prefeito do município, Rogério Teófilo (PSDB), ocuparam vaga na Câmara dos Deputados.

Atualmente, além de Severino Pessoa, outros nomes devem surgir até o pleito de 2018. O próprio vice-governador, Luciano Barbosa (PMDB), por exemplo, poderá ser mais um que vai enfrentar às urnas em busca de um mandato de deputado federal. 

Portanto, dizem que é cedo para falar em 2018, mas a campanha dos futuros candidatos já está nas ruas desde 2017.

Será? 

Redes Sociais: kleversonlevy
Email: kleversonlevy@gmail.com


Postado em 18/04/2017 às 16:22 0

Ex-prefeito deve trocar PMDB para não "se enforcar" em 2018

Aliado do senador Renan Calheiros e do governador Renan Filho, James Ribeiro disse ao blog que vai deixar a sigla para ter êxito na eleição do próximo ano


Por Kléverson Levy

Foto: Internet

Ex-prefeito de Palmeira do Índios, James Ribeiro (PMDB)

Apesar de ter dito, em fevereiro deste ano, que não sairia do PMDB, o ex-prefeito de Palmeira dos Índios, James Ribeiro, deve mudar de sigla para "não se enforcar" - eleitoralmente falando - na eleição de 2018. 

A questão é que a briga pelas cadeiras da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE) será bastante acirrada no próximo ano. Com isso, o ex-prefeito palmeirense deverá trocar o PMDB pelo PRTB - de Adeílson Bezerra. 

Só o PMDB, do senador Renan Calheiros e do governador Renan Filho, ocupa hoje maioria das vagas com parlamentares que vão em busca da reeleição: Davi Davino Filho, Galba Novais, Isnaldo Bulhões, Jairzinho Lira, Jó Pereira, Luiz Dantas, Marquinhos Madeira, Olavo Calheiros, Ricardo Nezinho, Ronaldo Medeiros e Thaise Guedes. 

James disse ao blog que vai deixar a sigla Calheirista e filiar-se ao partido de Bezerra -  também da cozinha de Calheiros - para não correr risco de ficar sem mandato. Confirmou, novamente, que vai disputar uma das 27 cadeiras na Casa de Tavares Bastos e não na Câmara dos Deputados. 

"Serei candidato com o apoio do senador Renan e do governador Renan Filho. Mas minha intenção é sair do PMDB com o aval deles, entrar no PRTB e disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa de Alagoas. Essa é minha intenção para o próximo ano", explicou Ribeiro. 

Portanto, velhos e novos peemedebistas pretendem deixar a sigla para não se prejudicar no próximo ano. Para especialistas políticos, sair candidato pelo PMDB, em 2018 e com tantos filiados, é tentar um 'suicídio eleitoral'.  

Por outro lado, o PRTB trabalha nos bastidores para fechar um "chapão" com nomes fortes que deem sustentação político-eleitoral para eleger boa parte dos ex-prefeitos que serão candidatos pela sigla.   

Já James vai colocar seus dois mandatos como prefeito (2009-2016) para avaliação popular - de novo! - na eleição de 2018.

Lá, em Palmeira, terá que enfrentar ainda nomes como o da ex-prefeita Ângela Garrote (PP); o cunhado Val Gaia (PSDB); forasteiros e os candidatos do prefeito Júlio Cezar (PSB) - o "imperador".  

Por fim, 2018 será uma espécie de termômetro para ex-prefeitos, mandatários e futuros candidatos. 

Redes Sociais: kleversonlevy
Email: kleversonlevy@gmail.com


Postado em 13/04/2017 às 11:50 0

Lista de Fachin coloca em "xeque" disputa ao Senado em AL

Heloísa Helena (REDE) é mantida como um dos únicos nomes da política local que - coerentemente - manteve a ética moral e preceitos políticos que não foram surrupiados


Por Kléverson Levy

Arquivo: Antônio Jacinto

Heloísa Helena (Rede)

A lista divulgada pelo ministro Edson Fachin do STF (Supremo Tribunal Federal) terá consequências políticas na disputa eleitoral de 2018.

Isso é óbvio!

Diz o site Uol que os inquéritos de Fachin autorizam investigações a respeito de movimentações suspeitas entre políticos com foro privilegiado e a empreiteira Odebrecht envolvendo um montante de no mínimo R$ 470 milhões em propina. 

Em Alagoas, por exemplo, a 'briga' pelas duas vagas ao Senado Federal é colocada em "xeque" ao ter um dos principais candidatos atolados nos escândalos de corrupção: o senador Renan Calheiros (PMDB). 

Apesar de todos os fatos e acusações, ressalta-se, que o senador Renan disse - em nota - que a abertura dos inquéritos permitirá que ele conheça o teor das "supostas acusações e que os inquéritos serão arquivados por falta de provas, como aconteceu com o primeiro". 

Por outro lado, a ex-senadora Heloísa Helena (REDE) é mantida como um dos únicos nomes da política local que - coerentemente - continua com a ética moral e preceitos políticos que não foram surrupiados - às escondidas - em troca de apoios, dinheiro de 'propinabrecht' e cargos no Poder.    

Sabe-se que 2018 vive em concorrência desde janeiro deste ano. Ou, se não me falhe a memória, no início da nova legislatura em 2015. E as duas "benditas" vagas de senador em 2018 estão mais disputadas que o da peixe em Semana Santa.  

Contudo, já escrevi que a ex-vereadora  tem usado constantemente suas redes sociais para falar dos assuntos pertinentes ao momento que se encontra a política no Brasil.

Não seria diferente que, após Fachin divulgar a lista de delação da Odebrecht, HH usasse os espaços para opinar e ganhar comentários diante de suas posições estadistas (às questões políticas e à administração do Estado) em se falando do atual cenário político. 

"Meu mundo não é o deles, portanto pra mim é uma lista dos que cometeram crimes - à direita e à esquerda - contra a administração pública e devem receber as punições como mandam as leis. Assim sendo, em Alagoas e em todo Brasil, o mundo não vai acabar por causa disso, apenas segue com menos impunidade (pelas mãos limpas de muitos no Judiciário, MP, PF, etc) e espero que chegue o dia em que a maioria dos eleitores - de forma bela e livre - ajudem nas urnas a combater a vergonhosa impunidade e assim ajudar a construir verdadeiramente um mundo novo!", escreveu HH. 

Cada vez mais fica evidente que 2018 deixará a ex-senadora afastada de todos os escândalos nacionais e fatos envolvendo o trio de senadores alagoanos, dando espaço para HH conquistar mais e mais a confiança dos eleitores alagoanos. 

Portanto, não esqueçamos também que mesmo com HH ainda temos outros nomes de peso almejando as vagas de Renan e Biu de Lira.

Lembremos: Marx Beltrão (PMDB), Maurício Quintella (PR), Téo Vilela (PSDB)...  e que vai colocando em "xeque" a disputa ao Senado Federal em Alagoas.

Enquanto isso, Collor rebate: “Nego, de forma veemente, haver recebido da Odebrecht qualquer vantagem indevida não contabilizada na campanha eleitoral de 2010”. 

Será? 

Veremos! 

Redes Sociais: Kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com


Postado em 11/04/2017 às 15:28 0

Renan, o pai-senador, e a 'selfie' "Paz e Amor" para 2018

Senador, em ritmo de pré-campanha, esteve nas cidades de Ibateguara, São José da Laje, Santana do Mundaú, União dos Palmares e Murici


Por Kléverson Levy

Foto: Facebook

Senador Renan Calheiros em 'selfie" com jovens no interior de Alagoas

Está cada vez mais claro que o senador Renan Calheiros (PMDB) se transformou no Renan "Paz e Amor", em busca de sua reeleição no pleito de 2018.

Apesar do senador falar sempre que vai deixar "2018 para resolver em 2018", na realidade ele mesmo se contradiz no que fala e o que vai fazendo trabalhando cotidianamente - e antecipadamente - com vistas ao pleito vindouro. 

Renan, ao seu estilo de fazer política, esteve no final de semana acompanhando o governador Renan Filho (PMDB) e sua comitiva no Governo Presente, realizado na Zona da Mata alagoana, onde passou por cidades como Ibateguara, São José da Laje, Santana do Mundaú, União dos Palmares e Murici. 

Para cada lugar em que esteve, segundo me relatou uma fonte do blog, Renan (pai) foi bem recebido pela população da sua região eleitoral.

Lá, principalmente, em Murici, o senador alagoano foi bem "paparicado" por dezenas de admiradores, amigos e eleitores que fizeram - até - questão de registrar o momento ao seu (dele) lado.  

Ressalta-se: a 'selfie' (foto acima) é, portanto, o modelo adotado pelos marqueteiros Calheiristas na reconquista da imagem positiva que o senador pretende - e deve muito - manter (em 2017) para obter resultados eleitoreiros em 2018. 

E o que disse Calheiros na postagem?

"Fim de semana cheio de programações pelo interior do Estado. Estivemos em Murici, onde o governador entregou vias pavimentadas no Centro da cidade e inaugurou a pedreira Brita Forte, um investimento de R$ 10 milhões. Seguimos para São José da Laje e Ibateguara, onde participamos de inaugurações e assinaturas de ordens de serviços para novas obras nos municípios. Fico feliz ao ver que a população se beneficia e reconhece nosso trabalho", escreveu. 

Por outro lado, tanto o governador Renan Filho quanto o senador Renan aproveitam bastante os espaços nas mídias, eventos insittucionais e até ordens de serviços para ganhar visibilidade 'mirando'  o próximo ano.

E cá para nós, o Governo Presente é mais uma ação "marketing" para mostrar que RF está trabalhando ( dizem que muito!) - com o aval também do senador. 

Estão errados? Não! 

Cada um sabe o passo que deve ser dado e como chegar em cada lugar ou local.

Afinal, mídia todos os mandatários têm! Basta aproveitar oportunidades e usá-las de maneira benéfica para si mesmo, assim como os Renans fazem diariamente. 

Todavia, continuo a dizer:

É o novo Renan Calheiros "Paz e Amor".  

Será?

Redes Sociais: Kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com 


Postado em 10/04/2017 às 09:48 0

Rui Palmeira chama Renan (pai) de “imperador” de Alagoas"

Estadão fez questão de destacar também que Alagoas está em último lugar no ranking brasileiro do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH)


Por Kléverson Levy

Foto: Secom Maceió

Prefeito Rui Palmeira

Em entrevista - no final de semana - ao jornal Estado de São Paulo e reproduzida no site Estadão, o prefeito de Maceió, Rui Palmeira (PSDB), chamou o senador Renan Calheiros (PMDB) de imperador” de Alagoas". 

Palmeira não hesitou ao falar da 'politicagem' praticada pela família Calheiros afirmando que o Governo de Alagoas, comandado por Renan Filho (PMDB), e o grupo político do senador, tentam dificultar sua gestão na capital alagoana. 

Rui foi mais além ao criticar - satiricamente - a postura adotada por Calheiros ao dizer que o parlamentar sempre "pula do barco" quando não vê futuro político em um grupo.

“Renan é governo desde Cabral. Foi líder do Collor, mas na hora em que o barco afundou votou pelo impeachment. Estava com a Dilma, quando viu que não dava, se agarrou a Temer”, afirma. “Agora, já sente que Temer, com essas reformas impopulares, está sem força, então começa a olhar para frente”, completa. “Ele olha para 2018 e vê que a alternativa é abraçar Lula", disse Palmeira ao Estadão. 

O prefeito de Maceió disse ainda que Renan (pai) se acostumou a ser o “imperador” de Alagoas, todavia, sentiu o baque quando o presidente Michel Temer (PMDB) nomeou o deputado federal Maurício Quintella para o Ministério dos Transportes.

“Ele soube da nomeação pela imprensa. Antes, pela influência, costumava saber antes e aproveitava para telefonar para os indicados, como se tivesse dado aval à nomeação.”

De acordo com o Estadão, em resposta ao que disse o prefeito Rui Palmeira, o senador Renan Calheiros afirmou, por meio de assessoria, que divergências pontuais com adversários ocorrem porque ele não se dá “bem com governos que não ouvem”.

Enquanto isso...

O Estadão fez questão de destacar que Alagoas está em último lugar no ranking brasileiro do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), com 0,631 ponto, e apresenta extrema pobreza no interior e na capital.

Além disso, publicou o jornal, o Estado está entre as seis piores economias do País, mas apresentou o terceiro maior crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2014.

Eis aí a nossa realidade política de preocupação, entre os que estão no PODER, enquanto Alagoas apresenta extrema pobreza no interior e na capital. 

Ah!, pobre Alagoas! 

Redes Sociais: Kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com 

Com informações do Site Estadão 


Postado em 09/04/2017 às 09:24 0

JHC denuncia inércia por parte da Prefeitura de Maceió e Governo de AL

Deputado federal usou suas redes sociais para criticar os dois Poderes Executivos pela falta de remédios básicos para o tratamento de crianças com microcefalia


Por Kléverson Levy

Facebook

Deputado federal JHC (PSB)

Quem pensava que o deputado federal João Henrique Caldas, o JHC (PSB), estaria "de bem" - leia-se, politicamente - com o governador Renan Filho (PMDB) se enganou.

Apesar de ter participado daquela grandiosa solenidade da ordem de serviço autorizando o início das obras do Hospital Metropolitano de Alagoas, o pessebista usou suas redes sociais para criticar tanto a Prefeitura de Maceió quanto o Governo de Alagoas. 

O fato usado pelo nobre parlamentar - de forma perspicaz - foi a falta de remédios básicos para o tratamento de crianças com microcefalia.

JHC pegou "o gancho" numa matéria da repórter Thaíse Cavalcante, da Tv Gazeta, mas que foi veiculada no Bom dia Brasil. 

Para denunciar o problema existente entre os dois Poderes Executivos, o deputado federal também escreveu em sua página no facebook que o surto de microcefalia começou em abril de 2015 e, após dois anos, ainda não havia licitação para que os medicamentos fossem repassados às crianças.

"Saúde como prioridade? Os fatos mostram que não! Mais uma vez Alagoas foi destaque negativo na imprensa nacional. A Prefeitura de Maceió e o Governo de Alagoas não estão entregando os remédios básicos para o tratamento de crianças com microcefalia. Ambos justificam que as licitações não foram finalizadas, mas o surto de microcefalia começou em abril de 2015! Dois anos para licitação? Estamos de olho!", escreveu JHC. 

Confira o trecho que fala sobre a microcefalia em Alagoas, no início do vídeo abaixo, a partir de 3'07'' até 4'12''. 

Já com relação a presença do filho de João Caldas no evento do Hospital Metropolitano de Alagoas, disse-me uma fonte que a presença do jovem deputado se deve ao apoio dos parlamentares - na capital federal - para conseguir parte da verba para construção do 'novo empreendimento' do Governo de Alagoas.

Fora isso, é sair nas fotos institucionais para que a população veja que o parlamentar está ajudando Alagoas independente de quem seja o comandante do barco estadual.

Será? 

No mais, fica o espaço aberto para que Prefeitura de Maceió e Governo de Alagoas deem suas respostas sobre tais denúncias. 

Redes Sociais: Kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com 


Postado em 04/04/2017 às 14:07 0

Família Pereira: Jó sai, Fernando entra e Joãozinho fica

Secretário de Estado da Assistência Social e ex-prefeito de Junqueiro, Fernando Pereira, seria o irmão a ocupar a cadeira de Jó na ALE


Por Kléverson Levy

Foto: Blog do Márcio José

Família Pereira e o governador Renan Filho (PMDB)

Há quem diga que o prefeito de Teotônio Vilela, Joãozinho Pereira (agora no PMDB Calheirista), seria o provável candidato a vice-governador na chapa da reeleição do governador Renan Filho (PMDB). 

Eis que uma fonte deste blog disse que o "xadrez político" da família Pereira será uma dança de cadeiras entre os irmãos para manter - óbvio - a vaga de deputado estadual na Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE).

Com isso, a mudança seria a ida da deputada Jó Pereira (PMDB) - em mandato, ascensão e representante da classe feminina - como candidata a vice-governadora de RF.

Dizem!

Já o secretário de Estado da Assistência Social e ex-prefeito de Junqueiro, Fernando Pereira, seria o irmão a ocupar a cadeira de Jó na ALE.

E os Pereiras mantêm o assento garantido desde que Joãozinho foi eleito o mais votado em 2010 e, em seguida, Jó Pereira na eleição de 2014.     

O prefeito Joãozinho, revelou-me um aliado da família, vai se manter no cargo para não perder a confiança do eleitorado vilelano. A saída deles do PSDB - de Téo Vilela - já causou um grande desconforto político para os clãs nas cidades comandadas pela família. 

Contudo, deixar o mandato faltando pouco mais de três anos para o próximo pleito municipal é como um "suícidio eleitoral antecipado" e um prato cheio para oposição ganhar fôlego na disputa de 2020. 

Caso seja concretizado os planos da família Pereira, Jó sai da ALE para vice-governadora; Fernando entra na disputa pela cadeira familiar na Casa de Tavares Bastos; e, Joãozinho, na Prefeitura de Teotônio Vilela. 

Será? 

Agora, só não me pergunte como ficará a aliança entre Biu de Lira (PP), Arthur Lira (PP) e os Pereiras do agreste. 

Redes Sociais: Kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com


Postado em 31/03/2017 às 08:26 0

HH relembra atuação no Senado em 2003 vivenciando 2017

Na semana passada, a ex-senadora postou um vídeo de 2003 - à época, no mandato - ressaltando sobre o que hoje é uma realidade


Por Kléverson Levy

Arquivo: Antônio Jacinto

Heloísa Helena (Rede)

Apesar de decidir ficar sem mandato, a ex-vereadora e ex-senadora Heloísa Helena (Rede) tem usado constantemente suas redes sociais para falar de assuntos pertinentes ao momento que se encontra a política no Brasil.

HH sabe que tem a oratória (e conhecimento) para debater - sem tergiversar e sem blá blá blá - sobre temas importantes como, por exemplo, a Reforma da Previdência considerada por ela "a farsa intelectual". 

"Relembrando aos oportunistas que fingem esquecer! FHC, Lula, Temer - três cínicos - repetindo a mesma fraude intelectual e farsa política na Reforma da Previdência", escreveu HH em sua página oficial no facebook.

Foram oito anos de mandatos (1999-2006) no Senado Federal em que a parlamentar discutia – embasadamente – cada detalhe dos projetos colocados em pauta para votação.

Na semana passada, a ex-senadora postou um vídeo (Veja Abaixo) de 2003 (há exatos 14 anos) - à época, no mandato - ressaltando sobre o que hoje virou realidade.  

Heloísa Helena não tem a 'dinheirama' que é jogada em tempos de eleição nas terras dos Marechais das Alagoas, mas com "bala na agulha" para debater – em grau de conhecimento e conteúdo - sobre assuntos polêmicos e de interesses da população.  

"Naqueles anos eu passava madrugadas assistindo a TV Senado apenas para ver seus pronunciamentos e sua luta política. Hoje eu passo longe! Não há ninguém no Senado Federal que chegue perto da sua grandeza", comentou Luiz Cláudio no facebook. 

A ex-senadora - também reconhecida como estadista (às questões políticas e à administração do Estado) - já disse que não mudará o domicílio eleitoral de Alagoas para o Rio de Janeiro. 

HH sabe que a disputa de 2018 é viável para ela devido os últimos fatos ocorridos no país, a exemplo dos escândalos políticos da Operação Lava Jato.

Porém, o futuro político é um tanto quanto incerto pelo menos para a própria Heloísa Helena - até o momento. 

Leia também"Não vou mudar meu domicílio eleitoral", diz HH sobre 2018

Redes Sociais: Kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com


Postado em 27/03/2017 às 20:52 0

Renan Filho, Rui Palmeira e o 'peso político' em Maceió

Apesar de estarem na mesma cidade e no mesmo horário, porém, em locais diferentes, Renan e Rui deixam entender que poderão se enfrentar nas urnas de 2018


Por Kléverson Levy

Foto: Agência Alagoas

Renan Filho - com sua turma de 'peso' - esteve ao lado de aliados

Pode até ter passado despercebido na imprensa, mas, em Maceió, nesta segunda-feira, 27, o governador Renan Filho (PMDB) e o prefeito Rui Pameira (PSDB) estiveram em regiões opostas na capital alagoana - e ao mesmo tempo - em eventos oficiais.

De um lado, Palmeira atraiu o ministro dos Transportes, Maurício Quintella (PR), e o senador Benedito de Lira (PP), para visitar as obras de expansão do Veículo Leve Sobre Trilho (VLT). Por lá, autoridades presentes fizeram uma viagem entre a Estação do Bom Parto até a Estação do Mercado. 

Do outro, Renan Filho - com sua turma de 'peso' - esteve ao lado do senador Renan Calheiros (PMDB), do ministro do Turismo, Marx Beltrão, deputados federais, deputados estaduais, além de um grande número de prefeitos, vereadores e aliados que encheram o "palanque" do Estado. 

Não é de se questionar sobre as obras que cada gestor pretende - ou vai - realizar.

Chamou atenção também o fato do prefeito não comparecer - e isso seria óbvio - na solenidade da ordem de serviço autorizando o início das obras do Hospital Metropolitano de Alagoas. Rui é - ainda - o prefeito de Maceió. Enfim!

De acordo com matéria da Agência Alagoas, o novo hospital em Maceió teve o apoio político da bancada federal de Alagoas.

Compareceram ao Distrito Industrial: Cícero Almeida (PMDB), Givaldo Carimbão (PHS), Nivaldo Albuquerque (PRP), Rosinha da Adefal (PT do B), Paulão (PT), Pedro Vilela (PSDB) e até JHC (PSB). 

O peso político no local que Renan Filho lançou mais uma obra foi sobrecarregado - e intensamente - daqueles mesmos personagens que querem ganhar destaques nas fotos para buscar reeleição no próximo ano e dizer ao povo que fez, faz e vai fazer muito mais (coincidência, mas eu já vi isso antes).

Já Rui, Biu e Quintella - timidamente e sem tanto 'enxame' - deram continuidade ao projeto do VLT dentro da capital com uma pequena equipe do prefeito, CBTU e outras autoridades. 

O que ficou evidente?

Apesar de estarem na mesma cidade e no mesmo horário, porém, em locais diferentes, Renan e Rui deixaram transparecer que poderão se enfrentar nas urnas de 2018.

A conquista por espaço e eleitores - em Maceió - é clara quando governador e prefeito mantêm o mesmo sintoma de dizer "Eu estou aqui. Estou trabalhando. Estou realizando obras".

Portanto, fora os acontecimentos políticos é importante reforçar que os gestores cumpram o que prometeram (e prometem com o passar dos dias) para melhorar a vida da população que mais necessita de transporte público de qualidade, no caso do VLT de Rui e Biu, como também, do novo hospital - de Renan e companhias - que deverá desafogar o HGE. 

São obras importantes que não podem ficar apenas nos discursos e sendo trabalhado para o 'marketing eleitoreiro'.

Do contrário, serão obras "faraônicas" paradas diante de tantas outras já existentes.

Menos politicagem! 

O povo agradece.   

Redes Sociais: Kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com 


Postado em 26/03/2017 às 15:20 0

Renan Calheiros é elogiado ao dizer 'não à terceirização'

Pelas redes sociais, o parlamentar saiu em defesa dos trabalhadores e "criticou" - antecipadamente - o presidente Michel Temer (PMDB)


Por Kléverson Levy

Foto: Facebook

Senador Renan Calheiros (PMDB)

Numa jogada de 'expert', o senador Renan Calheiros (PMDB) usou suas redes sociais para "criticar" o presidente Michel Temer - antecipadamente - caso o governo sancione o Projeto de Lei da Terceirização. 

Pelas redes sociais, o parlamentar saiu em defesa da classe trabalhadora ao afirmar comumente que a 'Terceirização geral não rima com recessão'.

"Terceirização geral não rima com recessão. Se houver sanção presidencial ao projeto aprovado na Câmara, haverá precarização, jornadas ampliadas, salários reduzidos, mais acidentes de trabalho, menos emprego e menor arrecadação", opinou o senador. 

Calheiros fez esse "desabafo" na tarde de ontem, 25, chegando a obter mais de duas mil curtidas e cerca de cem compartilhamentos em sua página oficial no Facebook (até o post desta  matéria).

Após publicação contra o projeto, o senador alagoano foi bastante elogiado por seu posicionamento favorável à classe trabalhadora do país. 

"Senador Renan Calheiros, em nome de toda classe trabalhadora desse país, não permita que Michel Temer afunde o país com essas medidas que só maltratam o povo pobre desse país!", escreveu um seguidor. 

Por outro lado, como já deixei escrito neste blog, o senador volta à cena pública/política - em Alagoas - fazendo o que há muito tempo deixou de lado: usando os meios de comunicação do Estado e, diariamente, suas redes sociais, para reconquistar a cadeira de senador em 2018. 

É o novo Renan Calheiros "Paz e Amor".  

Será? 

Terceirização

A Câmara dos Deputados aprovou na última quarta-feira (22) por 231 votos a favor, 188 contra e 8 abstenções o texto-base do projeto de lei que autoriza o trabalho terceirizado de forma irrestrita para qualquer tipo de atividade.

O texto permite a contratação de serviço terceirizado em qualquer tipo de atividade de uma empresa e amplia de 90 para até 180 dias o prazo para trabalhos temporários.

Dos sete deputados federais alagoanos que estavam no plenário da Câmara dos Deputados, apenas quatro votaram a favor da terceirização. Foram eles: Arthur Lira (PP), Cícero Almeida (PMDB), Nivaldo Albuquerque (PRP) e Rosinha da Adefal (PT do B). 

Já Givaldo Carimbão (PHS), Paulão (PT) e Pedro Vilela (PSDB) votaram contra o Projeto de Lei da Terceirização. 

Ê Brasil!

Redes Sociais: Kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com 


Postado em 25/03/2017 às 09:28 0

Procurador-geral de Justiça vai combater censura a jornalistas alagoanos

Além do Diário do Poder e Davi Soares, o semanário Extra e o Repórter Alagoas também já foram censurados por publicarem matérias contra autoridades


Por Kléverson Levy

Foto: Davi Soares/Arquivo

Alfredo Gaspar de Mendonça

Eis que o Ministério Público Estadual (MPE-AL) entendeu que repressão e censura contra jornalistas alagoanos 'bate de frente" na missão com a democracia e a liberdade de imprensa. 

Na manhã deste sábado, em solidariedade aos jornalistas exprobrados, o procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar de Mendonça Neto, reafirmou seu compromisso institucional e pessoal como os valores democráticos e vai agir contra censura em Alagoas.

O MP de Alagoas vai avaliar todas as decisões que censuraram jornalistas no Estado. Um dos casos mais impetuosos foi contra Davi Soares do Diário do Poder.

É que o deputado estadual Antônio Albuquerque (PTB) ingressou com a Ação Penal (nº 0703002-10.2017.8.02.0001) em desfavor do profissional de imprensa pelos crimes de calúnia, injúria e difamação.  

Na ação, protocolada na 3ª Vara Criminal da Capital em Maceió, o juiz Carlos Henrique Pita Duarte determinou que matérias citando o nome de AA fossem tiradas do ar. Além disso, o magistrado recomendou ao jornalista Davi Soares e o Diário do Poder não escrever, "de qualquer maneira", sobre Antônio Albuquerque.

Por conta desse juízo, o chefe do MP considera que são decisões que não se sustentam, pois, extrapolam os limites constitucionais.

"O Ministério Público é defensor intransigente da liberdade de imprensa. Censura não faz parte da regra democrática. Ao Davi, Odilon, Fernando, Ricardo Mota e todos os profissionais da imprensa, desejamos sempre o respeito a liberdade da informação como garantia constitucional. O MP está pronto para agir", escreveu Alfredo Gaspar de Mendonça em mensagem enviada aos jornalistas. 

O Caso de Davi

O deputado AA não gostou das matérias publicadas pelo jornalista Davi Soares com títulos "Réu da Operação Taturana tentou presidir o legislativo de Alagoas", como também, ao informar que seu filho e atual secretário de Estado do Trabalho e Emprego (Sete), Arthur Albuquerque, é o "Novo secretário do Governo de Alagoas terá 1º emprego de R$ 18 mil". 

Todavia, o conteúdo desses textos incomodaram - bastante - e demais o parlamentar. 

Além do Diário do Poder e Davi Soares, o semanário Extra e o Repórter Alagoas já foram censurados por publicarem matérias que mostram claramente a verdade - em meio às escondidas - nos bastidores da política e do Poder alagoano.

Já Davi Soares tem sido "perseguido" pela classe política alagoana por escrever o que - de fato -  ele aprendeu em sala de aula durante seus quatro anos na Universidade Federal de Alagoas (Ufal).

Faltar com a verdade para leitores e a sociedade alagoana é, portanto, o mesmo que pegar o diploma de jornalista e rasgá-lo com justificativa.  

Cerceamento à liberdade de imprensa por ações judiciais 

No relatório da Violência Contra Jornalistas e Liberdade de Imprensa, divulgado em 2016, pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), apontou que, em Alagoas, três casos de grande repercussão na imprensa constam nos dados publicados pela Fenaj. 

Um deles, inclusive, é também do deputado Antônio Albuquerque contra os jornalistas Odilon Rios e Fernando Araújo (Extra). Na ação, além do pedido de prisão, AA processou criminalmente os profissionais por publicarem uma série de reportagens sobre os processos que ele responde na Justiça alagoana. O juiz do caso é também Carlos Henrique Pita Duarte. 

Já os outros processos se estendem a Victor Avner e Fernando Araújo, por reportagem publicada no Jornal Extra, sobre a lentidão do Ministério Público Federal (MPF) na investigação contra uma Oscip. Procuradores do MPF processaram os jornalistas por considerarem o material "ofensivo".

A terceira foi em desfavor de Odilon Rios. Odilon foi proibido pela Justiça de se manifestar publicamente - sobre o processo em que foi obrigado a indenizar em R$ 5 mil autoridades policiais - ao externar sua revolta diante da afirmação da polícia alagoana de que seu enteado havia sido assasinado supostamente por ser usuário de drogas. 

Por fim, os dados acima podem ser conferidos (Página 40) no Relatório da Violência Contra Jornalistas e Liberdade de Imprensa clicando aqui!

Como escreveu George Orwell: "Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade."

Mentira se combate com a verdade. E o provérbio é correto em afirmar que "Quem for podre que se quebre!"

Bom final de semana!

Redes Sociais: Kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com