Blog do Celio Gomes
Blog do Celio Gomes

Cinemas de Maceió têm “Fora, Bolsonaro” outra vez. Agora no filme “Medida Provisória”

Blog do Celio Gomes|
Filme está em cartaz em Maceió
Filme está em cartaz em Maceió / Foto: divulgação

Cinco meses depois de Marighella e pouco mais de um mês após Transversais, salas de cinema em Maceió voltam a ecoar o grito de “Fora, Bolsonaro”. Agora isso ocorre com o filme Medida Provisória, que marca a estreia do ator Lázaro Ramos na direção de um longa-metragem. Quando os créditos de encerramento vão aparecendo, os primeiros gritos puxam o coro contra Jair Messias.

Assim como nas duas primeiras vezes, testemunhei pessoalmente essas demonstrações de repúdio ao presidente que é fã de tortura e torturadores. Fui ao Arte Pajuçara na noite da última quinta-feira 14, na segunda sessão do primeiro dia de Medida Provisória. Lotação esgotada. O filme já percorreu festivais internacionais, atrai público e tem forte repercussão no Brasil conflagrado que está aí.

A história é chamada de distopia: num futuro nem tão distante assim, o governo brasileiro decide “devolver” ao continente africano toda a população negra. No discurso oficial, com o slogan “Resgate-se”, o Ministério da Devolução anuncia que se trata de “reparação” ao povo que foi retirado arbitrariamente de sua pátria de origem. Como se isso fosse a coisa mais natural do mundo.

O anúncio do ministro parecia uma piada, mas rapidamente se materializa como o pesadelo que de fato é. Começa uma caçada aos brasileiros “anteriormente designados negros”, identificados agora como pessoas de “melanina acentuada”. Quem não se apresentar voluntariamente será “devolvido” à força. A polícia sai às ruas para capturar os alvos.

Tenho pra mim que Lázaro Ramos acerta na maioria das escolhas como diretor. Como diriam os especialistas, a obra tem várias camadas. Em algumas cenas, o humor é desconcertante, mas não exagerado, o que dá uma inquietante aparência de normalidade àquela aberração descrita na decisão governamental. Como um dos protagonistas, Seu Jorge, mais uma vez, deixa assinatura particular na construção de um tipo inclassificável.

O filme é a adaptação de uma peça de teatro de 2011, escrita pelo baiano Aldri Anunciação. Ao levar às telas a história de um país que decide se livrar de parte de sua população, Lázaro Ramos assume um engajamento que incentiva e sobretudo provoca o debate. Um debate urgente e necessário. Afinal o Brasil é um país racista. “Democracia racial”, definitivamente, é uma fraude conceitual. Por aí.

Arremate.  Bolsonaro é vaiado após o filme que conta a história de um guerrilheiro que foi à luta armada contra a ditadura militar. Isso é Marighella, dirigido por Wagner Moura. O sujeito toma vaia após a exibição de um documentário sobre cinco pessoas trans que vivem no Ceará. Isso é Transversais, dirigido pelo alagoano Emerson Maranhão (pode ser visto na Netflix). E agora o miliciano do Planalto é achincalhado nas sessões deste Medida Provisória. Nunca antes na história deste país...

SOBRE O AUTOR

Sou formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Tenho quase trinta anos de jornalismo. Comecei, com estágios e trabalhos temporários, a partir de 1990. Em 1991 entrei na TV Gazeta de Alagoas. Na empresa exerci os postos de editor, produtor, chefe de redação e diretor de jornalismo. Depois fui editor de política em O Jornal. Adiante, trabalhei como editor de política e editor-chefe no jornal Gazeta de Alagoas. Tive também uma passagem pela TV Pajuçara como editor de telejornais. Exerci ainda o cargo de coordenador editorial na Imprensa Oficial Graciliano Ramos. Durante essa trajetória, nos diferentes veículos, escrevi reportagens e tive um blog com textos diários

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados