Confira o voto dos senadores alagoanos na aprovação da LDO que triplica fundo eleitoral

Redação|
Fernando Collor, Renan Calheiros e Rodrigo Cunha, senadores por Alagoas.
Fernando Collor, Renan Calheiros e Rodrigo Cunha, senadores por Alagoas. / Foto: Reprodução / Internet

A bancada alagoana no senado se dividiu ao votar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), nesta quinta-feira (15). A lei estabelece as diretrizes para a elaboração do Orçamento de 2022, incluindo as previsões de receitas e despesas e a meta fiscal. 

Uma das proposições aprovadas e que tem gerado muita polêmica, foi a ampliação dos recursos para o Fundo Especial de Financiamento de Campanha, o famoso fundo eleitoral, que é destinado ao financiamiento de campanhas políticas, que teve o valor quase triplicado. Passou de R$ 1,8 bilhões para R$ 5,7 bilhões.

Outra proposição aprovada pelos parlamentares refere-se ao salário mínimo. De acordo com o texto, o salário mínimo do ano que vem será de R$ 1.147, ou seja, um reajuste de apenas R$ 47,00. A projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2022 é de alta de 2,5%, mantendo os parâmetros macroeconômicos enviados no texto original do Executivo.

No Senado, a LDO 2022 foi aprovada com 40 votos a favor e 33 contra. Oito parlamentares estavam ausentes e não votaram

Confira como votaram os senadores alagoanos: 

  • Fernando Collor (Pros) - votou SIM;
  • Renan Calheiros (MDB)- não participou da sessão, estava ausente em razão da CPI da Covid;
  • Rodrigo Cunha (PSDB) -votou Não

A votação foi feita de forma nominal, a pedido do Podemos. O partido havia apresentado um destaque para a votação em separado dessa parte do texto, mas o pedido foi derrubado na Câmara. Segundo o Podemos,  o registro serviria para marcar a “impressão digital” dos que aprovassem o aumento.

Confira como funciona o Fundo Eleitoral:

Os partidos têm, atualmente, duas fontes de recursos públicos para financiar as campanhas e as atividades cotidianas: o Fundo Eleitoral e o Fundo Partidário. O primeiro é uma criação das Leis 13.487 e 13.488, de 2017, e é a principal fonte para a realização das campanhas eleitorais. Já o Fundo Partidário, distribuído anualmente, foi instituído em 1995 pela Lei 9.096 e visa cobrir as atividades frequentes das legendas.

De acordo com a legislação, os recursos do Fundo Eleitoral são distribuídos aos diretórios nacionais dos partidos, obedecendo a seguinte regra:

  • 2% entre todas as siglas, igualmente;
  • 35% entre os que têm ao menos um representante na Câmara, na proporção do percentual de votos obtidos na última eleição geral para a Casa;
  • 48% entre as siglas, na proporção do número de representantes na Câmara, consideradas as legendas dos titulares;
  • 15% entre os partidos, na proporção do número de representantes no Senado, consideradas as siglas dos titulares.

Pela lei, os partidos são obrigados a reservar, no mínimo, 30% do total recebido do Fundo Eleitoral para financiamento das campanhas femininas. Nesta semana, o Senado aprovou uma PEC que inclui essa regra, hoje expressa apenas na lei eleitoral na Constituição Federal.

 

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados