Filipe Valões
Filipe Valões

Lula livre ou Bolsonaro até 2026, os únicos caminhos do Brasil?

Filipe Valões|

Qual caminho o Brasil deve seguir, em 2022? Parece cedo demais para essa pergunta, 2021 praticamente começou. Mas, sejamos sinceros, estamos sem rumo já faz alguns anos. Talvez desde 2013, quando sementes de descontentamento germinaram, sem gerar nenhum bom fruto.

O impeachment da então presidente Dilma Rousseff foi claramente articulado, conduzido e executado para atender aos interesses de uns poucos, porém apresentado à população como solução para a crise política e econômica que já se agravava. Não resolveu.

O curto e polêmico mandato de Michel Temer oscilou entre medidas impopulares junto à classe trabalhadora e decisões econômicas consideradas sóbrias, o que acabou sendo eclipsado pelas acusações sofridas pelo MDBista, além de sua prisão pouco depois da posse de seu sucessor. E falando nele…

Jair Bolsonaro talvez seja o símbolo maior do dilema enfrentado pelos brasileiros. Idolatrado como salvador da pátria por muitos, rejeitado sob a acusação de ser o problema da nação por muitos outros, o ex-capitão do Exército é tudo, menos uma figura conciliatória. E aí está nosso drama…

Tudo envolvendo a política no Brasil, nos últimos 7, 8 anos, tem polarizado opiniões. Em um nível cada vez mais perigoso. As figuras públicas mais proeminentes neste palco atraem pessoas que optaram por, na falta de termo melhor, ideologias impermeáveis. De um lado, uma parcela da esquerda condena (com razão) os aspectos intolerantes e hipócritas de uma parte da direita que, por sua vez, denuncia (com razão) os casos de corrupção que a esquerda se recusa sequer a ouvir, contra seus ídolos.

Lulistas, petistas, esquerdistas, não toleram acusações contra Luís Inácio.

Bolsonaristas, conservadores, direitistas, não admitem acusações contra Jair Messias.

A impressão que esse cenário cria é de que temos apenas dois caminhos hoje, em 2022 e nas próximas décadas.

Mas, o que realmente nos impede de escolher um terceiro caminho? Ou um quarto, um quinto…? Mais de 200 milhões de brasileiros. Entre os eleitores contabilizados pelo TSE na eleição presidencial de 2018, descontando os que votaram em Fernando Haddad e os que votaram em Jair Bolsonaro, tivemos abstenções, votos brancos e nulos suficientes para colocar um terceiro candidato à frente dos dois.

Existe uma polarização que se tornou regra, um equívoco absurdo, criando a ilusão de que só existem ELES e NÓS, cada lado se considerando justo, santificado, heróico e, principalmente, blindados contra críticas. Um maniqueísmo cativante, que tem um apelo pré-adolescente, mas que eles jamais irão admitir.

Enquanto isso, seguimos vendo o caos imperar, o abismo entre os dois lados crescer, ameaçando engolir todos nós. Agora, vemos o ex-presidente Lula ser dispensado das acusações que sofreu, reacendendo o fogo da estrela vermelha do PT para a eleição de 2022. Nas redes sociais, praticamente começou o embate entre bolsonaristas e petistas.

Teremos um acirramento dos ânimos, negação de realidade, idolatria e ódio na mesma medida, nas duas "torcidas" até o ano que vem. A coisa não parece que vai melhorar, infelizmente.

E você, que não é fã, nem devoto de Lula ou de Bolsonaro… vê apenas esses dois caminhos à sua frente? Ou vai escolher outra rota pro futuro do Brasil?

SOBRE O AUTOR

Coluna sobre Política, Tecnologia

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados