Negócios Imobiliários
Negócios Imobiliários

Mercado Imobiliário 2021: um panorama da cidade de Maceió

Hiran Malta|
Foto: Lucas Menezes

Não é novidade que o mercado imobiliário é um dos melhores setores para quem quer investir. Ele contempla especialmente os perfis de investidores que procuram rendimento seguro a longo prazo. Afinal, ao comprar um imóvel de boa qualidade e com localização privilegiada, a tendência ao longo dos anos é a valorização. 

No entanto, antes de aplicar seus rendimentos nesse setor, é fundamental conhecer o panorama do mercado imobiliário na cidade. Assim, é muito mais fácil identificar as melhores oportunidades de compra, principalmente se você pretende comprar para alugar ou para revender no futuro. 

Pensando em ajudar a entender melhor como anda o mercado imobiliário em Maceió, preparei este post apontando quatro eventos que estão influenciando nos rumos do setor. Continue lendo e descubra! 

Aumento populacional 

De acordo com o último censo demográfico, realizado em 2010 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Maceió tinha uma população de pouco menos de 933 mil pessoas. No entanto, o órgão prevê que a cidade teve um crescimento populacional de cerca de 10% até 2020, atingindo mais de 1 milhão de habitantes. 

Esse crescimento populacional reflete, é claro, em uma maior ocupação do território do município e de seus arredores. Não é à toa, por exemplo, que vemos a ocupação de algumas regiões crescendo continuamente, com o surgimento de grandes condomínios residenciais. 

Essa expansão, por sua vez, é acompanhada de uma maior oferta de serviços e estabelecimentos comerciais, que são fundamentais para a valorização dos locais. Perceba, por exemplo, que novos supermercados estão surgindo na cidade, bem como farmácias, restaurantes e instituições de ensino. 

Pandemia 

Com a pandemia de coronavírus, muitas pessoas precisaram se adaptar ao trabalho remoto e às aulas à distância, o que modificou a rotina e a ocupação dos lares. Dessa forma, surgiu a necessidade de adaptar espaços da casa para o trabalho ou estudo. Além disso, o isolamento fez com que muitas pessoas sentissem falta de espaços abertos, seja para praticar exercícios ou para o lazer em família. 

Para o mercado imobiliário, isso se traduziu numa busca por imóveis mais amplos, de preferência com um cômodo reservado para o famoso “home office”. As áreas abertas também passaram a ser cobiçadas para levar mais conforto e qualidade de vida aos moradores. 

Sendo assim, uma tendência é a busca por casas ou apartamentos em condomínios que ofereçam uma área de lazer diversificada, capaz de contemplar adultos e crianças. 

Valorização de novas áreas 

Até o início dos anos 2000 os bairros situados entre a Pajuçara e a Jatiúca eram os mais cobiçados para viver em Maceió. No entanto, a projeção para os próximos anos mostra que o cenário tende a ganhar concorrentes, já que novas áreas estão apresentando um excelente potencial de valorização. 

Nos últimos dez anos, a cidade ganhou novas vias de circulação, como as avenidas Josefa de Melo, Pierre Chalita e Ecovia Norte, que desafogaram o trânsito e permitiram uma maior integração da parte alta com os bairros litorâneos. Com isso, outras áreas da cidade passaram a chamar a atenção de investidores, tanto do mercado imobiliário quanto do setor comercial. 

No final de 2013, por exemplo, o bairro de Cruz das Almas recebeu o maior centro de compras de Alagoas, o Parque Shopping, que conta com cerca de 200 estabelecimentos de diferentes setores. 

Em 2016, foi a vez da multinacional francesa Leroy Merlin aportar no bairro, com a sua primeira unidade alagoana. Dois anos depois, o Atacadão abriu sua segunda loja na cidade na Av. Josefa de Melo. Para os próximos anos, já está prevista a abertura de um Centro Hospitalar da Unimed próximo ao shopping, com um investimento de cerca de R$150 milhões na região. 

Acompanhando todos esses investimentos privados, surgem também projetos de empreendimentos imobiliários de alto padrão na região. Nos próximos anos, veremos emergir um bairro planejado nas imediações do Parque Shopping, além de edifícios residenciais ao longo da orla dos bairros de Cruz das Almas, Jacarecica, Guaxuma e Garça Torta. Por isso, essas áreas merecem a atenção de quem quer investir em imóveis com bom potencial. 

Crise da Braskem 

Desde 2018, moradores dos bairros do Pinheiro, Mutange, Bom Parto e Bebedouro estão sendo removidos de suas casas devido às rachaduras e afundamentos decorrentes da exploração de sal-gema pela Braskem. Com isso, estima-se que mais de 50 mil pessoas precisam ser realocadas em outras áreas da cidade. 

Consequentemente, os bairros se tornaram inabitáveis e seus vizinhos também estão passando por um processo de desvalorização, já que o limite do desastre ainda é incerto e está em avaliação.

Por outro lado, a situação fez aumentar a procura por imóveis para morar, principalmente por parte dos moradores que já estão sendo indenizados pela mineradora. Isso deve levar a um aquecimento do mercado imobiliário em diferentes níveis, já que a área atingida contempla tanto regiões nobres quanto áreas periféricas. 

Esses são alguns dos principais fatores que estão influenciando os rumos do mercado imobiliário em Maceió atualmente. Como você pode ver, apenas com essas informações já é possível identificar oportunidades positivas para quem quer adquirir um imóvel na cidade. 

Para descobrir mais informações relevantes sobre o setor de imóveis, continue de olho no meu blog! Todas as semanas, trarei informações relevantes para quem quer começar a investir.

SOBRE O AUTOR

Tudo sobre mercado e negócios imobiliários.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados