Kleverson Levy
Kleverson Levy

Postado em 23/02/2017 às 20:37 0

Vereadores querem barrar PL que cria 36 cargos e aumenta despesas em Prefeitura 

Caso seja aprovado, Executivo vai custear R$ 101.640,00  (cento e hum mil reais e seiscentos e quarenta) a mais nas contas mensais


Por Kléverson Levy

Foto: Cortesia

Marcelo Caldas Nunes, o Marcelo Moringa (PSL), e Hildebrando Tenório de Albuquerque Neto, o Del Cavalcante (PMDB)

Em meio à crise financeira e o cancelamento do Carnaval 2017, nesta sexta-feira, 24, a Câmara de Vereadores de Marechal Deodoro vai analisar o Projeto de Lei (PL) Nº 07/2017 - de autoria do Executivo municipal - para criação de 36 novos cargos comissionados na estrutura administrativa da Prefeitura local. 

Na mensagem enviada ao presidente do legislativo deodorense, vereador André Luiz Barros da Silva, o André Bocão (PSD), o prefeito Claudio Roberto Ayres da Costa, o Cacau (PSD), pediu aos parlamentares apreciação e aprovação do PL alegando que há necessidade de proporcionar estrutura funcional adequada à prestação dos serviços públicos. 

Os cargos (leia-se os 36) atenderão as secretarias de Planejamento, Orçamento e Desenvolvimento Urbano; Educação; Saúde; Assistência Social; Obras e Infraestrutura; Cultura e Preservação do Patrimônio Histórico; e estrutura geral da administração municipal. 

Dois vereadores de oposição querem barrar a aprovação do PL na Câmara Municipal. Marcelo Caldas Nunes, o Marcelo Moringa (PSL), e Hildebrando Tenório de Albuquerque Neto, o Del Cavalcante (PMDB), discordam da proposta apresentada pelo Executivo deodorense. 

Em contato com o blog, Del Cavalcante explicou que o PL Nº 07/2017 contradiz tudo que o prefeito relata em relação ao momento de crise. O parlamentar ressaltou que a atual administração cancela os festejos de Momo, mas, ao mesmo tempo, quer aprovação de um projeto que vai custar mais de R$ 100 mil aos cofres públicos. 

"Somos totalmente contra ao projeto. O prefeito [Cacau] diz que o município não tem dinheiro. Também faltam medicamentos nos Postos de Saúde. O carnaval deste ano, tradição em nossa cidade, foi cancelado com a justificativa de não ter dinheiro para custear. Aí vem o gestor com o Projeto de Lei que cria mais de R$ 100 mil de encargos para o Executivo pagar? Absurdo!  Tanto eu quanto o vereador Marcelo Moringa somos contra o PL. Repudiamos e votaremos contra esse projeto", disse Cavalcante. 

Cargos Comissionados

Para cada pasta - seis no total - será criado o cargo de Superintendente (SUP) com remuneração de R$ 5.000 (cinco mil reais), todavia, custando R$ 30 mil (trinta mil reais).  No entanto, na estrutura geral da administração municipal o valor do comissionado é de R$ 1.800 (hum mil e oitocentos reais) para as trinta (30) vagas que resultará no gasto de R$ 54 mil (cinquenta e quatro mil reais). 

Além disso, soma-se o valor de R$ 17.640,00 (dezessete mil reais e seiscentos e quarenta) que é o imposto sobre os cargos (os 21% do Patronal). Somados os gastos total, a Prefeitura de Marechal Deodoro vai ter que desembolsar - mensalmente - exatos R$ 101.640,00  (cento e hum mil reais e seiscentos e quarenta) a mais nas despesas do Executivo para manter todos os 36 cargos. 

O Projeto de Lei Nº 07, de 13 de fevereiro de 2017, caso seja aprovado, diz em seu parágrafo único que as atribuições para quem ocupar os cargos acimas citados serão regulamentados através de Decretos do chefe do Poder Executivo. 

Já Art. 3º complementa ainda que as despesas decorrentes da Lei serão custeadas de dotações para pessoal civil consignadas no orçamento do município, ou seja, o gestor também estará autorizado a suplementá-las, caso seja necessário. 

Em tempo: O blog entrou em contato com a Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Marechal Deodoro, contudo, até a publicação desta matéria, não obtivemos uma resposta oficial. 

Redes Sociais: kleversonlevy
Email: kleversonlevy@gmail.com


Postado em 22/02/2017 às 10:08 0

Ex-prefeito diz que será candidato em 2018 pelo PMDB

Há quase dois meses sem mandato, desde que deixou o Executivo palmeirense, James Ribeiro já trabalha para definir seu futuro político


Por Kléverson Levy

Foto: Facebook

Ex-prefeito de Palmeira do Índios, James Ribeiro (PMDB)

Conversei ontem, 21, com o ex-prefeito de Palmeira dos Índios, James Ribeiro (PMDB). 

Há quase dois meses sem mandato, desde que deixou o Executivo palmeirense, em 31 de dezembro do ano passado, Ribeiro já trabalha para definir seu futuro político em 2018. 

Na semana anterior, o blog do Bernardino divulgou que o ex-prefeito estaria de malas prontas para o PRTB. 

Filiado ao PMDB do senador Renan Calheiros e do governador Renan Filho, James disse ao blog que não vai deixar a sigla Calheirista ou filiar-se a outro partido como havia sido divulgado na imprensa. 

Indagado se há possibilidades dessa mudança ainda ocorrer, Ribeiro ressaltou que continua presidente do PMDB palmeirense e que foi ao encontro com lideranças do PRTB, em Maceió, em respeito ao convite feito pela cúpula do partido em Alagoas.

"Não saí do PMDB. Fui convidado para participar de uma reunião, a convite do Adeilson Bezerra, e me senti lisojeado por lembrar do meu nome. O encontro contou com várias lideranças alagoanas e, no meio de uma delas, eu estava incluído. Sou do PMDB, estou presidente da sigla em Palmeira e, antes de tomar decisões políticas, tenho que conversar com o senador Renan Calheiros e o governador Renan Filho", comentou. 

Prefeito por dois mandatos seguidos (2009-2012 e 2013-2016), James também deixou claro seu interesse de disputar um cargo eletivo no próximo ano.

De férias, após desocupar a cadeira de gestor que manteve por oito anos, o filho do saudoso Helenildo Ribeiro (ex-deputado federal) não titubeou ao afirmar que vai disputar uma das 27 cadeiras na Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE). 

"Ainda tem muito tempo para o pleito de 2018, mas serei candidato a deputado estadual. Passei oito anos na Prefeitura de Palmeira dos Índios, tenho serviços prestados e sei do trabalho que fiz durante os dois mandatos. Nossa região precisa ter mais representatividade na Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE) e Palmeira se destacar cada vez mais em nível de Estado. Participarei das eleições do próximo ano como candidato,contudo, com aval do governador [Renan Filho] e do senador [Renan Pai] que são as lideranças fortes do nosso partido no Estado", reforçou o ex-gestor.  

Por enquanto, James Ribeiro vai descansando pós-período "prefeitável" para articular - via bastidores - sua candidatura à Casa de Tavares Bastos. Desde que encerrou o mandato, em dezembro de 2016, já havia essa possibilidade do ex-prefeito disputar uma vaga na ALE. 

Portanto, além de James Ribeiro, Palmeira - com mais de 49 mil eleitores - poderá ter no pleito vindouro nomes como o da ex-prefeita Ângela Garrote (PP); Val Gaia (PSDB) em mais uma reeleição; e os candidatos/aliados que estarão no palanque do atual prefeito Júlio Cezar (PSB) - o "imperador".  

Todavia, 2018 será decisivo na política alagoana! 

Redes Sociais: kleversonlevy
Email: kleversonlevy@gmail.com


Postado em 21/02/2017 às 08:11 0

Renan Calheiros vê 2018 começando por 2017

Senador volta à cena pública - em Alagoas - usando os meios de comunicação do Estado para falar sobre seu mandato e das políticas local e nacional


Por Kléverson Levy

Foto: TNH1

Senador Renan Calheiros

Quem deu o pontapé inicial para a eleição de 2018, ao que ficou claro nesta segunda-feira, 20, foi o senador Renan Calheiros (PMDB). 

No estilo Renan "paz e amor", o senador volta à cena pública/política - em Alagoas - usando os meios de comunicação do Estado, a exemplo de seu Sistema de Rádio (Correio AM) e o Pajuçara Sistema de Comunicação (Pascom), onde concedeu entrevistas em vários programas das empresas de comunicação. 

Candidatíssimo à reeleição para o Senado Federal, quando as duas vagas estarão sendo disputadas, o líder do PMDB soube ouvir muito bem seus "marqueteiros e analistas políticos" de que sua imagem política em Alagoas precisa ganhar uma nova fase e mudança.

Outrossim, o ex-presidente do Senado também reconhece que a disputa pelo cargo será árdua e começou há meses.  

As pesquisas internas e de bastidores, realizadas pelo PMDB e o Palácio República dos Palmares, mostram que Calheiros precisa mais do que nunca mudar a opinião do eleitorado com relação à sua candidatura em 2018. 

Garantir o seu retorno para o Senado Federal é uma das missões mais importantes para o parlamentar que enfrenta acusações 'pesadas' após o envolvimento de seu nome nos escândalos da Operação Lava Jato.

Contudo, todos (os aliados) sabem que Calheiros  é considerado o "expert" da política brasileira. O que dizer então no Estado de Alagoas?

O resultado dessa investida na imagem "paz e amor", principalmente, ao ser entrevistado no Fique Alerta - programa que tem grande popularidade e alcance nos 102 municípios, demonstrou um Renan Calheiros (leia-se um 'modelo 2018') preparado em querer recuperar o que as urnas responderam ao seu grupo político em 2016. 

Sabe-se que na maioria das cidades alagoanas, o PMDB e o governador Renan Filho foram derrotados por adversários que hoje os Calheiros tentam atrair para o lado de cá - deles. Todavia, para os Renans (pai e filho) o ano vindouro não pode jamais repetir o ocorrido em 2016.

A força-tarefa dos peemedebistas, correligionários e aliados começou para reeleger Renan Pai (Senado) e Renan Filho (Governo). 

Por outro lado, se as pesquisas apontam para uma mudança no cenário político alagoano, é bom ir preparando para grandes surpresas oriundas das urnas de 2018.

A eleição do próximo caminha para uma conjuntura diferente de pleitos anteriores, seja na Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE), na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, respectivamente, com 27, nove (9) e duas (2) vagas. 

Já o senador Renan Calheiros sempre ouvi dizer que é como uma Fênix: ressurge das cinzas, se renova, muda, inova, é enxadrista e sabe como ninguém corrigir os erros na reconquista para não deixar o Poder. 

Enfim...

Só 2018 responderá! 

Redes Sociais: kleversonlevy
Email: kleversonlevy@gmail.com


Postado em 17/02/2017 às 12:11 0

Radialistas repudiam portaria proibindo trabalho da imprensa na Câmara de Palmeira

Presidência do legislativo, comandada pelo vereador Júnior Miranda (PSL), cconvocou uma coletiva para próxima quarta-feira (22), às 8hs


Por Kléverson Levy

Foto: Facebook da Câmara de Palmeira

Portaria foi assinada pelo presidente da casa, vereador Júnior Miranda (PSL)

O clima entre a Câmara de Vereadores de Palmeira dos Índios e a imprensa local não vai nada bem.

Após a polêmica sobre a Portaria de nº 002/2017, proibindo a permanência de 'assessores, profissionais da imprensa e demais pessoas alheias às atividades da Câmara', no Plenário da Casa, o legislativo convocou uma coletiva para esclarecer questionamentos que ficaram sem explicações. 

De acordo com assessoria da Câmara palmeirense, os profissionais da imprensa (leia-se jornalistas, radialistas, blogueiros, entre outros) estão convidados para a primeira coletiva de imprensa da Mesa Diretora da 18ª legislatura. O encontro vai acontecer na próxima quarta-feira (22), às 8hs, no Salão Nobre da Casa.

Na ocasião, a Mesa Diretora irá informar e esclarecer sobre a nova estrutura organizacional da Casa de leis e demais dúvidas. 

Contudo, a proibição na sessão da última quarta-feira, 15, provocou repúdio nas emissoras de rádios, portais de notícias e, inclusive, boa parte da população. Em contato com este jornalista, alguns colegas da imprensa relataram como a presidência da Câmara, comandada pelo vereador Júnior Miranda (PSL), cessou o direito de informar aos cidadãos. 

"“A mesa diretora deu uma 'tapa na cara da imprensa' que está ali para fazer o seu papel. Seria muito simples enviar um email informando novas regras da casa. Os profissionais de imprensa estão unidos no sentido de repudiar a decisão e se necessário provocar até o Ministério Público de Alagoas (MPE). Nas outras legislaturas nunca tivemos problemas, nem encontramos nenhum obstáculo para fazer o nosso trabalho. Vejo isso como uma falta de respeito com a categoria e uma afronta à Constituição”, ressaltou o radialista Djalma Lyma, do Portal TodoSegundo. 

Em seu programa na Vitório FM, o radialista Marcelo Lima também ficou indignado com a atitude tomada pelo presidente do legislativo palmeirense, Júnior Miranda. Lima reforçou que a medida atinge o direito e o dever de informar que é papel da imprensa. 

"Nosso trabalho não precisa estar dentro do plenário, mas atinge o direito de informar que é dos profissionais. Vou continuar noticiando independente se vereador achar bom ou ruim. Nosso dever de informar ele vai permanecer. Em que o profissional de imprensa vai interromper o trabalho na Câmara de Vereadores? Em nada! A não ser que eles [os vereadores] tenham interesse que a população fique sem saber o que estão fazendo. O trabalho da imprensa é informar e cumprir a missão que temos todos os dias em repassar os fatos para população", rebateu o radialista. 

Já a assessoria de imprensa da Câmara de Palmeira informou que a portaria não proíbe o acesso às instalações da casa. Ao blog, a assessoria reiterou que a medida visa proporcionar mais organização aos trabalhos legislativos e limita o acesso ao Plenário durante a realização de sessões ordinárias. 

"A medida tem o objetivo de melhorar o trabalho dos próprios vereadores e assessores da casa, disciplinando o acesso ao Plenário e obedecendo à capacidade física do espaço. Seguimos os parâmetros da Câmara Municipal de Maceió, Assembleia Legislativa de Alagoas, Câmara dos Deputados e Senado Federal. A imprensa pode entrar no plenário durante qualquer sessão. Só não é permitido a permanência", informou.. 

Passou a chave na porta

Por outro lado, a jornalista Grazi Duarte, do Estadão Alagoas, explicou que foi surpreendida com a medida que proibia a entrada de seus colegas no local. Duarte destacou ainda que a portaria foi aplicada a um número limitado de profissionais e que o direito foi cerceado quando a porta do plenário foi passada a chave. 

"A princípio fui à Câmara para cobrir o primeiro dia de atividades da casa. Fui surpreendida pela tal Portaria 002/2017 que proibia a entrada da imprensa no plenário. A 002/2017 aponta permanência, mas tivemos nosso direito cerceado sim porque a porta do plenário estava fechada de chave. A Portaria foi aplicada apenas a um número limitado de profissionais, não serviu a todos. A Câmara deslumbrou de oferecer provas sólidas que abonem tal posicionamento. Apesar da assessoria afirmar que nada disso ocorreu,  reafirmo que ocorreu sim. Eu, como profissional de comunicação, tive meu trabalho prejudicado, pois, também trabalho com imagens e fiquei limitada nas minhas atividades", finalizou Grazi Duarte. 

No entanto, se os vereadores (são 15) estão temendo pela presença da imprensa, acredito que algo deve ter a esconder. Do contrário, caríssimos representantes do povo, deixem que os colegas façam o trabalho profissionalmente e que a população tenha direito de saber o que ocorre dentro de uma casa legislativa. 

Ou então... fico com a certeza das palavras espontaneamente - via whatsapp - da vereadora Adelaide França (PMDB).

"Eu não tenho medo da pressão popular e da imprensa. Fazer o meu trabalho com minhas convicções. Só me preocupo que me chamem de quatro adjetivos (quais?). O resto, tô nem aí! Não estou preocupado com a imprensa, principalmente, com a imprensa marrom. A imprensa que só quer quanto mais ruim melhor", esbravejou a parlamentar no áudio. 

Será? 

Leia também: Prefeito muda secretária de Educação para agradar vereadores

Redes Sociais: kleversonlevy
Email: kleversonlevy@gmail.com


Postado em 16/02/2017 às 08:37 0

Prefeito muda secretária de Educação para agradar vereadores

Indicação da nova pasta na gestão de Júlio Cezar (PSB) reforçou que os acordos políticos estão em alta entre Executivo e legislativo


Por Kléverson Levy

Foto: Facebook

Júlio Cezar, Alcineide Nascimento e Júnior Miranda (presidente da Câmara)

Para não desagradar a Câmara de Vereadores de Palmeira dos Índios, leia-se em sua maioria os vereadores aliados do presidente, o prefeito Júlio Cezar (PSB) nomeou a nova secretária municipal de Educação.

Quem assumiu a Semed palmeirense ontem (15) foi a professora Alcineide Nascimento.

Esposa do atual presidente da Câmara de Palmeira, o vereador Júnior Miranda (PSL), a indicação da nova secretária na gestão do "imperador" mostra que os acordos políticos estão em alta entre Executivo e legislativo. 

Independente da indicação, ressalte-se, que, como secretária, Alcineide agrada aos servidores da pasta que têm um grande apreço pelo seu trabalho. Vale lembrar que a nova secretária já passou pelo cargo na gestão da ex-prefeita Maria José Carvalho do Nascimento, a Mazé, entre 1997-2000. 

Sem dúvidas, foi - à época - e é uma grande gestora na área educacional do município. Agora, na administração de Júlio Cezar terá missão grandiosa pela educação local, assim como fez no final da década de 90.

Já ex-secretária da pasta, Márcia Barbosa, deixou o cargo após pouco mais de um mês à frente da Educação.

No entanto, Alcineide Nascimento havia sido cogitada desde o começo da administração, em janeiro deste ano, mas, ao que parece, teve que esperar um pouco até que fosse realizada a eleição no legislativo municipal.

Os próprios aliados de Júlio Cezar dizem que o prefeito terá trabalho com a turma do legislativo municipal. Ele que também passou pela Câmara, antes de ser eleito ao Executivo, vai ter que saber "imperar" com o jeitinho brasileiro para agradar os parlamentares. 

Eis um grande trunfo nas mãos do imperador. 

A Câmara... 

Com a vitória do grupo de Júnior Miranda, eleito presidente por maioria dos votos, houve o fortalecimento do considerado G-9 na Câmara de Palmeira. É esse grupo que, segundo informações colhidas pelo blog, quer mandar e desmandar no governo Júlio Cezar. 

Já disse e repito: não estou sendo contra a indicação de Nascimento ao cargo, todavia, a forma como vem sendo "costurados" os acordos espúrios - via bastidores - para manter um grupo político no Poder. 

Aliás, o G-9 sabe quais são os pedidos - nos bastidores - em troca de apoios para manter aliados, correligionários e amigos nas "barbatanas do Executivo". Infelizmente, a perspectiva de uma nova Câmara de Vereadores ficou apenas nos discursos e antes das eleições de 2016. 

Ao que percebe-se, em mais uma legislatura, é o que este jornalista escreveu por diversas vezes neste blog: após eleições, os interesses da população não parecem valer nada. Observar-se justamente interesses de boa parte dos parlamentares em benefício próprio, familiar e pessoal. 

De um lado, o grupo dos nove (o G-9) com Pedrinho Gaia (PMDB), Toninho Garrote (PP), Madson Momteiro (PHS), Junior Miranda (PSL), Dindor (PRTB), Joelma Toledo (PMDB), Fabiano Gomes (PSC), Fábio Targino (PEN) e Abraão do BMG (PRTB).

Do outro, na minoria do  grupo dos seis (o G-6), Val Enfermeiro (PMN), Agenor Leôncio (PSB), Cristiano Ramos (PDT), Adelaide França (PMDB), Ronaldo Raimundo Jr. (PROS) e Maxwell Feitosa (PMN).

Mudou - em que sentido - a legislatura anterior em comparação com a atual?

Redes Sociais: kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com 


Postado em 13/02/2017 às 11:14 0

Sem fiscalização da SMTT, ruas transversais da Amélia Rosa são um 'caos'

Moradores reclamam que ausência de placas de sinalização também é um problema que prejudica o tráfego de pessoas e veículos no local


Por Kléverson Levy

Foto: Cortesia

Avenida Antônio Gomes de Barros (Amélia Rosa) com a Rua Artagnan Martins Reis

Enquanto a Superitendência Municipal de Transporte e Trânsito de Maceió (SMTT) se preocupa com pardais eletrônicos e Zona Azul, posteriormente, algumas ruas da capital alagoana têm o trânsito de veículos em total desorganização. 

Leitores (as), em contato com o blog, pediram para este espaço relatar a real na situação de ruas transversais na avenida Antônio Gomes de Barros, a antiga Amélia Rosa, na Jatiúca. 

Segundo os moradores, em horários de "picos" e, principalmente, no final da tarde, o fluxo de veículos aumenta consideravelmente prejudicando até os pedestres que caminham pelas ruas da região. 

Um dos cruzamentos mais complicados é o da avenida Antônio Gomes de Barros (Amélia Rosa) com a Rua Artagnan Martins Reis. No local, motoristas que vêm da avenida Jatiúca pegando a Artagnan Martins Reis não tem opção segura para atravessar/cruzar ao chegar na Amélia Rosa. 

Além do motante de carros passando pelos quatro sentidos (Amélia Rosa/Praia; Amélia Rosa/Shopping; e Artagnan Martins Reis/ Stella Maris/Jatiúca), a ausência de placas de sinalização também é um problema que prejudica o tráfego de pessoas e veículos. 

"Em algumas horas do dia não temos nem como atravessar com segurança. Os carros cruzam de todos os lados, não há um sinal de quatro tempos para organizar os sentidos das ruas, não tem fiscalização de agentes, não tem placas de trânsito. Enfim, é uma desorganização todos os dias nesse cruzamento. Se você passar diariamente vai vê que nada muda. É preciso uma atenção dos orgãos responsáveis para que haja um ajuste no trânsito do local", reclamou Maria José, moradora do bairro. 

Por outro lado, também devido ao número lojas comerciais na avenida Antônio Gomes de Barros (Amélia Rosa), a quantidade de carros que circulam no entorno é grande. Com isso, os cruzamentos ficam intransitáveis por conta do fechamento por parte de alguns motoristas. 

Todavia, o Código Trânsito Brasileiro (CTB) preconiza que veículos fechando cruzamentos e impedindo a fluidez no trânsito constitui infração gravíssima. O não cumprimento dessa regra acarreta uma multa de R$191,54 e sete pontos na CNH.  

Sinal ou contorno de quadra 

A ideia para alguns comerciantes seria colocar sinal ou até a SMTT fazer um estudo para que cada rua transversal tenha um único sentido, ao invés de dois trajetos (indo e voltando), como o da rua Artagnan Martins Reis em direção ao Stella Maris. 

"Acredito que nesse ponto das ruas Amélia Rosa com a Artagnan Martins o melhor seria colocar uma sinal de quatro tempos. Ajudaria bastante o trânsito e até os pedestres que precisam atravessar nos quatro sentidos. É preciso fiscalizar, orientar e fazer o trânsito fluir melhor para todos", comentou um comerciante que não quis se idenificar. 

Contudo, já que a SMTT é responsável pelo planejamento, gerenciamento e operação do trânsito, fiscalização, sinalização e, além do estudo e planejamento, é preciso colocar em prática o que - de fato -  é função principal do orgão.

Não sou contra pardais, Zona Azul ou qualquer implementação de fiscalização que busca melhorar o trânsito da cidade, porém, desde que haja - como forma educativa - orientação por partes dos agentes, antes de sair multando estouvadamente. 

Que a SMTT Maceió esteja atenta aos pedidos dos moradores da avenida Antônio Gomes de Barros (antiga Amélia Rosa).O blog apenas transmite a mensagem passada, solicitada e reclamada. 

Boa semana! Vida Que Segue.  

Redes Sociais: kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com 


Postado em 10/02/2017 às 16:30 0

Bancada de Rui Palmeira apoia primo de Renan Filho à Uveal

Renildo Vasconcelos Calheiros Sobrinho, o Renildo Calheiros (PMDB), de Murici, recebeu o apoio de sete parlamentares governistas da Prefeitura de Maceió


Por Kléverson Levy

Foto: Cortesia

Vereadores por Maceió apoiam candidatura de Renildo Calheiros (PMDB)

Na eleição da presidência da União dos Vereadores de Alagoas (Uveal) a bancada do prefeito de Maceió, Rui Palmeira (PSDB), fechou acordo com o primo do governador Renan Filho (PMDB). 

Candidato 'nato' do Palácio República dos Palmares, Renildo Vasconcelos Calheiros Sobrinho, o Renildo Calheiros (PMDB), de Murici, recebeu o apoio de sete integrantes da ala governista da Prefeitura de Maceió.

Os parlamentares Kemann Vieira, Zé Márcio, Dudu Ronalsa e Eduardo Canuto, ambos do PSDB, além de Antônio Hollanda (PMDB), Davi Davino (PP) e Silvio Camelo (PV), declararam votar no candidato-primo do governador na condição de "encaixar" o vereador Dudu Ronalsa na chapa de Calheiros. 

"Acabamos de receber a visita do vereador Renildo Calheiros, nosso candidato para a presidência da Uveal. Acreditamos na união em torno de uma chapa suprapartidária. Sua juventude, força e disposição para vai construir uma nova Uveal e a participação do vereador Dudu Ronalsa é importantíssima para esse processo, por isso fizemos esse pedido à chapa", escreveu Kelmann Vieira em sua página do Facebook. 

Em contato com o blog, Renildo Calheiros explicou que vem - constantemente - viajando para os municípios em busca de apoio à sua candidatura. Sobre o apoio dos sete vereadores na Câmara de Maceió, Calheiros (o sobrinho) reforçou que o diálogo tem sido um dos fatores principais para formação da chapa suprapartidária. 

"Estamos costurando alianças por todo o Estado e rodando vários municípios buscando sempre a união. Nossa chapa não tem partido, dono, nem bandeira nenhuma. Estamos montando uma chapa suprapartidária e isso foi mostrado ontem (09) na conversa que tivemos na Câmara de Maceió com vereadores do PSDB, PP, PV e do próprio PMDB. Digo e repito o que venho dizendo desde o começo: não podemos deixar nossa classe implodir por causa de problemas pessoais de candidatos A ou B. Estamos buscando diálogo com todos os candidatos e todos os partidos, tentando união entre todos, como foi feito na AMA pelo presidente Hugo Wanderley", ressaltou ao blog Renildo Sobrinho (de Calheiros). 

Portanto, a disputa pela presidência da Uveal sinaliza (Será?) para três chapas - Tayronne Henrique dos Santos, o Tayronne (PMDB-Pilar), Renildo Sobrinho (de Calheiros) e Domício Júnior (da "Nova Uveal") - no pleito. 

Leia também: Imposição do PMDB faz mudar "xadrez político" na eleição da Uveal

Pilarense continua na disputa

O vereador do Pilar, Tayronne Henrique dos Santos, o Tayronne (PMDB), disse que continua na disputa pelo cargo de presidente da Uveal. Em nota enviada ao blog, Tayronne explicou que as candidaturas postas representam a antiga entidade. 

Segundo o parlamentar, sua chapa propõe a verdadeira União dos Vereadores de Alagoas e destacou que não vai se aliar a nenhuma das partes independente do resultado. 

"Estamos percorrendo todo o Estado, desde meados de novembro de 2016. Nossa intenção e discurso é da verdadeira renovação. Criar aproximação entre a entidade e os Vereadores. As candidaturas postas representam a antiga UVEAL, nós queremos e propomos a verdadeira União dos Vereadores de Alagoas. Por esse motivo nós não iremos nos aliar a nenhuma das partes, independentemente do resultado. Vamos pra luta, vamos pra disputa. É isso que nosso grupo tem pregado em nossas andanças e faremos com que a entidade seja forte, que não defenda interesses pessoais, mas que a defesa seja da classe em nosso Estado", completou Tayronne Henrique.  

Redes Sociais: kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com 


Postado em 10/02/2017 às 09:16 0

Imposição do PMDB faz mudar "xadrez político" na eleição da Uveal

Saída de Anízio de Amorim, o Anizão (PMDB), da chapa "Nova Uveal", dará espaço para Domício Júnior (PSL), de Jequiá da Praia, se tornar o candidato a presidente


Por Kléverson Levy

Foto: Arquivo KL

Domício Júnior (PSL) e Renildo Calheiros (PMDB) embalam a disputa pela Uveal

Desde que repercutiu a matéria - Ingerência de Renan Filho faz eleição da Uveal "pulverizar" - na quarta-feira, 09, aqui no blog, o xadrez político para eleição da União dos Vereadores de Alagoas (Uveal) ganhou novas peças.

Com a "briga" meio que interna dentro do partido do governador Renan Filho, o PMDB, a "pulverização" fez o bloco governista se espalhar cada vez mais. 

Na linha de frente, em favor do Palácio República dos Palmares, continua o nome Renildo Vasconcelos Calheiros Sobrinho, o Renildo Calheiros (PMDB), de Murici, e primo de Renan Filho, que fechou acordo - via Palácio - com o vereador de Coruripe, José Edson dos Santos, o Edinho (PMDB). 

Além do apoio do governador, óbvio, Renildo Sobrinho (de Calheiros) conta ainda com o afago  - politicamente falando -  do prefeito de Cacimbinhas e presidnete da Associação dos Municípios Alagoanos (AMA), Hugo Wanderley (PMDB).

Por enquanto, ao que se sabe, o grupo dessa chapa é sim liderado pelo governador com chancela de Hugo Wanderley, resultando na dobradinha Renildo e Edinho. 

No outro lado, Anízio de Amorim, o Anizão (PMDB), também de Murici e aliado antigo da família Calheiros, deverá aceitar pressão do "chefe de Estado", leia-se Renan Filho ou PMDB, para impulsionar sua candidatura - sabe-se lá quando - numa outra oportunidade. 

Anizão, entretanto, deverá atender ao pedido de Renan Filho pela unificação do partido no pleito que é dos vereadores alagoanos.

Nos bastidores, com a possível saída de Anizão, o escalado para manter a chapa "Nova Uveal" será Domício Júnior (PSL), de Jequiá da Praia. Com isso, reacenderá uma nova disputa sem que haja ingerência política do governador Renan Filho.  

Portanto, Anizão é (ou era) o principal personagem dessa novela que se arrasta desde o ano passado, antes de aspergir sua candidatura nos corredores do Palácio República dos Palmares, e diante de vários coadjuvantes no pleito da Uveal. 

Por outro lado, o resultado da disputa sinaliza para que apenas duas chapas - Renildo Sobrinho (de Calheiros) e confirmado o nome de Domício Júnior (da "Nova Uveal") - concorram ao pleito. O grupo que se formou junto da dupla Anizão/Domício permanece unidos seja quem for o indicado, menos unir-se ao grupo Calheirista. 

Contudo, diante de tantas matérias escritas sobre Uveal e sem haver consenso para nome único, o pleito para o biênio 2017-2018 parece que ficará definido com um candidato do PMDB (Renildo) e outro do PSL (Domício).

Será?   

Ressalte-se: o PSDB - que detém mais de 70 vereadores - também abriu diálogo para não deixar que o partido Calheirista domine mais uma entidade em Alagoas. 

Leia tambémIngerência de Renan Filho faz eleição da Uveal "pulverizar"

É o que se tem para o dia de hoje!

Redes Sociais: kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com 


Postado em 08/02/2017 às 10:31 0

Ingerência de Renan Filho faz eleição da Uveal "pulverizar"

Quatro vereadores do PMDB ao cargo de presidente; Palácio República dos Palmares quer Renildo Vasconcelos Calheiros Sobrinho, o Renildo Calheiros (PMDB), primo do governador


Por Kléverson Levy

Foto: Bruno Levy/CadaMinuto

Governador Renan Filho

Não foi apenas a eleição da Associação dos Municípios Alagoanos (AMA) que o governador Renan Filho (PMDB) mostrou interesse em colocar um aliado no cargo de presidente.

Ao eleger o prefeito de Cacimbinhas, Hugo Wanderley, também da mesma sigla Calheirista, RF vai mirando agora a União dos Vereadores de Alagoas (Uveal). 

A ingerência política do governador no pleito tem "pulverizado" a escolha dos nomes ao cargo tão almejado atualmente. Como se não bastasse quatro candidatos do PMDB à presidência, o próprio Renan Filho tenta "apagar o fogo"  ao querer unificar a base.

Não é só o governador que vê a Uveal como uma entidade importante para 2018, mas, até o novo presidente da AMA, Hugo Wanderley, tem se engajado na busca pelos votos para o escolhido do Palácio República dos Palmares: Renildo Vasconcelos Calheiros Sobrinho, o Renildo Calheiros (PMDB), de Murici, o primo de Renan Filho. 

Porém, o partido comandado pelo senador Renan Calheiros, em Alagoas, tem que acalmar os ânimos de seus aliados. Além de Renildo Sobrinho (de Calheiros), o PMDB conta ainda com Anízio de Amorim, o Anizão, de Murici; Tayronne Henrique dos Santos, o Tayronne, da cidade do Pilar; e José Edson dos Santos, o Edinho, de Coruripe. 

Nos bastidores, segundo informações repassadas ao blog, RF já trabalha e articula acordos (cargos, inclusive) para que o primo seja o nome de consenso entre os peemedebistas. Contudo, quem havia sido preparado para Uveal e lançou-se primeiro foi Anizão Amorim que, por enquanto, é candidato.  

Forte aliado da família Calheiros, Anizão vem resistindo ao seu nome com os apoios que acresceu nas visitas em diversos municípios do Estado. A situação - nos bastidores - ficou complicada após entrada de Renildo Sobrinho (de Calheiros) que, além de ser candidato à Uveal e de Murici, é primo do "homem" (o governador).

Porém, o grupo formado pela chapa de Anizão não vai abrir mão de substituí-lo e manter uma nova candidatura, caso haja desistência por parte do parlamentar em favor do PMDB ( ou Renan Filho). As alianças e acordos podem ser viáveis para o grupo do Palácio República dos Palmares, todavia, o voto válido é de cada vereador. 

Por outro lado, o PSDB que detém mais de 70 vereadores também abriu diálogo para não deixar que o partido Calheirista domine mais uma entidade em Alagoas. Os tucanos devem retirar a candidatura de Diomedes Rodrigues da Silva Junior, o Diomedes Rodrigues, de Pão de Açúcar, e fazer uma junção política sem interferência do governador. 

É, até então, o que sabe de ambos os lados partidários. 

O PMDB, no entanto, que vem sendo chamado de "chefe de Estado", continua com Anizão, Edinho, Tayronne e Renildo. Agora, quem vai se manter na disputa, fazer uma aliança, formar chapa única, atender ao pedido de Renan Filho e unificar o partido para o pleito, é uma outra história que até o carnaval descreverei neste blog.

Por enquanto, a eleição da Uveal é prevista para acontecer em março, como preconiza o estatuto, mas, até lá, o pleito para o biênio 2017-2018 ainda permanece indefinido, apesar de vários nomes (PMDB) lançados.  

Leia também: "Briga" pela Uveal surpreende e reforça visita nos municípios

Será? 

Redes Sociais: Kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com 


Postado em 02/02/2017 às 12:26 0

Lei de autoria de deputado vai beneficiar 100 mil famílias de agricultores em AL

A Medida Provisória 707, que teve como relator o deputado federal l Marx Beltrão (PMDB), tornou-se Medida Provisória 733/2016 e agora é Lei 13.340/2016


Por Kléverson Levy

Foto: Facebook

Ministro do Turismo, Marx Beltrão (PMDB)

Quem comemorou a aprovação da  Lei 13.340/2016 foi o deputado federal licenciado e ministro do Turismo, Marx Beltrão (PMDB). 

A Medida Provisória (MP) 707, que teve como relator o próprio Marx Beltrão, tornou-se Medida Provisória 733/2016 e agora é Lei 13.340/2016.

Essa nova Lei, que dá descontos e facilita a renegociação de dívidas de produtores rurais do Norte e do Nordeste prejudicados pela seca, é uma conquista para famílias de agricultores alagoanos e refere-se à endividamentos rurais de empreendimentos localizados na área de abrangência da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). 

A Lei também inclui dívidas rurais que foram cedidas para a União e inscritas em dívida ativa da União (programas do PESA e Securitização rural, oriundos da Lei 9.138/95). Neste caso, o benefício é válido para todo o país e a possibilidade que a lei oferece é apenas a liquidação com descontos interessante.

Em Alagoas, a Lei 13.340/2016 vai beneficiar mais de 100 mil produtores rurais graças ao empenho do deputado federal alagoano. 

"O sentimento é de missão cumprida! A conquista da renegociação da dívida rural vai beneficiar mais de 100 mil famílias de agricultores em Alagoas e mais de 1 milhão no Nordeste. A seca castiga o produtor nordestino. Como relator da Medida Provisória que serviu de base para a lei, garantimos condições especiais de quitação, fomento à economia, proporcionando a retomada de investimentos no campo. Agradeço a união da bancada que não mediu esforços para que esse pleito se tornasse realidade", escreveu Marx Beltrão em sua página oficial no facebook. 

No ano passado, em Arapiraca, cerca de 1600 agricultores participaram da Audiência Pública sobre o endividamento rural do Nordeste. O evento tratou de debater sobre a renegociação das dívidas agrícolas. A discussão ficou marcada pela participação dos agricultores de municípios alagoanos e representantes vindos de Pernambuco e Paraíba.

Renegociação

Conforme a nova legislação, as dívidas poderão ser quitadas ou renegociadas com descontos até 29 de dezembro de 2017 e os produtores devem ir ao banco solicitar um extrato da conta de origem e a suspensão da execução. 

Já os descontos serão aplicados por cinco faixas de valores da dívida atualizada segundo os montantes originais, que variam de R$ 15 mil a mais de R$ 500 mil. Para quem contraiu dívida com o Banco do Nordeste, os descontos variam de 15% a 95%.

Os produtores rurais de todo o país, incluindo os alagoanos, lutam pela renegociação dessas dívidas contraídas há mais de 15 anos. 

Confira aqui a completa Lei Nº 13.340, de 28 de Setembro de 2016.

Redes Sociais: Kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com 


Postado em 31/01/2017 às 12:47 0

Prefeito de AL copia estilo Dória (SP) e população reprova "mudanças"

Ação foi postada nas redes sociais da Prefeitura em imagens do gestor com martelo nas mãos para derrubar espaço público 


Por Kléverson Levy

Foto: Facebook da Prefeitura

Prefeito Flávio Almeida (PMDB) na derrubada dos banheiros com martelo em mãos

Quem tem sido comparado ao prefeito João Dória, de São Paulo, é o prefeito de Pão de Açúcar, Flavio Almeida da Silva Junior, o Flávio Almeida (PMDB).

Várias ações desde que o gestor assumiu o comando do município, em 01 de janeiro, chamam atenção de populares não acostumados a presenciar o considerado "enxame" político na cidade. 

Não é à toa que mal começou a administrar Pão de Açúcar e, consequentemente, Flávio Almeida é visto como o prefeito do "marketing pessoal" para atrair atenção dos pão-de-açucarenses. 

Uma de suas ações que deixou os moradores insatisfeitos foi a derrubada dos banheiros públicos próximo do acesso ao Rio são Francisco, na rua da Frente. A questão é que o espaço pertencia à população há mais de quinze (15) anos. 

Porém, a promessa da atual gestão era acabar com a fedentina e a falta de higiene que os banheiros públicos causavam, apesar de servir aos moradores e, principalmente, aos consumidores de bares e lanchonetes do local. 

O problema é que  devido a falta de manutenção e limpeza, os banheiros deixavam grandes transtornos para comerciantes que também reclamavam da precária situação do local.

A ação da nova gestão foi postada nas redes sociais da Prefeitura de Pão de Açúcar. Todavia, como medida urgente, Flávio Almeida preferiu "marretar" o espaço para dar lugar aos novos banheiros químicos.

Banheiros químicos

Ao invés de zelar ou reformar o patrimônio público, o prefeito optou pela contratação de oito banheiros químicos para atender aos usuários. 

Herança dos Festejos de Reis, que acontece tradicionalmente no segundo domingo de janeiro, os banheiros químicos foram posicionados no acesso ao rio.

O blog recebeu imagens mostrando que mesmo com a ação de marketing em derrubar os antigos banheiros, os químicos também não solucionaram os problemas da fedentina, sujeira e abandono. 

Outro agravante é o fato da distância onde foram colocados. 

Os banheiros químicos estão totalmente expostos ao mau tempo, com acesso sobre espinhos e sem iluminação pública para quem usa o local à noite. Além disso, os clientes dos bares e lanchonetes reclamam da falta de segurança. 

Contudo, os banheiros estão insalubres, sem higienização há vários dias, sujos de terra e dejetos e de difícil acesso. Ou seja, o prefeito Flávio Almeida quis solucionar um problema, no entanto, parece que não solucionou/mudou nada.

Para os moradores de Pão de Açúcar a ação - que virou marketing pessoal-político - serviu apenas para chamar atenção da população e, claramente, sem solução para uma verdadeira limpeza prometida. 

Marketing é marketing!

Agora, não vale enganar os eleitores que confiaram em suas promessas de campanha, inclusive, o de ser o prefeito do "Bolsa Viva Bem Pão de Açúcar" - cartão faz alusão ao Bolsa Família do Governo Federal. 

Saiba mais aqui: Candidato a prefeito distribui "cartões de créditos" em troca de votos

Resposta da Prefeitura 

Em contato com a Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Pão de Açúcar, o blog foi informado que os banheiros químicos continuam na rua da Frente mesmo com o encerramento da festa de Reis ocorrida na cidade. 

A Ascom disse ainda que a própria Prefeitura está realizando a limpeza diariamente e que os usuários utilizam os banheiros limpos. A Assessoria também informou que há um projeto de urbanização do local e que os banheiros químicos serão provisórios. 

Quanto ao fato da derrubada dos espaços antigos, a Ascom reforçou que foi uma promessa de campanha do prefeito Flávio Almeida, já que era um pedido de quem trabalhava no local, e o mau cheiro prejudicava diariamente os comerciantes. 

Redes Sociais: Kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com 


Postado em 30/01/2017 às 10:31 0

Prefeito e vice são acusados de "caixa 2", pagamentos ilícitos e abuso de poder

Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) contra gestores foi protocolada na 29ª Zona Eleitoral e aguarda decisão da juíza sobre o caso


Por Kléverson Levy

Foto: Fagno Pinto

José Floriano Bento de Melo, o Floriano (PSB), e Marcos Aurélio de Melo, o Aurélio (PSD

Eleitos com uma diferença de apenas 86 votos, o prefeito e vice-prefeito de Jacaré dos Homens, respectivamente, José Floriano Bento de Melo, o Floriano (PSB), e Marcos Aurélio de Melo, o Aurélio (PSD), são acusados de "caixa 2", abuso de poder, uso da máquina pública e pagamentos ilícitos durante o pleito eleitoral de 2016. 

O ex-prefeito da cidade, José Ernesto Silva Júnior, o Júnior Ernesto, e a ex-primeira-dama e ex-secretária municipal de Educação, Grazielle Melo Monteiro da Silva, também são acusados de abuso de poder político e econômico durante a eleição. 

O Processo 0000001-39.2017.6.02.0029, na Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) contra os gestores, foi protocolado na 29ª Zona Eleitoral pela coligação "Vamos Juntos Fazer a mudança", representada pelos partidos PRP, PR e PPS, que teve José Antônio Figueiredo Souto, o Zé Antônio (PR), candidato a prefeito. 

Aguardando decisão da juíza Adriana Carla Barbosa, que responde pela zona eleitoral do município, as Aijes (existe mais uma contra) pedem que prefeito e vice - apesar de eleitos e diplomados - tenham os mandatos cassados pelas diversas irregularidades encontradas na prestação de contas da eleição do ano passado. 

De acordo com a documentação, na qual o blog teve acesso, Floriano e Aurélio contrataram veículos sem motoristas e sem contratos; receberam doações após a eleição de 02 de outubro; e utilizaram funcionário da Prefeitura para trabalhar na campanha eleitoral no horário de expediente.

Porém, o que mais chamou atenção no processo foi um carro usado durante a campanha eleitoral de 2016. O interessante é que o doador morreu há mais de dois anos e caso foi detectado pela Justiça Eleitoral. Outrossim, mais erros foram cometidos pelos candidatos em Jacaré dos Homens. 

Vale destacar que foram veiculados 30 vídeos com valores abaixo do mercado. Floriano e Aurélio declararam que cada material custou R$ em torno de 12,50 (doze reais e cinquenta centavos), ou seja, diferente do que o mercado cobra que é em média R$ 350,00 (trezentos e cinquenta reais), uma mostra de que houve "caixa 2". 

Prestador "fantasma"

Outras irregularidades apresentadas na Aije comprovam que a esposa do produtor da campanha (empresa que atualmente presta serviços ao município) realizou - à época -  serviços de filmagens com utilização de drones e, ao mesmo tempo, era doadora sem exercer a atividade econômica (afronta ao Art. 19 da Resolução n. 23.463/2015).

Segundo o que consta no documento, Yara Regina de Aguiar Coimbra doou o serviço sem ter executado o trabalho "in loco", já que a mesma é professora da rede estadual e municipal de ensinos e não compareceu no município durante o pleito eleitoral. 

Citando mais um erro eleitoral, ressalte-se, que o Procurador Geral do Município de Jacaré dos Homens é ainda o advogado que consta na prestação de contas dos investigados, como também, o responsável pela coligação que venceu o pleito de outubro de 2016.  

Por fim, dezenas de contratações ocorreram de forma ilegal onde vários contratados recebiam, em alguns casos, apenas 1/3 do salário mínimo. No entanto, após a eleição, todos foram demitidos o que caracterizou troca de "moeda eleitoral" e que gerou dezenas de ações trabalhistas tramitando na Justiça. 

Portanto, agora cabe à Justiça eleitoral decidir sobre o futuro administrativo da cidade de Jacaré dos Homens, após tantas irregularidades cometidas pelos atuais gestores e ex-gestores em busca apenas da continuidade do Poder Político na cidade. 

Redes Sociais: Kleversonlevy  

Email: kleversonlevy@gmail.com