Vanessa Alencar

Leis absurdas: deputada pede ajuda para revogar “pestes todas”

Assessoria Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Deputada Cibele Moura

 

“Qual lei estadual devemos revogar?”.

A pergunta, voltada aos alagoanos, foi feita pela deputada estadual Cibele Moura (PSDB), nesta quinta-feira (2).

Em sua conta no Twitter, a parlamentar também publicou um print do pedido feito por ela, por meio de um grupo de Whatsapp, aos funcionários de seu gabinete na Assembleia Legislativa de Alagoas.

Cibele apelou que os auxiliares prestem atenção no que acontece no dia a dia e avisem caso notem a existência de alguma lei regulatória absurda/desnecessária, para “quando a gente voltar, revogar essas pestes todas", brincou.

No recesso legislativo, fica o exercício: vamos ajudar a deputada a exterminar as pragas que, quando não atrapalham, não fazem a menor diferença na vida dos eleitores.

 

 

Férias em dezembro e “continue escrevendo..."

Ilustração/Internet Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Para mim, este ano foi – no mínimo – atípico. Se tivesse que resumi-lo em uma palavra, seria “mudança”. Posso utilizar outras? Tem mais... Reencontro, inspiração, desafios e mais mudanças, iniciadas com uma daquelas resoluções de Ano Novo (que quase nunca a gente cumpre, mas desta vez eu cumpri).

Chego quase ao finalzinho de 2019, parafraseando a letra da música “Eu não vou me adaptar”, dos maravilhosos Nando Reis e Arnaldo Antunes: “Eu não tenho mais a cara que eu tinha... Eu não tenho mais a alma que eu tinha”.

Mudei fisicamente e internamente. Mudei até do trabalho no qual estava há 13 anos e reencontrei a escrita (ficcional, vale ressaltar!).

Minha avó paterna, uma artista, dava aulas de pintura, fazia vários trabalhos manuais e cozinhava divinamente. Tentou me ensinar tudo isso, pacientemente como nunca conheci ninguém igual, e foi elegante até na hora de me comunicar que estava desistindo de fazer de mim uma 'Frida Kahlo': “Minha filha, continue escrevendo...”.

Eu continuei. Escrevendo para viver, para sobreviver. Por amor e por não me imaginar fazendo outra coisa. Este ano, após uma longa pausa escrevendo apenas histórias “reais”, voltei a flertar com a literatura. Entre tantos, talvez tenha sido esse o melhor reencontro.

Estarei de férias aqui do CadaMinuto em dezembro, mas se Deus quiser tornaremos a nos encontrar em janeiro de 2020.

Para o próximo ano, desejo que você descubra, reencontre ou simplesmente “continue” o que move sua alma.

Instagram: @vanessa_alencar

Jornalista que entrevistou Pedro Collor lança livro sobre a Era Collor

Foto: Poder 360/Arquivo Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Fenando Collor

Os bastidores da queda do ex-presidente e hoje senador Fernando Collor (PROS) são o assunto do primeiro volume de uma série de quatro livros, intitulada “Trapaça: Saga política no universo paralelo brasileiro”. A obra, do jornalista e consultor político Luís Costa Pinto, foi lançada na terça-feira (26), em Brasília, e já está à venda nas principais livrarias (físicas e on-line) do país.

Costa Pinto, então com 23 anos, foi o repórter para quem Pedro Collor concedeu a bombástica entrevista que estampou a capa da revista Veja, em maio de 1992, dando início ao processo que culminou na saída de Collor da presidência da República.

Conforme informações da Geração Editoral, o livro conta, em ritmo “de thriller policial e literário” os bastidores do poder ao longo dos últimos 30 anos, da ascensão e queda de Fernando Collor até hoje.

Meandros de irregularidades, tráfico de influência, paixões, lobbies e a busca pelo poder são algumas das promessas que a obra promete entregar ao leitor.

Costa Pinto é autor de outros dois livros, ambos relacionados a Era Collor:  Os Fantasmas da Casa da Dinda, em coautoria com Luciano Suassuna, e As Duas Mortes de PC Farias.

 

Líder do governo amplia pedido de esclarecimentos à Braskem

Cristovão Santos/CM/Arquivo Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Moradores do Pinheiro, Mutange e Bebedouro realizam protesto

Depois de requerer que a diretoria da Braskem preste esclarecimentos, na Assembleia Legislativa, sobre a indenização a ser paga ao CSA - pela saída do clube do Estádio Gustavo Paiva, no Mutange - o deputado Sílvio Camelo (PV), líder do governo, apresentou um novo requerimento, ampliando o pedido de explicações.

No documento, protocolado na terça-feira (26), o parlamentar solicitou à Mesa Diretora da Casa que convide a diretoria da mineradora para prestar informações também sobre a transferência dos moradores dos bairros Mutange, Pinheiro, Bebedouro, Bom Parto e demais regiões atingidas pelas rachaduras e pelo afundamento do solo.

A sede do CSA faz parte dos 400 imóveis que serão evacuados no Mutange, conforme o plano apresentado pela Braskem na terça-feira passada, dia 19, durante uma reunião na Defensoria Pública do Estado. A mineradora anunciou que irá pagar aluguel social para os moradores e que os imóveis serão avaliados para as futuras indenizações por danos materiais e morais.

Líder do governo quer que diretoria da Braskem vá à Assembleia explicar indenização ao CSA

Foto: Vinícius Firmino/Ascom ALE Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Silvio Camelo

O deputado Sílvio Camelo (PV), líder do governo na Assembleia Legislativa, quer que a diretoria da Braskem vá ao plenário da Casa prestar informações aos parlamentares a respeito da indenização que será paga ao CSA pela saída do clube do Estádio Gustavo Paiva, no Mutange.

O requerimento solicitando que a Mesa Diretora faça o convite à diretoria da mineradora foi protocolado na ALE na manhã desta segunda-feira (25) e pode ser lido na sessão ordinária de amanhã, terça-feira.

Em entrevistas à imprensa na semana passada, o presidente do CSA, Rafael Tenório, disse que a mudança deve ocorrer até o dia 15 de dezembro deste ano e que o aluguel do Estádio Nelson Peixoto Feijó, novo espaço do Clube, será pago pela Braskem. A sede do CSA faz parte dos 400 imóveis que serão evacuados no Mutange.

O plano de evacuação foi apresentado na terça-feira passada, dia 19, durante uma reunião na Defensoria Pública do Estado. A mineradora anunciou que irá pagar aluguel social para os moradores e que os imóveis serão avaliados para as futuras indenizações por danos materiais e morais.

Cerca de 1.500 pessoas desses 400 imóveis terão as vidas modificadas com a realocação. Seria interessante que o líder do governo ampliasse o foco do convite para que a Braskem informe sobre o andamento das indenizações que devem ser pagas a todos os atingidos, em todos os bairros afetados na capital, não somente ao CSA.

Brasília: deputado alagoano é cotado para presidir CPI do Óleo

Carlos Ezequiel//Estadão/Arquivo Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Manchas de óleo em Alagoas

O deputado federal Isnaldo Bulhões, do MDB, é um dos nomes cotados nos bastidores para assumir a presidência da CPI do Óleo, que pode ser instaurada ainda este mês na Câmara dos Deputados. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (22), em reportagem do portal Congresso em Foco.

A Comissão que irá investigar a origem e os impactos das manchas de óleo que atingem o litoral nordestino foi proposta pelo deputado João Campos, do PSB de Pernambuco. De Alagoas, assinaram o requerimento para criação da CPI, os deputados Paulão (PT), Isnaldo Bulhões, JHC (PSB), Marx Beltrão (PSD), Nivaldo Albuquerque (PTB) e Sérgio Toledo (PL).

Em entrevista ao Congresso em Foco, Isnaldo Bulhões destacou que a CPI não deve virar embate entre direita e esquerda: “Tem que ser um trabalho isento para, por meio da política, levar uma solução para o problema”.

O parlamentar alagoano não negou as discussões envolvendo seu nome para comandar a Comissão, mas disse que isso só será confirmado após a instalação do colegiado - que contará com 34 titulares e 34 suplentes – e posterior votação.

 

“Pode ser besteira... Mas vou contar"

Ilustração/Internet Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

"O que faria você desistir de contar uma história para poucos ou mesmo para muitos?". Eis a pergunta que a psicóloga Tédima Soares Batista faz ao leitor logo no convite do lançamento do livro de sua autoria, "Pode ser besteira... Mas vou contar".

Comprovando que nada a fez desistir de contar essa história, o romance será lançado nesta sexta-feira, 22, às 18h, no Café São Braz, na Ponta Verde.

A obra conta a saga de uma família numerosa, composta por seis irmãos, que migra do interior para a capital, Maceió. As mudanças, ao longo dos anos, dos bairros Ponta Verde, Pajuçara e Ponta da Terra e fatos marcantes da sociedade local servem de pano de fundo para a história do clã.

Serviço:

Lançamento do livro  "Pode ser besteira... Mas vou contar"

Data: 22 de novembro (sexta-feira), às 18h

Local: Café São Braz (Ponta Verde)

 

Galba critica veto a PL que reconhece “paternidade” de leis estaduais

Vinícius Firmino/Ascom ALE Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Deputado Galba Novaes

O deputado Galba Novaes (MDB) criticou o veto total do governador Renan Filho (MDB) - publicado no Diário Oficial do Estado desta terça-feira (19) - ao Projeto de Lei de autoria do parlamentar, que determina a inserção do número do PL e do nome do autor nas leis estaduais.

“Tenho uma proposta que cria o Estatuto da Pessoa com Câncer. Se for aprovado e a lei sancionada pelo governo, a sociedade não saberá quem foi o autor da lei... Tem várias leis que não conseguimos saber de quem foi. É uma dificuldade nos parlamentos em geral”, exemplificou Galba, pedindo aos colegas que o veto seja derrubado quando chegar à Casa.

Ele lembrou que, devido a um PL apresentado por ele quando foi vereador, o nome do autor consta em todas as legislações da capital.

Em aparte, Inácio Loiola (PDT) defendeu o projeto de Galba e disse que, a partir de agora, irá desfraldar a bandeira pela derrubada do veto: “Temos que mostrar quem é o pai”.

Na justificativa do veto, o governador destaca que a matéria afronta ao princípio da impessoalidade previsto na Constituição Federal e na Constituição do Alagoas.

Orçamento Impositivo: confira valores e beneficiários das primeiras emendas apresentadas na ALE

Foto: Assessoria Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Plenário da Assembleia Legislativa (ALE)

Os deputados estaduais começaram a apresentar suas emendas impositivas ao Orçamento do Estado para 2020. Conforme a PEC do Orçamento Impositivo, promulgada em outubro deste ano pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Marcelo Victor (Solidariedade), as emendas individuais à Lei Orçamentária Anual (LOA) serão aprovadas no limite de 1% da receita corrente líquida prevista no projeto encaminhado pelo Executivo, sendo metade deste percentual (50%) destinada a ações e serviços públicos de saúde.

Cada parlamentar pode direcionar cerca de R$ 2 milhões e 949 mil para municípios e instituições, que terão que prestar contas dos recursos públicos recebidos, lembrou o deputado Bruno Toledo (PROS), um dos autores da PEC. O Blog listou aqui algumas dessas emendas impositivas que foram protocoladas na quinta-feira passada, 14 de novembro.

Da sua cota, Toledo destinou R$ 1 milhão para o Hospital Sanatório; R$ 500 mil para a Prefeitura de Batalha; R$ 550 mil para o Hospital Veredas; R$ 500 mil para a APAE; R$ 300 mil para a FunBrasil e quase R$ 100 mil para o CREN (Centro de Recuperação Nutricional).

As emendas do deputado Léo Loureiro (Progressistas) beneficiam principalmente a APAE de vários municípios, entre eles Maceió, que receberá o montante de R$ 500 mil; Arapiraca e Maragogi (R$ 200 mil para cada) e Palmeira dos Índios (R$ 270 mil). Loureiro destinou também R$ 500 mil para o Hospital Veredas e R$ 300 mil para o Fundo Municipal de Saúde da Prefeitura de Maragogi.

Entre as emendas apresentadas por Galba Novaes (MDB), quase R$ 975 mil irão para a área de saúde do Instituto Irmã Suzana, cujo nome fantasia é Instituto Galba Novaes de Castro; R$ 700 mil para a Prefeitura de Anadia; R$ 500 mil para Prefeitura de Colônia Leopoldina, sendo R$ 300 mil específicos para a Secretaria Municipal de Saúde; e R$ 200 mil para Prefeitura de Campestre.

Davi Davino Filho (Progressistas) destinou R$ 1,5 milhão para o Hospital Veredas e R$ 500 mil para a APAE. Já Yvan Beltrão (PSD) direcionou R$ 1 milhão para o Hospital Sanatório; quase R$ 476 mil para a APAE; R$ 600 mil para a Prefeitura de Coruripe e quase R$ 135 mil para o Clube de Regatas Brasil (CRB).

O Hospital Veredas também será beneficiado com R$ 900 mil da cota de Marcelo Beltrão (MDB), que destinou ainda R$ 250 mil para a Prefeitura de Marechal Deodoro; R$ 500 mil para o CRB e R$ 800 mil para a Prefeitura de Penedo.

As emendas da deputada Fátima Canuto beneficiam principalmente o município de Pilar, onde o filho da parlamentar é prefeito. Serão R$ 1 milhão para Secretaria de Saúde de Pilar; R$ 400 mil para a Secretaria de Assistência Social e R$ 100 mil para a Secretaria de Educação. A Rede Feminina de Combate ao Câncer receberá R$ 160 mil.

Marcos Barbosa (Cidadania) destinou R$ 1 milhão para o CRB, clube do qual é presidente; R$ 300 mil (Prefeitura de União dos Palmares); R$ 200 mil (São Miguel dos Campos); R$ 300 mil (Rio Largo); R$ 200 mil (Matriz do Camaragibe); e R$ 200 mil (São Luiz do Quitunde).

Flávia Cavalcante (PRTB) mandará R$ 2 milhões para a Secretaria de Saúde de São Luís do Quitunde e quase R$ 850 mil para Secretaria de Educação do município

Entre as emendas já apresentadas por Cibele Moura (PSDB), foram destinados R$ 300 mil para a Polícia Militar de Alagoas; R$ 150 mil para a Secretaria de Estado do Trabalho e R$ 150 mil para a Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia.

Já Tarcizo Freire (Progressitas) destinou a maior parte do montante para Arapiraca: R$ 1 milhão 474 mil para a Secretaria de Saúde; R$ 600 mil para o Fundo de Educação e R$574.500 para a própria Prefeitura de Arapiraca.

As emendas que já foram protocoladas estão disponíveis no site da ALE: https://www.al.al.leg.br/processo-legislativo/materias-legislativas

Deputado quer criar Dia do Combate à Intolerância Ideológica: trégua entre “mitos” e “isentões”

Assessoria Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Cabo Bebeto

Seis de setembro foi a data escolhida pelo deputado estadual Cabo Bebeto (PSL) para comemorar o Dia Estadual do Combate à Intolerância Ideológica, conforme Projeto de Lei (PL) protocolado ontem e lido na sessão desta quinta-feira (14), na Assembleia Legislativa.

Na justificativa, o parlamentar destaca que "nos últimos anos, em razão do agravamento dos casos de corrupção, o País se polarizou entre ideologias, acabando por proliferar um discurso de ódio entre seus simpatizantes, sendo palco de constantes confrontos políticos e ideológicos".

Para o deputado, a polarização ganhou força durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em 2016, e prossegue até hoje. Ele cita que o atrito "entre dois grandes grupos que divergem em suas reivindicações provocaram diversos atos de intolerância e continuam sendo praticados por ambas as partes".

Bebeto finaliza falando que o respeito à diversidade ideológica e política é essencial para o desenvolvimento do país.

A data - na qual, coincidentemente, é comemorado também o Dia do Sexo - até vale como reflexão, mas infelizmente não será capaz de promover sequer uma trégua entre os adoradores dos “mitos” e os mais novos alvos dos radicais: os “isentões”.  

Comercial (82) 3313.6040 (82) 99812.2189 comercial@cadaminuto.com.br
Redação (82) 3313.2162 (82) 99664.2221 cadaminutoalagoas@hotmail.com