Blog da Raíssa França

Coronavírus: Padre percorre ruas em Arapiraca com ostensório para abençoar fiéis e emociona moradores

Foto: Cortesia ao blog Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Padre passa com ostensório nas ruas de Arapiraca

Com os templos religiosos fechados devido ao novo coronavírus, uma cena marcou os moradores da cidade de Arapiraca, Agreste de Alagoas. É que o padre Pedro Afonso Tavares Lins decidiu percorrer - todos os dias - algumas ruas da cidade carregando o ostensório (peça dourada usada para expor Jesus Cristo no altar ou durante as procissões) para abençoar e ajudar os fiéis nesse momento de pandemia.

Com o decreto do Governo Estadual, os moradores estão em isolamento, mas o padre decidiu levar Jesus até eles. Ao blog, o padre da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, situada no bairro Planalto disse que a ideia não foi dele e afirmou que “a igreja sempre em momentos como esses faz este gesto de conforto para os fiéis”.

Desde que o decreto foi divulgado, que o padre percorre as ruas com o ostensório. Para ele, desta forma, os fiéis não se sentem sozinhos neste momento de pandemia. 

O padre contou ao blog que devido às chuvas, nem sempre é possível levar Jesus para as pessoas. Mas confessou que essa missão vai durar até quando as portas das igrejas se abrirem.

“Costumamos sair depois das missas, mas quando chove nem sempre é possível”, explicou o padre que faz isso duas vezes ao dia.

Padre Pedro explicou que enquanto ele passa com Jesus, “as pessoas não se aproximam, mas elas vão até a porta, estendem as mãos, ficam de joelhos, choram, rezam". "Lembram-se que Cristo permanece sempre conosco e não nos abandona nunca”, reforçou. 

A ideia do padre é que mais lugares sejam percorridos. “Esperamos ir no Xexéu, Vila São José, Carrasco, Bom Nome, Massaranduba, Olho D'água de Cima", citou.

Para o padre, o gesto mostra que Cristo nos protege e nos abençoa com a sua presença.

-

Estou no Instagram: 

@raissa.franca

"O Senhor se esconde por trás dos necessitados", diz Frei que acolheu moradores de rua em Maceió

Foto: Cortesia ao blog Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Moradores de rua estão abrigados em Maceió

Foi passando de carro pela praia da Avenida, em Maceió, que o Frei João, da Casa de Ranquines, viu um grupo de moradores de rua e parou o carro para conversar com eles. “O evangelho nos ensina que nosso senhor se esconde sempre por trás dos mais necessitados”, disse ao blog.

Ao descer, o frei foi informado por eles que “até aquele momento nenhum deles tinha tomado água”. Com a cidade mais vazia devido a pandemia do Covid-19, os moradores de rua estavam lá: sem receber nenhuma ajuda. A cena, segundo o frei, partiu o coração dele.

“Fomos em casa rápido, fizemos uma macarronada e levamos para eles. Era uma situação crítica: tinha muitos idosos e crianças que não tinham até aquela hora comido nada”, disse o Frei.

Para o ele, é sempre uma gratificação saber “que estão servindo o próprio Cristo, na pessoa dos mais necessitados, fragilizados e abandonados”.

Com o decreto de emergência em Alagoas, muitas pessoas se perguntaram: ‘E os moradores de rua?’. Durante essa semana, a Prefeitura de Maceió em parceria com a Arquidiocese decidiu abrigar cerca de 200 moradores de rua. Nos locais, os moradores vão ter comida, água e um colchão para dormir.

Os dois novos abrigos provisórios - sendo eles uma casa e uma escola - vão permitir que os moradores de rua fiquem nos locais até a situação de emergência passar.

Até ontem (23), 140 moradores de rua foram abrigados. Para informar sobre a situação do novo coronavírus no mundo inteiro e do decreto de emergência em Alagoas, o Frei explicou que foi criada uma Pastoral da Conscientização. “Não só nós, da Casa de Ranquines, mas é um trabalho feito por vários movimentos, pastorais e setores da prefeitura e do Estado. Eles estão bem informados, menos os que estão sob efeito de alguma droga que não entendem o que está acontecendo”.

Sobre a reação deles sobre o atual cenário, o frei contou ao blog que eles fizeram perguntas como: “Quando isso vai acabar?”, “Quais são os riscos que corremos nas ruas?”. Para explicar melhor, o frei usou como exemplo uma viagem que fez recentemente à Roma. “Há menos de um mês eu estava de férias em Roma e estava tudo normal. Não tinha aparentemente não tinha nada da situação que estamos vivendo hoje e eu mostrei a eles o quanto foi rápido a propagação do vírus”.

Para não deixar os moradores de rua ociosos, um cronograma foi criado. “Ontem fizemos um cinema. Quer dizer, todas as noites queremos fazer um cinema. Pela manhã nós temos grupos religiosos que estão fazendo momentos de espiritualidade com eles, fazemos jogos, entre outras coisas”, disse.

Apesar dos abrigos, João ressaltou que eles estão necessitando de doações de roupas, produtos de limpeza, descartáveis, sacos de lixo, mistura para o café da manhã e produtos de higiene pessoal.

Quem quiser doar, pode levar os materiais na Casa de Ranquines, situada na ladeira da Catedral, número 107. Caso a pessoa não tenha condições de trazer os materiais, mas queira ajudar, pode falar com o frei pelo número (82) 99940-6028.

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

Praias e ruas vazias: vídeo do Governo de AL emociona web e reforça pedido de isolamento; assista

Foto: Reprodução/Internet Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Vídeo emocionou a web

Estava sentada no sofá da sala - neste domingo silencioso - quando entrei no Instagram e me deparei com um vídeo que me fez chorar. O vídeo é da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo de Alagoas (Sedetur) e reforça o pedido do governador Renan Filho para que todos fiquem em casa.

O vídeo mostra o vazio da cidade: ninguém nas praias e nem nas ruas. O pedido é que as pessoas não saiam de casa e que os turistas não venham agora para Alagoas.

Em poucos minutos, o vídeo emocionou a web e fez várias pessoas compartilharem. É triste saber que estamos passando por uma situação tão difícil. Para que mora em Alagoas, encontrar um estado vazio é de doer o coração. Entretanto, é necessário que fiquemos em isolamento.

Espero profundamente que essa situação passe logo. Mas enquanto ela não passa...

Fique em casa, não venha agora.

Veja o vídeo abaixo:

-

Parabéns aos que se dedicaram para fazer esse vídeo. 

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

Em Maceió, irmãs colocam mensagem em elevadores de prédio para ajudar idosos

Foto: Cortesia ao blog Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Mensagem foi colocada no elevador do prédio

Em tempos de pandemia devido ao Covid-19, não custa nada ajudar. Principalmente quando se trata de pessoas que estão nos grupos de risco. Uma boa ação das irmãs alagoanas Milena, 21 e Luana Pessoa, 26 anos, traz esperança de dias melhores.

As duas moram no residencial Garden ville, no bairro da Serraria, em Maceió, e viram - na internet - que alguns moradores estavam deixando mensagens nos elevadores dos prédios para ajudar os idosos.

“Somos católicas e sempre gostamos de ajudar ao próximo. Vimos essa mensagem na internet e pensamos em ajudar qualquer idoso que seja. Por isso fizemos uma mensagem simples nos elevadores”, explicou Milena.

As irmãs colocaram a mensagem nos elevadores

A mensagem - segundo Milena - foi publicada apenas no grupo da família. “Eles adoraram a ideia. Uma das medidas que também adotamos foi a de passar álcool em gel no elevador”.

Luana é enfermeira e reforçou que sempre visa a necessidade dos indefesos. “Hoje, o nosso maior grupo de risco são os idosos e as crianças”. Segundo ela, para que o problema seja enfrentado, é necessário a prevenção, mas também o isolamento social.

Foto: Cortesia ao blog

“Pensando em ajudá-los no que precisasse colocamos a mensagem para que eles fiquem em casa. Mas quando saímos, utilizamos tudo necessário: a máscara, álcool em gel, enfim. A forma é se prevenir e ajudar o que no momento precisam mais que a gente”, afirmou Luana.

Apesar de nenhum idoso ter buscado ajuda após a mensagem, o bilhete ainda permanece lá. “Fizemos a nossa parte e queremos ajudar”, enfatizaram as irmãs.

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

 

Coronavírus: quem cuida dos profissionais da saúde? Psicóloga fala sobre saúde mental

Foto: Internet Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Profissionais da saúde

Nesse cenário de pandemia do novo coronavírus, os profissionais da saúde são olhados como os heróis, os que cuidam dos doentes. A rotina desses profissionais que trabalham em unidades de saúde ganharam uma intensidade ainda maior nos últimos dias. Entretanto, quem cuida de quem cuida de nós?

Com essa rotina mais puxada e a situação em que o país vive, os profissionais da saúde cuidam dos pacientes, estão sobrecarregados e uma boa parte deles não cuidam da saúde mental. 

O blog entrevistou a psicóloga Fernanda Chianca que falou sobre a importância dos profissionais da saúde buscarem ajuda. 

Psicóloga Fernanda Chianca

Segundo explicou Chianca, neste período de pandemia é necessário tentar manter a calma e a empatia, pois, o medo, ansiedade e o pânico tem se instaurado entre a população, causando sobrecarga nos serviços de saúde.

“Isso causa sobrecarga nos serviços de saúde o que pode gerar nos profissionais que atuam na linha de frente, aflição e conseqüências psicológicas. Além do medo do contágio, ainda são eles os responsáveis pelos cuidados e recuperação das pessoas”, disse a psicóloga.

Fernanda disse que é preciso que se fique atento a quem está recebendo esses pacientes. “É preciso lembrar que assim como todos são pessoas humanas que possuem emoções e familiares também”. 

Como se cuidar?

Por causa do atual cenário, os profissionais da saúde acabam trabalhando mais do que devem. De acordo com a psicóloga, o aconselhado é que evitem ultrapassar sua jornada de trabalho que é um dos principais fatores que levam aos desgastes físicos e emocionais.

“Também é preciso saber lidar com frustrações e entender que todos temos limitações, que nem sempre as coisas estão em nosso controle. Outro sentimento comum é o de culpa, que muitas vezes acabam sendo frequentes quando sentem que não estão fazendo tudo o possível para os pacientes, por questões que não são responsáveis”, disse Fernanda.

Quais as dicas que você traz?

Fernanda disse que é importante que mesmo diante dos casos de pandemia, os profissionais não ultrapassem suas jornadas de trabalho, com a possibilidade de revezamento entre os profissionais, para que possam descansar e evitar o desgaste físico e mental.

“Tentar relaxar, nem que seja por alguns minutos ao dia e/ou quando começar a se sentir cansado; não negligenciar a sua saúde, pois eles só podem cuidar de outras pessoas se estiverem bem e buscar ajuda profissional, inclusive psicológica para aprender a lidar com o estresse, ansiedade, medo e tantas emoções e situações de suas rotinas”, indicou a psicóloga.

Atendimento Home Care

A psicóloga chamou atenção para os que trabalham com atendimento domiciliar. Com o medo, as famílias pedem a suspensão das visitas dos profissionais. 

“Mas aí tem o outro problema, de trazer complicações de quadros estáveis e gerar uma internação hospitalar e também, a falta de estabilidade financeira, pois na grande parte são autônomos e recebem por produção, o que acarreta em ansiedade não só pela doença como pela dificuldade em pagar as contas”, finalizou.

-

Se você é profissional da saúde e está lendo esse texto e sente-se sobrecarregado, estressado, cansado... busque ajuda psicólogica. Nós precisamos de vocês bem. 

-

Estou no instagram: @raissa.franca

Eles se conheceram na quimioterapia, enfrentaram o câncer e estão juntos até hoje

Foto: Cortesia ao Blog Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Thales e Keel estão juntos há 1 ano e três meses

A história do casal Keel Pinheiro, 29 e Thales Albuquerque, 30, poderia ser tema de um livro ou virar filme. Os dois se conheceram através de uma rede social quando enfrentavam um problema de saúde: o câncer. No momento em que se conheceram, ambos estavam fazendo quimioterapia. O que eles não imaginavam é que os dois seriam - mais tarde - um a força do outro dentro de uma relação.

“Na época nós dois éramos comprometidos, mas respeitavámos bastante os nossos parceiros e não havia interesse da nossa parte. Éramos apenas amigos que trocavam mensagens pela rede social”, disse Keel. Segundo ela, os dois estavam com câncer. 

Aos 27 anos, Keel descobriu que estava com um tumor no mediastino (região torácica dividida em duas partes, limitada lateralmente pelos pulmões, à frente pelo esterno, embaixo pelo diafragma e atrás pela coluna vertebral). Já Thales estava com câncer nos testículos com metástase para o abdômen.

Como os dois vivenciavam quase a mesma situação, o apoio veio na dor e a amizade cresceu. “A gente torcia um pelo outro e se visitava na quimioterapia”, contou Keel ao blog.

Primeira visita na quimioterapia

Na metade do tratamento, o relacionamento de Pinheiro acabou, assim como o de Thales. “O Thales continuava sendo meu amigo e nós fomos para um show juntos e foi lá que tudo começou. A gente ficou basicamente solteiro na mesma época”.

Além de se ajudarem durante a quimioterapia, os dois receberam praticamente juntos o resultado de remissão [termo utilizado em Medicina para designar a fase da doença em que não há sinais de atividade dela]. “Eu terminei primeiro do que ele o tratamento, e ele terminou tempo depois. Só depois disso que começamos a nos envolver”.

A relação dos dois - como qualquer uma - teve altos e baixos. Com a saúde mais fragilizada, Keel já passou por alguns sustos. Thales também. “A gente pensou até que o câncer dele tinha voltado. Foi um momento bem delicado”.

Apesar da dor e dos inúmeros momentos difíceis que ambos enfrentaram, a história que começou em uma amizade se tornou uma linda história de amor e parceria. “Assim como toda relação, a nossa também precisa melhorar em alguns pontos. Mas devido a nossa vivência e tudo que passamos, nós dois conseguimos nos entender bem melhor. Ele sabe quando estou preocupada com algo, eu posso mandar fotos dos meus exames para ele porque a gente tem essa troca de sempre um acompanhar o outro”.

Keel contou que várias pessoas a deixaram durante o processo. Foram amigos que se afastaram, pessoas que relembravam que a alagoana estava com câncer o tempo todo. “Tinha gente mais preocupada com a queda do meu cabelo do que comigo”. Muitos passaram, mas Thales ficou.

De acordo com a estudante de educação física, a relação dos dois não é perfeita, mas ambos tentam seguir sempre pelo melhor caminho. 

Os dois estão juntos há 1 ano e três meses, mas Keel lembra como se fosse hoje quando Thales apareceu. “Apareceu esse moço bonito com a cabeça e a sobrancelha sem um fio sequer, trocando figurinhas, sorrisos e a melhor notícia: estamos curados!”.

Keel disse que a foto define como eles são

Para os que não acreditam no amor, a jovem cita uma frase do filme ‘A culpa é das estrelas’: “A vida não precisa ser perfeita para ter um amor extraordinário”.

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

Alagoana deixa relação abusiva após 20 anos de casamento e dá a volta por cima

Imagem: iStock Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Alagoana se divorciou e deixou relação abusiva

Foram mais de 20 anos de casamento para que a alagoana Bruna* percebesse que a relação dela não era um conto de fadas. O casal aparentemente mantinha uma boa relação, sem brigas; mas os problemas rondavam os dois. “A maioria deles por conta de dívidas”, disse Bruna, de 42 anos, ao blog.

As dívidas eram causadas pelo marido, que a distanciava da família sem ela perceber. “Ele me enganava me tratando com carinho e por isso eu achava que a relação estava boa”, contou.
 
O esposo não pagava a escola dos filhos, arrumava confusão, inventava brigas com a família dela [mantendo Bruna isolada] e fazia negócios com compra de carros e outros objetos. “Eu dava o dinheiro para que ele pagasse as dívidas, ele dizia que tinha pago e depois eu recebia a cobrança”, comentou.
 
Para Bruna, o ex-esposo não passava de um manipulador, mas como ele sempre mantinha a versão de um homem carinhoso e amoroso, os problemas sempre eram amenizados.
 
Com a morte da mãe dele que as coisas pioraram. “Ele se dizia depressivo, e eu acreditava. Foi quando começou o inferno. Hoje eu sei que era mentira, mas no tempo foi duro demais. Cuidei dele, levei ao psiquiatra”.

Traições foram descobertas

Não demorou muito para que a alagoana descobrisse as traições dele. E a partir daí, segundo ela, tudo mudou. 

Bruna descobriu que ele estava a traindo com a melhor amiga dela. “Ela andava na minha casa. Eu fui adoecendo com os problemas que estavam acontecendo. Escutei ligações dele com a amante, mas ele negava com uma força terrível e mesmo eu ouvindo tudo aquilo, era difícil admitir a verdade para mim e tomar uma atitude. Você avalia os filhos, financeiro, casa”, enfatizou Bruna.
 
Bruna disse que casou aos 20 anos e o conheceu aos 16 na igreja. “Eu era uma menina inexperiente, inocente, e fui obediente a ele. Tudo isso me prejudicou”. De acordo com ela, ele usou a religião e Deus para mantê-la sob o controle.
 
Com os inúmeros problemas e traições, ela começou a se afastar dele. Já não dormia mais na mesma cama e não sentia mais amor. Porém, um certo dia, ele agrediu a filha. “Ele agrediu com uma violência de um monstro. Eu tentei defender, mas não consegui muita coisa. Eu me deitei em cima dela, mas ele não parava. Até que eu consegui um flagrante, e ele foi preso”, contou.
 
Entretanto, após uns dias, ele foi solto e voltou até a residência deles, agrediu Bruna e roubou o dinheiro dela. “Só que aí ele foi preso novamente em flagrante e ficou preso sete dias. Depois dessa prisão, aí sim não voltou mais e ficou com medo de chegar perto da gente”. Com a prisão, Bruna conseguiu se separar e se arrepende de não ter deixado ele antes. 

O recomeço

Apesar dos desafios que a alagoana enfrentou, libertar-se de uma relação abusiva após anos trouxe para ela uma nova forma de viver, um verdadeiro recomeço. “Eu abro um sorriso. Costumo dizer que acabei de cair nesse mundo. Parece que acordei de um coma em um  outro século”, reforçou.
 
A nova Bruna decidiu por ela mesmo e tomou decisões importantes: não deixar mais ninguém constrangê-la ou agredi-la. “Procurei um esporte, fiz novas amizades, me aproximei da família e dos amigos. Hoje estou livre e feliz”.
 
Ela disse ao blog que passa por um processo ainda lento, mas que aos poucos consegue se sentir mais segura e mais bonita. “São muitas as dificuldade, obstáculos e existe medo também. Sentimentos que você ainda vai conhecer, situações as quais você ainda vai decidir como tomar a decisão, mas o maravilhoso é que você vai fazer e não é ele”, enfatizou.
 
Sentindo-se leve e feliz, Bruna manda um recado para as mulheres que ainda estão presas em relações abusivas. “Não adianta ficar com um relacionamento que te adoece e adoece seus filhos. Não é coerente dizer que não quer que eles fiquem sem o pai. O meu ex-esposo estava acabando com os próprios filhos. A  única coisa que se tem a fazer é tirar seus filhos e você dessa convivência doentia”.
 
Para ela, esconder das pessoas que tudo vai mal e manter falsas esperanças de que tudo vai ficar bem não é o melhor a se fazer. “Eu corri o risco de perder minha filha, ele quase a matou. As mulheres precisam confiar em seus instintos, em suas observações da situação, tomar decisões e planejar. Planejar qual o melhor caminho para conquistar sua liberdade, sua nova vida plena, cheia de conquistas e surpresas, porque com certeza absoluta ela será melhor”.

Hoje, Bruna garante que está vivendo novas experiências "deliciosas, adoráveis e surpreendentes".

-

O nome da entrevistada foi mudado a pedido da mesma. 

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

Homenagem à tenente-coronel diagnosticada com câncer em AL emociona web; vídeo

Foto: Ascom PM/AL Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Tenente-coronel em Alagoas foi diagnosticada com câncer e recebeu homenagem

Uma homenagem da Polícia Militar de Alagoas para uma tenente-coronel que foi diagnosticada com câncer peritôneo [maior membrana do corpo e que reveste a parede abdominal e as vísceras] viralizou nas redes sociais e fez muita gente chorar.

Durante um evento alusivo ao Dia da Mulher, realizado nessa quarta-feira (04), no Quartel do Comando-Geral (QCG), Cláudia Falcão, de 54 anos foi homenageada com flores dos colegas da corporação.

No vídeo, Cláudia - que está se despedindo da corporação - disse que aquele dia era o melhor dia da vida dela. “Eu estou muito feliz. Isso aumenta minha imunidade, isso me traz retorno”, disse.

Segundo a tenente, no final do ano passado, a situação dela era considerada dramática. “Mas foi o passado. Hoje eu tô aqui ó...eu tô carequinha, fazendo quimioterapia, não sei quando vou parar, só sabe o nosso Senhor Jesus Cristo. Eu pego na mãozinha dele e caminho”, comentou.

A Polícia Militar, nas redes sociais, escreveu uma mensagem para Falcão: “Ela está se despedindo da Corporação, pois foi reformada recentemente, mas é a personificação da força, da perseverança e segue firme na luta pela saúde. E nós, na torcida! Seu exemplo motiva e serve de inspiração a todos”.

Encerro esse texto com um trecho da música que foi cantada pelo coral infantil da Legião da Boa Vontade (LBV): "Você não pode sofrer, não pode ficar com pena de você. Você tem que viver a vida".

Que a força do sorriso da Cláudia sirva de força para todos nós.

Aperta o play abaixo e se emocione com o vídeo:

 

Da periferia de Maceió, jovem ganha vida como influencer para sustentar filho de seis anos

Foto: Cortesia ao blog Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Joyce Elizabeth é influencer em Maceió

Foi aos 16 anos que a alagoana Joyce Elizabeth descobriu que estava grávida. Com a descoberta veio o susto e o começo de uma fase difícil, segundo ela. Sem o apoio de uma parte da família e do pai da criança, a jovem - que trabalhava como menor aprendiz em uma loja - precisou vencer os desafios e buscar novas maneiras de ganhar dinheiro.

“Foi um susto quando eu soube que estava grávida. Na época não namorávamos e eu não queria aceitar o que aconteceu. Precisei morar de favor na casa de uma tia, foi tudo muito difícil”, contou Joyce ao blog.

Porém, Joyce sempre compartilhou sua rotina nas redes sociais. Segundo ela, com a gravidez, surgiu a oportunidade de “incentivar outras mulheres a não desistirem dos sonhos”.

“Eu sempre gostei de mostrar o que acontecia comigo desde o Facebook. No instagram, depois que tive filho, comecei a mostrar para as meninas que gravidez não é doença e que temos que assumir o que fazemos, sem desistir de nós mesmas e dos nossos sonhos”, disse.

A alagoana de 23 anos, natural da cidade de Colônia Leopoldina, lembra que começou a carreira de influencer de uma maneira espontânea. “Quando eu tive o bebê comecei a malhar, e tirar muitas fotos. Eu trabalhava em uma empresa de telefonia e mostrava minha rotina”, comentou.

De maneira gratuita, Joyce divulgava as empresas e tinha retorno. “Elas começaram a me indicar para outras empresas”. Quando se deu conta, a alagoana já tinha ganho 100 mil seguidores. “Mas aí fui hackeada”, contou.

A influencer que é moradora do conjunto Eustáquio Gomes, bairro da parte alta de Maceió - considerado de periferia-, começou do zero com a nova conta no Instagram e conseguiu ainda mais seguidores.

Com o sucesso da influencer, Joyce abandonou o emprego na loja e hoje em dia chega a faturar mais de R$ 3 mil por mês. “Eu trabalhava 9 horas por dia em pé e ganhava um salário mínimo. Hoje eu faço um salário em uma semana ou menos, só com divulgação, às vezes preciso nem sair de casa”. 

Mas Joyce reconhece que nem só de divulgação vive uma pessoa. “Sei que a beleza passa e estou investindo nos meus estudos e vou abrir um lava jato”.

Fazendo a divulgação de empresas e os famosos provadores nas lojas é como a alagoana sustenta a ela e o filho de seis anos. Com o dinheiro que ganhou até agora, Joyce conseguiu comprar uma moto, terminou a graduação de Recursos Humanos e paga as contas de casa. “Tudo com meu trabalho e sem ter ajuda de ninguém”, reforçou.

Sobre ser considerada uma influencer da periferia, Elizabeth disse que se acha uma pessoa normal e que deseja influenciar as outras pessoas de maneira positiva. 

Engana-se quem pensa que a alagoana deseja viver para sempre sendo influencer. Para a vida, Joyce já reservou um plano B. “Estou estudando pro concurso da polícia. Caso eu passe não sei se irei continuar sendo influencer porque minha vida vai mudar e eu vou precisar ser mais discreta e reservada”, finalizou.

-

Estou no Instagram: @raissa.franca

Alagoana abandona vida de blogueira fitness e cria empresa de cosméticos naturais

Foto: Cortesia ao blog Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Publicitária Marcela Câmara fundou a Mentalize Biocosméticos

Março é dedicado para as mulheres. Em Alagoas, histórias de mulheres guerreiras, inspiradoras e empreendedoras precisam ser contadas. Inicio o mês de março trazendo algumas histórias dessas mulheres alagoanas com a intenção dos leitores conhecerem mais sobre elas. 

-

Foi após uma transformação pessoal que a publicitária Marcela Câmara, de 28 anos, criou a primeira empresa de cosméticos naturais de Maceió, a Mentalize Biocosméticos. “A minha transformação pessoal foi algo que mexeu em todas as áreas da minha vida. Eu precisava de algo que ajudasse o planeta", disse.

No passado, Câmara não imaginava que seria uma mulher empreendedora que fundaria uma empresa de cosméticos. Marcela trabalhava como modelo e era blogueira na área fitness. “Passei um tempo trabalhando com isso, principalmente no ramo fitness”. Entretanto, Marcela disse que não se sentia preenchida.

Por não se identificar mais com o conteúdo [moda, consumismo, padrão de beleza] que ela divulgava, Marcela sabia que tinha um chamado maior: ela decidiu largar tudo, ficou afastada das redes sociais e se aprofundou em outros assuntos.

“Fui aprender sobre terapia floral, biocosméticos, argiloterapia e aí eu me desapeguei das redes sociais, e assim, surgiu a Mentalize”, conta a publicitária.

Marcela disse que para fundar a empresa se inspirou na ancestralidade. “Na verdade, o termo biocosméticos é um termo novo, mas esse conceito de utilizar matérias-primas naturais é antigo e vem dos primeiros povos, das primeiras culturas”.

A publicitária disse que o trabalho dela consiste em resgatar essa sabedoria dos povos antigos, e não “criar nada novo”. “Eu me inspiro muito nas mulheres que vieram antes de mim: as benzedeiras, raizeiras, erveiras. Mulheres que têm essa missão de resgatar e manter viva essa tradição cultural”.

A Mentalize está no mercado há três anos e oferece produtos diversos como: óleo, desodorante, shampoo, entre outros. Tudo de maneira natural.

Entretanto, além de vender cosméticos, Marcela ministra oficinas, vivências e oferece curso online. Confira o instagram aqui (@mentalize_biocosmeticos).

De musa fitness a empreendedora, Marcela utiliza as redes sociais também para compartilhar um pouco da sua transformação pessoal e ajudar outras pessoas. “Sempre fui bem honesta com meu público. Falo abertamente sobre essa mudança de mentalidade e de estilo de vida”.

Agora, com o sucesso da empresa, Marcela tem como meta abrir um ateliê para oferecer práticas holísticas em breve.

Comercial (82) 3313.6040 (82) 99812.2189 [email protected]
Redação (82) 3313.2162 (82) 99664.2221 [email protected]