Clau Soares

Vera’s Boutique celebra 30 anos com um dia inteiro de comemoração

4b715744 7f05 44f2 b202 86d57ca4e0ef

A empresária Vera Lúcia da Silva, à frente da tradicional Vera’s Boutique, promoveu, na última sexta-feira (28), um dia de festa para comemorar os 30 anos da maison. Na loja, localizada na Rua Estudante de Oliveira Leite, ela recebeu pessoalmente cada convidado – clientes, imprensa e influenciadores digitais. 

Natural de Mato Grosso, Vera passou a infância em Petrolândia, em Pernambuco. Foi lá que conheceu seu esposo, José Marcolino, com quem divide também o sucesso nos negócios. Em Arapiraca, onde Marcolino trabalhou como funcionário do Banco do Brasil, ela iniciou a carreira, como vendedora de bijuterias e, posteriormente, como sacoleira de roupas. 

Com trabalho, força de vontade e apoio do marido, Vera abriu, há três décadas, a loja Vera´s Boutique. “Tenho um sentimento de gratidão. Gratidão aos meus clientes, a essa cidade maravilhosa que me acolheu, de uma história construída com muito amor pelo que faço. O começo não foi fácil. Enfrentei muitas dificuldades e superei com muita sabedoria e entusiasmo. Nestes 30 anos, eu aprendi e ensinei muito”, declarou a empresária. 

A empresária contribui ainda com o desenvolvimento de Arapiraca ao assumir cargos de liderança. Ela já foi presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas, entre os anos 2010 e 2013, e retornou ao cargo este ano, aclamada por unanimidade. 

Vera é casada com José Marcolino há 36 anos, tem duas filhas, Monick e Nathália, e um neto, o Lucas. 

Bolo e influenciadores digitais 
O aniversário teve muita alegria, coleção nova e, claro, os parabéns com bolo de aniversário degustado pelos presentes. 

As digitais influencers Mirella Cabús e Juliana Ribeiro foram atrações à parte, desfilando looks  e atendendo aos inúmeros pedidos de fotos dos fãs.

Shopping em Arapiraca: cinco anos de atuação e muitos desafios pela frente

839e6027 bd8e 4d16 bf03 562acb7b6d5b

Há cinco anos, chegava a Arapiraca, o primeiro shopping da cidade, o Arapiraca Garden Shopping, do Grupo Tenco. A novidade, que há muito era cobrada pela população, foi inaugurada com muito entusiasmo. Lojistas aceitaram o desafio e os consumidores elegeram o empreendimento como local para ter acesso a serviços e produtos, além de utilizar como espaço de lazer e encontros.

Com 125 lojas, inclusive academia e cinema, e cerca de 800 funcionários, o empreendimento é um avanço para o município, apesar dos encalços enfrentados nos últimos anos. Com altos custos, aliados à recessão econômica enfrentada em todo o País, muitos empresários tiveram que fechar as portas (como se recuperar do choque de ver uma fast fashion como a Marisa encerrar suas atividades na terrinha?).

O ciclo econômico de renovação e a vocação empreendedora de Arapiraca, entretanto, motivam mais investimentos por entes públicos e privados. Temos salão de beleza express, o Top Studio – um dos mais tradicionais da cidade, lojas fast fashion, uma praça de alimentação sempre badalada, farmácia e lojas que têm de tudo, como a 1 a 99, aberta recentemente. Ah, e vem mais por aí. A previsão é de abertura, ainda este ano, da sonhada livraria, uma franquia da rede Nobel.

A jovem empresária Nathalie Silva é freqüentadora assídua do shopping. Para ela, o centro de compras “foi mais um passo para o desenvolvimento da cidade. Deu oportunidade de emprego para muitas pessoas, inclusive para mim”. Ela destaca, no entanto, que nota “muitas lojas fechadas, a limpeza, às vezes, fica a desejar, falta mais atenção da segurança também. Parece que só estão lá de enfeite. E falta um espaço para os leitores”.

A comodidade e o horário de funcionamento, até as 22h, foram apontados como as maiores vantagens do shopping pela nutricionista Michelle Yanne. “O shopping é como uma segunda casa para mim. ‘É muito prático e fácil precisar comprar alguma coisa após as 18h e você ter esse poder de compra até as 22h, sem falar no lazer, é excepcional”, frisou.

Comemorações

Na última terça-feira (25), a celebração dos cinco anos de atuação teve bolo de aniversário, parabéns ao som da banda Art Choro, apresentação do saxofonista Marcos Senna e distribuição de brindes com a promoção “estoura balão” para os clientes que tivessem feito compras. O ápice das comemorações será o sorteio de um carro novo, no próximo domingo, dia 30, para clientes que seguirem as regras da campanha, além do show Pôr do Sol, também no domingo, dia 30, a partir das 14h30, com Péricles, Jammil, Boca de Forno, Mercinho e DJ Senna.

 Fotos: Live Comunicação/Assessoria

Em Campo Alegre, antigo engenho produz cachaça com selo internacional

2d621691 5e4f 4755 8d80 c58c04ba444d

A cachaça é uma das mais populares bebidas alcoólicas entre os brasileiros. Fora do Brasil, é iguaria. Produzida a partir da fermentação do sumo da cana de açúcar, a aguardente traz em sua composição a própria história colonial do País. 

Diz-se que ela surgiu a partir de um acidente nos antigos engenhos quando os negros por cansaço deixavam o melado fermentar ou ainda quando os portugueses aprenderam a técnica da destilação com o povo árabe. O fato é que a cachaça é produzida no Brasil desde os idos de 1530, como apontam estudos históricos. E, para além dos clichês, é uma verdadeira paixão nacional. 

Em Alagoas, a produção artesanal de cachaça é tradição e pode ser vista de perto. A convite do Engenho Caraçuípe, no distrito de Luziápolis, no município de Campo a Alegre, acompanhamos como todo o processo é feito, desde a extração do caldo de cana até o armazenamento em barris de madeira nobre que conferem ainda mais valor à aguardente produzida.

A história da cachaçaria tem início em 1933, quando os irmãos Antônio e Benedito Coutinho adquirem o então Engenho. Desde aquela época, a cachaça já era produzida nos alambiques da empresa, mas foi interrompida em meados do século XX. Há nove anos, o casal Renato Coutinho (neto de Antônio) e Cristiane Dantas decidiu retomar a tradição da família. 

Nos primeiros quatro anos da nova gestão, o engenho apenas produziu a bebida e a manteve em estoque para envelhecimento. Somente há cinco anos, o produto, de qualidade reconhecida internacionalmente, chegou aos consumidores.

A beleza da estrutura física foi transformada em ponto turístico, com uma loja que oferta as bebidas do Engenho e produtos de artesãos da região, como as belas peças em palha, ideais para  presentear. 

Os visitantes podem fazer todo o itinerário da produção - precisa agendar antes - e, ao final, são surpreendidos com uma degustação das cachaças  Escorrega e Caraçuípe, esta da linha nobre, extremamente pura. Ambas  destiladas em alambiques de cobre e armazenadas nos barris de madeira que o visitante já terá se encantado ao ver. 

Para quem ficou com vontade conhecer, o Engenho fica às margens da Rodovia BR 101, km 159, em Luziápolis, Campo Alegre-AL. Para mais informações, basta ligar: Telefone: (82) 3275.9294 ou acessar o site: https://www.engenhocaracuipe.com.br/centro-de-visitacao/

Siga o blog também no Instagram: @blogdaclausoares

 

Entre linhas, tecidos e botões, ela liderou os negócios e inspirou a família

Lucas Gottardi 6d8b2dca 68e7 49a5 a995 c7d1951a550b D. Inês continua morando na mesma rua desde que chegou à Arapiraca

Arapiraca, na década de 1970, era conhecida em todo o País, e até internacionalmente, pela façanha econômica do fumo e pela feira livre que tomava quase todo o Centro da cidade. Enquanto a cultura fumageira vivia seu declínio, a feira continuava uma força decisiva para o crescimento local e atraía comerciantes e consumidores de todos os cantos, principalmente do Nordeste.

Foi justamente a feira livre que trouxe a família da pernambucana de Santa Cruz do Capibaribe, Inês Maria Feitosa do Nascimento, de 81 anos, para o agreste alagoano, há quase 50 anos. O esposo, Oscar Alves do Nascimento, chegou, primeiro. Vendia roupas na feira. Algum tempo depois, ela, junto com os filhos, veio passar as férias escolares com ele. O que era para ser temporário virou residência.

Além de cuidar das crianças, foram quatro no total, Inês costurava. Em Arapiraca, ia para a feira com o esposo. Com o tempo, as roupas foram substituídas por tecidos e, depois, por aviamentos. Aqui, os filhos crescidos já ajudavam no comércio.

A personalidade forte e o tino para os negócios estavam no DNA da jovem de Pernambuco. Enquanto a maioria das mulheres da época cuidava da casa e da prole, Inês, ainda solteira, já expressava a vontade de vender, mas o pai não deixava. Com o casamento, tudo mudou. Era o braço direito do marido que, em virtude da saúde frágil, se afastou cedo do trabalho.

Inês não se abalou e tomou a frente dos negócios, contando sempre com o apoio dos filhos. Foi assim que surgiu a Casa dos Retalhos, na Rua Guanabara, no bairro Capiatã. Até hoje, não há costureira na cidade que não conheça a loja que começou ao lado da casa onde a família morava e, há poucos anos, ganhou o nome da matriarca, Inês Aviamentos, e um prédio próprio em frente à casa onde ela reside.

Em um ambiente dominado por homens, ela liderava, fazia a escolha dos produtos, viajava. Pergunto se houve dificuldade e a resposta, entre risos, é uma lição preciosa de quem enfrentou a morte prematura de dois filhos, a grave doença do esposo e precisou ser a cabeça da família, a despeito do que sentia. “Tendo coragem, tudo é bom. Até hoje, não paro de trabalhar”, diz.

Atualmente, a empresa é comandada pelo filho e netos que herdaram o tino para os negócios e mantêm a loja em pleno funcionamento na Rua Guanabara. 

Siga o blog no Instagram: @blogdaclausoares - dicas de como viver bem em Arapiraca. 

Rock City Arapiraca trará CPM22 para a sua segunda edição

62e0df91 957b 43fb 9458 e69b748f0285

Em clima de rock 'n roll, os organizadores do Rock City Arapiraca revelaram, na última semana, no Arapiraca Garden Shopping, o dia e as atrações do evento mais esperado pelos amantes dos acordes de guitarra. 

Será no dia 18 de agosto, no estacionamento do shopping, e terá no palco, as bandas CPM22, Valério Cazuza, as arapiraquenses Casa da Mata e Terapia.  E para encerrar, com o último show da noite, Vibrações com sua pegada original que conquistou fãs em todo o Brasil. 

Imprensa, influenciadores digitais e o público presente curtiram a noite de lançamento ao som acústico da banda alagoana L100. As portas do shopping fecharam, mas o público permaneceu empolgado cantando clássicos do rock nacional e internacional junto com o vocalista Léo e o violonista/ guitarrista Allan Costa. 

"Foi maravilhoso! Já amava L100, mas ontem eles estavam inspirados e o pessoal da Comedoria deu a maior assistência. Foi ótimo. O show vai ser inesquecível", declarou a estudante de nutrição e influenciadora digital Mayara Looze.

Arlisson Touro, um dos organizadores, explica que, este ano, além da programação diversificada, será montada uma estrutura com o tom de festival. "Temos muitas surpresas e apenas um desejo: fazer o público sentir ainda mais emoção com este evento que já faz parte do calendário da boa música em Alagoas. 

Os ingressos estão à venda na loja Fórum, no shopping, e no site www.rockcityarapiraca.com.br.

Arraiá dos Pocas antecipa clima junino durante lançamento da festa em Arapiraca

Dc9c04e6 a5aa 4127 9f14 33f3972fe5ed

O lançamento da 12ª edição do Arraiá dos Pocas surpreendeu a imprensa, influenciadores digitais, representantes da Prefeitura Municipal de Arapiraca e empresários locais, na noite desta quarta-feira (16), na Panificadora Rio Branco, em Arapiraca. Além do anúncio oficial das atrações da festa, o público foi para a rua assistir ao espetáculo do grupo de Coco de Roda "Balança Mas Não Cai", no trecho da Rua Domingos Correia com a Avenida Rio Branco. 

Foi neste clima que os organizadores destacaram a paixão pela tradição dos festejos juninos, o que motiva a realização anual do evento. "O Arraiá dos Pocas já faz parte do próprio calendário festivo de Arapiraca", destacou Antônio João Palmeira, que compõe a equipe que promove a festa.

A proposta desta edição, que acontecerá no dia 07 de julho, na AABB, é resgatar elementos tradicionais das festas de interior. O público pode esperar para ver até barracas típicas e parque de diversões na decoração. No palco, as atrações serão Toca do Vale, Kátia Cilene, José Orlando e Zé Neto. A cerveja é um atrativo à parte e os organizadores garantem que vai ter Devassa durante todo o Open Bar. “Desde 2007, realizamos a festa visando proporcionar diversão com segurança, qualidade e tradição para o público”, afirmou Valsandy  Cavalcanti Veras, durante a apresentação. 

"A noite de lançamento do Arraiá dos Pocas juntou comida típica de qualidade, gente bonita e a animação típica do povo nordestino. Tenho certeza que a edição deste ano vai ser um sucesso e vai levar, mais uma vez, o nome de Arapiraca para fora de forma muito positiva", avalia o coordenador adjunto de comunicação do município de Arapiraca, o jornalista Erick Balbino.

Durante o lançamento, quem também marcou presença foi o casal Malu Albuquerque e Rey Costa, influenciadores digitais residentes em Arapiraca e conhecidos em todo o País. Juntos, eles reúnem mais de um milhão de seguidores somente no Instagram. Eles estrelam a campanha publicitária do Arraiá dos Pocas 2018. 

O Arraiá dos Pocas 2018 conta com o patrocínio do Grupo Coringa, Grupo Márcio Garrote e Grupo JSG (Cerveja Devassa). 

Os ingressos serão vendidos a partir da próxima segunda-feira (21), na Loja Via G, no Centro da cidade. Mais informações: 82 99935.5209.

De Arapiraca para Fernando de Noronha: encantos sem fim

Santiago Salazar B0285b0c 8445 4076 a16a 1c28225baedb Fingindo costume em Noronha

Para iniciar essa conversa, é necessário dizer que a beleza de Fernando de Noronha nunca será completamente traduzida em fotos ou qualquer relato. Para sentir o que é aquele pedaço de terra em meio ao oceano, é realmente preciso estar lá.

Ao contrário de muitas pessoas que sonham toda a vida em conhecer o arquipélago, eu tinha apenas uma curiosidade comum. Toda a minha falta de expectativa, entretanto, foi substituída por um sentimento de encantamento e deslumbre ao ver de perto as paisagens privilegiadas de terras que, durante longos períodos de sua história, foram utilizadas meramente para fins militares (para proteção do próprio território no século XVIII e como base de guerra em 1942).

Por ser uma ilha, só é possível chegar ao local pelo ar, ou seja, de avião. Cruzeiros estão proibidos. Os voos saem somente de Recife e Natal diariamente e duram, em média, apenas uma hora. Viajei com um grupo de amigos. Fomos de carro (há a opção de ônibus) de Arapiraca até Recife onde embarcamos no voo para Noronha. Abril, maio e junho são os meses de baixa temporada e, por isso, pagamos um pouco menos tanto nas passagens quanto na hospedagem.

Desembarcamos na terça-feira, no final da tarde, e fomos direto ao Bar do Meio para ver o pôr do sol. Lá, tudo é espetáculo. Emociona ver o quanto a natureza foi generosa por ali. Tem que parar, respirar e apenas sentir. A hora de pagar a conta do bar é que não é lá muito feliz. Uma caipirinha sai por R$ 34.90 e a água, R$ 10. Claro que há lugares não tão caros, mas não espere nada tão para menos.

Na quarta-feira, fizemos um tour, com o fotógrafo Santiago Salazar. O dia de sol foi um verdadeiro presente. Passamos pela Capela de São Pedro e pelo Forte de Santo Antônio de onde se tem uma visão espetacular das duas costas do território, o Mar de Dentro e o Mar de Fora. De lá, seguimos para a Praia do Cachorro – o meu cantinho preferido em toda a Ilha. Lá, está o Buraco do Galego que ficou ainda mais famoso depois que Bruna Marquezine fez uma foto no ponto turístico e postou em suas redes sociais.  

Aqui, passamos pelo centro da Vila dos Remédios, um dos locais mais badalados da Ilha. Almoçamos e seguimos para a praia Cacimba do Padre – o destino que é ícone pela presença do Morro Dois Irmãos. Impressionante pela grandeza. Subimos um monte e a visão é de fazer chorar. De um lado, a Baía dos Porcos e, do outro, o Morro Dois Irmãos. Ali, a fé ressurge porque a energia é tão forte que te arrebata. Neste ponto, senti uma força e comoção inexplicáveis. Agradeci aos Céus pela oportunidade.

O próximo ponto foi a Ponta do Caracas. Mais mar, um platô de corais, uma margem com vegetação que lembra um grande campo de trigo. Ao fim da contemplação, nosso grupo se dividiu: uma parte voltou para ver o Pôr do Sol na Cacimba do Padre e o outro voltou para a pousada para descansar.

À noite, conferimos o Festival Gastronômico do Zé Maria. Uma orgia de comidas. Para mim, válida muito mais pela experiência criada pelo proprietário – um dos homens mais famosos do local, o próprio Zé Maria, do que pelos sabores. Sou mais a gastronomia de Alagoas.

Na quinta-feira, fomos à Baía do Sancho. A paisagem tira o fôlego mesmo. Não desci para a praia -que inclui três lances de escadas nada convidativos. Fiquei no mirante e pude ver o cardume de sardinhas que formavam um círculo em torno dos banhistas, as aves em busca de alimento, e toda a energia surreal do lugar. Não à toa, a Praia do Sancho foi eleita, duas vezes, a mais bonita do mundo. O dia estava chuvoso, mas não atrapalhou. Só o passeio de lancha, à tarde, foi em meio à chuva mesmo, mas ainda assim muito divertido e uma vista do mar para a ilha que ainda não tínhamos tido.

À noite, o cansaço bateu e preferi ficar na pousada. Na manhã de sexta, fomos ao Tamar, bem ao lado da nossa pousada, a Aleffawi, para ver lembrancinhas. Como sempre, tudo meio salgado. De lá, seguimos para o  Museu dos Tubarões. Mais uma vista perfeita, além dos cenários para fotos com o trono do tritão e a cauda da sereia e opções de souvenirs. Nosso tempo foi embora e retornamos para a pousada para o check out. Almoçamos em um restaurante local e partimos para o aeroporto – melhor lugar para comprar as lembrancinhas – deveria ter esperado para comprar lá.

Não deixei meu reino por lá. Dividi as passagens e a hospedagem no cartão de crédito. Comprei o pacote em uma agência de viagens, em Arapiraca. Levei dinheiro em espécie para alimentação, passeios e taxas (são duas: de Taxa de Preservação Ambiental que está em R$ 70,66 - por dia de permanência e o ingresso para o Panamar, R$ 97, que dá acesso a vários locais, inclusive à Praia do Sancho).

Viagem perfeita, surpreendente, e que vou sempre recomendar. Para quem quer levar filhos pequenos ou pessoas com dificuldades de locomoção, adianto que a Ilha tem pouca preocupação com acessibilidade. Para chegar aos locais, haja caminhadas e degraus. Os próprios moradores que vivem na Ilha para trabalhar, a maioria é do continente, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Alagoas, não podem contar com muito conforto. Para se ter uma ideia, nem maternidade tem e as gestantes são obrigadas, literalmente, a irem à Recife para fazer o parto. Para os menos atentos, nem se percebe essa parte “vida real” da Ilha...

(P.S.: Gratidão aos companheiros de viagem: Fabrício Azevedo, Maíra Nazário, Márcia Acioly, Petra Rani e Eduarda Azevedo que me incentivaram a embarcar na aventura e curtir tudo.)

Vejam na galeria algumas das imagens!

Siga-nos também no Instagram: @blogdaclausoares

Editoriais de moda dinamizam mercado e geram oportunidades de trabalho em Arapiraca

E6be48cd d400 4fa0 a4e8 6ff4e4cf98b3

Modelo, máquina fotográfica (ou celular) e um local. Engana-se quem imagina que para produzir um editorial de moda bastam apenas esses três itens. Se o resultado almejado são imagens que encantem o público da marca, o esforço terá que ser bem maior.  Foi essa a nossa constatação ao acompanhar a produção das lojas Via G para apresentar a coleção Outono-Inverno 2018.

A locação foi na Fazenda Boa Sorte, na zona rural do município de Viçosa, no interior de Alagoas. Para o trabalho, foram convidadas os modelos Débora Lima, Eduarda Morais, Nathalya Ferreira e João Luccas; os fotógrafos Valdeir Góis e Théo, além da presença da equipe da loja (Pedro Leandro, Pedro Malta e Iago) que já levou os looks separados e toda a estrutura com araras, ferro de passar e, claro, um lanche caprichado.

Iniciada a sessão de fotos, os modelos ficam a postos e fazem dezenas de trocas de roupas e acessórios. “Sempre tem momentos divertidos, mas existe muito compromisso, muita responsabilidade. ‘Por ser trabalho, acaba sendo cansativo, mas é incrível e compensa todo o esforço quando o vejo sendo bem realizado”, confessa Nathalya Ferreira.

Luz, ângulo, aproveitamento do cenário. Tudo é levado em conta pelo fotógrafo que se desdobra para não deixar a beleza do local apagar o destaque das peças. Para ele, ainda tem mais na volta para casa: o retoque final para que cada foto fique perfeita. Com as imagens prontas, é hora de apresentar tudo ao público nas redes sociais na internet e no site da loja (https://lojasviag.com.br), com qualidade digna de revista de moda internacional.

Para o empresário Thiago Tenório, que acompanhou de perto a sessão de fotos,  o investimento em editoriais mantém a marca em evidência e incentiva a equipe da loja. “O editorial serve de inspiração para nossos colaboradores. ‘Quando vamos fazer passamos alguns dias planejando e estudando o que mais está sendo usado”, explica.

Mais oportunidades

O fotógrafo Valdeir Góis é apaixonado por editoriais de moda. No mercado há seis anos, ele lembra que começou fazendo somente a cobertura fotográfica de eventos nas lojas, depois vieram os ensaios e, então, os editoriais que poucas empresas conheciam e, por isso mesmo, se recusavam a pagar. “Eu queria agregar valor e um ‘extra’ para mim. Comecei a visitar lojas e oferecer o trabalho. ‘Algo me dizia que iria dar certo. Hoje, 50% do meu salário vêm através da moda”, revela.

Para a estudante e digital influencer, Débora Lima, que também atua como modelo, os editoriais, que passaram a ser mais freqüentes com a explosão das redes sociais na internet, aproximam público e moda, disseminam conhecimento e geram oportunidades. “É importante tanto para quem faz quanto para quem recebe este material. ‘Sou apaixonada por tudo isso”, declara a jovem que faz um perfil conceitual de moda em suas redes sociais. 

Confira as fotos da sessão na Fazenda Boa Sorte na galeria de imagens desta matéria (pode levar alguns segundos para carregar). 

Fotos: Valdeir Góis

Siga-nos no Instagram: @blogdaclausoares

Balada Mix traz cinco atrações no próximo sábado para Arapiraca

76ea7f46 25b7 46fb a0b1 ab69b5aaa4e4

Com assessoria

O estacionamento do Arapiraca Garden Shopping será palco da segunda edição do Balada Mix Festival, no próximo sábado (28). A produção vai presentear o público com uma mistura de ritmos. Léo Santana, Devinho Novaes, Jonas Esticado, Geninho Batalha e DJ Pitão se apresentam para o público arapiraquense.

 “Léo Santana nos surpreendeu na Farra Chique 2017 e muitas pessoas pedirm sua presença novamente em outro evento nosso”, conta o produtor Júnior Balla sobre o retorno do artista baiano a Arapiraca.

 

Outro artista que também entrou na line up atendendo a pedidos do público foi o cantor Devinho Novaes, que tem ganhado cada vez mais destaque no cenário musical nacional. Jonas Esticado é conhecido como o artista com o repertório mais atualizado do país e também arrasta um legião de fãs que não resistem ao ritmo e ao charme do cantor.

 

Para representar Alagoas neste time de grandes atrações, a Farra Chique convocou Geninho Batalha e o DJ Pitão. Os ingressos estão disponíveis nas Lojas Via G e no Acesso Vip (Garden Shopping e Parque Shopping Maceió). Para mais informações (82) 99943-0909.

Arapiraquense busca apoio para desfilar coleção no Dragão Fashion Brasil 2018

Divulgação 8e616e04 2d2a 4c36 91bb 4c355ea046db Com Lea T, um ícone da moda internacional

Natural do sítio Serrote, na zona rural de Arapiraca, Jonhson Cavalcante, desde a infância, demonstrou aptidão para moda. Quando trabalhava na roça, na colheita do fumo, fazia questão de “montar o look” do dia, com chapéu e roupas “customizadas”, mesmo que não houvesse ninguém para admirar. Para ele, não importava a ocasião, mas o estilo.

O menino virou homem e foi atrás do seu sonho: ingressar no curso superior de moda. Apesar da timidez e da pouca influência à época, mudou-se para São Paulo onde concluiu, em 2012, o curso de Design de Moda na Universidade Bandeirante de São Paulo. Em seguida, fez a pós-graduação em Design de Moda pela Faculdade de Tecnologia SENAI Antoine Skaf.

Desde então, vive ativamente para a moda e projetos autorais que têm sido destaque em todo o Brasil, inclusive na imprensa especializada nacional. Sua coleção “A Roça”, sensação no Brasil Fashion 2016 com a participação da modelo Lea T, foi parar nas páginas da Revista Vogue, em janeiro de 2017. Ele também estreou no São Paulo Fashion Week com a exposição de peças da coleção “Coisas do Coração”.

Para 2018, a emoção veio junto com o retorno para a sua terra natal. De volta ao sítio Serrote/ Arapiraca, Jonhson idealizou a coleção “Renda-se ao Guerreiro” que remete às suas memórias da infância em Alagoas. É uma coleção cheia de cores e de demonstração de muito amor pela cultura alagoana.

O trabalho, antes mesmo de sair do papel, já está no Dragão Fashion Brasil 2018 que acontece de 09 a 12 de maio, em Fortaleza, capital do Ceará. A notícia de ter sido selecionado esbarrou em um problema prático: dinheiro para realizar a viagem e para confeccionar as peças.

Em contato com a empresa Focus Têxtil, em São Paulo, Jonhson conseguiu o patrocínio de mais de 70 metros de tecidos lisos e estampados, o suficiente para materializar a coleção. No total, serão 20 looks compostos por 40 peças, ao todo.

Em Arapiraca, sua terra natal, afora o apoio da Secretaria Municipal de Cultura que tem auxiliado no contato com potenciais patrocinadores, o interesse em contribuir com o trabalho do estilista é quase zero. Para muitos empresários locais, investir em novos talentos ainda não é uma prioridade, mas isso não abala a confiança de Jonhson que continua em busca de investimentos de quem vive nas Alagoas.

Até agora, Jonhson tem garantidos os tecidos da Focus Têxtil; hospedagem e transporte do aeroporto para o hotel e do hotel para o evento, itens providenciados pelo DFB 2018. “Estou numa felicidade que você não tem noção. ‘A Focus Têxtil também vai me acompanhar com gravações para a divulgação da marca e do meu nome”, disse, empolgado, em entrevista ao Blog.

Jonhson precisa ainda das passagens aéreas para ele e dois assistentes – uma exigência do evento, além de dinheiro para alimentação, sapatos e aviamentos. “Vamos passar três dias em Fortaleza. Quem for comigo esqueça férias por que é correr costurando sapato, apertando roupa que ficou folgada. Já fiz isso e sempre viramos à noite com os últimos ajustes”, frisou.

O grande apoio, entretanto, está dentro de casa. Toda a coleção será costurada por ele e sua mãe Marinalva Senhorinha Cavalcante, 59, que foi merendeira na rede municipal de ensino e hoje é aposentada. Uma prima também está auxiliando e deve viajar com ele para o DFB 2018.

Mesmo sem ainda ter todos os recursos garantidos, a produção está a todo vapor. Para Jonhson só há uma certeza: ele levará Alagoas e sua cultura multicolorida para as passarelas do Dragão Fashion Brasil 2018.  

Siga-nos também no Instagram: @blogdaclausoares

Comercial (82) 3313.6040 (82) 99812.2189 comercial@cadaminuto.com.br
Redação (82) 3313.2162 (82) 99664.2221 cadaminutoalagoas@hotmail.com