Geraldo de Majella

Alagoas resiste ao golpe

 

Os partidos políticos no Brasil são propriedades privadas com registros em cartórios. Têm e sempre tiveram donos: os antigos chefes políticos, leia-se os coronéis, que durante a República Velha detinham o controle das siglas e dos votos.

        A revolução de 1930 rompeu com muitos dos vícios e domínios dos antigos chefes políticos, mas não mudou substancialmente a estrutura e a organização partidária. Os partidos tornaram-se organizações com abrangência nacional, mas continuaram sendo propriedade privada.

        Em 1946, a nova ordem constitucional emanada da Assembleia Nacional Constituinte passou a vigorar no país; novos partidos foram criados e obtiveram registro no TSE. O Partido Comunista Brasileiro (PCB),fundado em 1922, atuou todo esse tempo na clandestinidade e elegeu uma bancada com 14 deputados federais e um senador,Luís Carlos Prestes. Em 1947 teve o registro e os mandatos dos parlamentares cassados.

        Em 1947, um grupo de intelectuais de esquerda, não marxista, alguns com militância em pequenas organizações clandestinas de inspiração trotsquista, tem a iniciativa de fundar o Partido Socialista Brasileiro (PSB). O partido nasce a partir de um núcleo de destacados intelectuais e patriotas, e logo se torna uma voz considerada no cenário político, pela defesa dos interesses nacionais.

        O golpe militar de 1964 destituiu do cargo o presidente eleito, João Goulart, cassou mandatos de parlamentares e governadores, entre eles Miguel Arraes, bem como de ministros do Supremo Tribunal Federal; prendeu, torturou, assassinou e baniu milhares de brasileiros. Em 1966, mais um golpe é desferido ao se extinguir os partidos políticos. A ditadura permite a existência de apenas dois partidos: ARENA e MDB.

        Os democratas e os patriotas lutaram de todas as formas para derrotar a ditadura militar, o que conseguiram depois de 21 anos. A nação só então pôde respirar o ar da democracia e da liberdade. O PSB, poucos meses após o fim da ditadura, é refundado por intelectuais e militantes históricos, jovens de esquerda e políticos comprometidos com a causa democrática.

        Este partido foi um ator destacado no processo de consolidação da democracia no Brasil. Nesse período, ganhou e perdeu eleições, fez alianças com os partidos de esquerda, notadamente como PT, e com partidos de centro.

        Em Alagoas o PSB conseguiu eleger e reeleger prefeitos em Maceió (Ronaldo Lessa e Kátia Born) e em outras cidades. Elegeu e reelegeu Ronaldo Lessa governador e tornou-se a principal força política do campo de esquerda. Teve no PT, no PPS e no PCdoB aliados que ajudaram a mudar a realidade de Maceió e de Alagoas.

        O PSB nem sempre acertou ao se aliar com partidos (siglas) e políticos mais ao centro. Talvez esse tenha sido o erro fatal na política de alianças do PSB em Alagoas.

        O exercício do poder fez com que os aliados tradicionais fossem tratados como linhas secundárias, quando não hostilizados. As alianças principais passaram a ser feitas com os políticos tradicionais, os deputados de mandatos, originários das oligarquias locais.

        O PSB vem passando por um processo de desfiguração política, ideológica e com desvios éticos semelhantes aos outros partidos (siglas) que são todos os dias citados como copartícipes do butim do erário público.

        A intervenção em Alagoas e em outros estados, efetuada pelo presidente nacional Carlos Siqueira, é parte de uma política imposta em direção ao centro e à direita, com o objetivo claro de transformar uma organização política, o PSB, num cartório de interesses particulares e de grupos econômicos regionais e nacionais.

        A sigla PSB, em Alagoas, foi adquirida na calada da noite pelo deputado João Henrique Caldas, o JHC, por seu pai, o ex-deputado João Caldas, e sua mãe, ex-prefeita de uma cidade no interior do estado. A aquisição da sigla é fruto de tenebrosa transação ainda não totalmente desvendada. Mas o será com certeza, pois não é possível guardar segredo sobre um ato autoritário dessa natureza, principalmente quando se trata da família Caldas. Alagoas os conhece muito bem. 

        O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, imaginou que daria um golpe na executiva estadual e não haveria reação, e sim um silêncio obsequioso em Alagoas. Isso é no mínimo desconhecimento da tradição do PSB alagoano. A reação ao golpe vem crescendo. Estamos nas ruas denunciando o autoritarismo do presidente nacional do PSB.

        Alagoas resiste ao golpe.

        Fora JHC!

Fora Carlos Siqueira!

A democracia no PSB é uma farsa

 

O presidente nacional do PSB Carlos Siqueira aplica um golpe na comissão executiva de Alagoas, ao intervir destituindo os seus dirigentes. Ato monocrático dessa natureza é típico do autoritarismo.

Escuda-se Siqueira no estatuto pelo fato de Alagoas não ter alcançado 5% dos votos nas eleições de 2014. A estratégia eleitoral do diretório de Alagoas foi completamente modificada a pedido de Eduardo Campos, candidato a presidência da República, fato do conhecimento de Carlos Siqueira.

Por esse motivo o deputado federal Alexandre Toledo, candidato a senador, foi para o sacrifício e aceitou ser candidato a vice-governador.

Essas articulações Carlos Siqueira as conhece. Esse é o motivo real sem subterfúgios pelos quais não foram alcançados os 5% de votos na legenda do PSB para deputado federal.   

A doação do PSB a um deputado federal com histórico familiar no mercado de compra e venda de siglas partidárias como o João Henrique Caldas e seu pai João Caldas, e declarar à imprensa alagoana que faz parte do projeto político para 2018, é a evidência da farsa que é a democracia interna e uma demonstração explicita do quanto é autoritário o presidente Carlos Siqueira.

O golpe no PSB de Alagoas terá desdobramentos. Os prefeitos, os vice-prefeitos, os vereadores e a militância e o deputado estadual eleito pelo PSB não concordam e vem declarando serem contra qualquer tipo de golpe.  

Estamos denunciando a sociedade alagoana e aos companheiros do PSB de todo o país este golpe.

Hoje foi Alagoas, amanhã será outro estado. O autoritarismo cresce desta maneira.

Ocupar, lutar e resistir!

Fora JHC        

Fora Golpistas.

 

       

Carta Aberta

 

Alagoanas e alagoanos:                 

O Brasil está submerso numa crise de grandes proporções. A crise tem várias facetas: a política, a econômica e a ética, entre outras. Os fatos, ao serem noticiados, têm causado estupor na sociedade e cinismo entre parte dos políticos.

Os políticos estão sob fundadas suspeitas. A maioria não se trata mais de suspeitas, pois há provas cabais de corrupção e formação de quadrilha.

Os partidos como peças do sistema político-eleitoral estão também sob suspeição, e não poderia ser diferente. Diante dessa situação de desmoronamento institucional, as direções partidárias fazem de conta que não têm nada com isso.     

A refundação dos partidos é um caminho possível, mas se demorar ou houver resistências, serão cada vez mais rejeitados pela sociedade. Continuarão a existir, mas como biombos de malfeitores. E não basta autointitular-se de esquerda, direita ou centro. A opinião pública continuará considerando-os como malfeitores ou bandidos, no sentido literal da palavra.

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) é parte desse universo. Apontar saídas para as crises é um desafio; não há outro caminho. Se quiser renovar e transformar o PSB numa organização política moderna e respeitável, a militância terá de forçar as direções a efetuarem mudanças radicais no modus operandi de fazer política, tanto interna como externamente.

A transparência é um caminho sem volta. O senador João Capeberibe (PSB/AP) é o autor da lei da transparência na administração pública. Esse princípio deve nortear as atividades do PSB em todas as suas instâncias, da sua cúpula às suas bases. 

Esta é a revolução que todos queremos. Não basta se definir como esquerda para receber o “manto sagrado” da onipresença democrática e revogar as decisões das bases, ou achar que decidindo na cúpula os militantes acompanharão e que os eleitores votarão no PSB e em seus candidatos.

A democracia interna não pode ser um artifício de maiorias circunstanciais ou cartoriais – como vem acontecendo – para esmagar minorias, como é da tradição dos caciques e “coronéis do voto” ou da “pistolagem” ainda presente nos partidos brasileiros.

 Os partidos políticos no Brasil, em boa parte, são propriedades privadas e funcionam como cartórios onde a compra e a venda de legendas é algo natural. Existe um mercado persa político-eleitoral aquecido mesmo quando a crise política, econômica e ética arrasta os políticos para os cárceres.

       O PSB de Alagoas passa por uma situação no mínimo incômoda. Recebeu como “presente” da executiva nacional o deputado federal João Henrique Caldas (JHC), filho do ex-deputado João Caldas, conhecido no mercado persa das siglas partidárias em Alagoas e em Brasília.

       João Henrique Caldas (JHC), festejado por alguns dirigentes, vende a imagem externa de um jovem deputado moderno, “antenado” com as mídias sociais, mas no dia a dia não consegue desvincular-se das “velhas práticas políticas”, por ele de público condenadas.

       A ânsia de obter o controle cartorial do PSB – é o que lhe interessa e tem sido o seu objeto de desejo – quer destituir a direção estadual sem qualquer motivo político ou ético para tal, mesmo sabendo que o mandato tem duração até novembro de 2017.

       A direção estadual do PSB/AL não é acusada de corrupção, formação de quadrilha, desvios de qualquer natureza. Há de se perguntar: qual será o motivo para o JHC se reunir em dois momentos distintos a fim de destituir a direção estadual. A militância em Alagoas precisa tomar conhecimento desse acordo de cúpula para informar os eleitores do PSB e ao povo alagoano.

       A executiva estadual, os diretórios municipais, os prefeitos, vice-prefeitos, vereadores e a militância do PSB em Alagoas vêm resistindo contra qualquer interferência autoritária ou ilegítima.

       Conclamamos a militância do PSB nos estados e nos municípios a lutar contra o autoritarismo e a violência política.

      

A democracia para nós é um valor universal.

Abaixo a intervenção!

Geraldo de Majella é historiador e membro da executiva estadual do PSB.

 

Ocupar e resistir é o caminho

Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

 

        Os estudantes secundaristas estão resistindo ao conservadorismo do governo Temer. O início dessa resistência foram as ocupações das escolas; são mais de 1.200 em todos os estados. A reforma do ensino e a PEC 241 são os alvos.

        O movimento cresce, consolida-se e se amplia com a adesão das universidades federais e dos institutos federais de ensino. A organização e a disposição da garotada têm surpreendido o país. As redes sociais têm sido o canal de comunicação onde são exibidos vídeos contando o dia a dia das ocupações.

        As novas lideranças têm aparecido em cada uma das escolas ocupadas. A pouca idade não tem sido um fator inibidor para esses milhares de jovens estabelecerem o diálogo com as autoridades, inclusive com o Poder Judiciário, nesses dias que antecederam às eleições do segundo turno.

        O Ministro da Educação, representante da direita pernambucana e do Partido Democrata (DEM), não consegue entender que há uma nova sociedade civil no país e que os jovens que estão organizados em cada escola do país são jovens que pensam e querem participar das decisões políticas.

        A política é assunto também da juventude, dos adolescentes estudantes secundaristas. Os velhos políticos conservadores e de direita ainda não conseguiram captar que haverá muita resistência na base da sociedade e que as conquistas alcançadas pelos pais e avós desses jovens não serão transformadas em pó sem resistência.

        A esquerda tradicional também esta perplexa com o tamanho da mobilização e da qualidade das lideranças. Estas novas lideranças têm surgido do meio da massa, das salas de aulas, e não da militância tradicional dos partidos políticos de esquerda, visto que estes envelheceram.

        Organizar uma rede de apoio aos estudantes, professores, trabalhadores da educação e aos pais dos estudantes é uma tarefa necessária e urgente para ampliar a luta e derrotar a política conservadora do governo Temer e do ministro Mendonça Filho.

        Os intelectuais, cientistas, escritores, artistas, profissionais liberais, esportistas, professores, alunos, cidadãs e cidadãos alagoanos e brasileiros democratas de vários matizes políticos e ideológicos temos esse desafio pela frente que é apoiar o movimento de resistência deflagrado pelos estudantes.

Todo o apoio possível aos estudantes, professores e trabalhadores da educação.

Ocupar e resistir é o caminho!

 

A crise pode soterrar as políticas públicas. O que os prefeitos devem fazer?

 

A crise política e econômica em que o Brasil está mergulhado não é de curta duração. Esta tem característica diferente das crises vividas desde que superada a ditadura militar. As crises econômicas no governo José Sarney, quando a inflação era elevada, em 1989, último ano do governo, chegou a 80% ao mês.

No governo Collor a inflação continuou alta. Só no final do governo Itamar Franco, com a implantação do Plano Cruzado, é que houve a estabilização da economia. As crises foram em maior ou menor grau superadas. Todas com danos para a população.

A crise vivenciada no Brasilhoje é de um tipo diferente. A desagregação política não tem um fim à vista. A incerteza política atingiu todos os partidos com representação parlamentar significativa no Congresso Nacional. A agenda política é definida pelo Ministério Público Federal, pela Polícia Federal e pela Justiça Federal, no Paraná e em outros estados como Rio de Janeiro, São Paulo, Distrito Federal e Minas Gerais, por enquanto.

A crise econômica permanece e tende a ser aprofundada pelo seu caráter exclusivo ou quase obsessivo para o ajuste fiscal e a supressão de direitos e garantias sociais. A falta de liderança no governo capaz de dialogar com a sociedade civil e com as entidades sindicais é sem precedentes desde 1985. 

Os prefeitos eleitos e reeleitos terão pela frente um cenário de guerra e terra arrasada. Os municípios são os principais elos na constituição da federação. Eles executam as principais políticas públicas e estas serão as primeiras a ser mutiladas pela PEC 241.

Esses desafios políticos e econômicos carecem de inovação e racionalidade na luta dos prefeitos e da população para evitar que, em nome da estabilização econômica, haja mutilação das políticas públicas que beneficiam os mais pobres, que são a maioria da população nos municípios alagoanos.

Os prefeitos não podem ouvir e concordar com o discurso orquestrado pelo governo Temer, difundido pelos grandes meios de comunicação a serviço dos banqueiros nacionais e internacionais.

Aceitar a PEC 241 é aceitar a morte passivamente.

Pinacoteca Universitária apresenta “A lágrima das coisas”

Foto:Rose Dias

Objetos ganham significados nas obras da artista plástica alagoana Hilda Moura

 

A artista Hilda Moura traz aos salões da Pinacoteca Universitária a exposição “A lágrima das coisas”. No dia 29 de setembro, a partir das 20h, o público poderá conferir uma série inédita de pintura sobre tela e sobre papel, além de duas instalações que irão compor a mostra. Seus novos trabalhos abordam a relação entre a infância e a maturidade.
Para tratar essa relação em suas pinturas, os objetos são dotados de um forte significado simbólico: eles expressam sentimentos, revelam o silêncio e o distanciamento existentes nas relações humanas. São a tesoura, a linha, a agulha que se assinalam como entraves à comunicação entre a criança e o adulto, o que fomos e o que pretendemos ser. “É por meio da pintura que esses objetos ganham significado”, afirma Hilda.
Além dos objetos, a artista nos apresenta elementos da fauna e da flora – sempre presentes em suas pinturas – que se misturam ao corpo feminino, mostrando-nos um mundo que não necessita de racionalização. Um olhar à fragilidade das relações, aos contrastes e conflitos que permeiam a vida humana. A exposição “A lágrima das coisas” convida o público a um universo em que a delicadeza e a profundidade conversam entre si.
“A lágrima das coisas” é a segunda exposição individual da artista Hilda Moura, que já realizou a mostra “Hábito” na Galeria Sesc Maceió, em 2015.

Bienal do Distrito Federal

Recentemente a artista foi selecionada na categoria Pintura, com a obra intitulada “Eva”, para compor a Bienal de Arte Contemporânea do Distrito Federal 2016, promovida pelo Sesc DF. A artista alagoana Hilda Moura destaca-se entre os 40 trabalhos artísticos que representam predominantemente o eixo Rio-São Paulo.

Sobre a artista

A artista alagoana Hilda Moura teve as primeiras aproximações com o desenho e a pintura na década de 1990. Dedicou-se também, durante dez anos, ao aprendizado da cerâmica, através dos ensinamentos do Mestre Deda. As experimentações dessa época contribuem decisivamente com as mudanças, que ocorrem na posterior retomada da pintura. Atualmente, a artista desenvolve técnicas mistas com o uso de óleos, acrílicos e ceras em suas novas séries.

Serviço

O quê: Exposição “A lágrima das coisas”, da artista plástica Hilda Moura
Local: Pinacoteca Universitária, localizada no 1º andar do Espaço Cultural Universitário Salomão de Barros Lima, Pç. Visconde de Sinimbu, 206 – Centro – Maceió – AL
Abertura: 29 de setembro de 2016, às 20h
Visitação: 30 de setembro a 18 de novembro de 2016, de segunda a sexta, das 8h30 às 18h
Mais informações: (82) 3214–1545 e https://www.facebook.com/pinacotecaufal
Informações sobre a artista: http://www.hildamoura.com/ e http://fb.com/ateliehildamoura

Caminho da Luz III (Final)

 

O dia 24 de julho amanheceu frio, e era com frio que teríamos de subir até o topo do Pico da Bandeira. São 2.892 m de altitude, marca que lhe confere a condição da mais alta montanha dos estados de Minas Gerais, Espírito Santo e dasregiões Sudeste e Sul.

Esse era o tamanho do desafio que se apresentou pela frente. O grupo era composto de pessoas, boa parte pelo menos, com experiência em caminhadas de longo percurso e com obstáculos. Os comentários eram de que havia entre nós caminhantes que já tinham subido entre sete e dez vezes o Pico da Bandeira.

A troca de experiências, todo o clima era positivo, e o nosso ânimo, o meu e o de Vânia, permaneceu alto; as nossas expectativas eram boas. Estávamos na reta final do percurso de quase duzentos quilômetros. A nossa trajetória era excepcional, principalmente a minha em particular, que estive durante cento e vinte dias cuidando dos dois joelhos. Até aquele momento nada de anormal havia acontecido.

Iniciamos a subida a partir do Terreirão, rumo ao topo; segundo os nossos guias, seriam 9,5 quilômetros para subir e igual distância para descer. O tempo frio do amanhecer do dia – a temperatura era de 6º C no meio da manhã –esquentou um pouco.

Paramos muitas vezes durante a subida para contemplar a beleza da serra do Caparaó. Tudo para mim era deslumbrante, não tenho outro adjetivo para tanto. O sol ajudou a todos nós dissipando as nuvens; o vento soprou com menos intensidade e a sensação térmica foi reduzida. O frio intenso da manhã logo passou a ser uma temperatura agradável.

A mochila, com lanches, a nécessaire com tesoura, agulha, esparadrapo, remédios e o canivete, além do cantil com água potável na cintura e cerca de quatro horas de subida íngreme começarama pesar.

A atenção redobrada para não pisar em falso e torcer o pé, consumir pouca água, com goles parcimoniosos. Esses cuidados repassados pelos mais experientes eram cumpridos com uma disciplina quase militar ou guerrilheira, situação que difere do meu dia a dia.

Quando ouço falar da serra de Caparaó, lembro-me de um amigo alagoano, o ex-sargento da Marinha Edval Augusto de Melo, um dos militares que participaram da guerrilha de Caparaó, preso no dia 1º de abril de 1967. A guerrilha de Caparaó foi a primeira resistência ou tentativa de resistência armada à ditadura militar.

Essa lembrança me acompanhou durante o percurso. Quanto mais eu subia, mais perplexo ficava com tamanho obstáculo para a instalação de um“foco” guerrilheiro. Talvez fosse a Sierra Maestra brasileira.

O fato é que continuamos a subir, eu com essas lembranças, e Vânia a contemplar a beleza. Os dois persistiam a subir até o topo do Pico da Bandeira. Depois de mais de cinco horas, o cansaço e o desânimo por alguns minutos se instalaram entre nós. Faltando cerca de trezentos metros paramos e resolvemos desistir.

Isso é comum acontecer entre os caminhantes. As dificuldades mais comuns, como bolhas, calos, torções, nada disso aconteceu conosco. Era cansaço, fadiga. Eu, num certo momento da caminhada fiquei mais atento ao meu batimento cardíaco. Procurando não forçar, mas não falava nada para Vânia, não queria trazer-lhe preocupação com algo que não dava indicações de inconveniência. É típico de quem sofre infarto; a partir daí torna-se mais cauteloso.

Encostamo-nos a uma pedra e ficamos descansando e a observar os nossos amigos descendo, outros subindo até o topo. Palavras de estímulo, todos diziam.

– Força. (Era a mais comum.)

– Não desistam, está tão perto!

Até que três jovens – dois homens e uma mulher – vieram em nossa direção e disseram:

– O senhor e a senhora não vão desistir. Nós vamos ajudá-los.

A moça pediu a minha mochila, um dos rapazes pediu a mochila de Vânia. E recobramos as forças e o ânimo para concluir a subida até o topo do Pico da Bandeira.

A chegada foi triunfal. Senti-me um alpinista que escalara o Everest ou algo equivalente. A sensação é indescritível ao avistar aquele conjunto fantástico de serras entre Minas Gerais e Espírito Santo.

Queremos deixar registrado que só foi possível chegarmos ao topo do Pico da Bandeira porque contamos com a solidariedade daqueles três jovens.

Obrigado!

Foi um prazer lhe conhecer

 

O jornalismo brasileiro perde o brilhante repórter Geneton Moraes Neto, morto no dia 22, na cidade do Rio de Janeiro. Em novembro de 2010, na Festa Literária Internacional de Olinda (Fliporto) tive o privilégio de conhecê-lo. Quem me apresentou foi o jornalista Homero Fonseca, seu amigo e colega dos tempos em que ambos trabalharam no  Diário de Pernambuco. Nesta noite estavam presentes ao jantar Iracema, companheira de Homero e Isabela, minha filha.

Ouvi várias histórias contadas pelos dois com a atenção de um monge, não queria perder um lance. Até que num determinado momento Geneton falou da dificuldade que estava tendo para localizar um ex-guerrilheiro.

Não me contive e perguntei, quem era. Ele falou o nome do comandante Clemente, um ex-guerrilheiro e ex-dirigente da Aliança Libertadora Nacional (ALN), um dos homens mais procurado do Brasil até 1973, quando foi obrigado a exilar-se. Clemente era o codinome de Carlos Eugênio Coelho Campos da Paz, alagoano e meu amigo.

Disse-lhe com satisfação que essa dificuldade estava superada e passei o número do telefone do comandante Clemente.

Geneton surpreso falou que faltava encontrar o Clemente para concluir um programa, alguns meses depois a entrevista foi exibida no programa Dossiê Globo News.

Ainda continuamos conversando, eu ouvindo mais que tudo. Passava da meia noite quando nos despedimos apertei a sua mão e falei: foi um prazer lhe conhecer.

Hoje, digo: que a terra lhe seja leve.

  

 

Livro, Carapeba e Cachaça

 

Lêdo Ivo

                   

Os sebos e alfarrábios de minha infância e adolescência sobem agora à minha lembrança, diante deste livro de evocações do historiador e investigador cultural alagoano Geraldo de Majella.

Os que ele registra neste Panorama Cultural de Maceió, não são os mesmos do meu tempo. Situam-se em locais diferentes. Guardam uma multidão de volumes que surgiram após a minha partida, refletem a realidade de uma época vertiginosa marcada pela emergência de tecnologias atrevidas e até agressivas. Mas, apesar de todas as mudanças ocorridas no ar do mundo e do tempo, hão de conservar a mesma atmosfera plácida da cidade antiga e cuja placidez só era interrompida pelo fragor dos tiros sazonais que ceifavam vidas e saciavam rancores, disputas e vinganças.

Lembro-me de alguns deles. Na Rua do Livramento, junto à igreja, era o sebo do Barbosa, que ocupava a sala de visitas de sua casa familiar. Na Rua do Comércio, entre o Beco São José e a Praça dos Martírios, situava-se outro sebo, no qual terei adquirido os meus primeiros livros em francês. Um deles era Notre Coeur desse Maupassant que ainda hoje suscita a minha admiração, e do qual possuo, compradas num alfarrábio insigne de Paris, as obras completas ilustrada e editadas pela Librarie Paul Ollendorf. E havia ainda outro sebo, na esquina da Rua Boa Vista com o Beco São José.

Onde terei encontrado Song-Kay o Pirata, de Emilio Salgari, uma das estrelas bem-amadas da constelação e Coleção Terramarear? Ainda hoje ele está na minha biblioteca, guardado como uma relíquia ou sobra de naufrágio. E, graças a ele e a tantas outras histórias de tesouros e piratas, e ilhas e ventos dos mares do Sul, pude sulcar a vida inteira, confiante na verdade de minha imaginação, o caminho que me indicaram na infância.

Os sebos e alfarrábios ora registrados pelo historiador Geraldo de Majella  — um historiador tão atento à vida cotidiana e provinciana e ao episódio aparentemente irrelevante — são outros, mas conservam o mesmo rito comercial  de antigamente e sustentam iguais intenções. São lugares em que nem sempre se encontra o que se procura ou deseja; mas se encontra sempre o que não se esperava e surpreende. E, entre os vendedores de livros velhos aqui consignados, avulta a figura do ex-carroceiro Biu, que estacionava o seu “burro sem rabo” na Praça Dom Pedro II.

Contém esta obra de Geraldo de Majella muitas informações e reflexões sobre as bibliotecas de Maceió e as livrarias alagoanas. Será que elas existem atualmente ou são ficções graciosas? Ou não será no Recife que se abastecem os alagoanos contagiados pelo que o poeta Logan Pearsall Smith chamou de “a leitura, esse vício impune”?

Recordo-me de que, no meu tempo de colegial desejoso de ser escritor, havia na Rua do Comércio a Casa Ramalho, que chegou até a ser uma editora, publicando autores alagoanos. Durante semanas, ela exibiu na vitrina um exemplar de Angústia de Graciliano Ramos. Ninguém o comprava, embora seu autor (então enclausurado na Ilha Grande, como comunista) retratasse naquele romance uma Maceió noturna, soturna e dostoiewskiana.

Todos os dias eu me detinha diante da vitrina da livraria e namorava o volume solitário. Finalmente juntei sobras das mesadas semanais e o comprei. A sua leitura foi um dos grandes acontecimentos de minha vida de leitor em flor.

Também são diferentes os dispersos bares e restaurantes captados pela pena astuciosa de Geraldo de Majella. No meu tempo, imperavam a Helvética, defronte à Igreja do Livramento, o Ponto Certo na Praça Deodoro, o bar da Casa Colombo, e o Bar Elegante na Rua do Comércio. Destes, o que ainda é mencionado, como local de reuniões literárias, é o Bar do Cupertino. Nele, no início da década de 30, costumavam reunir-se Graciliano Ramos, Jorge de Lima, José Lins do Rego e Rachel de Queiroz, Maceió era então a capital literária do Nordeste e ignorava sua suprema condição.

No livro de Geraldo de Majella são outros os bares, botecos e restaurantes, outros os boêmios gulosos e mulherengos e os literatos ambiciosos e sedentos de notoriedade e glórias. Mas haverão de ser os mesmos os naufrágios e as impiedades do tempo. E também não terão mudado as comezainas e bebezainas; são as mesmas, os peixes, crustáceos e mariscos da Alagoa Australis, “rica em pescado”, como está no nosso brasão ilustre. A novidade é a macarronada.

E sabe a essas iguarias incomparáveis este valioso livro de Geraldo de Majella. Tem um gosto de carapeba, de camorim e de sururu; de caranguejo; de tira-gosto de caju regado a cachaça; de feijão de corda e manteiga de garrafa. É um livro visceralmente alagoano. Lateja nele o mistério de nosso berço, de nossas águas e terras, de nosso passado e presente, das chuvas e das tanajuras, de nosso povo e de nossos sonhos e pesadelos. E o longo mistério de nossa alagoanidade. E nele sopra o vento do mar.

 

 

Saudade e denuncia

 

        O saudosismo é uma postura estática perante a vida: abdica-se do presente para reviver nostalgicamente um passado idealizado. Sempre que me deparo com essa manifestação sentimental, eu me pergunto: e daí? Porque se trata, a meu ver, de uma atitude anacrônica que não encerra qualquer lição, apenas acalentando um sonho esfumaçado pelo tempo. Saudade, assim, já disse o poeta, amarga que nem jiló.

 Dito isto, é necessário que se diga mais que esse Panorama cultural de Maceió que tens em mãos, ocupado leitor, embora contenha cálidas lembranças dos anos 70 para cá, não é em absoluto um livro saudosista, pelo fato de o autor ir além do sentimento de mera saudade para traçar em delicadas pinceladas a trajetória cultural da capital das Alagoas, inclusive denunciando os atentados praticados contra a memória da cidade e o descaso para com entidades merecedoras de respeito e atenção.

        Dividido em cinco partes – sebos, livrarias, bibliotecas, bares e restaurantes – tem como fio condutor a importância cultural de pessoas, instituições e estabelecimentos que marcaram época ou continuam presentes na vida cotidiana dos poucos mas sinceros amantes das coisas do espírito na mui leal e formosa cidade de Maceió (diga-se de passagem que, em toda parte, essa turma, embora barulhenta, é sempre minoritária).

Por suas páginas, em linguagem simples e fluida, desfilam personagens antológicos como seu Biu, involuntariamente transformado de carroceiro em sebista pioneiro no paredão da Assembleia, e Nô Pedrosa,raro espécime de anarquista praticante; livreiros antigos e atuais, cuja profissão seduz o autor pela missão de “disponibilizar um bem cultural que contribui para transformar as pessoas e o mundo”, como Geraldo Barroca Portela, entre tantos outros; editoras, como a Edufal, que aposta “num mundo mais culto, onde o livro passe a ser um bem de primeira necessidade”; bibliotecas públicas e privadas – algumas muito precarizadas – que coexistem com o mundo da informação digital; bares cuja clientela era (é) formada por uma fauna de intelectuais majoritariamente de pendores esquerdistas, amantes de copo e conversa, incluindo o Casa Blanca, “um bar com a foice e o martelo”, cuja característica principal era serem todos os seus sócios capitalistas dirigentes históricos do PC do B e onde se produzia o programa radiofônico “Conversa de botequim” – entrevistas ao vivo de personalidades dos mais variados matizes, como os políticos Cristovam  Buarque, Ronaldo Lessa, Renan Calheiros e Kátia Born, e até mesmo um camarada chamado Mossoró, considerado proprietário de bordel.

No quesito gastronomia, Majella dá ênfase a restaurantes populares da Ponta Grossa, onde a pobreza não impedia a formação intuitiva de autênticos e autênticas chefs (que, naturalmente, chamavam a si mesmos de cozinheiro e cozinheira), como era o caso da proprietária do lendário Buraco da Zefa, autora da receita mais sincrética jamais imaginada, a macarronada à cabidela, ou, no mesmo bairro, a Macarronada do Édson,ambiente eclético ao qual compareciam com assiduidade desde “esquerdistas que bebiam e comiam esbravejando contra a ditadura aos mais ferrenhos defensores do regime militar”.

O famoso Bar das Ostras, onde, nos anos 70, tive oportunidade de saborear o famoso camarão à beira da Lagoa do Mundaú, mereceu de Majella um réquiem, digno de uma autêntica instituição maceioense, cuja receita tornou-se, por lei, Patrimônio Imaterial da nação alagoana.

Tudo o que foi dito aqui não é mais que alguns destaques dessa narrativa tão saborosa quanto os quitutes dos bares e restaurantes dos bairros elegantes ou populares da cidade e tão fluida quanto a conversa de boêmios, intelectuais, gourmets e bom vivants em geral desfiadas interminavelmente nas noites mornas refrescadas pela brisa marítima de Maceió.

Vale a leitura.

Homero Fonseca é jornalista e escritor

 

Comercial (82) 3313.6040 (82) 99812.2189 comercial@cadaminuto.com.br
Redação (82) 3313.2162 (82) 99664.2221 cadaminutoalagoas@hotmail.com