Caro Renan, 

A propaganda do governo  do estado de Alagoas, para  divulgar o Hospital da Mulher e Metropolitano está belÍssima,( parabéns à equipe)  revelada sob o prisma da  plasticidade de primeiro mundo,  e que bom que as unidades hospitalares possuem  esse padrão de  comprometimento  como  nos conta,( na propaganda da tv) pacientes entusiastas e [email protected] da Covid, lá [email protected] .

Mas, precisamos  ir além , Renan...

Na esteira pós covid nos deparamos  com  os transtornos psicológicos ,  como uma segunda onda de estragos à saúde.

A pandemia Covid-19  aflorou inúmeros gatilhos que provocam sofrimentos psiquicos, refletidos na busca desenfreada, por vagas, não existentes , em unidades de atendimento  à  saúde mental, em Alagoas. Tem  muita gente , em adoecimento mental, com o nome em  uma extensa  lista de espera.

O trato com a saúde  mental, em Alagoas é caótico. Ca-ó-ti-co!

Temos uma unidade de emergência e duas  de atendimento/internação para população do estado todinho, aí, falamos em mais de três milhões de pessoas.  

Precisamos discutir   sobre o desafio  institucional de construir   infraestrutura para manutenção contínua da saúde mental, aliada à pratica da humanização.

É muito importante que a pandemia ,que colocou holofotes  nas fragilidades do sistema, seja objeto de estímulo para  mudanças positivas no investimento em uma saúde pública inclusiva e de qualidade.

Faz pouco a  Itália inaugurou um hospital pós-covid, especialmente para o trato do sofrimento psíquíco de crianças,  porque o aprisionamento involuntário fez  estragos na cabecinha de [email protected] Não é um ação fenomemal?

Alagoas precisa avançar e resolver esse problema. Mais do que tratar a doença precisamos investir na saúde, Renan. É isso é questão  lúcida de sobrevivência.

Quantos leitos serão disponibilizados no hospital Metropolitando, da Mulher e outros, para saúde mental, Renan?

A saúde mental em Alagoas pede socorro, Renan.

Help!