Blog da Raíssa França

Internautas usam hashtag para denunciar grupo que vazou semi-nudes de meninas de Maceió

  • Raíssa França
  • 21/08/2020 10:31
  • Blog da Raíssa França
Foto: Twitter/Reprodução
Internautas usaram a hashtag no Twitter

Entrou no trending topics do Twittter, nessa quinta-feira (20), a hashtag #justicaparaasmeninasdemcz. Mas afinal, por qual motivo os internautas estavam usando essa tag? Segundo informações publicadas na rede social, um grupo formado por meninos estava publicando semi-nudes de meninas menores de idade de Maceió. 

De acordo com uma das meninas, tudo começou quando ela estava numa ligação com um amigo e ele comentou que tinha um semi nude dela rodando pelos grupos de whatsapp.

“Eu pedi para ver e realmente… tinha minha bunda de fundo”, contou. Entretanto, ela disse que nunca mandou essa foto ninguém. “Até que lembrei que meu amigo tinha falado que em uma época tinha um aplicativo com várias partes íntimas de meninas de Maceió”.

E a história fica ainda pior, conforme relatos: os meninos tiravam prints e mandavam nos grupos dizendo que essas adolescentes tinham enviado para eles. “Fui tirar satisfação com esses meninos e claro que eles negaram até a morte. Várias meninas tiveram fotos vazadas por causa deles”, disse uma das envolvidas.

Não se sabe ao certo quantas fotos foram vazadas e nem a idade dos envolvidos. O assunto tomou uma grande proporção e de acordo com os internautas, as meninas que tiveram as fotos vazadas eram menores de idade.

Krav Maga: seminário ajuda mulheres com técnicas de defesa pessoal em Maceió

  • Raíssa França
  • 05/08/2020 10:20
  • Blog da Raíssa França
Foto: Assessoria
Aulas são mistas e acontecem em Maceió

É com o objetivo de oferecer para as mulheres técnicas de defesa pessoal, que o instrutor Fyllipe Paranhos realiza, anualmente, um seminário de Krav Maga (defesa pessoal Israelense) em Maceió. Por causa da pandemia, o seminário precisou ser adiado, mas segundo o instrutor, as mulheres estão mais interessadas pelo Krav Maga. 

“Pretendo retomar o projeto assim que for possível, inclusive com previsão de levá-lo para o interior do Estado”, disse Fyllipe ao blog. 

O seminário é gratuito e as aulas são realizadas em turmas mistas. “Não temos uma turma apenas ou específica para mulheres. O Krav Maga é para todos. Não importando o sexo, idade ou condicionamento físico”, explicou.

O instrutor também destacou o interesse das mulheres pela defesa pessoal. “Só para você ter uma ideia, esse ano tínhamos disponibilizado 100 vagas, que foram totalmente preenchidas em 2 dias e estamos com uma lista de espera em caso de desistência de umas 20 mulheres.”

Fyllipe disse que recebe dois grupos distintos: um formado por mulheres empoderadas que buscam mais segurança e outro, formado por mulheres assustadas com a violência. “Seja porque já vivenciaram na pele ou porque presenciaram alguma violência com alguma mulher próxima”.

Ele disse ao blog que muitas mulheres ainda acreditam que não conseguem se defender de um agressor por se sentirem mais fracas fisicamente. “E todas saem do seminário entendendo que conseguem se defender não importa o tamanho ou a força do agressor”.

Entretanto, segundo o instrutor, a finalidade do seminário não é apenas para que elas aprendam a se defender, mas que elas aprendam sobre controle emocional, mental e o uso correto das técnicas. 

Para ele e para o outro instrutor, Rafael, quando o seminário acaba, os dois sentem que plantaram uma sementinha na cabeça da mulher. “A sensação é que ela pode fazer tudo que deseja e que ela consegue andar na rua de cabeça erguida, sem sentir medo, que consegue enfrentar problemas que a vida dela oferece e que ela toma um caminho completamente diferente que a vida dela oferece e que ela toma um caminho completamente diferente daquele que a gente que ela estava tomando antes de conhecer o Krav Maga”.

Fyllipe também contou que algumas alunas já usaram a defesa pessoal quando passaram por algum tipo de situação de violência, e se saíram bem. “É muito difícil descrever como me sinto. Fiz um juramento quando me tornei instrutor de krav maga que levaria a técnica para o mundo. Então a sensação é de dever cumprido”, finalizou.

Vídeo: JHC para prefeito, Bolsonaro com problemas de saúde e cura do coronavírus; taróloga faz previsões para o segundo semestre

  • Raíssa França
  • 29/07/2020 10:01
  • Blog da Raíssa França
Foto: Raíssa França/CM
Luani Macário

Ano passado, o Cada Minuto trouxe as previsões para 2020 com a taróloga Luani Macário. O primeiro semestre do ano foi um tanto pesado e pegou todo mundo de surpresa com a pandemia causada pelo novo coronavírus. Além disso, também houve muita confusão na política brasileira. 

O segundo semestre parece que será mais tranquilo, segundo as previsões de Luani Macário. 

Para as eleições municipais, segundo ela, não tem jeito, JHC vai ser o novo prefeito de Maceió. “O que está modificando nessa eleição é o jovem que quer algo novo para a capital. E ele vai fazer um bom governo, é um governo inovador e traz novidades para Maceió”.

Ela também disse que JHC traz mais tecnologia e empregos. “Acredito que ele vai enfatizar a importância do empreendedorismo”.

Sobre o presidente Jair Bolsonaro, no ano passado, Luani disse que ele sairia da presidência. De acordo com ela, o presidente está numa depressão forte atualmente, e em termos de saúde, ele não está bem. 

A taróloga também disse que Bolsonaro ainda está deslumbrado com o cargo. “Ele precisa colocar os pés no chão e ter ações rápidas”. Para ela, Bolsonaro sai da presidência por doença ou por causa dos filhos dele.

Sobre o coronavírus, Luani disse que é um teste do coração. “É um teste para as pessoas entenderem que ninguém vem aqui pra ganhar dinheiro, vem para amar e ser amado”.

A taróloga disse que os casos vão baixar e que a cura vai chegar. “Ela vem de uma maneira barata e muita gente vai comemorar”.

Luani disse que algumas pessoas ainda vão morrer mesmo com a vacina, mas é uma parcela menor da população.

Ela finalizou afirmando que o coronavírus servirá para inspiração e para ensinar.

Confira o vídeo completo:

Primeira exibição do cinema drive-in é adiada em cumprimento ao decreto governamental

  • Raíssa França
  • 26/06/2020 09:41
  • Blog da Raíssa França
Cine arte Pajuçara

Já imaginou um cinema drive-in em Maceió? Aqueles que só vemos em filmes com carros no estacionamento e um telão? Maceió ganhou o primeiro cinema drive-in.

A parceria é do Centro Cultural Arte Pajuçara com o restaurante Santo Orégano, localizado em Riacho Doce. E teria início já a partir desse sábado (27), exibindo filmes no estacionamento no estilo drive-in. 

Como funciona? O cliente paga uma taxa, estaciona o carro e assiste ao filme dentro do veículo. O local contará com espaço para cerca de 20 automóveis, uma tela de 4 x 5 metros. O som será via rádio FM, permitindo que o áudio vá direto para dentro do carro.

Mas, em cumprimento ao decreto estadual de enfrentamento à Covid-19, o evento, considerado de caráter social, não consegui a permissão para ser realizado. 

O Centro Cultural Arte Pajuçara fez o comunicado por meio de nota. Confira: 

Caros cinéfilos e clientes, eis que nosso projeto terá que ser adiado, por força do decreto de isolamento, que considerou nossa ideia um evento social. Apesar de nosso estacionamento ser pequeno, para apenas 20 veículos, e entendermos que a exibição do filme é um complemento ao nosso serviço drive-thru, permitido em decreto, as autoridades governamentais nos alertaram para a proibição em decreto vigente. 

Buscaremos, a partir de hoje, uma solução conjunta para resolvermos o quanto antes as questões interpretativas impeditivas, para podermos oferecer está opção tão festejada por todos.

Desculpe-nos por sua frustração e obrigado pela compreensão.

Pedimos, por favor, que divulguem e compartilhem com o maior número de pessoas este comunicado.

Após isolamento, mãe é recebida com cartaz de filho de 6 anos: "melhor dia da minha vida"

  • Raíssa França*
  • 08/05/2020 13:40
  • Blog da Raíssa França
Foto: Cortesia
João, de apenas 6 anos, escreveu o cartaz para a mãe

 

A suspeita da covid-19 fez com que a jornalista Laryssa Sátiro, que mora em Maceió, tomasse uma medida que ela jamais pensou em tomar: ficar longe - dentro da mesma casa - do filho João, de 6 anos, e da tia que mora com ela. Os sintomas apareceram na jornalista no dia 22 de abril: conjuntivite, congestão nasal, perda do paladar e do olfato. Consultada por um médico, a jornalista recebeu a recomendação de ficar 14 dias em isolamento.

Para proteger o filho e a tia, Laryssa ficou trancada dentro do quarto durante 15 dias. “Foi um misto de frustração, medo, angústia, ansiedade e muita fé. Agradeci muito por não ter evoluído para os sintomas graves, agradeci demais a Ele pela minha família, pelo apoio dos meus amigos, do meu namorado que a distância estavam me segurando para eu não ter crise de síndrome do pânico”.

Entretanto, o apoio mais importante para a jornalista veio do filho. Para brincar, os dois precisaram arrumar uma maneira. Separados por uma porta, João sentava no chão para desenhar e pintar, e Laryssa - de dentro do quarto - fazia a mesma coisa. “Ele estava doido pra eu sair logo do quarto e principalmente para que eu saísse bem. A gente sempre se abraça muito, trocar carinhos é o nosso normal”. ⠀⠀⠀⠀

Não era fácil para nenhum dos dois. Do lado de fora do quarto, João marcava um "x" em um pedaço de papel para contar quantos dias faltavam para rever a mãe. “Ele dizia que o coronavírus era muito chato em separar as pessoas que a gente ama. Que eu ficasse calma que ele estava contando os dias para eu sair”.

João marcando um x. Foto: Cortesia

E assim foi: hoje (07), sem sintomas, Laryssa finalmente pôde sair de dentro do quarto. O que ela não imaginava era que o filho tinha preparado um cartaz com uma mensagem: “Mãe, é o melhor dia da minha vida”. “Ficamos uns 3 minutos abraçados sem dizer nada. Aí ele soltou e disse: mãe eu estava morrendo de saudade de você”.

-

*com Portal Eufemea

Amigos fazem carreata para cantar parabéns para aniversariante em Maceió; veja vídeo

  • Raíssa França*
  • 04/05/2020 11:57
  • Blog da Raíssa França
Foto: Cortesia ao blog
Amigos fizeram uma carreata para cantar parabéns para aniversariante

Ninguém imaginaria que algum dia iria comemorar mais um ano de vida isolada dentro de casa por causa de uma pandemia. Este ano, em especial, muitas pessoas ficaram tristes por não estarem com os amigos ou até mesmo familiares para celebrar o dia. Porém, para não deixar passar o dia “em branco”, algumas pessoas decidiram inovar e arrumar um jeito de ficar - mesmo que de longe - perto de quem se ama.

Esse é o caso da alagoana Michelly Amâncio que completou 33 anos neste domingo (03). Michelly contou que sempre gostou de comemorar o aniversário ao lado de quem ela amava, mas esse ano estava mais triste por causa dos últimos acontecimentos relacionados ao coronavírus.

O que Michelly não imaginava é que os amigos não deixariam de celebrar com ela mais um momento. Eles organizaram uma carreata com bolas, música e mensagens de amor para a aniversariante. Com máscaras, álcool em gel e luvas, os amigos foram de carro até a residência dela, situada no bairro Graciliano Ramos, em Maceió, e fizeram uma surpresa.

Apesar da distância entre eles, a aniversariante ficou emocionada. “Muito obrigada por tudo que vocês fizeram. Queria abraçar cada um de vocês, mas não posso. Estou muito emocionada e feliz”, desabafou.

 Mesmo sem os abraços, Amâncio vai guardar no coração o olhar de cada um dos amigos e os sorrisos que estavam “escondidos” por trás das máscaras.

Veja o vídeo

*com Portal Eufemea

Médica inicia campanha e doa máscaras para pacientes renais crônicos em Maceió

  • Raíssa França
  • 25/04/2020 08:57
  • Blog da Raíssa França
Foto: Cortesia
Máscaras foram doadas para os pacientes

A coordenadora médica Flora Braga Vaz quis fazer algo para proteger - do coronavírus - os pacientes renais crônicos que vivem de forma aglomerada devido ao tratamento em Maceió. Foi daí que Flora pensou em iniciar uma campanha - juntamente com a equipe - para que fossem confeccionadas máscaras para eles.

“A equipe abraçou a ideia, assim como pessoas amigas que sabem costurar e se interessaram. Minha mãe que é chefe da enfermagem, confeccionou grande parte, juntamente com minha tia, mas muitos médicos, psicólogos e administradores também doaram. Além de pessoas de fora da equipe também”, explicou.

A médica disse que sabe da importância do uso das máscaras, principalmente para os pacientes que moram com muitos familiares em cômodos pequenos, dividem van para ir até os hospitais dialisar e ficam em salas de hemodiálise juntamente com muitos outros pacientes.

“Isso tudo aumenta a potencialidade de transmissão do vírus. Ainda mais quando se fala de pacientes imunossuprimidos que é o caso deles. Por isso a preocupação da equipe multiprofissional”, disse.

Com a campanha iniciada, cerca de 700 pacientes vão receber as máscaras nos hospitais Sanatório, Santa Casa e Santa Rita, em Palmeira dos Índios.

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

É possível manter a energia sexual durante a pandemia? Especialista em sexualidade responde

  • Raíssa França
  • 16/04/2020 11:37
  • Blog da Raíssa França
Foto: Cortesia ao blog
Laylla Brandão, especialista em sexualidade

O atual cenário mundial não é um dos melhores por causa da pandemia do coronavírus. Em geral, as pessoas estão mais ansiosas, entediadas e preocupadas com o amanhã. Muitos casais estão vivenciando esse isolamento social juntos e, segundo alguns relatos de alguns que conheço, eles não estão pensando em sexo. Como manter a energia sexual ativa em meio à pandemia? A especialista em sexualidade, Laylla Brandão, conversou com o blog sobre o assunto.

Laylla disse que muitas pessoas estão direcionando a energia para outras questões da vida, e esquecendo do sexo.

Entretanto, Brandão explicou que se for do interesse do casal é importante que haja um momento para uma reflexão e um momento a dois. 

A especialista disse que vivemos um momento diferente e que é essencial que não haja cobrança para o sexo. “Nunca vivemos isso e a cabeça, o emocional e o corpo não estão abertos para a sexualidade”. 

Mas por outro lado, Laylla disse que é importante também que o casal dê valor para a sexualidade. “A gente pensa em fazer sexo só quando está com vontade. É claro que precisa existir. Mas não damos um valor real e nem damos o cuidado necessário ao nosso sexo”, comentou.

“A gente espera que o momento aconteça, que o milagre venha para o sexo surgir”, falou. Porém, para a especialista, o sexo começa na cabeça. “Nós precisamos fazer um sexo mental pensando em coisas que nos excitem, em momentos que tragam pra gente esse desejo sexual. A gente precisa alimentar a vida sexual”, afirmou.

O que fazer?

Brandão disse que inovar é o segredo. “Buscar conversar com a parceria é ideal. Para os casais que não tem tempo, ou que têm filhos, planejar o momento da sexualidade é fundamental”.

Filmes sensuais, tomar um vinho, construir um momento que lembre a sexualidade ajudam para que a energia sexual não se perca dentro de casa. “Fazer coisas novas como uma fantasia, fazer posições diferentes”.

Por fim, a especialista disse que a energia sexual é vital. “É preciso pensar no sexo como uma coisa natural assim como outras coisas da nossa vida. Se você não busca excitar o corpo, ele vai continuar morto como se nunca tivesse existido”.

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

"Só podemos sair de casa por uma hora e com atestado", diz alagoana sobre quarentena na França

  • Raíssa França
  • 15/04/2020 10:49
  • Blog da Raíssa França
Foto: Cortesia ao blog
Cidade de Bayonne, na França

A quarentena na França é bem diferente do isolamento social que vemos no Brasil. Por lá, já são 15.729 mortes por causa da covid-19 e 103.573 casos confirmados. Ao blog, a alagoana Anne Karollyne Rosendo, de 30 anos - que está morando na cidade de Bayonne, na França - disse que a regra lá é bem mais dura e que os moradores estão todos confinados.

Segundo a alagoana, a recomendação é que saia apenas para o necessário. “Estamos aqui confinado. Podemos sair de casa por 1 hora com um atestado que é preenchido no celular”. 

Karollyne disse que a situação é bem complicada, mas que acredita que o isolamento social é a melhor saída. “Mas é necessário que cada um faça sua parte e tome os devidos cuidados para a prevenção”.

O bairro que a alagoana mora teve uma queda na movimentação em comparação ao passado, mas ainda assim, alguns pais descem - mesmo que seja por 1 hora - para brincarem com os filhos no parque. É o que acontece também com ela que têm dois filhos, sendo um de seis e outro de três anos.

Foto: cortesia ao blog

“Passo o dia confinada mesmo. Nesses últimas dias que ainda desci com meus filhos para eles brincarem um pouco de bicicleta”, contou Anne.

A rotina deles mudou, mas Anne acredita que se cada um fizer a sua parte, a vida voltará em breve ao normal. “Quem puder, fique em casa! Pelo seu próprio bem e o da nação”, apela.

Escritora que "previu" pandemia diz não acreditar em coincidência: “obra tinha um propósito maior”

  • Raíssa França
  • 10/04/2020 15:31
  • Blog da Raíssa França
Foto: Reprodução/Extra/Arquivo Pessoal
Melissa Tobias escreveu a realidade de Madhu

O livro ‘A realidade de Madhu’ escrito pela brasileira Melissa Tobias tomou proporções que nem ela mesmo esperava. Um trecho do livro - publicado em 2014 - que comentava sobre uma pandemia em 2020 rapidamente viralizou nas redes sociais. O blog trouxe uma publicação sobre o trecho que deixou muita gente impressionada.

O blog entrevistou Melissa que conta que a história nasceu da criatividade dela baseada em vários anos de diferentes fontes. Entretanto, Tobias disse reconhecer que há algo mais profundo o qual ela não consegue compreender ainda.

Sobre a repercussão do livro, Melissa disse que recebeu tudo com grande surpresa e que não acredita em coincidência. “Não esperava tal repercussão a essa altura do campeonato. Mas não acredito em coincidência. Creio que tudo tem um motivo de ser”, disse.

A escritora conta que o livro tem o contexto de preparar a protagonista para enfrentar uma transição planetária em 2020.”E justamente neste ano de 2020, estamos passando por tal transição.Isso é um tanto intrigante”.

Segundo ela, parece que a obra tinha um propósito maior. O trecho viralizou e muitas pessoas compraram o livro. Questionada sobre a grande procura, Melissa disse que acredita que seja pelo fato “de estarmos passando por um momento singular na história da humanidade”. 

“As pessoas estão sentindo necessidade de buscar conhecimento e necessidade de refletir sobre seu modo de vida”, finalizou.

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

"A pandemia me fez olhar para o outro e esquecer dos meus problemas", diz alagoana

  • Raíssa França
  • 07/04/2020 14:08
  • Blog da Raíssa França
Foto Premium
"A pandemia me fez olhar para o outro e esquecer dos meus problemas", diz alagoana

A vida da técnica de enfermagem Laís*, de 27 anos, era diferente há dois meses. A tristeza, segundo ela, tinha virado constante e fez com que ela não se reconhecesse mais. Laís sabia que essa tristeza vinha carregada de vários motivos, mas um deles em especial: o ganho de peso que tirou autoestima dela e que quase a fez entrar em um processo depressivo. Entretanto, com a chegada da pandemia, a vida da alagoana deu uma reviravolta.

“Quando eu pensava em ir ao cinema com meu esposo, desistia. Tinha medo de encarar meu guarda-roupa e perceber que nenhuma roupa me cabia mais. Fiquei isolada, só dormia”, contou ao blog.

Laís contou que antes do coronavírus ter ganhado força no Brasil, ela procurou uma nutricionista e buscou fazer uma nova rotina para melhorar a autoestima. “Não só por estética, mas também por saúde. Comecei a ir para a academia, mas com uma semana começou toda situação do coronavírus e academia fechou".

Como Laís é técnica em enfermagem, estava acompanhando toda situação do coronavírus. “Mas aí o meu trabalho também ficou suspenso”.

Em casa, Laís começou a perceber que o problema dela era um grão de areia para o que estava acontecendo no mundo. “Pensei na minha mãe que quase a perdi para um câncer, no meu pai que trabalha em outra cidade, no meu marido que continua trabalhando. E no lugar da tristeza veio a preocupação”.

Laís disse que “esqueceu os problemas dela” e começou a olhar para o próximo. “O mundo está parando. Se instalou um caos. E eu comecei a perceber que meu problema não era nada e que existem problemas maiores”.

Para ela, a pandemia - por mais que seja uma situação difícil - fez com que ela parasse de olhar para o próprio umbigo. “Vi que as situações que essa pandemia está gerando mostra a todo mundo que a gente precisa ficar mais unido. Existem pessoas que sempre precisaram e que mais do que nunca estão em situações piores”.

Ela acredita que depois que a pandemia passar, o mundo não será mais o mesmo, nem ela. “O mundo será menos egoísta. A pandemia veio com muita insegurança, mas trouxe um lado bom: as pessoas estão conseguindo olhar para os outros e não apenas para si mesmo, como eu estava”, disse.

*O nome da entrevistada foi mudado a pedido da mesma

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

Livro de brasileira previu pandemia em 2020; trecho de história é de arrepiar

  • Raíssa França
  • 30/03/2020 16:54
  • Blog da Raíssa França
Foto: internet
Melissa Tobias escreveu a realidade de Madhu

Estava trabalhando hoje quando recebi uma foto - em um grupo de mulheres que participo - com um trecho de um livro escrito pela brasileira Melissa Tobias. Não a conhecia até hoje. Um trecho do livro ‘A realidade de Madhu’ [publicado em 2014] parece que já previa que uma pandemia ia chegar em 2020.

Assim que enviaram o trecho do livro, fiquei arrepiada e fui fazer uma rápida pesquisa sobre quem era a autora e de onde ela tinha tirado essa ideia de que em 2020 nós enfrentaríamos uma pandemia. 

Mas antes de você olhar o trecho que descreve a pandemia, deixa eu te contar sobre o que é o livro: Madhu é abduzida por uma nave intergaláctica. Abduzida e confinada na Ala dos híbridos, Madhu terá que descobrir a razão do interesse dos alienígenas por ela. Na busca por essa descoberta, faz amizade com uma híbrida e se apaixona pelo androide Niki. A bordo da colossal nave extraterrestre, Madhu aprenderá lições importantes, superando medos profundamentes enraizados.

Agora, leia o trecho do livro abaixo que descreve a pandemia:

Encontrei um vídeo da Melissa no Youtube e ela explica que escolheu 2020 por causa da data limite de Chico Xavier que cita 2019 como a data limite para o fim de um ciclo e o início de uma nova era.

“E daí eu pensei ‘ah, se finaliza em 2019, em 2020 provavelmente vem uma catástrofe’. Mas o livro todo é baseado em saberes antigos, em Chico Xavier, nos Vedas. Foi daí que tirei a ideia do livro”, comentou Melissa no vídeo.

Para ela, a escrita criativa é uma forma de arte. “Todo artista tem um tipo de mediunidade. Quando a gente está naquele estado de criação, a gente entra num estado mental alfa que a gente se conecta com alguma coisa que não vem da razão, mas sim do coração que tem ligação com a nossa alma”.

Tobias disse que esse trecho do livro talvez tenha vindo dessa ligação com a alma. 

-

O que você acha? Acredita em coincidência ou acha que Melissa - de alguma forma espiritual - já sabia que isso acontecer?

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

Com parabéns, bolo e chamada de vídeo, jornalista comemora aniversário em isolamento social

  • Raíssa França
  • 27/03/2020 10:40
  • Blog da Raíssa França
Foto: Cortesia ao blog
Alagoana comemorou o aniversário com os amigos

Se perguntassem a jornalista Mariana Lima como ela imaginava completar os 34 anos, com certeza ela não apostaria que seria por meio de uma chamada de vídeo com os amigos e “presa” por causa do isolamento social devido à pandemia do Covid-19.

Mariana disse que, antes do decreto, ela já temia sobre como seria a celebração do aniversário. “Não sabia se chamava algumas poucas pessoas em casa ao invés de marcar um encontrinho no bar com a galera que quisesse ir. Na quinta (19), tinha resolvido que ia chamar 3 amigos que moram perto pra uma jantinha no Casa Amarela (Bar da Zil) e pronto, mas falando com outros amigos (uma das convidadas, inclusive) que trabalham no Hospital Hélvio Auto ainda na sexta (20) pela manhã, desisti da ideia”, explicou a jornalista.

Com o decreto, Mariana viu os planos indo por água baixo e se pegou pensando em como seria comemorar o aniversário em isolamento social. “Por mais que as amigas e amigos garantissem que iam passar o dia me azuando, aquilo me incomodava um pouco, sabe?”, disse.

Com a situação, a jornalista precisou se reinventar e comemorar de outra forma. Foi aí, que segundo Mariana, ela decidiu criar um grupo no whatsapp, criou uma  playlist no Spotify, combinou com a família a hora que ela iria cantar os parabéns com o mini-bolo [que ela pediu via delivery] e fazer uma chamada de vídeo com eles. 

“Não é porque eu estaria sozinha que eu estaria sozinha no dia do aniversário”, contou ao blog.

Apesar de não poder receber abraços afetuosos por causa da situação, o dia do aniversário de Mariana foi agitado. Foram várias chamadas de vídeo: com os pais, e primos pequenos, sobrinhos do coração que moram em São Paulo.

E não parou por aí. Mariana ganhou parabéns coletivo por videoconferência, ligou para a avó que mora no Sertão de Pernambuco, falou com os tios e recebeu ligação de Rosa, uma amiga que mora em Lisboa, Portugal.

Lima reforçou que todo mundo achava engraçado o fato dela ter bolinho, vela, prato de docinhos, salgados, e estar sozinha. “Mas todo mundo gostou de ver que eu estava levando a situação com leveza”.

Foi às 21h que a festa de Mariana começou de um jeito que ela não imaginava: todos reunidos - de maneira virtual - em uma sala no aplicativo Zoom cantando parabéns e a música Evidências também cantada pelos amigos.

Teve brinde e Mariana abriu até um espumante para comemorar. Por fim, a jornalista ainda recebeu - mesmo que longe - a visita de uma amiga que apareceu na garagem do condomínio dela para entregar um pedaço de bolo e e terminar de beber o espumante que eu tinha. “Tudo isso a uma distância de um metro”, falou.

Mariana não teve o aniversário que imaginava, mas teve o que deu pra fazer diante das circunstâncias. Tudo de maneira virtual, sem abraços, a jornalista guardou tudo isso para quando a pandemia passar.

Para ela, as pessoas podem estar em isolamento social físico, mas pode aproveitar os recursos tecnológicos para estar em contato e ver gente. 

“Espero que mais gente possa aproveitar a ideia pra não ficar tão só nesse período. Porque precisamos ficar em casa quem pode ficar em casa. E quando o isolamento acabar, ter muita consciência sobre idas à rua”, finalizou.

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

Coronavírus: Padre percorre ruas em Arapiraca com ostensório para abençoar fiéis e emociona moradores

  • Raíssa França
  • 26/03/2020 15:14
  • Blog da Raíssa França
Foto: Cortesia ao blog
Padre passa com ostensório nas ruas de Arapiraca

Com os templos religiosos fechados devido ao novo coronavírus, uma cena marcou os moradores da cidade de Arapiraca, Agreste de Alagoas. É que o padre Pedro Afonso Tavares Lins decidiu percorrer - todos os dias - algumas ruas da cidade carregando o ostensório (peça dourada usada para expor Jesus Cristo no altar ou durante as procissões) para abençoar e ajudar os fiéis nesse momento de pandemia.

Com o decreto do Governo Estadual, os moradores estão em isolamento, mas o padre decidiu levar Jesus até eles. Ao blog, o padre da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, situada no bairro Planalto disse que a ideia não foi dele e afirmou que “a igreja sempre em momentos como esses faz este gesto de conforto para os fiéis”.

Desde que o decreto foi divulgado, que o padre percorre as ruas com o ostensório. Para ele, desta forma, os fiéis não se sentem sozinhos neste momento de pandemia. 

O padre contou ao blog que devido às chuvas, nem sempre é possível levar Jesus para as pessoas. Mas confessou que essa missão vai durar até quando as portas das igrejas se abrirem.

“Costumamos sair depois das missas, mas quando chove nem sempre é possível”, explicou o padre que faz isso duas vezes ao dia.

Padre Pedro explicou que enquanto ele passa com Jesus, “as pessoas não se aproximam, mas elas vão até a porta, estendem as mãos, ficam de joelhos, choram, rezam". "Lembram-se que Cristo permanece sempre conosco e não nos abandona nunca”, reforçou. 

A ideia do padre é que mais lugares sejam percorridos. “Esperamos ir no Xexéu, Vila São José, Carrasco, Bom Nome, Massaranduba, Olho D'água de Cima", citou.

Para o padre, o gesto mostra que Cristo nos protege e nos abençoa com a sua presença.

-

Estou no Instagram: 

@raissa.franca

"O Senhor se esconde por trás dos necessitados", diz Frei que acolheu moradores de rua em Maceió

  • Raíssa França
  • 25/03/2020 10:43
  • Blog da Raíssa França
Foto: Cortesia ao blog
Moradores de rua estão abrigados em Maceió

Foi passando de carro pela praia da Avenida, em Maceió, que o Frei João, da Casa de Ranquines, viu um grupo de moradores de rua e parou o carro para conversar com eles. “O evangelho nos ensina que nosso senhor se esconde sempre por trás dos mais necessitados”, disse ao blog.

Ao descer, o frei foi informado por eles que “até aquele momento nenhum deles tinha tomado água”. Com a cidade mais vazia devido a pandemia do Covid-19, os moradores de rua estavam lá: sem receber nenhuma ajuda. A cena, segundo o frei, partiu o coração dele.

“Fomos em casa rápido, fizemos uma macarronada e levamos para eles. Era uma situação crítica: tinha muitos idosos e crianças que não tinham até aquela hora comido nada”, disse o Frei.

Para o ele, é sempre uma gratificação saber “que estão servindo o próprio Cristo, na pessoa dos mais necessitados, fragilizados e abandonados”.

Com o decreto de emergência em Alagoas, muitas pessoas se perguntaram: ‘E os moradores de rua?’. Durante essa semana, a Prefeitura de Maceió em parceria com a Arquidiocese decidiu abrigar cerca de 200 moradores de rua. Nos locais, os moradores vão ter comida, água e um colchão para dormir.

Os dois novos abrigos provisórios - sendo eles uma casa e uma escola - vão permitir que os moradores de rua fiquem nos locais até a situação de emergência passar.

Até ontem (23), 140 moradores de rua foram abrigados. Para informar sobre a situação do novo coronavírus no mundo inteiro e do decreto de emergência em Alagoas, o Frei explicou que foi criada uma Pastoral da Conscientização. “Não só nós, da Casa de Ranquines, mas é um trabalho feito por vários movimentos, pastorais e setores da prefeitura e do Estado. Eles estão bem informados, menos os que estão sob efeito de alguma droga que não entendem o que está acontecendo”.

Sobre a reação deles sobre o atual cenário, o frei contou ao blog que eles fizeram perguntas como: “Quando isso vai acabar?”, “Quais são os riscos que corremos nas ruas?”. Para explicar melhor, o frei usou como exemplo uma viagem que fez recentemente à Roma. “Há menos de um mês eu estava de férias em Roma e estava tudo normal. Não tinha aparentemente não tinha nada da situação que estamos vivendo hoje e eu mostrei a eles o quanto foi rápido a propagação do vírus”.

Para não deixar os moradores de rua ociosos, um cronograma foi criado. “Ontem fizemos um cinema. Quer dizer, todas as noites queremos fazer um cinema. Pela manhã nós temos grupos religiosos que estão fazendo momentos de espiritualidade com eles, fazemos jogos, entre outras coisas”, disse.

Apesar dos abrigos, João ressaltou que eles estão necessitando de doações de roupas, produtos de limpeza, descartáveis, sacos de lixo, mistura para o café da manhã e produtos de higiene pessoal.

Quem quiser doar, pode levar os materiais na Casa de Ranquines, situada na ladeira da Catedral, número 107. Caso a pessoa não tenha condições de trazer os materiais, mas queira ajudar, pode falar com o frei pelo número (82) 99940-6028.

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

Praias e ruas vazias: vídeo do Governo de AL emociona web e reforça pedido de isolamento; assista

  • Raíssa França
  • 22/03/2020 15:18
  • Blog da Raíssa França
Foto: Reprodução/Internet
Vídeo emocionou a web

Estava sentada no sofá da sala - neste domingo silencioso - quando entrei no Instagram e me deparei com um vídeo que me fez chorar. O vídeo é da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo de Alagoas (Sedetur) e reforça o pedido do governador Renan Filho para que todos fiquem em casa.

O vídeo mostra o vazio da cidade: ninguém nas praias e nem nas ruas. O pedido é que as pessoas não saiam de casa e que os turistas não venham agora para Alagoas.

Em poucos minutos, o vídeo emocionou a web e fez várias pessoas compartilharem. É triste saber que estamos passando por uma situação tão difícil. Para que mora em Alagoas, encontrar um estado vazio é de doer o coração. Entretanto, é necessário que fiquemos em isolamento.

Espero profundamente que essa situação passe logo. Mas enquanto ela não passa...

Fique em casa, não venha agora.

Veja o vídeo abaixo:

-

Parabéns aos que se dedicaram para fazer esse vídeo. 

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

Em Maceió, irmãs colocam mensagem em elevadores de prédio para ajudar idosos

  • Raíssa França
  • 20/03/2020 09:52
  • Blog da Raíssa França
Foto: Cortesia ao blog
Mensagem foi colocada no elevador do prédio

Em tempos de pandemia devido ao Covid-19, não custa nada ajudar. Principalmente quando se trata de pessoas que estão nos grupos de risco. Uma boa ação das irmãs alagoanas Milena, 21 e Luana Pessoa, 26 anos, traz esperança de dias melhores.

As duas moram no residencial Garden ville, no bairro da Serraria, em Maceió, e viram - na internet - que alguns moradores estavam deixando mensagens nos elevadores dos prédios para ajudar os idosos.

“Somos católicas e sempre gostamos de ajudar ao próximo. Vimos essa mensagem na internet e pensamos em ajudar qualquer idoso que seja. Por isso fizemos uma mensagem simples nos elevadores”, explicou Milena.

As irmãs colocaram a mensagem nos elevadores

A mensagem - segundo Milena - foi publicada apenas no grupo da família. “Eles adoraram a ideia. Uma das medidas que também adotamos foi a de passar álcool em gel no elevador”.

Luana é enfermeira e reforçou que sempre visa a necessidade dos indefesos. “Hoje, o nosso maior grupo de risco são os idosos e as crianças”. Segundo ela, para que o problema seja enfrentado, é necessário a prevenção, mas também o isolamento social.

Foto: Cortesia ao blog

“Pensando em ajudá-los no que precisasse colocamos a mensagem para que eles fiquem em casa. Mas quando saímos, utilizamos tudo necessário: a máscara, álcool em gel, enfim. A forma é se prevenir e ajudar o que no momento precisam mais que a gente”, afirmou Luana.

Apesar de nenhum idoso ter buscado ajuda após a mensagem, o bilhete ainda permanece lá. “Fizemos a nossa parte e queremos ajudar”, enfatizaram as irmãs.

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

 

Coronavírus: quem cuida dos profissionais da saúde? Psicóloga fala sobre saúde mental

  • Raíssa França
  • 19/03/2020 09:21
  • Blog da Raíssa França
Foto: Internet
Profissionais da saúde

Nesse cenário de pandemia do novo coronavírus, os profissionais da saúde são olhados como os heróis, os que cuidam dos doentes. A rotina desses profissionais que trabalham em unidades de saúde ganharam uma intensidade ainda maior nos últimos dias. Entretanto, quem cuida de quem cuida de nós?

Com essa rotina mais puxada e a situação em que o país vive, os profissionais da saúde cuidam dos pacientes, estão sobrecarregados e uma boa parte deles não cuidam da saúde mental. 

O blog entrevistou a psicóloga Fernanda Chianca que falou sobre a importância dos profissionais da saúde buscarem ajuda. 

Psicóloga Fernanda Chianca

Segundo explicou Chianca, neste período de pandemia é necessário tentar manter a calma e a empatia, pois, o medo, ansiedade e o pânico tem se instaurado entre a população, causando sobrecarga nos serviços de saúde.

“Isso causa sobrecarga nos serviços de saúde o que pode gerar nos profissionais que atuam na linha de frente, aflição e conseqüências psicológicas. Além do medo do contágio, ainda são eles os responsáveis pelos cuidados e recuperação das pessoas”, disse a psicóloga.

Fernanda disse que é preciso que se fique atento a quem está recebendo esses pacientes. “É preciso lembrar que assim como todos são pessoas humanas que possuem emoções e familiares também”. 

Como se cuidar?

Por causa do atual cenário, os profissionais da saúde acabam trabalhando mais do que devem. De acordo com a psicóloga, o aconselhado é que evitem ultrapassar sua jornada de trabalho que é um dos principais fatores que levam aos desgastes físicos e emocionais.

“Também é preciso saber lidar com frustrações e entender que todos temos limitações, que nem sempre as coisas estão em nosso controle. Outro sentimento comum é o de culpa, que muitas vezes acabam sendo frequentes quando sentem que não estão fazendo tudo o possível para os pacientes, por questões que não são responsáveis”, disse Fernanda.

Quais as dicas que você traz?

Fernanda disse que é importante que mesmo diante dos casos de pandemia, os profissionais não ultrapassem suas jornadas de trabalho, com a possibilidade de revezamento entre os profissionais, para que possam descansar e evitar o desgaste físico e mental.

“Tentar relaxar, nem que seja por alguns minutos ao dia e/ou quando começar a se sentir cansado; não negligenciar a sua saúde, pois eles só podem cuidar de outras pessoas se estiverem bem e buscar ajuda profissional, inclusive psicológica para aprender a lidar com o estresse, ansiedade, medo e tantas emoções e situações de suas rotinas”, indicou a psicóloga.

Atendimento Home Care

A psicóloga chamou atenção para os que trabalham com atendimento domiciliar. Com o medo, as famílias pedem a suspensão das visitas dos profissionais. 

“Mas aí tem o outro problema, de trazer complicações de quadros estáveis e gerar uma internação hospitalar e também, a falta de estabilidade financeira, pois na grande parte são autônomos e recebem por produção, o que acarreta em ansiedade não só pela doença como pela dificuldade em pagar as contas”, finalizou.

-

Se você é profissional da saúde e está lendo esse texto e sente-se sobrecarregado, estressado, cansado... busque ajuda psicólogica. Nós precisamos de vocês bem. 

-

Estou no instagram: @raissa.franca

Eles se conheceram na quimioterapia, enfrentaram o câncer e estão juntos até hoje

  • Raíssa França
  • 12/03/2020 09:39
  • Blog da Raíssa França
Foto: Cortesia ao Blog
Thales e Keel estão juntos há 1 ano e três meses

A história do casal Keel Pinheiro, 29 e Thales Albuquerque, 30, poderia ser tema de um livro ou virar filme. Os dois se conheceram através de uma rede social quando enfrentavam um problema de saúde: o câncer. No momento em que se conheceram, ambos estavam fazendo quimioterapia. O que eles não imaginavam é que os dois seriam - mais tarde - um a força do outro dentro de uma relação.

“Na época nós dois éramos comprometidos, mas respeitavámos bastante os nossos parceiros e não havia interesse da nossa parte. Éramos apenas amigos que trocavam mensagens pela rede social”, disse Keel. Segundo ela, os dois estavam com câncer. 

Aos 27 anos, Keel descobriu que estava com um tumor no mediastino (região torácica dividida em duas partes, limitada lateralmente pelos pulmões, à frente pelo esterno, embaixo pelo diafragma e atrás pela coluna vertebral). Já Thales estava com câncer nos testículos com metástase para o abdômen.

Como os dois vivenciavam quase a mesma situação, o apoio veio na dor e a amizade cresceu. “A gente torcia um pelo outro e se visitava na quimioterapia”, contou Keel ao blog.

Primeira visita na quimioterapia

Na metade do tratamento, o relacionamento de Pinheiro acabou, assim como o de Thales. “O Thales continuava sendo meu amigo e nós fomos para um show juntos e foi lá que tudo começou. A gente ficou basicamente solteiro na mesma época”.

Além de se ajudarem durante a quimioterapia, os dois receberam praticamente juntos o resultado de remissão [termo utilizado em Medicina para designar a fase da doença em que não há sinais de atividade dela]. “Eu terminei primeiro do que ele o tratamento, e ele terminou tempo depois. Só depois disso que começamos a nos envolver”.

A relação dos dois - como qualquer uma - teve altos e baixos. Com a saúde mais fragilizada, Keel já passou por alguns sustos. Thales também. “A gente pensou até que o câncer dele tinha voltado. Foi um momento bem delicado”.

Apesar da dor e dos inúmeros momentos difíceis que ambos enfrentaram, a história que começou em uma amizade se tornou uma linda história de amor e parceria. “Assim como toda relação, a nossa também precisa melhorar em alguns pontos. Mas devido a nossa vivência e tudo que passamos, nós dois conseguimos nos entender bem melhor. Ele sabe quando estou preocupada com algo, eu posso mandar fotos dos meus exames para ele porque a gente tem essa troca de sempre um acompanhar o outro”.

Keel contou que várias pessoas a deixaram durante o processo. Foram amigos que se afastaram, pessoas que relembravam que a alagoana estava com câncer o tempo todo. “Tinha gente mais preocupada com a queda do meu cabelo do que comigo”. Muitos passaram, mas Thales ficou.

De acordo com a estudante de educação física, a relação dos dois não é perfeita, mas ambos tentam seguir sempre pelo melhor caminho. 

Os dois estão juntos há 1 ano e três meses, mas Keel lembra como se fosse hoje quando Thales apareceu. “Apareceu esse moço bonito com a cabeça e a sobrancelha sem um fio sequer, trocando figurinhas, sorrisos e a melhor notícia: estamos curados!”.

Keel disse que a foto define como eles são

Para os que não acreditam no amor, a jovem cita uma frase do filme ‘A culpa é das estrelas’: “A vida não precisa ser perfeita para ter um amor extraordinário”.

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

Alagoana deixa relação abusiva após 20 anos de casamento e dá a volta por cima

  • Raíssa França
  • 08/03/2020 12:06
  • Blog da Raíssa França
Imagem: iStock
Alagoana se divorciou e deixou relação abusiva

Foram mais de 20 anos de casamento para que a alagoana Bruna* percebesse que a relação dela não era um conto de fadas. O casal aparentemente mantinha uma boa relação, sem brigas; mas os problemas rondavam os dois. “A maioria deles por conta de dívidas”, disse Bruna, de 42 anos, ao blog.

As dívidas eram causadas pelo marido, que a distanciava da família sem ela perceber. “Ele me enganava me tratando com carinho e por isso eu achava que a relação estava boa”, contou.

O esposo não pagava a escola dos filhos, arrumava confusão, inventava brigas com a família dela [mantendo Bruna isolada] e fazia negócios com compra de carros e outros objetos. “Eu dava o dinheiro para que ele pagasse as dívidas, ele dizia que tinha pago e depois eu recebia a cobrança”, comentou.

Para Bruna, o ex-esposo não passava de um manipulador, mas como ele sempre mantinha a versão de um homem carinhoso e amoroso, os problemas sempre eram amenizados.

Com a morte da mãe dele que as coisas pioraram. “Ele se dizia depressivo, e eu acreditava. Foi quando começou o inferno. Hoje eu sei que era mentira, mas no tempo foi duro demais. Cuidei dele, levei ao psiquiatra”.

Traições foram descobertas

Não demorou muito para que a alagoana descobrisse as traições dele. E a partir daí, segundo ela, tudo mudou. 

Bruna descobriu que ele estava a traindo com a melhor amiga dela. “Ela andava na minha casa. Eu fui adoecendo com os problemas que estavam acontecendo. Escutei ligações dele com a amante, mas ele negava com uma força terrível e mesmo eu ouvindo tudo aquilo, era difícil admitir a verdade para mim e tomar uma atitude. Você avalia os filhos, financeiro, casa”, enfatizou Bruna.

Bruna disse que casou aos 20 anos e o conheceu aos 16 na igreja. “Eu era uma menina inexperiente, inocente, e fui obediente a ele. Tudo isso me prejudicou”. De acordo com ela, ele usou a religião e Deus para mantê-la sob o controle.

Com os inúmeros problemas e traições, ela começou a se afastar dele. Já não dormia mais na mesma cama e não sentia mais amor. Porém, um certo dia, ele agrediu a filha. “Ele agrediu com uma violência de um monstro. Eu tentei defender, mas não consegui muita coisa. Eu me deitei em cima dela, mas ele não parava. Até que eu consegui um flagrante, e ele foi preso”, contou.

Entretanto, após uns dias, ele foi solto e voltou até a residência deles, agrediu Bruna e roubou o dinheiro dela. “Só que aí ele foi preso novamente em flagrante e ficou preso sete dias. Depois dessa prisão, aí sim não voltou mais e ficou com medo de chegar perto da gente”. Com a prisão, Bruna conseguiu se separar e se arrepende de não ter deixado ele antes. 

O recomeço

Apesar dos desafios que a alagoana enfrentou, libertar-se de uma relação abusiva após anos trouxe para ela uma nova forma de viver, um verdadeiro recomeço. “Eu abro um sorriso. Costumo dizer que acabei de cair nesse mundo. Parece que acordei de um coma em um  outro século”, reforçou.

A nova Bruna decidiu por ela mesmo e tomou decisões importantes: não deixar mais ninguém constrangê-la ou agredi-la. “Procurei um esporte, fiz novas amizades, me aproximei da família e dos amigos. Hoje estou livre e feliz”.

Ela disse ao blog que passa por um processo ainda lento, mas que aos poucos consegue se sentir mais segura e mais bonita. “São muitas as dificuldade, obstáculos e existe medo também. Sentimentos que você ainda vai conhecer, situações as quais você ainda vai decidir como tomar a decisão, mas o maravilhoso é que você vai fazer e não é ele”, enfatizou.

Sentindo-se leve e feliz, Bruna manda um recado para as mulheres que ainda estão presas em relações abusivas. “Não adianta ficar com um relacionamento que te adoece e adoece seus filhos. Não é coerente dizer que não quer que eles fiquem sem o pai. O meu ex-esposo estava acabando com os próprios filhos. A  única coisa que se tem a fazer é tirar seus filhos e você dessa convivência doentia”.

Para ela, esconder das pessoas que tudo vai mal e manter falsas esperanças de que tudo vai ficar bem não é o melhor a se fazer. “Eu corri o risco de perder minha filha, ele quase a matou. As mulheres precisam confiar em seus instintos, em suas observações da situação, tomar decisões e planejar. Planejar qual o melhor caminho para conquistar sua liberdade, sua nova vida plena, cheia de conquistas e surpresas, porque com certeza absoluta ela será melhor”.

Hoje, Bruna garante que está vivendo novas experiências "deliciosas, adoráveis e surpreendentes".

-

O nome da entrevistada foi mudado a pedido da mesma. 

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

Homenagem à tenente-coronel diagnosticada com câncer em AL emociona web; vídeo

  • Raíssa França
  • 06/03/2020 10:09
  • Blog da Raíssa França
Foto: Ascom PM/AL
Tenente-coronel foi diagnosticada com câncer

Uma homenagem da Polícia Militar de Alagoas para uma tenente-coronel que foi diagnosticada com câncer peritôneo [maior membrana do corpo e que reveste a parede abdominal e as vísceras] viralizou nas redes sociais e fez muita gente chorar.

Durante um evento alusivo ao Dia da Mulher, realizado nessa quarta-feira (04), no Quartel do Comando-Geral (QCG), Cláudia Falcão, de 54 anos foi homenageada com flores dos colegas da corporação.

No vídeo, Cláudia - que está se despedindo da corporação - disse que aquele dia era o melhor dia da vida dela. “Eu estou muito feliz. Isso aumenta minha imunidade, isso me traz retorno”, disse.

Segundo a tenente, no final do ano passado, a situação dela era considerada dramática. “Mas foi o passado. Hoje eu tô aqui ó...eu tô carequinha, fazendo quimioterapia, não sei quando vou parar, só sabe o nosso Senhor Jesus Cristo. Eu pego na mãozinha dele e caminho”, comentou.

A Polícia Militar, nas redes sociais, escreveu uma mensagem para Falcão: “Ela está se despedindo da Corporação, pois foi reformada recentemente, mas é a personificação da força, da perseverança e segue firme na luta pela saúde. E nós, na torcida! Seu exemplo motiva e serve de inspiração a todos”.

Encerro esse texto com um trecho da música que foi cantada pelo coral infantil da Legião da Boa Vontade (LBV): "Você não pode sofrer, não pode ficar com pena de você. Você tem que viver a vida".

Que a força do sorriso da Cláudia sirva de força para todos nós.

Aperta o play abaixo e se emocione com o vídeo:

 

Da periferia de Maceió, jovem ganha vida como influencer para sustentar filho de seis anos

  • Raíssa França
  • 05/03/2020 11:22
  • Blog da Raíssa França
Foto: Cortesia ao blog
Joyce Elizabeth é influencer em Maceió

Foi aos 16 anos que a alagoana Joyce Elizabeth descobriu que estava grávida. Com a descoberta veio o susto e o começo de uma fase difícil, segundo ela. Sem o apoio de uma parte da família e do pai da criança, a jovem - que trabalhava como menor aprendiz em uma loja - precisou vencer os desafios e buscar novas maneiras de ganhar dinheiro.

“Foi um susto quando eu soube que estava grávida. Na época não namorávamos e eu não queria aceitar o que aconteceu. Precisei morar de favor na casa de uma tia, foi tudo muito difícil”, contou Joyce ao blog.

Porém, Joyce sempre compartilhou sua rotina nas redes sociais. Segundo ela, com a gravidez, surgiu a oportunidade de “incentivar outras mulheres a não desistirem dos sonhos”.

“Eu sempre gostei de mostrar o que acontecia comigo desde o Facebook. No instagram, depois que tive filho, comecei a mostrar para as meninas que gravidez não é doença e que temos que assumir o que fazemos, sem desistir de nós mesmas e dos nossos sonhos”, disse.

A alagoana de 23 anos, natural da cidade de Colônia Leopoldina, lembra que começou a carreira de influencer de uma maneira espontânea. “Quando eu tive o bebê comecei a malhar, e tirar muitas fotos. Eu trabalhava em uma empresa de telefonia e mostrava minha rotina”, comentou.

De maneira gratuita, Joyce divulgava as empresas e tinha retorno. “Elas começaram a me indicar para outras empresas”. Quando se deu conta, a alagoana já tinha ganho 100 mil seguidores. “Mas aí fui hackeada”, contou.

A influencer que é moradora do conjunto Eustáquio Gomes, bairro da parte alta de Maceió - considerado de periferia-, começou do zero com a nova conta no Instagram e conseguiu ainda mais seguidores.

Com o sucesso da influencer, Joyce abandonou o emprego na loja e hoje em dia chega a faturar mais de R$ 3 mil por mês. “Eu trabalhava 9 horas por dia em pé e ganhava um salário mínimo. Hoje eu faço um salário em uma semana ou menos, só com divulgação, às vezes preciso nem sair de casa”. 

Mas Joyce reconhece que nem só de divulgação vive uma pessoa. “Sei que a beleza passa e estou investindo nos meus estudos e vou abrir um lava jato”.

Fazendo a divulgação de empresas e os famosos provadores nas lojas é como a alagoana sustenta a ela e o filho de seis anos. Com o dinheiro que ganhou até agora, Joyce conseguiu comprar uma moto, terminou a graduação de Recursos Humanos e paga as contas de casa. “Tudo com meu trabalho e sem ter ajuda de ninguém”, reforçou.

Sobre ser considerada uma influencer da periferia, Elizabeth disse que se acha uma pessoa normal e que deseja influenciar as outras pessoas de maneira positiva. 

Engana-se quem pensa que a alagoana deseja viver para sempre sendo influencer. Para a vida, Joyce já reservou um plano B. “Estou estudando pro concurso da polícia. Caso eu passe não sei se irei continuar sendo influencer porque minha vida vai mudar e eu vou precisar ser mais discreta e reservada”, finalizou.

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

Alagoana abandona vida de blogueira fitness e cria empresa de cosméticos naturais

  • Raíssa França
  • 03/03/2020 09:58
  • Blog da Raíssa França
Foto: Cortesia ao blog
Publicitária Marcela Câmara fundou a Mentalize Biocosméticos

Março é dedicado para as mulheres. Em Alagoas, histórias de mulheres guerreiras, inspiradoras e empreendedoras precisam ser contadas. Inicio o mês de março trazendo algumas histórias dessas mulheres alagoanas com a intenção dos leitores conhecerem mais sobre elas. 

-

Foi após uma transformação pessoal que a publicitária Marcela Câmara, de 28 anos, criou a primeira empresa de cosméticos naturais de Maceió, a Mentalize Biocosméticos. “A minha transformação pessoal foi algo que mexeu em todas as áreas da minha vida. Eu precisava de algo que ajudasse o planeta", disse.

No passado, Câmara não imaginava que seria uma mulher empreendedora que fundaria uma empresa de cosméticos. Marcela trabalhava como modelo e era blogueira na área fitness. “Passei um tempo trabalhando com isso, principalmente no ramo fitness”. Entretanto, Marcela disse que não se sentia preenchida.

Por não se identificar mais com o conteúdo [moda, consumismo, padrão de beleza] que ela divulgava, Marcela sabia que tinha um chamado maior: ela decidiu largar tudo, ficou afastada das redes sociais e se aprofundou em outros assuntos.

“Fui aprender sobre terapia floral, biocosméticos, argiloterapia e aí eu me desapeguei das redes sociais, e assim, surgiu a Mentalize”, conta a publicitária.

Marcela disse que para fundar a empresa se inspirou na ancestralidade. “Na verdade, o termo biocosméticos é um termo novo, mas esse conceito de utilizar matérias-primas naturais é antigo e vem dos primeiros povos, das primeiras culturas”.

A publicitária disse que o trabalho dela consiste em resgatar essa sabedoria dos povos antigos, e não “criar nada novo”. “Eu me inspiro muito nas mulheres que vieram antes de mim: as benzedeiras, raizeiras, erveiras. Mulheres que têm essa missão de resgatar e manter viva essa tradição cultural”.

A Mentalize está no mercado há três anos e oferece produtos diversos como: óleo, desodorante, shampoo, entre outros. Tudo de maneira natural.

Entretanto, além de vender cosméticos, Marcela ministra oficinas, vivências e oferece curso online. Confira o instagram aqui (@mentalize_biocosmeticos).

De musa fitness a empreendedora, Marcela utiliza as redes sociais também para compartilhar um pouco da sua transformação pessoal e ajudar outras pessoas. “Sempre fui bem honesta com meu público. Falo abertamente sobre essa mudança de mentalidade e de estilo de vida”.

Agora, com o sucesso da empresa, Marcela tem como meta abrir um ateliê para oferecer práticas holísticas em breve.

O que Bolsonaro e o motorista que assediou uma adolescente têm em comum?

  • Raíssa França
  • 20/02/2020 11:39
  • Blog da Raíssa França
Foto: Ilustração
Mulheres dizem 'basta'

Dois episódios pesados marcaram esta semana e agrediram (ainda mais) as mulheres: o primeiro foi de um motorista de aplicativo que assediou uma adolescente de 17 anos durante uma corrida. O segundo foi quando o presidente da República, Jair Bolsonaro, disse que uma jornalista “queria dar o furo”, em tom de ironia.

O que o motorista e o presidente da República tem em comum? Os dois agrediram duas mulheres diferentes, de idades distintas e em situações diferentes. Episódios assim doem e nos revolta.

Como sempre acontece, apoiadores de Bolsonaro tentaram justificar dizendo que a jornalista ‘merecia’ o que foi dito à ela. Bolsonaro acusou a jornalista Patrícia Campos Mello de tentar trocar sexo por informação sem ter nenhuma prova.

Do outro lado, o motorista que assediou a adolescente também tentou justificar o injustificável dizendo que a menina tinha se oferecido, e que estava usando um short curto “tipo Anitta”.

Os dois casos geraram revolta nas redes sociais, e uniu ainda mais as mulheres. Entretanto, há um problema grave nas duas situações: os dois vão sair ilesos. Sim, porque é normal assediar uma mulher ou agredi-la. É tão “normal” que os homens fazem todos os dias e quando são pegos no flagra há sempre uma justificativa. 

Não há justificativa para o assédio. O que os defensores do machismo fazem é reverter a situação e colocar sempre a vítima como a culpada da história. “Ah, mas a jornalista mentiu”; “Ah, mas ela estava com o short curto”; “Ah, mas ela estava se oferecendo”. São tantas justificativas para abafar o que está errado que nós, mulheres, até cansamos de debater com homens assim.

O motorista de aplicativo e o presidente cometeram violência. E não venho trazer aquela reflexão de: ‘E se fosse com a sua mãe ou filha?’. Não adianta, a luta deve ser para todas as mulheres e não para as familiares desses homens.

Que nós possamos - mesmo com tantas injustiças - lutar para que essas violências acabem e conscientizar nossos filhos/sobrinhos/irmãos de que a sociedade não precisa ser ainda mais escrita e machista. O machismo é algo cultural, eu sei, mas só a quebra desse padrão que pode nos ajudar na construção de um mundo com mais respeito.

-