Coluna Labafero

Senador Magno Malta chega a Maceió para "representar" Bolsonaro

Wadson Correia 1270064359dsc0748 Senador Magno Malta

O senador Magno Malta (PR-ES) [que não conseguiu se reeleger nas eleições deste ano] já está em Maceió para representar o candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL).

Magno foi recebido por eleitores do Bolsonaro no aeroporto Zumbi dos Palmares, em Maceió.

Na tarde de hoje, Magno vai participar de um encontro com lideranças e apoiadores de Bolsonaro em um hotel na parte baixa da capital.

 

JHC promete reagir contra ação ingressada pelo Psol para restringir mensagens no Whatsapp

Assessoria 24d29d55 6e9c 46c6 a685 3b754be70148 Deputado JHC

Recentemente, uma pesquisa apontou que apenas 8% do conteúdo compartilhado através dos grupos de Whatsapp é vedadeiro. Nestas eleições, por exemplo, as fakes news estão dominando a internet, principalmente através da rede privada.

No entanto, uma ação ingressada pelo Psol causou reação imediata do deputado federal JHC. O partido pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que determine restrições no aplicativo para combater as fake news. Indignado, JHC afirmou que como coordenador da Frente pela Internet Livre não deixará que ocorra essa agressão à liberdade individual. 

O que sabemos é que a questão das notícias fake news tem gerado bastante debate, principalmente  pelos atos de violência registrados após os compartilhamentos. Qual será a posição do TSE?

Renan diz que não é candidato à presidência do Senado: "Não cogito"

Foto: Congresso em Foco 54a74726 d13c 4156 83b9 f7b42250b4cb Renan Calheiros

Reeleito, o senador Renan Calheiros (MDB) afirmou, via redes sociais, que não é candidato à presidência do Senado, desmentindo as informações que vêm sendo ventiladas nos bastidores políticos e jornalísticos locais e nacionais.

“Não cogito e não quero. Já fui presidente 4 vezes, sendo o senador que mais se elegeu para esse cargo desde a redemocratização. A presidência não pode ser um fim em si mesmo e não há escassez de bons nomes”, frisou Calheiros, sem citar possíveis candidatos.

Sobre a conversa em torno da presidência, finalizou: “Essa agonia é para fevereiro”.

Saiba o motivo de Rodrigo Cunha não votar em Bolsonaro

Foto: Ascom ALE 593518fe 0ea8 4e08 bcd7 7a05fcb197a6 Rodrigo Cunha

Em conversas com amigos mais próximos, o senador eleito por Alagoas, Rodrigo Cunha (PSDB), afirmou não votar no candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL). O motivo seria porque o então deputado votou contra a cassação de Talvane Albuquerque, acusado de ser o mandante do assassinato de sua mãe, Ceci Cunha.

A sessão que invalidou o mandato de Talvane Albuquerque, na época deputado pelo (PTN-AL), aconteceu em abril de 1999.  O placar registrou 427 votos a favor da cassação, 29 contrários, 21 abstinências e um voto em branco.

Bolsonaro foi o único parlamentar que se declarou contrário a cassação durante a sessão. O presidenciável alegou, na época, que o processo na Justiça sobre a investigação ainda estava em andamento e caso Talvane fosse inocentado todos que votassem a favor se sentiram culpados.

“Quero saber aqui quem nunca teve contato com um marginal”, justificou Bolsonaro na ocasião.

Ceci Cunha foi morta a tiros no dia de sua diplomação como deputada federal, em 16 de dezembro de 1988, junto com o marido e outros dois familiares.  O acusado, Talvane Albuquerque era o primeiro suplente da deputada e, de acordo com a denúncia do Ministério Público, queria seu lugar na Câmara Federal.

Albuquerque foi condenado a mais de 100 anos de prisão, passou 14 anos respondendo ao processo em liberdade e em janeiro de 2012 teve a prisão preventiva decretada.

Com motivos para não votar em Bolsonaro, Rodrio Cunha também já declarou que não votará em Fernando Haddad (PT) e que se manterá neutro neste segundo turno para eleição presidencial.

Em entrevista recente a TV Assembleia, Cunha disse que um dos candidatos falta com respeito a classes, segmentos sociais e incentiva a violência. Enquanto o outro defende o partido acima de tudo e não reconhece eventuais erros cometidos pela sigla.

"Quem me conhece, sabe que não concordo com a violência. Portanto, sabe também que trabalho no combate à corrupção. A gente precisa discutir o nosso país. Melhorar o nosso Brasil. A discussão se é esquerda ou de direita não nos levar a lugar nenhum", declarou o parlamentar.

 

Diferença de votos entre Bolsonaro e Haddad é de 21,8%, aponta pesquisa

730dc6f1 7db6 4fbe bfbd 7932ef2a7bff

Segundo a pesquisa da Crusoé divulgada nesta quarta-feira, dia 17, o candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) venceria a eleição com uma diferença de 21,8% de votos à frente de Fernando Haddad (PT).

Na pesquisa realizada pelo Instituto Paraná, Bolsonaro tem 60,9% dos votos válidos e o candidato Fernando Haddad aparece com 39,1%.

O candidato do PSL obtém o maior número de votos na região Sul com 63% dos votos contra 24,8% de Haddad.  No Sudeste Bolsonaro aparece com 57,6% dos votos e Haddad com 29,6%. No Norte e Centro Oeste Bolsonaro segue liderando com 62,1% dos votos seguido por Haddad com 25,1%.

O Nordeste é a única região onde o candidato do PT fica na frente com 50,9% dos votos e o candidato do PSL tem 34,8%.

Na intenção de voto estimulado Jair Bolsonaro tem 52,9% das intenções de votos e Fernando Haddad tem 33.9%.

Daqui a onze dias as urnas vão confirmar ou não o que as pesquisas tem apontado.

Entre Haddad e Bolsonaro, políticos alagoanos declaram seus votos

Agência Brasil A533986f 3361 4481 8488 ddbdaa7244b0 Bolsonaro e Haddad

Alguns candidatos estão preferindo manter o silêncio sobre o voto para presidente neste segundo turno, com a divisão do país entre Fenando Haddad e Jair Bolsonaro. Porém, alguns outros já deram suas opiniões e tentam convencer eleitores a embarcarem nas ideias de determinado candidato.

Desde o primeiro turno, já era nítido o apoio de Renan Calheiros e Renan Filho ao candidato do PT. A dificuldade agora é fazer com que haja uma transferência de votos, principalmente na capital, onde Haddad perdeu para Bolsonaro.

Mas se o apoia influencia, na capital Bolsonaro ganhou o voto declarado do prefeito Rui Palmeira, juntamente com seu secretário de Saúde Thomaz Nono. Outro nome da mesma base aliada é Rodrigo Cunha, mas este preferiu se manter neutro.

Quem será o próximo a declarar o voto?

 

 

Renan Calheiros quer liderar oposição a Bolsonaro desde o início, diz blog

Foto: Senado Federal 10990922 b0e9 4bda b447 d78ddde8f6d9 Renan Calheiros

Segundo o blog Antagonista o senador Renan Calheiros quer posicionar sua oposição a Jair Bolsonaro caso ele consiga se eleger para presidente.

A pretensão de Calheiros é retornar à presidência do Senado e com isso pode enfrentar a resistência de Bolsonaro. Ainda segundo o blog, ele garantiu ter 40 votos entre os senadores do PT e PSDB.

 “Renan avalia que o eventual governo de Jair Bolsonaro vai fazer água a partir do segundo semestre de 2019. O emedebista já quer se posicionar como oposição desde o início. Acha que terá todos os votos de senadores do PT e do PSDB.”

 

Ana Amélia cita aliança com Renan para ilustrar incoerência do PT

Agência Senado/Arquivo 4b2ddaf8 755c 49a0 acb7 16508109467c Senadora Ana Amélia

Em pronunciamento no Senado, a senadora Ana Amélia (PP), que disputou a vice-presidência na chapa encabeçada por Geraldo Alckmin (PSDB), citou a aliança de Fernando Haddad (PT) com Renan Calheiros (PMDB), em Alagoas, para ilustrar o que classificou de “incoerência” do Partido dos Trabalhadores.

“Cheguei à conclusão de que o PT, o Partido dos Trabalhadores, hoje se transforma numa melancia: verde por fora e vermelho, muito vermelho, por dentro”, afirmou durante discurso na quinta-feira passada, dia 11, onde criticou as mudanças adotadas pela campanha de Haddad.

Frisando que não estava fazendo apologia a Jair Bolsonaro (PSL), a quem declarou apoio, Ana Amélia disse ainda que o PT tentou transformar os apoiadores do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff em “golpistas”, mas, eles que “se abraçaram a Renan Calheiros, como unha e carne, uma relação carnal com os golpistas, porque havia o interesse do apoio do Renan Calheiros ao candidato Fernando Haddad”.

 “É assim a incoerência daqueles que, um dia, dizem e fazem uma coisa e, no outro dia, negam e desfazem tudo o que fizeram na véspera”, concluiu.

Calheiros devem “fazer” candidato a prefeito em Maceió

Lisa Gabriela/CM 828c1632 aa98 46a9 8d9a 034ce019a861 Maurício Quintella, Renan Filho e Renan Calheiros

Engana-se quem acredita que algum dos “políticos tradicionais” terá o apoio do governador Renan Filho ou do senador Renan Calheiros na eleição para a prefeitura de Maceió em 2020.

A intenção do governador e do senador é que seu candidato sejaalguém ligado a sua gestão, e que preferencialmente não seja nenhum político com mandato.

Oficialmente tanto o governador, como o senador, dizem que “está muito cedo” para qualquer conjultura, mas pelo menos três nomes já são citados entre os aliados. Todos novatos na política.

Renan Filho fará coletiva para destacar resultados e ações na Segurança Pública

Foto: Cada Minuto / Arquivo 198c9c17 96f9 4bc5 a6ce 6db64607e919 Renan Filho

O governador reeleito Renan Filho irá realizar uma coletiva de imprensa para apresentar os indicadores de mortes violentas em Alagoas. Na ocasião, a gestão dará detalhes sobre os números registrados em setembro e apontar a redução da violência ao longo do ano.

Uma das marcas do governo Renan Filho foi o investimento aplicado maciçamente na segurança pública do Estado, o que também contribui para a aprovação de sua gestão e, consequentemente, sua vitória nas urnas como um dos governadores mais votados do país.

Recentemente, a Secretaria de Segurança Pública de Alagoas (SSP) apontou uma redução 70% no número de assaltos a ônibus no mês de setembro.

Na segunda-feira (15) a cúpula da SSP e o governador devem apresentar outros resultados e destacar o trabalho da gestão, aprovada por 791.816 eleitores.

O encontro aconte às 9h, no Salão de Despachos do Palácio República dos Palmares.

 

Comercial (82) 3313.6040 (82) 99812.2189 comercial@cadaminuto.com.br
Redação (82) 3313.2162 (82) 99664.2221 cadaminutoalagoas@hotmail.com