Raízes da África

Professor alagoano, Edvaldo Albuquerque, morto pela Covid 19, é imortalizado em selo dos Correios.

  • 21/06/2021 22:45
  • Raízes da África

 

Escrever  cartas era essência  na vida do  professor alagoano, Edvaldo Albuquerque , morto pela covid 19 , aos 56 anos.

As m[email protected] pessoas que o conheceram falam das cartas bordadas de delicadezas, carregadas de sentimentos, calor humano e , sobretudo, empatia , que o professor colocava nas palavras manuscritas que  chegavam, pontualmente e   transformavam o momento da chegada, em  épocas especiais.

Edvaldo enviava as cartas  pelos Correios.

Cartas terapêuticas. 

E , para imortalizar, homenagear   o amigo-escrevente, a professora Sara Cerqueira , da Universidade Estadual de Alagoas, município de Palmeira dos Índios decidiu presenteá-lo com um selo dos Correios.

 Personalizado.

A ideia surgiu em fevereiro, entretanto a pandemia atrapalhou a entrega. É Sara quem fala:

- Edvaldo nos enviava cartas todos os anos.  Em fevereiro eu encomendei um selo para ele nos Correios. Assim eu resolvi homenageá-lo com um selo personalizado

A homenagem  especialíssima da professora ,Sara Cerqueira  é feito resgate  de uma botija repleta de camadas de cheiros, imagens e lembranças.

Tesouros inesquecíveis.

Edvaldo continuará  a escrever suas cartas...

Parabéns, Sara pela justa homenagem.

A polícia brasileira sempre se preparou para fuzilar retintos, sobretudo inocentes, não se preparou para empreitadas de verdade- afirma a antropóloga, Alessandra Nzinga.

  • 21/06/2021 15:59
  • Raízes da África

A antropóloga carioca, de Japeri, Alessandra Nzinga escreve:

Sobre Lázaro, o despreparo explícito da polícia e as consequências :

É importante fazer a reflexão, a polícia brasileira sempre se preparou para fuzilar retintos, sobretudo inocentes, não se preparou para empreitadas de verdade.

Hoje, se não me engano, 13 dias de busca a um criminoso, ele não é serial killer, vocês estão vendo muita série, nem chega a ser assassino em série, é um criminoso, é ruim, com ódio do mundo.

Pois bem, onde ele se enquadra não é o foco, o foco é o orgulho ferido dessa polícia despreparada, que vai querer lavar a sua (des) honra com sangue, o nosso sangue.

Para encobrir esse despreparo, estão invadindo terreiro, atribuindo a um criminoso que é cristão, inclusive teve redução de pena por ser servo de Deus, as religiões de matriz africana.

O nome que se dá a essa cortina de fumaça desses 200 incompetentes é racismo religioso e sim, talvez ele tenha pacto com o diabo como muitos dizem, já que o diabo é uma invenção cristã.

Ao final disso tudo, haverá rastros de sangue, sangue derramado que será atribuído a ele porque a polícia está com ódio e em nome desse ódio, vai exterminar qualquer "coisa" que se mova.

Para a turma do "você que adora dar palpite no trabalho da polícia vem ajudar a encontrar...", não são vocês que se orgulham de serem os bambambans? Que tem especialização em selva, resgate e sei lá mais o que?

Meu trabalho é esse mesmo, olhar com olhos de quem quer ver, fazer a análise, comparar, sugerir, relatar, anunciar e denunciar.

 

Fonte: Facebook da Alessandra Nzinga

 

 

A chuva é cheia de gotas de água e ela pode trazer uma doença chamada gripe. Diz o menino, de 4 anos.

  • 21/06/2021 09:24
  • Raízes da África

Manhã chuvosa de domingo e o menino  do alto dos seus 4 anos ( quase 5, faz questão de frisar ) me pergunta  sobre a ausência da minha sobrinha, que ele chama de  guarda chuva. Digo que sempre ando com ele, mas, hoje, mesmo diante do tempo nublado vacilei, e sai desprotegida.

E o menino aconselhador, recomenda: Cuidado com a chuva pesada, porque se você pegar uma chuva pesada ela pode trazer uma doença chamada gripe.

Ouço, atentamente, o conselho do menino e agradeço.

Dedei!

Se você não consegue aceitar e amar uma pessoa,incondicionalmente, por favor, peço que não tenha [email protected] fala a ativista preta, Cyntchia Martins.

  • 20/06/2021 20:23
  • Raízes da África

 

Neste mês do orgulho gay eu me peguei pensando no quanto,  entendo a dor de pessoas que são obrigadas a morar com familiares que as odeiam. 

Ao longo da minha vida, além de aturar a sociedade racista e misógina, ainda sofri com o ódio de meu próprio pai por eu ser mulher, além de outros familiares que me odeiam por motivos que são um mistério para mim. 

O ódio é uma coisa estranha. As vezes a gente não entende de onde ele vem e nem por quê.

Conheço pessoas que tiveram que abandonar seus lares,  apenas por serem quem são. Outros foram expulsos de casa até mesmo antes da maioridade por pessoas que deveriam cuidar e protegê-las.

Se você não consegue aceitar e amar uma pessoa ,incondicionalmente, por favor, peço que não tenha [email protected]

 

 

Fonte: Facebook da Cyntchia

Éramos um milhão. Agora somos 999 mil na Caminhada da Primavera Negra. Mareval Ricardo, representante quilombola, no Comitê Gestor, em Alagoas, foi levado pela Covid 19.

  • 20/06/2021 18:43
  • Raízes da África

Mareval Ricardo Gomes nasceu, em 22/11/1971 na comunidade remanescentes de quilombo  de Lagoa das Pedras, em Água Branca.

A comunidade fica localizada em uma cidadezinha do alto sertão das Alagoas de Palmares. 

As comunidades remanescentes de quilombo ou, os quilombos contemporâneos são grupos sociais cuja identidade étnica ,até, hoje os distingue do restante da sociedade. 

Mareval  era uma liderança preta, nascido,  bem no mês da consciência negra. Um sujeito que corria o mundo todo em busca de melhorias para sua comunidade. Um desbravador.

Era membro atuante na Coordenação Estadual das comunidades remanescentes de quilombos Ganga Zumba e coordenava a  Associação quilombola de Lagoa das Pedras.

Em abril quando soube da proposta da caminhada Primavera Negra e que em Alagoas, o Instituto Raízes de Áfricas estava  a frente da coordenação estadual ,  Mareval me ligou e disse: quero ajudar de alguma forma. Precisamos unir as forças e lutar pelo nosso povo.

Tivemos algumas conversas e um tempo depois enviei, pelo zap-zap o convite par a primeira reunião on-line do comitê, e estranhei a falta de respostas. 

E no dia 17 de junho, soube que a covid 19 levou Mareval, a grande liderança  quilombola de Água Branca.

Foi um ativista importantíssimo, que desafiou mundos, promoveu revoluções no escrever uma nova narrativa quilombola.  Foi uma força motriz, catalizadora do desenvolvimento sustentável, muitos ganhos só foram possíveis graças ao seu trabalho e dedicação. . Focou esforços em potencializar investimentos históricos para sua comunidade. Ensinou-a  a respirar para além da opressão.

Inspirou. Incentivou. Garimpou caminhos .

 Se fez Ubuntu.

E agora, celebramos o legado do ativista quilombola que  entra para a história ancestral de [email protected] [email protected] 

Segue tua caminhada na luz, Mareval Ricardo! 

 

Senhor, Rodney Miranda, secretário de segurança pública de Goiás, se Lázaro Barbosa é um pregador evangélico, por que a polícia, à caça do foragido, invade terreiros de matriz africana, na região de Goiás?

  • 20/06/2021 14:25
  • Raízes da África

Lázaro Barbosa, de 32 anos, se  converteu dentro do sistema prisional e, o bom comportamento e etc e tal, fez  a lei do judiciário facultar ao pregador   o direito à  saídas do encarceramento.

Dentro da prisão, Lázaro Barbosa se converteu e assumiu a religião evangélica. Se fez pregador da palavra no presídio- diz a esposa.

Lázaro Barbosa pregava  a palavra de Deus, com o viés do evangelho de uma determinada igreja, que Brasil adentro e afora,  visita as prisões para  salvar almas perdidas,

Lázaro estava no caminho da salvação, tanto é que foi proclamado  “pregador da palavra de Deus”.

Não acredito  que Lázaro esteja metido nesses rituais.- reafirma  a esposa.

Tudo certo, tudo esclarecido e por que cargas d’água  a polícia invade os terreiros da região de Goiás, onde Lázaro é procurado, acusando, pais e mães de santo de estarem acobertando a fuga?

Será que é porque Lázaro Barbosa é preto, e é assim que o racismo estrutural está acostumado a agir?

Lázaro Barbosa é um pregador da palavra de Deus, da  igreja evangélica, portanto , senhores policiais, deixem os terreiros de matriz africana ,em paz.

Respeitem nossos templos sagrados!

Respeitem nossa  fé!

 

Fonte:https://www.correiobraziliense.com.br/cidades-df/2021/06/4932387-em-buscas-por-lazaro-policiais-invadem-terreiros-entre-aguas-lindas-e-cocalzinho.html?fbclid=IwAR1qIqe10E4SRYhl4uqMsSWDzwBXgO4Buw8U1-iA-GNZauDDKswjDZRFE6E

 

 

 

 

 

Em busca de Lázaro Barbosa, militares invadem e fazem abordagens abusivas e violentas nos terreiros, em Goiás. “Aqui a gente sente dois medos: de Lázaro poder invadir a nossa casa, e da polícia, que sempre invade”-afirma Mãe Bel.

  • 19/06/2021 22:39
  • Raízes da África

Lázaro Barbosa é um criminoso astuto, protagonista de uma fuga cinematográfica,  tem feito gato e rato dos 200 policiais, que faz 11 dias, estão à caça do serial killer.

E , os militares , no meio de uma visível   desorientação institucional  tem invadido terreiros da religião de matriz africana de forma abusiva e violenta.

Isabel Cristina Moreira, 57 anos, a Mãe Bel, da casa Ilê Asé Olona, no distrito de Girassol, Cocalzinho (GO), afirma: “Aqui a gente sente dois medos: de Lázaro poder invadir a nossa casa, e da polícia, que sempre invade”.

Os policiais agem com grosseria, mandam a gente calar a boca, invadem a nossa casa, pulam a cerca e com armas e agindo como se a gente estivesse escondendo bandido.

 Nossa religião sempre foi marginalizada, mas esse tipo de preconceito, como se a gente fosse satânico, é demais. Em pleno século 21 e as pessoas ainda desconhecem tanto da nossa religião, é assustador.

O criminoso tem sido associado às religiões de matriz africana de forma preconceituosa, desrespeitosa, estigmatizadora.

Em Águas Lindas, distante cerca de 50km de Brasília, o pai de Santo André Vicente de Souza, 81 anos, registrou um boletim de ocorrência na noite de sexta-feira (18/6) após o terreiro dirigido por ele ser alvo de buscas duas vezes em uma semana, segundo ele, de forma abusiva e violenta. "Deixa a gente emocionado. Eles bateram no meu caseiro. Eu disse para eles: quem responde aqui sou eu!”

Pai André garante que as imagens de símbolos religiosos divulgadas pela polícia como se fossem da casa de Lázaro, são, na verdade, do terreiro comandado por ele. “Eles já chegaram com agressão e palavras. Eu disse ‘eu já tenho idade para ser avô de vocês’. E eles gritando ‘cala a boca’, dizendo que ‘vai apanhar’ e que quem ‘fala demais..’

A Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás (SSP-GO), não se manifestou sobre a ação dos agentes

 

Fonte:https://www.correiobraziliense.com.br/cidades-df/2021/06/4932387-em-buscas-por-lazaro-policiais-invadem-terreiros-entre-aguas-lindas-e-cocalzinho.html?fbclid=IwAR1qIqe10E4SRYhl4uqMsSWDzwBXgO4Buw8U1-iA-GNZauDDKswjDZRFE6E

Certamente, o blog raizesdafrica nos ajudou a cumprir a meta da campanha para criação do Museu de Arte Negra. - diz Elisa Larkin, viúva de Abdias Nascimento.

  • 19/06/2021 20:54
  • Raízes da África

O blog recebeu da norte-americana Elisa Larkin e viúva  do professor, jornalista, artista plástico, ativista e ex-senador da República Abdias Nascimento (1914-2011) ,um bilhetinho afetuoso de agradecimento, pela matéria postada para divulgar a campanha de financiamento on-line para criação do Museu de Arte Negra , como plataforma virtual.

O MAN virtual é  o grande desafio de  permitir que a identidade de uma substantiva  história preta , como a de Abdias Nascimento, um dos ícones do movimento negro dentro e fora do Brasil, seja interpretada e reinterpretada por muita gente, de uma forma dinâmica e interativa.

A criação do MAN marcará os 10 anos da celebração de  deposição das  cinzas de Abdias Nascimento na Serra da Barriga, em Alagoas. A cerimônia foi coordenada pelo Instituto Raízes de Áfricas, em Alagoas e o IPEAFRO, no Rio de Janeiro.

E a mensagem de  Elisa Larkin, diretora do IPEAFRO/RJ , dizia: Arísia, eu vi a matéria no blog . Muito bom, texto ótimo, tudo certo! Certamente, o blog nos ajudou a cumprir nossa meta. Já chegamos lá! Agradeço do fundo do coração. Abraços.”

Parabéns, Elisa Larkin e equipe do IPEAFRO. 

Vida longa ao Museu de Arte Negra.

Ubuntu!

Renan Filho fala com Alexandre para comprar uns computadores decentes, com acesso à internet, para profissionais da Saúde. Não custa nada.

  • 19/06/2021 16:52
  • Raízes da África

Renan Filho leio na imprensa que o governo vai dar 5 mil contos para que [email protected] possam comprar notebook ou computador e também para custear gastos com internet.

Depois que li a notícia fiquei matutando,  e resolvi escrever, por aqui, pois, você já afirmou, em praça pública, que é leitor assíduo do blog , daí gostaria que houvesse uma intercessão sua,  junto ao secretário de saúde,  para que haja uma aquisição urgente  d’uns computadores decentes, com acesso à internet.

É um investimento possível para otimizar o trabalho de [email protected]  da SESAU  na conexão com o mundo, aqui fora.

Eu exemplifico o pedido: na última reunião do Comitê Estadual de Prevenção ao Suicídio, servidoras que estavam na SESAU não conseguiram participar, de uma forma eficiente da reunião, porque o equipamento ,de  tão ruinzinho,  oferecia uma única opção : participar pelo chat, pois , não comportavam imagem e som ao mesmo tempo.

Renan, a saúde mental é algo que merece investimento máximo. Nesse momento, tem um monte de gente no território alagoano que anda com os nervos à flor da pele, surtando mesmo.

Por isso, não custa nada, falar com Alexandre sobre uma solução avançada da questão.

A institucionalização do Comitê Estadual de Prevenção ao Suicídio, já está sendo um desafio herculano e ainda ter que fazer enfrentamento à escassez tecnológica,  em uma secretaria com orçamento tão vultoso, é chato demais.

Cuidar da saúde mental da população tutelada, principalmente nesse momento pandêmico, é obrigação do Estado.

Fala com Alexandre, Renan!

Dê a devida importância para que o Museu da Arte Negra crie asas. Quer saber como? Clica no link.

  • 16/06/2021 00:05
  • Raízes da África

O Museu de Arte Negra , como plataforma virtual,  está sendo parido em ventre coletivo, enquanto espaço de expressão cultural africana, afro-brasileira e decolonial, com um monte de gente, como você. 

O MAN virtual é  o grande desafio de  permitir que a identidade de uma substantiva  história preta , como a de Abdias Nascimento, um dos ícones do movimento negro dentro e fora do Brasil, seja interpretada e reinterpretada por muita gente, de uma forma dinâmica e interativa.

A criação do MAN marcará os 10 anos da celebração de  deposição das  cinzas de Abdias Nascimento na Serra da Barriga, em Alagoas. A cerimônia foi coordenada pelo Instituto Raízes de Áfricas, em Alagoas e o IPEAFRO, no Rio de Janeiro.

A plataforma  permitirá acesso gratuito de informações sobre as obras de arte, acesso a documentos históricos, vídeos e publicações. Tudo isso como conteúdos inéditos.

E para que o MAN, plataforma virtual, ganhe vida precisamos  de  um monte de gente que acredita que a arte  que potencializa a luta contra o racismo é fundamental para substantivar a cultura do país.

Você tem uma importância incomensurável na construção dessa plataforma.

Dê a devida importância para que o  MAN crie asas.  Faça parte da Campanha Museu de Arte Negra: Tô dentro! Quer saber como?Clica no link

 https://benfeitoria.com/museudeartenegra?lang=en

Mas, seja rá[email protected], pois , o prazo é só até  hoje. 

Posso contar com você?

https://benfeitoria.com/museudeartenegra?lang=en

 

Convidado,pelo senador Renan Calheiros, para a conversa com essa ativista, o prefeito Luciano Barbosa falou sobre as comunidades quilombolas de Arapiraca.

  • 15/06/2021 21:41
  • Raízes da África

Arapiraca é um município do agreste alagoano e tem como prefeito, Luciano Barbosa.

Em Arapiraca existem 2 comunidades remanescente de quilombos, com os nomes de Carrasco e Pau D’Arco.

O nome Carrasco surgiu, por conta de uma árvore que tinha em abundância nas matas. É chamada, atualmente, de pau-viola. 

E Pau D’Arco tem seu nome nascido da árvore do mesmo nome.

Convidado pelo senador Renan Calheiros, com essa ativista, na segunda-feira, 07 de junho, o prefeito Luciano Barbosa falou sobre as comunidades quilombolas de Arapiraca.

 E fez menção às Unidades Básica de Saúde, instalada nas duas comunidades, como também das Escolas Quilombolas.

Como ativista disse ao prefeito que é importante que a  administração pública  desafie a geografia, quase, imutável dos conceitos sociais exclusivos,com a implementação de equipamentos necessários à saúde e educação, entretanto é urgente que, para alimentar, legitimar e reforçar o território da ancestralidade negra,  a Lei nª10.639;03 e a Lei Estadual nº 6.814;07 tenham assento privilegiado no currículo das escolas dos quilombos e o Plano Nacional de Saúde da População Negra faça parte do receituário diário.

Corroborando para o desenvolvimento sustentável das comunidades, gerando assim continuidade das tradições ancestrais.

Foi um diálogo rápido , mas , com informações robustas de possibilidades, com o prefeito, Luciano Barbosa.

 

O blog agradece à advogada Laura Mourão, à deputada estadual Jó Pereira, à assistente Social Esvalda Bittencourt, ao promotor de justiça,Paulo Henrique Carvalho Prado e à assistente social Marluce Pereira.

  • 14/06/2021 15:05
  • Raízes da África

A moça alagoana, que faz 10 anos mudou-se, com o marido e três [email protected] para a região sudeste do país, vivia uma vida tranquila, até que um dia descobriu que o marido tentou estuprar a filha mais velha.  Ao saber do fato a mulher agoniou-se foi à delegacia mais próxima e denunciou o marido. Ele foi preso,  e como era o suporte financeiro da casa, a mulher sem recursos para pagar o aluguel , pediu socorro.

O blog reverberou o desespero  da alagoana que ecoou  e trouxe  gente carregando empatia e muita solidariedade e conseguimos arrecadar R$ 1.300, 00 reais.

E a moça faz a prestação de contas: “ Paguei o aluguel , comprei o gás, fiz umas compras de alimento e guardei um pouco. Já coloquei currículo para arrumar um emprego e sustentar minhas crianças. A cada pessoa que me ajudou: muito obrigada!”

E o blog agradece à advogada Laura Mourão, à deputada estadual Jó Pereira, à assistente Social Esvalda Bittencourt, ao promotor de justiça, Paulo Henrique Carvalho Prado e à assistente social Marluce Pereira, o apoio tão necessário .

Obrigada pelo apoio e a credibilidade ao blog.

Muito obrigada!

 

A mocinha comercializa sururu na feira e vive um dilema: ou come, ou coloca crédito no celular.

  • 14/06/2021 14:49
  • Raízes da África

A moça conta no jornal da TV que estuda pelo celular, mas, para colocar crédito precisa ir para feira , vender  sururu.

Sururu é o nome popular de um molusco bivalve, ou seja, que é envolvido por duas conchas, bastante típico na costa nordestina do Brasil.

Às vezes -diz ela as vendas são fraquinhas e a gente apura bem pouco, aí entre comer e colocar crédito, a gente come, né? E, nesse dia não estudo nadinha e , nem faço dever de casa.

Maceió, é uma cidade rica em belezas naturais,com políticos comedores de caviar e assíduos no instagram, mas, tem um população bem pobre de marré-marré-deci.

Como a  jovem vendedora de sururu.

O  povo que tem celular, como ferramenta de comunicação, mas, conexão, permanente,  com internet  é coisa de rico. 

Maceió periférica é o templo digital de  excluí[email protected], dessa gente  pobre , majoritariamente ,preta.

Gente pobre e preta. Sabe como é que é, né?

Eita, Maceió!

Na 1ª reunião do Comitê Gestor Estadual da Primavera Negra, em Alagoas, celebramos uma multidão hiperbólica de vozes, pessoas e diferenças.

  • 13/06/2021 16:31
  • Raízes da África

A 1ª reunião do  Comitê Gestor Estadual da Primavera Negra, em Alagoas que aconteceu, em 01 de junho,  foi uma experiência ímpar para  celebrar  a aventura de  agregar uma   multidão hiperbólica de vozes, pessoas e diferenças,em um  debate urgente, para  traçar caminhos, alinhar  ideias e  planejamento estratégico, para  enfrentamento a política da necropolitica.

E em tempos pandêmicos o encontro  se deu, virtualmente. 

O convidado de honra esteve representado na figura de Pejigam Irivan Assis, ativista  icônico, no estado de Sergipe, importante referência no Fórum Sergipano das Religiões de Matriz Africana , apresentador do ÚNICO programa que faz um diálogo amplo sobre cultura, história e  cosmovisão africana de mundo, como  forma de resistência secular para os povos de matriz africana do estado de Sergipe.

Desde 2018, o  Programa “Momento do Axé”, na rádio Aperipê 630 AM  representa uma ruptura histórica com ausência eloquente da temática da matriz religiosa de [email protected]

O Pejigam  é  um dos visionários para realização da  Primavera Negra e  parte essencial do Comitê Gestor  Nacional da Primavera Negra.

Durante a reunião, Irivan Assis,  fez um desenho preliminar sobre a  Marcha de 1 milhão de [email protected] a Brasilia, suscitando questionamentos de Comitê Gestor Alagoano.

A  proposta do comitê alagoano , a partir da primeira reunião, é extremamente  desafiadora: construir pontes  com a multiplicidades de universos no estabelecer  bases  para o diálogo com o Coletivo.

Quer saber quem faz parte do Comitê Gestor  Nacional da Primavera Negra? Anota aí: 

Coordenação Geral: 

Instituto Raízes de Áfricas

Coordenação de Estrutura e Logística: 

UFAL/SECULT/Instituto Raízes de Áfricas

Coordenação de Mobilização:

Coletivo Cultural Quilombo de Saias e de Luta- Comunidade Quilombola de Carneiros- Alagoas 

Academia Periférica de Letras-Interestadual, Maceió, Maragogi, dentre outros.

Ativista Nelma Nunes.

Associação LGBTI+ e candomblé grupo iguais de Coruripe

Coordenação de Comunicação e redes sociais: Platô- Conexões Pretas.

Em Alagoas a Marcha de 1 milhão de [email protected]  de 1 milhão de [email protected] a Brasilia conta com o apoio político do senador Renan Calheiros. 

E que venha nossa Primavera Negra!

 

 

Marcha de 1 milhão de [email protected] à Brasilia tem apoio do senador Renan Calheiros. É nossa Primavera Negra!

  • 11/06/2021 23:20
  • Raízes da África

A Primavera Negra é um enfrentamento à necropolitica que mata [email protected] , nos quatro cantos do Brasil.

A bala perdida que nos acerta em cheio.

Impunemente!

A Primavera Negra é um movimento de articulação, mobilização do povo preto das Américas.  

Sim, vidas pretas importam!

A Primavera Negra está no estágio da organização   atávica dos estados  e municípios ( são 20 estados, 40 municípios brasileiros envolvidos, com articulação internacional, em alguns países, como USA, Itália, Alemanha, Angola e Gana.) , na   discussão de  estratégias e caminhos, a partir dos Comitês Gestores.

A Primavera Negra, uma ação iniciada  nas redes sociais, se consolidará  nas ruas, como uma grande caminhada , que vai levar  1 milhão de [email protected] para ocupar Brasília. A  data se faz imprecisa, por conta da pandemia, entretanto nossa disposição de  organizar a luta é secular.

Em Alagoas, a Primavera Negra já tem um Comitê Gestor , sob a coordenação do Instituto Raizes de Áfricas e    traz a proposta de construir bases, discutir pautas, afirmar o protagonismo de nosso povo, organizar uma   convocação qualificada  a todas as gentes [email protected] e antirracistas, empretecendo mais, ainda, a partir da implementação de politicas públicas,  o território de Palmares. 

E essa  organização da  caminhada histórica já conta com o apoio robusto do senador da República, Renan Calheiros.

A dúpé!

 

Sr. Tonho é dessas gentes, que o poder público, com sua política pública de Instagram, não alcança.

  • 11/06/2021 21:34
  • Raízes da África

 

Manhã de quinta-feira, saio apressada para caminhada matinal. Dia de agenda cheia, mesmo dentro de casa. Sol fervendo, em Maceió

Contava os passos e segundos para dar conta das tarefas do dia, até encontrar o Sr. Tonho.

Ele saía de um dos   equipamentos do Corredor Vera Arruda, no Stella Mares, em Jatiúca, o dito bairro nobre, ao me ver , comentou: - a gente usa o banheiro e na hora de dar a descarga, não tem água. Depois, o povo vai começar a falar que a gente é porco, sujo.

Engarrafo minha pressa e paro, no meio do caminho, para dar ouvidos à conversa do Sr. Tonho. Ele conta que tem 57 anos e morava no   Benedito Bentes, (parte alta da cidade), mas, com a falta de trabalho, não teve mais como pagar o aluguel e pensou: vou ajeitar um lugarzinho para ficar. Com a miséria ancorada em suas costas, a rua é ,agora, o lugar possível para moradia.

-Eu não bebo, não uso drogas, não ando de baderna e o único cigarro que fumo é esse (e abre a jaqueta para mostrar um pacotinho de fumo de rolo). Sou um homem direito, decente.

Ouço o Sr. Tonho com uma gastura n'alma. Ele é dessas gentes, que o poder público, com sua política pública de Instagram, não alcança.

E o homem, que aparenta ter mais idade do que os 57 anos, desfia romaria de tristezas e desencontros amorosos.

Imprenso o tempo entre dedos, pois, sei que a única coisa que ele precisa agora é que alguém o ouça.

Fala que dorme em um bar onde faz serviço de limpeza. 

-O dono me ajuda muito, arrumo 10, 15 contos , mas, a maioria das vezes, só quero sair andando, pelo mundo afora, sem muito rumo.

Sr. Tonho traz a alma atropelada pela vida. Não carrega muitos sonhos.

Depois de despejar palavras ansiosas que o engasgavam e  aliviar a alma, o homem, quase preto, se foi, embrulhando  as dores em caminhos , muitas ruas, sem esquinas. 

Sr. Tonho agora mora nas ruas.

E daí, Maceió?

Com articulação do senador, Renan Calheiros, governador garante dar celeridade ao processo do Fundo Estadual de Promoção para Igualdade Racial.

  • 09/06/2021 20:54
  • Raízes da África

A proposta de criação do Fundo Estadual de Políticas para Promoção da Igualdade Racial nasceu de uma conversa substantiva entre a coordenadora do Instituto Raízes de Áfricas ,e a equipe do George Santoro, secretário de Estado da Fazenda.

Era os idos de 2015. 

Em 2016,o projeto foi apresentado, em Audiência Pública “Eku abo – Tempos de Áfricas – sobre lutas, ativismo e resiliência do povo preto”, ocorrida  no plenário da Casa Tavares Bastos, em Maceió,.

E agora, em 2021, 6 anos, depois de atravessar um longo caminho institucional a proposta da criação do Fundo Estadual da Igualdade Racial volta, positivamente,  à cena, após  o diálogo robusto com o senador da República , Renan Calheiros com essa ativista, ocorrido na segunda-feira, 07 de junho.

O senador se comprometeu a apoiar, politicamente, para que a proposta do  Fundo deixe de ser algo retórico. 

E unindo a palavra à ação, durante  a conversa nossa,  ligou para os principais interlocutores do projeto, George Santoro, secretário da Fazenda, Fábio Farias do Gabinete Civil, e principalmente para o governador, Renan Filho.

O governador esclareceu que está ultimando as apreciações institucionais para dar encaminhamentos ao processo do Fundo, que tem como proposta subsidiar uma série de ações intersetoriais contra o racismo, dar sustentabilidade às políticas de igualdade racial, no estado-território  ícone das lutas libertárias.

Obrigada, pela assertividade nesse debate urgente, senador.

A vida deve ser  feita de encontros, empatia e proximidades.

Que ecoem os tambores!

Atotô

A cidade pararia. Todos os jornais falariam. O Governador talvez caísse, se Katlen Romeu fosse uma mãe grávida branca, da classe alta da sociedade- diz Jota Marques.

  • 08/06/2021 22:55
  • Raízes da África

 

Katlen era belíssima e estava resplandecente na gravidez da gravidez de Maya ou Zayon. A preta era  modelo e aos  24 anos estava em encantada de contente, até ser assassinada, hoje. durante uma operação da polícia no Complexo do Lins.Quando saiu para  visitar a tia,  se deparou com o caveirão invadindo  a comunidade e atirando, e atirando e atirando. Mas, uma dessas naturalizadas  trocas de tiros nos territórios favelizados  do Rio de Janeiro, sob o manto de proteção policial.

Sobre o bebê que se chamaria Maya ou Zayon  , a  quase-futura-ex-mamãe dizia:

"Estou me descobrindo como mãe e fico assustada pensando em como vai ser... dou risada, choro e tenho medo. Um misto de sentimentos. Talvez os mais doidos do mundo, mas vou dar risada lá na frente disso tudo...obrigada Senhor por abençoar meu ventre e me permitir gerar o AMOR DA MINHA VIDA!!!

Neném, já me sinto pronta pra te receber, te amar, cuidar!!!
Deus nos abençoe!"

E  internauta Jota  Marques explode indignação:

"É com tristeza que digo: A cidade pararia. Todos os jornais falariam. O Governador talvez caísse. Se Katlen Romeu fosse uma mãe grávida branca, da classe alta da sociedade.

Mas, seu corpo é negro e favelizado, assim como seu filho na barriga. Estava programado para morrer!

O povo preto precisa se levantar o Estado matou Katlen Maya ou Zayon , O bebê. Duas vidas com uma só bala. Perdida?!

Somos hoje a república da morte.

De [email protected]!

Black Lives Matter?????????

 

 

https://www.instagram.com/eukathlenromeu/?hl=pt-br

O senador Renan Calheiros convidou essa ativista para uma conversa. E foi muito bom!

  • 08/06/2021 20:01
  • Raízes da África

 

 

Fui recepcionada pelo  senador da República com o já tradicional  soquinho de mãos. Em tempos de pandemia não há mais lugar para troca entusiastas de afetos físicos. 

Fazia pouco que Renan  Calheiros tinha chegado de uma atividade com o Governador do Estado e almoçou por ali mesmo.

Nos acomodamos em dois sofás, obedecendo a distância do protocolo pandêmico.

E o encontro se fez conversa comprida, robusta de diálogos comuns e dispares, atravessado por algumas boas gargalhadas. Nesses tempos tumultuados é preciso testar nossa capacidade de gargalhar.

A conversa , de quando em vez, era interrompida pela imprensa nacional. Extremamente requisitado Renan deu entrevista para Zileide Silva, a jornalista da Globo e para  mais outros órgãos. 

O senador da República  é um ouvinte atento, perspicaz e, confesso que para mim, como ativista é muito confortável fazer análises, a partir do lugar que ocupo, numa escuta atenta  desse ouvinte.

- Qual a sua visão dos fatos , Arísia?- ele me pergunta

E sem nenhuma cerimônia tomo posse da palavra e ocupo todos os silêncios da sala.

- O ativismo que exerço, senador, é focado nessa terra, porque não adianta ocupar quintais alheios se não conseguimos fazer florescer as políticas públicas em nosso próprio quintal. E essa é a pontuação que venho fazendo faz um tempo: tirar as políticas públicas do papel. 

Substantivei a discussão sobre a necessidade do estado ser protagonista , em sua capacidade, de internalizar as políticas públicas, principalmente para a população preta.

Foram duas horas de um garimpo de  ações que carecem sair do obscurantismo estatal para celebrar o bem estar de pessoas.

O que você entende como a prioridade, agora?- questiona o senador.

Respondo que é a sanção do Fundo Estadual de Promoção das Políticas para Igualdade Racial.

De imediato ele pede ao assessor para ligar para o secretário da Fazenda, George Santoro, o secretário do gabinete civil, Fábio Farias e por último falou, por telefone, com  o governador, que garantiu que logo, logo esse processo será concluído.

Foram duas horas de um diálogo proveitoso, produtivo e principalmente de articulações. Fechamos alguns projetos.

Nos despedimos, pois, a sua agenda ainda comportava  uma reunião com o prefeito de Arapiraca, Luciano Barbosa e logo depois viajaria para Brasília.

Na saída, Renan diz:- Convidei você para vir aqui , para dizer que estou a sua disposição. Tenho você como uma pessoa muito próxima. Sou um parceiro e admiro sua  luta. Pode contar comigo, Arísia. 

 Que assim seja, senador!

Obrigada!

Segunda-feira, 07 de junho de 2021

 

 

 

Como eu gostaria que todas as pessoas que vêm defendendo este governo medíocre, aterrissassem em um hospital público para uma visita que fosse.- diz Vagner Fernandes.

  • 07/06/2021 11:40
  • Raízes da África

Vagner Fernandes é jornalista, pesquisador e escritor, lançou a biografia “Clara Nunes ,Guerreira da Utopia”, pela Editora Ediouro, em 2007, reeditada em 2019  e, há mais de 20 anos, cobre reportagens na área de Cultura, além de um apaixonado pelo carnaval e portelense nato, escreve:.

“Como eu gostaria que todas as pessoas que vêm defendendo este governo medíocre, pedindo delicadeza dos senadores durante as arguições na CPI da covid, aterrissassem em um hospital público para uma visita que fosse. Essa gente só conhece a parte do horror que é exibida nos telejornais. É muito pior. Nas últimas semanas o meu telefone não parou. Eram amigos e conhecidos me pedindo socorro, ajuda, uma interlocução qualquer com médicos do meu círculo de amizade para que o enfermo recebesse os cuidados emergenciais. Quando é possível, eu ajudo. Sempre. O sistema público de saúde no Rio está o caos. É um fato. Imaginem em outras cidades menores. Justamente por isso me causa perplexidade vir acompanhando alguns jornalistas e artistas empunhando a bandeira da boa educação e da fraternidade com depoentes que tratam os desiguais como iguais na maior crise sanitária dos últimos cem anos. É fácil lançar mão da afabilidade em meio ao caos pandêmico quando se tem um plano de saúde que te conduz ao Copa Star.”

 

Fonte:Facebook do Vagner

Foto: Fernando Rabello

Nem toda Luana que reluz é ouro, ou o encantamento por Luana Araújo também precisa ser mediado por uma colher de café de práxis. .

  • 06/06/2021 19:30
  • Raízes da África

Peterson Pacheco, cientista social, escreve, um texto primoroso: 
 

Não gosto do papel de estraga-festa.

Mas, da mesma forma que escrevi me posicionando com cautela diante de um estranho encantamento com Henrique Mandetta, hoje, sou forçado a assumir uma função de contrapeso em relação ao recente encantamento com a cientista Luana Araújo. 

Mandetta é médico e tem alguma inteligência. O suficiente para notar que é inviável seguir a nau fascista do presente. Mas o ex-ministro sempre foi notório crítico do SUS na sua forma ampla, pública e gratuita. Nem entro nos meandros das mil e uma arestas com a lei acumuladas por Mandetta. Com isso, no caso dele, fiquei bem incomodado quando o indivíduo foi alçado ao posto de baliza de oposição à catástrofe que nos assola.

Nada disso. Mandetta é parte desse caos terrível. Político profissional, sempre esteve na linha de frente da construção das pontes que nos trouxeram até aqui. Mas isso foi ontem. Hoje o caso é com Luana Araújo. Talvez mais bem preparada que Mandetta, mas, do ponto de vista da posição política, navega nas mesmas embarcações daquele ex-ministro.

Luana apagou todas as suas redes sociais e substitui por um blog sobre ciência. 

Ocorre que a leitura dos depoimentos de professores e pesquisadores muito sérios explicam o motivo. Diferente do blog atual, centrado na divulgação científica, as redes sociais de Luana eram repositório do pensamento conservador. Inclusive, nessas defuntas redes sociais, jaz regozijos em função do golpe contra Dilma Rousseff e a posição em favor do candidato Bolsonaro.

Luana é tão ativa, do ponto de vista político, quanto Mandetta. Mas Luana tem o mesmo estômago do privatista e bolsonarista Nelson Teich. Quem não se lembra do vídeo em que Salles baba numa reunião a sanha indigesta do fascismo bolsonarista? Quem se esquece da cara de espanto-nojo do então ministro da saúde? Não tardou, o indivíduo pulou da nau miliciana, necrofágica e petencostal.

Luana, hoje, fez a mesma cara. Foi quando Randolfe expôs o candidato apiado pela médica dizendo as idiossincrasias de sempre. Sempre disse, é verdade. Mas, há bolsonaristas (de carona) que não paravam pra pensar nisso. Mas, alguns, como são os casos de Mandetta, Teich e Luana, não tem/tiveram a opção de fingir demência. A torpeza da trupe fascista lhes espanca a face. Faces branquinhas, saem sempre ruborizadas e nauseadas.

Mas, a náusea de hoje não redime a posição de ontem. E, vale repisar, ontem todos riam e, nalguma medida, destilavam seus ódios. Cada um deles tinha os seus preferidos. A médica Luana parece que era especialmente convencida de que o esquerdismo era o mal maior do país. Isso estava vivo nas, agora mortas, redes sociais da cientista.

Mas, então, se a médica apagou o passado, sobrou algum vestígio?

SIM, sobrou.

A oposição acrítica de Luana sobre a ciência. Quantas vezes aplaudi hoje as suas defesas sobre a centralidade do método científico? Inúmeras. Quantas vezes achei estranhíssimo a cientista dizendo que a ciência não tem lado? Todas. 

A moça é cientista brilhante, ponto. Mas defendeu que a Ciência e a Política não se conversam. Nem na ciência de base é assim, muito menos na ciência da saúde pública. 

Ocorre que ela mesma é resultado das imbricações entre ciência e política. Ela nunca trabalhou com o atual ministro, não era das suas relações pessoais. Mas esse atual ministro, que assumiu muito consciente do seu papel político a frente do M.S., não hesitou indicar Luana.

Ela, a indicada, sabe que as redes que a levaram até a indicação ao cargo no M.S. são intrinsicamente políticas. Só isso deveria fazer a médica refletir sobre sua posição de que a Ciência é algo que não se imiscui com a Política. Ciência e Política são vetores indissociados da produção do conhecimento. Vou assumir a premissa que meus leitores não precisem que eu aprofunde isso. Meus alunos têm obrigação de saber.

Luana foi conservadora, simpática até ao novo governo. Mas, parece, não vai tão longe quanto o centro desse campo político. Luana segue conservadora. Isso fica claro na defesa que ela faz sobre o que é ciência. 

Também, mais um forte sinal, Luana dedicou ao atual ministro da saúde total confiança e apoio. Mas, bem sabemos, o atual ministro nada mais é do que uma espécie de versão menos tosca e mais tecnicamente adestrada do general ignóbil que o antecedeu.

Luana é um quadro de valor. Do ponto de vista da atualização acadêmica, melhor do que Mandetta, Teich, Capitã Cloroquina e Nise cloroquiner. Mas Luana não é o apanágio da defesa da saúde pública. Passa desapercebido, mas em dois momentos eu escutava a TV e ficava de orelhas em pé ao ouvir de Luana que o SUS tem problemas de eficiência e de dispersão no financiamento. 

Não pareceu que os problemas de ineficiência e financiamento referidos no depoimento fossem consequência do assalto e do compadrio por que tanto sangra o SUS. Luana Araújo foi uma gigante na CPI. Enfrentou com rara capacidade técnica os bolsonaristas. Eu que sempre trabalhei com metodologia nas salas de aula me senti representado pela acadêmica. 

Mas... calma... Luana Araújo é uma valiosa aliada conjuntural, não quer dizer que ela navega nas águas da emancipação dos vulneráveis, da proteção integral das pessoas, nas águas onde a iniquidade é uma patologia a ser combatida pela saúde pública. Assim como o encanto por Mandetta mereceu algum toque de realidade, o encantamento por Luana Araújo também precisa ser mediado por uma colher de café de práxis.

 

Fonte:https://www.intelectualorganico.com/post/nem-toda-luana-que-reluz-%C3%A9-ouro?fbclid=IwAR35WnPIwVqax_QT2EE-Fb98gt3NtyN26sXC2GTuYa19T-icYI9cL4M2EoM

 

 

Depois de 203 anos, já não é hora de Alagoas eleger uma mulher, como Governadora?

  • 06/06/2021 16:35
  • Raízes da África

Alagoas é considerada a terra dos Marechais,  Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto, os dois primeiros presidentes.

É também, menos visibilizada, a terra de Zumbi dos Palmares, que consta como herói, oficialmente reconhecido do Brasil , no livro livro de aço do Panteão da Pátria Tancredo Neves, localizado na Praça dos Três Poderes, em Brasília.

Nas Alagoas, androcêntrica, racista e extremamente conservadora, as mulheres têm papel de apêndice nos contos  das bravatas dos garbos cavalheiros, donos absolutos do poder.

Em 203 anos , Alagoas sempre, sempre foi conduzida em sua gestão  institucional, por homens eleitos pelo voto popular, por  uma população cuja maioria é composta por mulheres.

Essa equação causa estranhamento:se mulheres  soma uma parcela considerável da população alagoana de [email protected], por que os garbosos cavalheiros continuam concentrando poderes?

Qual a cartilha que versamos? Aquela que mulheres não tem competência de administrar um estado ,tão pequenino, quanto Alagoas?

Só pra conhecimento: Aqualtune, a princesa africana, uma preta arretada, foi a primeira comandante da  Repúblicas das Alagoas, o Quilombo dos Palmares.

Mas, é bem difícil  encontrar essa anotação nos livros de história, que pensa o poder ,a partir da visão dos vencedores e dominadores, ou seja, homens , preferencialmente, brancos.

Além, Aqualtune é mulher e preta. Sabe como é que é, né?

A região  Nordeste é composta por  9 estados , e só o Rio Grande do Norte elegeu uma mulher , Fátima Bezerra, para governadora. E ,d aí fica  a pergunta que não quer calar: depois de 203 anos, já não é hora de Alagoas eleger uma mulher, como governadora?

Senhoras feministas, se aprumem!

 

Se até a UBER faz campanha contra o racismo, o porquê desse silenciamento absurdo, que ecoa em Alagoas, o berço do Quilombo dos Palmares?

  • 05/06/2021 16:53
  • Raízes da África

 

Quando se fala em Alagoas , o Brasil todinho faz referência à luta contra a opressão de [email protected], na República dos Palmares, e o maior referendo é Zumbi.

Sim, já fomos uma República engajada, agregada em um  Quilombo que juntou  diferenças e desenvolvimento social. Politicamente já lutamos (faz tempo secular) pela equidade, mas, apesar de todo desenvolvimento humano, HOJE, arrastamos  tempos anêmicos e agonizantes, pontilhados por uma gritante  omissão institucional.

 Quem articula, institucionalmente, as políticas de promoção para igualdade racial, em Alagoas?

A UBER é uma empresa privada e lançou dentro de sua plataforma  uma campanha contra a discriminação, visando o combate ao racismo , que incentiva  motoristas [email protected] a combaterem essas práticas. A ideia, diz a empresa, é promover ações educativas dentro do aplicativo a partir de situações reais que aconteceram durante as viagens.

A companhia destacou que a campanha será feita em duas partes: a primeira com placas e anúncios físicos, a segunda a partir de uma série de vídeos didáticos, distribuídos dentro dos aplicativos.

Vejam bem, a UBER não pariu Palmares e , mesmo assim tem esse discernimento pedagógico , de  que é urgente  despertar gentes e olhares para o crime do racismo, e  por que Alagoas intitucional, carregando uma   palidez doentia, não consegue trilhar os passos da lógica do combate ao racismo?

O Quilombo dos Palmares fica mesmo em Alagoas, ou Alagoas é racista?

Salve, salve UBER!

 

 

O marido tentou estuprar a filha dela de 10 anos. Foi denunciado e preso. E agora ela precisa de nossa ajuda.

  • 04/06/2021 15:39
  • Raízes da África

Ela é uma mulher preta, alagoana  dessas forjadas na luta diária pela sobrevivência. Quando engravidou estava na casa dos 20 e poucos anos. Uma gravidez inesperada e rejeitada pela família, mas, aos poucos o acolhimento familiar aconteceu.  Mesmo com o aceite da família,  a moça  estava desarvorada, o pai da criança sumiu , pensou no meio do desespero  em colocar o bebê para adoção mas, daí engraçou com um sujeito, que afirmou” criança não é cachorro para ser doada. Vamos criá-la juntos.- disse o homem.

Feliz com a nova perspectiva de vida ela embarcou na relação. Com ele teve mais dois filhos.

Foram embora de Alagoas para a região  Sudeste do país. A vida caminhava na paz, ele sempre demonstrou ser um sujeito do bem, até que resolveu estuprar a filha dela, de 10 anos.

Quando soube da agressão à filha , a  mãe leoa não contou conversa foi a delegacia mais próxima  e denunciou o marido , por tentativa de estupro de vulnerável, justificando:

-É minha filha e tenho obrigação de protegê-la.- diz ela.

A mulher  pensa em voltar para terrinha, mas, não pode sair de onde está, por conta do processo na justiça.

-Preciso dar meu depoimento sobre o caso. A sensação é de sofrimento e nojo. Ele está preso e nunca mais quero saber dele. Quero distância- diz.

Como o marido é o único provedor da casa, a mulher agora passa aperreios para pagar água,,luz, aluguel e alimentação de três crianças. E o aluguel já está perto do vencimento.

É uma luta solitária de uma mulher para manter a sanidade no meio de um dilúvio e o alimento e teto suas crias . Será que a gente não tem condições de ajudá-la ,financeiramente, com a quantia o que for possível?

A gente pode?