Blog do Dr Edvenis Vital
Blog do Dr Edvenis Vital

Descubra 4 tipos de olheiras e os tratamentos adequados

Blog do Dr Edvenis Vital|

Caracterizadas por mudanças na coloração ou marcas na região dos olhos, as olheiras são facilmente identificadas. Elas podem aparecer em muitas pessoas, de diferentes raças, gêneros e faixas etárias. Mas você sabia que existem diferentes tipos de olheiras?

Mais do que incômodos estéticos, elas podem ser indicativos de algumas ameaças para a saúde. No entanto, você também pode reverter a situação caso identifique qual o seu tipo. Por isso, é importante conhecer os aspectos de cada um deles.

Pensando nisso, neste post eu vou explicar como se classificam as olheiras e quais são as diferenças entre cada tipo. Além disso, abaixo você também vai conhecer os principais tratamentos adequados para cada um deles. Acompanhe! 

Tipos de olheiras 

Você certamente já deve ter reparado que nem todas as pessoas que têm olheiras possuem as mesmas características na região afetada. 

Em resumo, dois pontos evidenciam as diferenças: a alteração do relevo das pálpebras e o escurecimento, ou hipercromia, ao redor dos olhos.

Seja na tonalidade, nos sinais ou na profundidade, os detalhes podem ser reveladores quanto à presença de alguns problemas gerados no cotidiano, como veremos a seguir. 

1. Olheiras vasculares

Notadas pela coloração da pele marcada por tons azuis, roxos ou até vermelhos na região que fica pouco abaixo das pálpebras, as olheiras vasculares podem ser sinais de estresse, cansaço e noites mal dormidas. 

Elas estão ligadas a um distúrbio no sistema circulatório e na retenção de líquidos. Desse modo, se formam devido a uma dificuldade venosa nas pálpebras. 

Isso explica sua coloração semelhante às demais manchas que podem surgir no corpo por problemas nas veias.  

2. Olheiras profundas

Causada por fatores genéticos que influenciam na formação da estrutura óssea, as olheiras profundas são evidenciadas tanto pela profundidade na cavidade do globo ocular como pela coloração em tons castanhos. 

Nesse sentido, vale destacar que ela atinge essa coloração justamente pelo desnível ósseo nessa região, que acaba criando um sombreamento. 

3. Olheiras pigmentares

Também caracterizada pela coloração em tons castanhos, as olheiras pigmentares são formadas pela produção excessiva de pigmentos na pele dos olhos, decorrente de condições como o melasma. 

A exposição constante e excessiva aos raios solares pode contribuir para sua formação ou o agravamento de seu estado. Mas não só ela, como também fatores genéticos e hormonais ou agressões físicas, ou químicas. 

No caso dos fatores genéticos, pessoas de pele escura se destacam e costumam apresentar esse tipo de olheira com mais frequência.

4. Olheiras sanguíneas

Por fim, as olheiras sanguíneas são semelhantes às vasculares, no entanto, se destacam predominantemente por uma coloração roxa na região das pálpebras. 

Elas são causadas por uma vasodilatação local que gera um acúmulo de hemoglobina nos vasos sanguíneos. A hemoglobina é uma proteína presente nos glóbulos vermelhos, responsável pela coloração vermelha do sangue. 

Formas de tratamento 

Agora que você já conhece um pouco sobre cada tipo de olheira, é importante saber como tratar cada um deles de maneira correta. Entre as formas disponíveis para os casos de hipercromia ou melânicas, os cremes despigmentadores e tratamentos de clareamento, como o peeling ou a luz pulsada, podem ser ótimas alternativas.  

Já nos casos de desnível ósseo ou alteração do relevo das pálpebras, também existe a possibilidade de tratamento com peelings e luz pulsada em alguns casos. No entanto, esses casos também contam com soluções como preenchimentos, radiofrequência pulsada multiagulhas e blefaroplastia cirúrgica entre as opções de recuperação.

Conseguiu tirar suas dúvidas sobre os tipos de olheiras? Para mais informações sobre dermatologia e estética, continue acompanhando meu blog!

SOBRE O AUTOR

Edvenis Vital Albino possui o título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e atua como membro ativo das sociedades brasileiras de Cirurgia Dermatológica (SBCD) e de Medicina Estética (SBME). Com oito anos de dedicação aos estudos da pele, ele conta em seu currículo com especializações em Dermatologia Cirúrgica e em Medicina Estética. Referência em procedimentos injetáveis e em operações que envolvem laser médico, ele também possui passagem pelo Ospedale Delmati di Sant’Angelo Lodigiano Milão - IT, onde fez um Fellowship em Clínica Médica.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados