Foto: Reprodução / Internet
Material coletado para teste de coronavírus

Em meio à "guerra da vacina", protagonizada principalmente pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o Brasil voltou a registrar mais de 30 mil casos de Covid-19 em 24 horas. 

O País mantinha o número de novos casos abaixo de 30 mil desde o dia 7 de outubro. Já a média móvel de óbitos ficou abaixo de 500, com 491, de acordo com dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).

Nas últimas 24 horas, o Brasil contabilizou 33.862 novos infectados e o número de contaminações chegou aos 5.332.634 milhões. Já as mortes causadas pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2) chegaram a 155.900. Desse total, 498 novos óbitos só de ontem para hoje.

A contagem de casos realizada pelas Secretarias Estaduais de Saúde inclui pessoas sintomáticas ou assintomáticas; ou seja, neste último caso são pessoas que foram ou estão infectadas, mas não apresentaram sintomas da doença.

O ranking de número de mortes segue liderado pelo estado de São Paulo, que tem 38.482 óbitos causados pela Covid-19. O Rio de Janeiro continua em segundo lugar, com 20.021 mortes, seguido por Ceará (9.243), Minas Gerais (8.621) e Pernambuco (8.527).

Os estados que registram maior número de casos são: São Paulo (1.076.939), Minas Gerais (343.159), Bahia (340.665), Rio de Janeiro (295.021) e o Ceará (268.274).

Desde o início de junho, o Conass divulga os números da  pandemia da Covid-19 por conta de uma confusão com os dados do Ministério da Saúde. As informações dos secretários de saúde servem como base para a tabela oficial do governo, mas são publicadas cerca de uma hora antes.

Mais de 41 milhões pessoas foram infectadas em todo o mundo. Do total de doentes, mais de 1,1 milhão morreram, segundo a Universidade Johns Hopkins.

O Brasil segue como o terceiro país do mundo em número de casos de Covid-19 e o segundo em mortes, atrás apenas dos Estados Unidos.

Na terça-feira (19), o Ministério da Saúde anunciou um investimento de R$ 2,6 bilhões para a compra de 46 milhões de doses da CoronaVac. Nas redes sociais, o governador João Doria comemorou a decisão e agradeceu ao Pazuello. 

Menos de 24 horas depois, o presidente Jair Bolsonaro desautorizou a decisão do ministro Eduardo Pazuello sobre a aquisição das doses.

Logo pela manhã, em suas redes sociais, o presidente já havia exposto sua insatisfação com a repercussão das negociações referentes ao acordo mediado pelo ministro Pazuello para compra da CoronaVac. Bolsonaro recebeu várias críticas de apoiadores e alguns se disseram "traídos".

Em resposta, disse que não compraria a "vacina chinesa de João Doria" e que o povo brasileiro não seria "cobaia".

Poucas horas depois, durante coletiva de imprensa, o secretário-executivo do ministério, Élcio Franco, negou qualquer acordo com o governo de São Paulo e disse que o que houve foi um "protocolo de intenção" assinado com o Instituto Butantan. Élcio reforçou que o governo não comprará vacinas vindas da China.

Doria reagiu e pediu grandeza em relação à polêmica envolvendo a vacina CoronaVac e disse que a "guerra" precisa ser contra o novo coronavírus. "Aproveito para pedir ao presidente que tenha grandeza e lidere o Brasil na saúde, na retomada de empregos... A nossa guerra é contra o vírus, não na política e não um contra o outro. Devemos vencer o vírus", postou.