Negócios Imobiliários
Negócios Imobiliários

Financiamento Imobiliário: conheça os principais tipos e suas diferenças

Hiran Malta|
Foto por Envato

O financiamento imobiliário é uma excelente opção para quem quer comprar um imóvel sem precisar pagar à vista. No entanto, embora essa alternativa seja adotada por muitos, é comum encontrar pessoas que possuem dúvidas sobre os tipos de financiamento e a forma como eles funcionam. 

Pensando em esclarecer as principais questões, preparei este post respondendo algumas dúvidas recorrentes. Por isso, para entender de uma vez por todas os diferentes tipos de financiamento, continue lendo! 

O que é um financiamento imobiliário? 

Um financiamento imobiliário é uma modalidade de compra parcelada feita junto a uma instituição financeira. Ela acontece da seguinte forma: a instituição paga até 90% do valor do imóvel e o comprador tem um tempo determinado para devolver esse dinheiro em parcelas com juros. 

Sobre quem pode fazer um financiamento, os requisitos podem ser alterados dependendo do método escolhido. Mas, em sua maioria, é necessário que o comprador: 

• tenha mais de 18 anos; 
• não tenha dívidas em seu nome; 
• seja brasileiro ou tenha visto permanente; 
• tenha uma renda condizente com o valor do crédito solicitado; 
• entregue os documentos que são exigidos. 

Quais os principais tipos de financiamento imobiliário no Brasil? 

Sistema Financeiro de Habitação (SFH) 
O Sistema Financeiro de Habitação é um tipo de financiamento desenvolvido pelo Governo Federal, no qual as parcelas não podem comprometer mais do que 30% da renda do comprador do imóvel. Ele pode cobrir até 80% do valor total, desde que não exceda 1,5 milhões. 

É válido ressaltar que o SFH só admite pessoa física. Afinal, sua finalidade é permitir a aquisição de imóveis residenciais, não comerciais. Por isso, para facilitar o acesso, sua taxa de juros máxima é de 12% ao ano. 

Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI) 
O Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI) também foi desenvolvido pelo Governo Federal. No entanto, diferentemente do primeiro, ele não possui o limite de 30% de comprometimento da renda mensal pelas parcelas e admite compra por pessoa jurídica. Além disso, apresenta uma taxa de juros variável. 

Amortização da dívida 

Além dos dois principais tipos de financiamento praticados no Brasil, citados acima, existem também as principais formas de amortizar a dívida, que variam dependendo da instituição bancária e do tipo de financiamento escolhido. São elas: Sistema de Amortização Constante (SAC), o Sistema Tabela Price e o Sistema de Amortização Crescente (Sacre). Abaixo, explico brevemente cada uma delas. 

Sistema de Amortização Constante: nesta forma de amortização, o valor das parcelas vai diminuindo à medida que elas vão sendo pagas. Ou seja, as parcelas vão decrescendo de valor. 

Sistema Tabela Price: aqui, as prestações vão variando conforme a inflação, com o indexador pós-fixado TR (taxa referencial) sendo o mais utilizado para os reajustes. 

Sistema de Amortização Crescente: conhecido como Sacre, ele é uma espécie de combinação dos dois sistemas de amortização anteriores. Nele, as parcelas vão crescendo (como pode acontecer na Tabela Price) até determinado ponto e depois começam a diminuir (como no SAC). 

Gostou de saber mais sobre financiamento imobiliário? Espero que sim, e que você continue acompanhando o meu blog!

SOBRE O AUTOR

Tudo sobre mercado e negócios imobiliários.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados