Cadê Meu Tanque?

Empatia é fundamental para ajudar o processo de emagrecimento do coleguinha

Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

A obesidade mexe demais com a cabeça das pessoas e se você conhece alguém que está enfrentando a balança, te convido a entender a sua importância no processo e a praticar a empatia. Se colocar no lugar do outro vai te fazer reavaliar seu modo de ver o mundo. 

 

Muitas vezes agimos por impulso e nem nos tocamos do mal que nossas palavras e atitudes fazem ao outro. Passar na cara do coleguinha que ele engordou não é legal. Dizer que a roupa do coleguinha tá feia porque tá marcando é horrível. Falar que a coleguinha é linda de rosto não é elogio. Falar do coleguinha pelas costas é ainda pior.

 

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a obesidade é considerada um dos maiores problemas de saúde pública da atualidade, sendo inclusive a segunda maior causa de morte do mundo. No Brasil, mais da metade da população está acima do peso.

 

Correlata a isso está a depressão. Estudos apontam que 30% das pessoas que procuram tratamentos para emagrecer apresentam um quadro de depressão, que afeta diretamente o isolamento social, a falta de autoestima e a perda de interesse.

 

Estamos em setembro, que recebe a etiqueta amarela, relacionada ao combate ao suicídio. A campanha tem o objetivo de incentivar o debate acerca do tema e, acima de tudo, influenciar a prática da empatia. Então vamos aproveitar essa vibe de conscientização e refletir um pouco sobre nossas atitudes para com o outro?

 

Lembrando que o Centro de Valorização da Vida (CVV) tem um canal aberto para ouvir você. Através do site www.cvv.org.br, você pode conversar com um voluntário por Skype, chat ou por e-mail. O atendimento também pode ser feito através de ligação gratuita para o número 188.

Os 6 maiores erros cometidos por quem faz dieta

Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Não tenho expertise para dizer a ninguém o que deve ou não fazer para emagrecer, mas como disse anteriormente, os 27 anos que tenho me levaram a ser quase que especialista em erros durante uma dieta ou um processo de tentativa de reeducação alimentar.

 

Fiz uma lista com cinco erros que eu cometi bastante durante toda a vida e que não me levaram a bons resultados.

 

1. Copiar o coleguinha: 

 

Eu costumava me inspirar bastante nas pessoas para conquistar meus objetivos, mas muitas vezes passei do ponto e a inspiração virou imitação. Cheguei até a seguir aquelas dietas loucas de celebridades e amigos próximos. Fiz de tudo, desde a dieta da proteína a dieta do miojo (sim, ela existe e é um perigo).

 

2. Substituir refeição por shakes milagrosos:

 

Eu sou fã de shakes e confesso que aqueles que parecem sorvete são meus preferidos. Vivia substituindo café da manhã, almoço e jantar por eles, até que eu me dei conta de que eu não tinha quase que nenhum resultado. Eu depositava tanta expectativa nos shakes que acabava esquecendo de todo o resto.

 

Não estou aqui dizendo que esse tipo de alimento faz mal, mas trocar um prato de comida de verdade por um shake hoje não me parece mais uma alternativa para emagrecer. Ultimamente, sempre que tomo ele é pelo sabor, não pelos “benefícios”.

 

3. Excluir alimentos:

 

Lembro de ter excluído diversas coisas que eu amava da minha rotina pelo fato do senso comum me dizer que não podia. Se você é fã de chocolate, por exemplo, retirar por completo esse alimento da sua rotina vai fazer com que você fique com raiva da sua dieta e fuja dela mais rápido. O ideal é começar a consumir esses alimentos de forma que não prejudique seus resultados.

 

O calcanhar de Aquiles da minha vida sempre foi massa. Eu sou alucinado por comida italiana e hoje conheço diversas alternativas que me ajudam a comer macarrão sempre, como o konjac ou até massas integrais.

 

4. Dia do Lixo:

 

Eu amava o dia do lixo. Fazia a dieta durante a semana inteira, me dedicava a atividades físicas, emagrecia e no final de semana acaba com tudo durante algumas refeições por causa do famigerado dia do lixo. 

 

Fiz tanto isso que comecei a ter mudanças mínimas na balança. O que eu conseguia eliminar durante a semana, recuperava durante os finais de semana. Isso gerou muita frustração e acabou me afastando das dietas.

 

Sem contar que a gente espera tanto pelo dia em que vai poder comer de tudo, que acaba ampliando ainda mais a ansiedade, um elemento péssimo para quem está em processo de reeducação alimentar e, em casos piores, para quem tem compulsão alimentar, como eu.

 

5. Se preocupar com o número da balança:

 

Tem coisa mais frustrante que olhar para balança e perceber que nada mudou? Lembro que teve época em que eu me pesava todo santo dia, calculava grama por grama e ficava com ódio quando os resultados não eram tão bons.

 

Nosso corpo é uma máquina extremamente inteligente (Deus é incrível, né?). São tantos os motivos que interferem no nosso peso que se eu fosse descrever todos, iria passar alguns dias escrevendo. Uma noite de sono mal dormida ou até mesmo o pouco consumo de água interferem nisso.

 

Está em reeducação alimentar? Tá fazendo tudo direitinho? Tá se exercitando bem? Tá tomando água suficiente? Então ótimo, não precisa se preocupar com a balança. Os resultados vão chegar, mesmo que devagar.

 

6. Ter pressa:

 

Uma coisa é certa: você provavelmente não ganhou esses quilinhos (ou quilões, no meu caso) extras de um dia pra noite, então não seja inocente ao ponto de achar que você vai perder tudo rápido. Ter pressa foi um dos erros que eu mais cometi durante a vida, por isso que o efeito sanfona acabava comigo.

 

Eu costumava seguir a risca as dietas, mas quando eu percebia que os resultados estavam demorando muito pra chegar, acabava me frustrando e desistindo. 

 

Respire, tenha paciência e tudo vai dar certo.

 

Aproveita e segue o @cademeutanque no instagram, para poder conferir de perto as mudanças que eu tenho feito na minha vida e para acompanhar um pouco da minha rotina.

Você consegue fazer dieta sem ajuda?

Durante toda a vida eu fiz dieta, sempre levando em consideração o senso comum, que me dizia aquilo que eu deveria ou não cortar da minha alimentação para melhorar de vida e alcançar meus objetivos.

 

Infelizmente isso quase nunca deu certo. As vezes eu até conseguia emagrecer, mas engordava tudo de novo e de maneira muito rápida. Percebi então que não adiantava nada eu cortar pão, bolo, biscoito, refrigerante, sem saber o porquê de eu fazê-lo.

 

Hoje é um dia muito especial, 31 de agosto, dia do Nutricionista, e é sobre a extrema importância desse profissional para a minha mudança de vida que eu quero falar hoje. Listei 6 itens que mudaram na minha rotina e que eu devo graças aos conselhos da profissional que me acompanha.

 

  1. Melhores hábitos alimentares: minhas dietas sempre duravam até as 18h. Sentia muita fome durante a noite e depois que passei a seguir o cardápio recomendado pela nutricionista, a sensação de fome cessou e eu descobri que na maioria das vezes nem era fome, mas desidratação. Sem contar que agora eu consigo saber melhor o que comer e quando comer.

  2. Qualidade do sono: Nunca dormi tão bem quanto agora. Eu costumava ter constantes crises de refluxo durante a noite e isso fazia com que eu acordasse muito, me deixando extremamente cansado no dia seguinte. Descobri que a má alimentação e os horários em que eu comia eram o que mais afetavam minha qualidade de sono. Hoje consigo dormir bem e ter mais disposição para as atividades corriqueiras do dia a dia.

  3. Disposição: Eu ficava cansado com qualquer atividade leve, como subir um lance de escadas ou uma ladeira pequena. Até uma caminhada rápida me deixava ofegante, e isso me deixava estressado também. Depois que melhorei a alimentação e, consequentemente, a qualidade do sono, atividades como as citadas não me deixam mais desanimados. Hoje tenho muito mais disposição para tudo, inclusive tenho feito muita atividade física, para intensificar os meus resultados.

  4. Emagrecimento: Quando eu comecei a reeducação alimentar eu pesava 107kg e agora eu estou prestes a atingir os 90kg. Isso eu devo graças ao meu esforço e a dieta muito bem elaborada, tendo como base as minhas preferências alimentares. Passei da metade do meu objetivo e isso tem me dado muito mais forcas para continuar.

  5. Autoestima: Este é, com certeza, o item dessa lista que mais enche meus olhos, porque eu percebi o quão incrível eu sou. A conquista de bons resultados tem melhorado bastante minha autoestima, tenho me achado mais bonito, mais disposto e isso tem influenciado minha vida como um todo.

  6. Saúde: Sempre que fazia exames de sangue, minhas taxas estavam boas, mesmo eu sendo gordinho. Apesar disso eu tinha um problema que me incomodava muito ligado a baixa imunidade. Qualquer “vento frio” me derrubada e a virose era certeira. Com a mudança alimentar proposta pela minha nutri, nunca mais adoeci e minhas taxas ficaram ainda melhores.

Para finalizar, eu gostaria de parabenizar todos os nutricionistas por esse trabalho incrível executado por vocês e que ajuda tanta gente a mudar de vida.

 

Aproveito também para convidar você para acompanhar minha rotina lá no instagram @cademeutanque, onde eu posto dicas, receitas, e muitas outras coisas.

Deixa eu te apresentar o @CadeMeuTanque

É com muito prazer que dou o pontapé inicial para compartilhar com vocês minha rotina em busca de uma vida mais saudável, ativa e disposta. Meu nome é Erick Balbino, tenho 27 anos, sou jornalista e luto desde sempre contra a obesidade. Em março deste ano eu decidi (re)iniciar um projeto, usando as redes sociais, principalmente o instagram, através do @cademeutanque, para incentivar outras pessoas a correrem atrás de seus objetivos, e assim me manter no foco. Confesso que tem dado muito certo.

 

A partir de agora, também teremos um encontro marcado (espero que semanalmente), aqui no Portal Cada Minuto, onde eu contarei para vocês um pouco da minha dieta, dos meus exercícios e dar algumas dicas para melhorar os resultados.

 

Em março deste ano, depois de muito relutar, decidi subir na balança, que apontou para o número 107. Eu fiquei em choque ao ser apresentado ao meu peso e confesso que bateu uma tristeza muito grande. Mas foi por causa desse número que eu resolvi mudar, de uma vez por todas, minha vida.

 

Fiz um exame mais detalhado, chamado bioimpedância, e vi que a situação era ainda pior. Além do peso de três dígitos, eu também estava com um alto percentual de gordura e com índice de gordura visceral em 21, quando o limite recomendado é de 9.

 

Meu corpo era uma bomba relógio prestes a explodir, já que a gordura visceral aumenta consideravelmente as chances de infartos. Felizmente eu decidi mudar a tempo.

 

De março pra cá eu eliminei 15 kg e o índice de gordura visceral está bem mais baixo, em 14. Além de ter recuperado diversas peças de roupa e melhorado bastante a autoestima, o melhor é perceber que tudo isso é um reflexo da minha saúde.

 

É importante dizer, entretanto, que eu não sou médico, nutricionista, muito menos profissional de Educação Física. Como jornalista que preza pela ética profissional, os textos que serão publicados por aqui serão de cunho pessoal (sobre a MINHA vida e a MINHA rotina de emagrecimento) ou subsidiados por profissionais qualificados, como os citados.


Levando isso em consideração, espero muito poder contar com vocês nessa caminhada.

Aproveita e segue lá o instagram: @cademeutanque e @erickbalbino.

Comercial (82) 3313.6040 (82) 99812.2189 comercial@cadaminuto.com.br
Redação (82) 3313.2162 (82) 99664.2221 cadaminutoalagoas@hotmail.com