Coluna Labafero

“Nunca me retratei e não seria agora que me retrataria para o Benedito de Lira”, diz Renan Calheiros

Foto: Agência Senado/Arquivo 4f1684e2 7106 45e9 955a a5f53c833f37 Senador Renan Calheiros

Mesmo passados mais de 60 dias da eleição, o Senador Renan Calheiros, parece ainda não ter “digerido” alguns entraves e acordos que tentar fazer com que ele assumisse durante o pleito. Um deles foi com o candidato a senador não eleito, Biu de Lira, a quem Calheiros chamou de velhaco.

Em publicação Renan comentou que “aconteceu outro fato inusitado que não pode se repetir com mais ninguém. Eu, atacado todo dia no rádio e TV, sem direito de resposta e com pedidos engavetados no TRE, resolvi postar na rede social, dia 29 de setembro: “Biu está desesperado. Sua rejeição chegou a 48%, traiu trabalhadores e aposentados. Alagoas não aceita essa velhacaria. Será a derrota mais cara do país”, e publiquei junto pesquisa Ibope”.

Sabe o que aconteceu? Dois dias depois, meus advogados aparecem na produtora (coincidentemente eu estava lá) com um “acordo” que haviam feito com a Juíza da propaganda eleitoral - que chega a ser minha parenta -  para que eu me retratasse, sob pena de multa de R$ 40 mil por dia. E até mandou o texto, que era o seguinte: “Retrato-me ao Benedito de Lira, que é honrado e contra quem fiz uma postagem para atingi-lo”. Faltavam seis dias para a eleição, era 1 de outubro. Fiz uma conta rápida e até o dia da eleição teria de pagar R$ 240 mil. Se calculasse até hoje eu já estaria devendo R$ 3,1 milhões. Nem sei qual foi o desfecho dessa ação, pois meus advogados nunca me deram retorno sobre isso.

Precisei mandar o advogado dizer à juíza que eu nunca havia feito retratação na vida, e não seria agora que me retrataria para o Benedito de Lira. Mesmo porque, expliquei, na rede social não há regulamentação, direito de resposta, e muito menos retratação.

Por essas e outras, lembro que meu pai gostava de contar o que tinha ouvido de um vaqueiro: “Eu sou igual ao eixo do carro de boi. Quanto mais me aperta, mais eu canto”.

Auxílio-mudança de políticos foi criado com relatoria de Renan Filho

Foto: Cada Minuto / Arquivo 5ca32e74 0655 40b0 973a c2307a37f3ea Renan Filho

Da bancada alagoana em Brasília, ninguém abriu mão de receber o auxílio-mudança previsto em lei para todos os deputados federais e senadores. Sem nenhum tipo de restrição, os parlamentares reeleitos receberem duas vezes a ajuda de custo, uma ao deixar o antigo mandato e outra ao assumir o novo, após a matéria ter dito como relatoria, o governador Renan Filho, que na época era deputado federal.

Segundo revelou o Antagonista, somente com essa dobradinha, cada parlamentar, incluindo os alagoanos, recebem um total de R$ 67.526 no início do próximo ano, além do salário e demais auxílios já concedidos, como o auxílio-moradia.

O decreto foi aprovado no final de 2014, em última sessão do ano, onde muitos projetos passam de forma relâmpago. Muitos que foram reeleitos questionaram a “velha política”, mas ninguém quis abrir mão do gordo auxílio.

 

Renan Calheiros faz críticas ao TRE e diz que não irá para solenidade de diplomação

Cortesia Portal S1 2545cef3 5598 4a2f aac9 3cf974963654 Renan Calheiros

Em nota publicada em suas redes sociais na manhã desta segunda-feira (17), o senador Renan Calheiros criticou o Tribunal Regional Eleitoral de Alagoas (TRE) e afirmou que não irá para a solenidade de diplomação dos candidatos eleitos.

Segundo ele, o TRE demorou para julgar seus pedidos de resposta durante o período eleitoral.

“Na campanha, vocês viram, fui insultado todos os dias no rádio e na TV. Sem direito de defesa ou de resposta. Como aconteceu? Respondo: quando agredido por adversários, pedia imediatamente o direito de resposta. Invariavelmente ganhava na 1ª instância (juízes da propaganda). No dia seguinte os adversários recorriam ao TRE, com efeito suspensivo, e o TRE não julgava. Só julgou na 4ª e na 5ª feira que antecediam ao domingo da eleição” escreveu.

Ainda de acordo com Renan, os prazos eleitorais são curtos e impostergáveis e ele precisava que os direitos de resposta obtidos na 1ª instância e suspensos fossem julgados, para que pudesse se defender das acusações.

Leia a nota na íntegra:

Continuo em Brasília. Só sexta-feira 21 estarei em Alagoas fechando a tampa deste mandato difícil e me preparando para, em 1º de fevereiro, tomar posse no novo mandato. Não é apenas justificativa da ausência. Também não é mera reclamação (até já a fiz pessoalmente ao ministro Edson Fachin, do TSE).

Na campanha, vocês viram, fui insultado todos os dias no rádio e na TV. Sem direito de defesa ou de resposta. Como aconteceu? Respondo: quando agredido por adversários, pedia imediatamente o direito de resposta. Invariavelmente ganhava na 1ª instância (juízes da propaganda). No dia seguinte os adversários recorriam ao TRE, com efeito suspensivo, e o TRE não julgava. Só julgou na 4ª e na 5ª feira que antecediam ao domingo da eleição.

Ora, o TRE deveria saber que os prazos eleitorais são curtos e impostergáveis. E nós precisávamos que os direitos de resposta obtidos na 1ª instância e suspensos fossem julgados, para me defender.

Esses julgamentos só foram concluídos na 5ª feira, 4 de outubro, três dias antes da eleição e no mesmo dia em que encerrávamos a propaganda eleitoral. E, claro, julgando-os, eu ganharia, tal como na 1ª instância – e ganhei mais de 30 minutos de direito de resposta.

O que fizeram os adversários? Pediram a suspensão ao TSE, porque o TRE havia marcado a veiculação para a 6ª feira, dia seguinte ao término da propaganda. E o que faz o TSE? Suspende, cancela a exibição. Foi assim. Fui atacado todos os dias, não tive direito de resposta, e lutava pela minha eleição.

Paradoxalmente, foi essa a segunda eleição em que um desembargador do TJ-AL suspende e cassa, monocraticamente, a decisão colegiada do Pleno do Tribunal, transitada em julgado, para tornar elegíveis adversários, contumazes fichas-sujas, condenados por subtrair dinheiro público da ALE e réus em outros processos. Pode isso, Arnaldo?

É assim que muitas vezes você se obriga a disputar e ganhar eleição. Como resposta, os alagoanos me elegeram para o quarto mandato consecutivo de senador. Esse é o meu maior orgulho. Salve Alagoas!

Renan Calheiros

Governador Renan Filho antecipa o décimo para esta sexta-feira (14)

Foto: Cada Minuto / Arquivo 198c9c17 96f9 4bc5 a6ce 6db64607e919 Renan Filho

Os alagoanos amanheceram com dinheiro na conta nesta sexta-feira (14). Como o governador Renan Filho havia dito ontem (13) ele faria um esforço para antecipar o décimo para sexta, visto que dia 15 cai no sábado.

Recebem o abono natalino cerca de 70 mil funcionários públicos ativos, inativos e pensionistas de todas as faixas salariais.

De acordo com dados da Secretaria de Estado da Fazenda de Alagoas (Sefaz-AL), o pagamento do 13º em 2018 injeta no mercado alagoano R$ 300 milhões, o que deve impulsionar as vendas no comércio e o desenvolvimento da economia local.

Com as contas ajustadas, Alagoas é um dos poucos estados do país a disponibilizar antecipadamente o abono aos servidores, visto que a data proposta para os estados era 20 de dezembro.

O feito foi repetido também durante a gestão de 2017. No cenário nacional, enquanto muitos já atrasavam os pagamentos desde 2015, Alagoas era um dos poucos entes federados que estava conseguindo manter em dia a folha salarial.

Entre os dias 30 de novembro e 14 de dezembro, cerca de R$ 600 milhões do Tesouro Estadual são inseridos na economia de Alagoas, período que compreende o pagamento dos salários da primeira e segunda faixa do funcionalismo estadual além do 13º salário.

Rosinha da Adefal pede apoio e Jean Wyllys abre exceção

Foto: Assessoria Ba0578c6 b802 407c 8352 2d841f383b48 Rosinha da Adefal

Nada como ser cordial e isso alguns parlamentares sabem ser, ou não.  A deputada Federal eleita, Rosinha da Adefal (PTB/AL) estava abordando alguns colegas no intuito de angariar apoio para indicação à Secretaria Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência quando abordou o também deputado Jean Wyllys (Psol-RJ).

Wyllys foi enfático ao falar jamais faria indicação para esse governo, mas sendo você abro uma exceção.

Que essa união seja por uma causa nobre, ao menos assim algumas diferenças podem ser diluídas.

O judiciário coage ministros e usurpa competências, diz Renan Calheiros

Cortesia Portal S1 2545cef3 5598 4a2f aac9 3cf974963654 Renan Calheiros

O senador Renan Calheiros usou suas redes sociais para fazer uma análise apimentada sobre “dificuldades” enfrentadas pelo judiciário e ainda aproveitou para afirmar que alguns setores trabalham na base da coação, inclusive de deputados.

Calheiros, que parecia estar bastante inspirado citou até Montesquieu, para falar da  independência, a separação e a harmonia dos Poderes. Confira a publicação na íntegra.

Perguntam-me por que entendo que a maior dificuldade do Judiciário no Brasil é que setores da primeira, da segunda instância e do Ministério Público Federal coagem ministros e usurpam competências dos Tribunais Superiores. Respondo: aprovamos no Senado o fim das aposentadorias como prêmio para juízes e promotores que cometem malfeitos; o fim dos supersalários; o abuso de autoridade; a nova lei de licitações...Mas eles não deixam que nada disso ande na Câmara. Também coagem os deputados.

O próprio CNJ, que criamos para fazer o controle do Poder, enfrenta dificuldades para fazer sua parte.

Agora, me anima o fato de termos na Corregedoria Nacional de Justiça um jovem ministro do STJ, Humberto Eustáquio Martins que, se quiser,  tem força para puxar a casaca dessa gente.

Veja como essa judicialização continua: o senador gaúcho Lasier Martins - por sugestão do senador cearense Tasso Jereissati - entra com pedido no STF para impor voto aberto na eleição de presidentes da Câmara e do Senado. Em português claro, é um parlamentar espancando a Constituição ao pedir a intervenção de um Poder no seu próprio Poder para constranger seus colegas. É assim que a roda gira.

O relator do pedido de Lasier será o ministro Marco Aurélio Mello. E a independência, a separação e a harmonia dos Poderes, desenhadas por Montesquieu, aguardam com apreensão sua decisão.

13º salário dos alagoanos poderá ser antecipado para sexta-feira (14)

Divulgação 4128af27 7096 45c9 a677 e0b5f16cb9b4 Salário

Durante uma entrevista à imprensa na manhã desta quinta-feira (13), o governador Renan Filho disse que vai “se esforçar ao máximo” para pagar o 13º aos alagoanos nessa sexta-feira (14).

Segundo ele, na tarde de hoje, ele vai fazer um esforço de “operacionalização” já que a data do dia 15 cai no sábado.

“Vi que dia 15 cai no sábado e vou tentar ao máximo resolver isso hoje para pagar já amanhã”, ressaltou o governador.

Paulão comemora arquivamento do projeto Escola sem Partido

TV Câmara/Arquivo 209a65c2 56af 46cd 9075 9439f7d8d21c Deputado federal Paulão

O projeto “Escola sem Partido” foi votado na Câmara dos Deputados, na terça-feira (11), e foi arquivado. O deputado federal Paulão (PT) comemorou nas redes sociais e disse que foi uma grande vitória.

“Vitória! Projeto ‘Escola sem Partido’ não passa mais este ano. Conseguimos resistir na Câmara contra a imposição da mordaça”, escreveu o deputado no Twitter.

Na reunião desta terça-feira (11), o presidente da comissão, deputado Marcos Rogério (DEM-RO), anunciou que não vai mais convocar reuniões, em razão da constante falta de quórum e da agenda apertada de fim de ano. Ele também disse que os novos deputados querem participar do debate. “Eu recebi o apelo de muitos parlamentares novos para participar dessa comissão. Eles não gostariam que nós votássemos agora. Eles pediram que esse tema ficasse para o próximo ano”, informou.col

Sargento Ramalho é chamado para assumir vaga na Câmara de Vereadores

CadaMinuto/Arquivo D2393a1a be65 4db8 a615 58a27d205a80 Sargento Marcos Ramalho

O sargento Marcos Ramalho (PC do B) poderá ser o próximo a assumir uma cadeira na Câmara dos Vereadores depois que foi convocado para assumir a vaga de Galba Netto (MDB), licenciado para dirigir o Procon estadual.

O chamamento feito ao sargento ocorreu depois que outros suplentes não assumiram a vaga. De acordo com a Câmara, ficou como 4º suplente da coligação, precedido por Aroldo Martins, que se elegeu deputado federal pelo Paraná; César Lira (PSD), que tomou posse, mas também se licenciou para assumir o Incra em Alagoas, e a primeira suplente Ana Hora (PSD), que foi efetivada como vereadora, após o assassinato de Silvânio Barbosa.

Ramalho tem 30 dias para assumir o mandato.

Renan Calheiros diz que João de Deus é "patrimônio do país"

Foto: Reprodução 4dc94dfb 5d90 4afd b101 d641f00eed2a Renan Calheiros

O senador Renan Calheiros disse que o médium João de Deus, acusado de abuso sexual, deve ser investigado, mas “jamais prejulgado, sagrando em vida”, por ser patrimônio do país, da espiritualidade, cura e crença.

A declaração foi postada pelo senador em suas redes sociais. Renan ainda afirmou que o médium não é um Roger Abdelmassih- médico acusado de abusar sexualmente de diversas pacientes- que ele não é o maior problema do Brasil e que deve continuar curando a sociedade, que “parece mais doente e odienta”, até pelo menos o trânsito em julgado.

Até a esta segunda-feira (10) o Ministério Público de Goiás havia recebido o contato de pelo menos 40 mulheres que afirma terem sido vítimas de João de Deus. Os contatos foram feitos através de e-mails, mas todas serão ouvidas pela polícia nos próximos dias.

Confira o post do senador:

 

Comercial (82) 3313.6040 (82) 99812.2189 comercial@cadaminuto.com.br
Redação (82) 3313.2162 (82) 99664.2221 cadaminutoalagoas@hotmail.com