Casa da Mulher estuda implementar Guarda Municipal de Maceió na proteção de vítimas

Assessoria|
Possibilidade foi debatida pelo desembargador Tutmés Airan em reunião com secretários municipais, delegada e coordenadora da instituição
Possibilidade foi debatida pelo desembargador Tutmés Airan em reunião com secretários municipais, delegada e coordenadora da instituição / Foto: Assessoria

A Casa da Mulher Alagoana pretende implementar a Guarda Municipal de Maceió na proteção das vítimas de violência doméstica e familiar. A possibilidade foi debatida, nesta terça-feira (13), entre o desembargador Tutmés Airan de Albuquerque, o secretário de Segurança Comunitária e Convívio Social, delegado Thiago Prado, a coordenadora do Gabinete de Políticas Públicas para a Mulher, Ana Paula Mendes, delegada Rosimere Chaves e Erika Lima, coordenadora da Casa da Mulher.

De acordo com o desembargador Tutmés Airan, a ideia é reforçar as ações da instituição que acolhe e orienta as mulheres e, consequentemente, aumentar os mecanismos de defesa das vítimas. “Nós tivemos uma conversa muito boa, há disposição da Guarda de Maceió de se incorporar a esse trabalho e nós discutimos algumas possibilidades. Evidentemente nós precisamos sentar com pessoal que faz a Patrulha Maria da Penha, que é um trabalho da Polícia Militar de Alagoas, para a gente compatibilizar os dois trabalhos ou então somar esforços, de modo a aprimorar essa luta”, disse.

Durante a reunião, a coordenadora do Gabinete de Políticas Públicas para a Mulher, Ana Paula Mendes, destacou que em relação ao crime de feminicídio, Alagoas está em primeiro lugar entre os estados do Nordeste e o Brasil em quinto lugar no ranking mundial.

“Como nós vimos nas últimas matérias sobre violência contra a mulher, nós precisamos estar atentos, perseverantes e de prontidão para acolher, proteger essas mulheres e crianças, precisamos melhorar ainda mais nosso serviço. A Prefeitura de Maceió está vigilante e em parceria com a Casa da Mulher, para que possamos juntos melhorar ainda mais o atendimento", explicou.

A instituição reúne Juizado da Mulher, Delegacia, Defensoria Pública, Patrulha Maria da Penha e outros órgãos da rede de proteção. O prédio conta com alojamento temporário, salas de atendimento psicossocial, brinquedoteca e centro de mediação e conciliação.

Inaugurada em janeiro deste ano, a Casa da Mulher conta com o apoio do presidente do TJAL, desembargador Klever Loureiro, para o funcionamento de suas atividades. Os atendimentos às vítimas ocorrem de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 19h30. Mais informações por meio do telefone (82) 2126.9650. 


 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados