Pré-candidata vítima de atentado é transferida do HGE para um hospital particular de Maceió

Redação|
Lérida Lôbo
Lérida Lôbo / Foto: Reprodução / Instagram

A médica veterinária e pré-candidata a deputada estadual, Lérida Lôbo Gomes Vitonino, 49 anos, vítima de um atentado a tiros, na noite dessa quinta-feira (4), foi transferida do Hospital Geral do Estado (HGE), para um hospital particular de Maceió.

Lérida foi baleada por volta das 19h20 quando saia da ONG que administra, na Rua Santa Quitéria, no Centro de Joaquim Gomes, interior de Alagoas. O marido dela, José Adilson da Silva, estava com ela no momento do atentado, foi atingido por disparos e faleceu em decorrência dos ferimentos.

O HGE confirmou, por meio de boletim médico, a transferência de Lérida Lobô da unidade para um hospital particular; leia a íntegra da nota:

"Boletim Médico
Lerida Lobo Gomes Vitorino

O Hospital Geral do Estado (HGE), em Maceió, informa que a paciente Lerida Lobo Gomes Vitorino, de 49 anos, foi transferida para um hospital privado nesta sexta-feira (05). Ela foi admitida nesta quinta-feira (04), às 19h48, com ferimento causado por arma de fogo."

Mais cedo, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) divulgou, os primeiros resultados das investigações do homicídio e da tentativa de homicídio, contra a veterinária e o marido dela. Segundo a polícia, o crime foi motivado por vingança. 

Conforme a força-tarefa montada para apurar o crime contra José Adilson e Lérida Lôbo foi cometido por três irmãos filhos de um senhor identificado como José Ferreira, que foi assassinado há cerca de cinco meses na mesma cidade.

Ainda de acordo com as diligências, os indivíduos teriam tramado o crime por suspeitarem que José Adilson, também conhecido como “Galeguinho”, teria sido responsável por matar o pai deles, que morava ao lado do abrigo de animais mantido por Lérida, após uma discussão entre os dois. Uma execução planejada de forma minuciosa. O inquérito sobre o assassinato do idoso ainda não foi concluído, mas por enquanto, não há comprovação do envolvimento de José Adilson.

As investigações, que estão sob a coordenação do delegado Tales Araújo, também fizeram as equipes chegarem a um quarto envolvido, que foi preso pela Polícia Civil em Arapiraca após confessar que alugou para o trio o veículo usado no crime dessa quinta. Este indivíduo fez o repasse do carro no município de Cajueiro para um dos irmãos, que mora em Palmeira dos Índios.

Logo após a força-tarefa começar os trabalhos, os policiais civis e os militares do 10º BPM conseguiram monitorar o caminho feito pelo veículo após o crime contra o casal até a cidade de Palmeira dos Índios com a ajuda de câmeras de circuitos de segurança. A placa do veículo também foi anotada por testemunhas, o que também ajudou a chegar ao indivíduo que alugou o carro.

Os três irmãos foram encontrados em Palmeira dos Índios. Com a aproximação das equipes, os indivíduos efetuaram disparos contra as guarnições, que responderam. Um deles ficou ferido ainda no local, foi socorrido para uma unidade de saúde, mas não resistiu e veio a óbito. O segundo que também veio a falecer foi encontrado numa área de mata nas proximidades de onde o trio estava. O terceiro envolvido, identificado como Sandro, conseguiu fugir. A Polícia Civil já está com os procedimentos para representá-lo junto à Justiça.

Na ação, os policiais apreenderam o carro e duas armas, uma pistola e um revólver, que foram usadas no cometimento do crime.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados