MP vai pedir prisão preventiva de homem que matou gari dentro de ônibus em Maceió

Redação*|
Foto: Sandro Lima

O Ministério Público do Estado de Alagoas (MPAL) vai requerer, nesta terça-feira (30), a conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva de Filipe Cristiano da Silva, 37 anos, que confessou ter assasinado o gari Renilson Freire de Souza, de 38 anos, na segunda-feira (29), dentro de um ônibus, em Maceió. 

O pedido será feito pelo promotor de Justiça Thiago Chacon, que está no plantão neste feriado. “Não há que se falar em ilegalidade do flagrante, como a defesa está pleiteando, pois o suspeito foi capturado logo após o fato e a polícia estava em permanente perseguição para sua captura. Também não vislumbramos elementos para apontar que ele seria inimputável, como seu advogado está parecendo querer justificar”, explicou Chacon. 

Segundo o promotor, durante a audiência de custódia de hoje, a conversão da prisão será requerida ao Judiciário. “Vamos defender junto ao juíz que o acusado é plenamente capaz e sabia tudo que estava fazendo, tanto é que fugiu e trocou de roupas para dificultar as buscas”, argumentou o membro do MPAL. 

“O fato de Filipe Cristiano ter se negado a utilizar a máscara também demonstra como ele é um sujeito conectado a realidade social”, acrescentou. 

Ainda de acordo com Thiago Chacon, para o Ministério Público, o homicídio praticado pelo acusado tem características de ter sido cometido com duas qualificadoras, no entanto, isso ainda será melhor avaliado pela promotoria do Tribunal do Júri, com o despacho da investigação policial: “A princípio, estão configurados o motivo fútil e o recurso que tornou difícil a defesa da vítima, que foi morta a facadas”, completou o promotor de Justiça.

A audiência de custódia será realizada com o juízo da 12a Vara Criminal da capital.

*com Assessoria

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados