Foto: Reprodução
Universidade Federal de Alagoas (Ufal)

Um corte de aproximadamente 30% no orçamento de custeio da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), que representou uma perda inicial de R$ 42 milhões, levou a Universidade Federal de Alagoas (Ufal) a suspender por tempo indeterminado o pagamento das bolsas  de extensão concedidas pela instituição e pagas com esses recursos.

Em nota assinada pelo Gabinete do Reitor (GR), Pró-reitoria de Gestão Institucional (Proginst) e Pró-reitoria de Extensão (Proex), da Ufal, no dia 30 de abril de 2021, a Universidade destaca que os cortes foram promovidos na Lei Orçamentária Anual (LOA) 2021 sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro no dia 22 de abril.

Além do corte de R$ 42 milhões, a LOA estabeleceu o “supervisionamento” – ou contingenciamento – de cerca de 30% dos recursos de custeio, sem contar com a determinação, por meio do decreto  nº 10.686/2021, do Ministério da Educação (MEC) do bloqueio suplementar de 13,8% do orçamento de custeio de todas as instituições federais de ensino superior, inclusive da Ufal.

“Ainda estamos contabilizando as perdas da Ufal com o orçamento de 2021, uma vez que além do corte imediato ainda há a perspectiva de novos decretos de contingenciamento financeiro por parte do Ministério da Educação. Perdemos demais em recursos. A situação se agravou em muito, passamos quase quatro meses sem orçamento recebendo repasses a conta-gotas, e agora recebemos a notícia desta redução drástica e acentuada. Estamos trabalhando para reduzir ainda mais os custos e poder voltar com as bolsas de extensão o mais rápido possível. Temos um compromisso público com a educação superior gratuita e de qualidade com o pagamento de bolsas a nossa comunidade extensionista. Lamentamos demais esta situação e estamos trabalhando para revertê-la” afirmou o reitor Josealdo Tonholo.

Diferente das bolsas de assistência estudantil, que possuem recursos federais próprios garantidos pelo Plano Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes), as bolsas de extensão da Ufal são custeadas pela própria universidade, com seus recursos de custeio. “A determinação é buscarmos novas fontes de financiamento e parcerias para lançarmos novos editais e reativarmos o fomento à extensão universitária mediante pagamento de bolsas o mais rápido possível. Infelizmente, o corte no orçamento nos deixou em uma situação muito difícil. Mas em breve queremos relançar nossos editais extensionistas. Esta retomada é uma determinação de todos os que fazem a gestão da Ufal” disse o pró-reitor de Extensão, professor Clayton Santos.

Os valores em abertos e em atraso com os bolsistas atuais serão honrados e pagos pela universidade, em cronograma de pagamento a ser divulgado em 28 de maio no site da instituição. 

 

*Com Ascom Ufal