Blog da Claudia Petuba
Blog da Claudia Petuba

Cultura do cancelamento: você sabe o que é?

Blog da Claudia Petuba|

Cancelamento é um dos temas do momento, foi escolhido pelo Dicionário Macquarie como o termo de 2019, recentemente o Google informou que pesquisas sobre o tema cresceram mais de 1.000%. É cada vez mais frequente a gente se deparar com manchetes que anunciam que algum artista, atriz, político... foi cancelado. Afinal, o que significa cancelar alguém?

Nas redes sociais todos tem a mesma oportunidade de criar perfis, uns conseguem ter mais seguidores que outros, o que faz com que as posturas desses famosos nas redes sociais sejam mais policiadas e qualquer deslize, por menor que seja, pode gerar uma grande polêmica. Embora os famosos fiquem mais vulneráveis a serem alvos do cancelamento, pessoas “comuns” não ficam imunes e podem também ser envolvidas em casos que ganhem grande repercussão - principalmente quando alguma matéria jornalística as envolva em algum caso.

Em busca da construção da sociedade perfeita, muitos internautas procuram se comportar como se promovessem uma espécie de justiça social, quando alguém se depara com uma conduta que avalia como reprovável, procura demonstrar isso de alguma forma: deixa um comentário negativo no perfil dessa pessoa, deixar de seguir, fica criticando essa pessoa no seu próprio perfil; ou seja, cancelar significa boicotar, posicionar-se contra a postura de alguém.

Existem condutas que as leis definem como reprováveis, as mais graves são o que chamamos de crimes, mas existem várias condutas que não existem leis para regulamentar, a sociedade através dos seus costumes e valores que define algo como certo ou errado, daí as redes sociais criaram uma espécie de tribunal para julgar comportamentos, condenar ou absorver pessoas, e temos visto casos de todos os tipos – alguns sérios e outros bizarros, que as vezes não dá nem pra entender porque estão cancelando alguém.

Teve o caso de uma atriz que foi cancelada porque se caracterizou de índia no carnaval, daí ela foi “acusada” de apropriação cultural indevida – como se nós brasileiros não fossemos, todos, o resultado da miscigenação de índios, negros e brancos. Ao se posicionar a atriz respondeu que “a luta indígena é de todos” [bravo]. Outra atriz foi cancelada porque disse que tinha orgulho do seu tataravô, que foi classificado por alguns como racista, daí automaticamente classificaram ela como racista sem que a mesma tenha tido algum comportamento que demonstrasse isso... por aí vai.

Cartola é considerado um dos principais nomes do samba brasileiro, eu sou apaixonada, ele tem uma música chamada “Feriado na roça”, que narra um crime de feminicídio. A música é impactante, profunda, uma marca das suas músicas. Cartola é um ícone, iria ser cancelado e jogarmos no lixo toda uma vasta contribuição para a cultura brasileira, com dezenas de músicas consideradas obras-primas, por causa de uma letra?

Algumas pessoas aderem ao cancelamento do momento não por concordar, mas por achar que aquilo deve ser a opinião da maioria da sociedade e querem se sentir aceitas.

Diferente dos tribunais de verdade, no tribunal das redes sociais não há margem para defesa prévia antes do julgamento ou recurso para tentar reverter uma decisão/opinião, fazendo com que muitos julgamentos injustos ocorram e reputações assassinadas, o que traz danos irreparáveis para as vítimas do cancelamento.

Pessoas tidas como referências positivas em alguma área, como qualquer ser humano, não são 100% boas; mas erros passaram a ser intoleráveis e o perdão e tolerância algo em desuso. A cultura do cancelamento é reflexo do elevado nível de intolerância presente hoje na sociedade, onde cada um usa sua régua pessoal para julgar e condenar outras pessoas, uma espécie de moralismo moderno que vem promovendo linchamentos virtuais, com distribuição gratuita de ódio.

Você acha justa a cultura do cancelamento?

 

Instagram: @claudiapetuba65

Facebook: Claudia Petuba

SOBRE O AUTOR

Blog da Claudia Petuba

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados