Foto: Minnie Santos

Após um ano de atividades remotas dos servidores estaduais, Alagoas economizou cerca de R$ 44 milhões de reais. Devido a pandemia do coronavírus, para proteger a saúde do funcionalismo e conter o avanço do contágio, desde março de 2020, a Secretaria do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag) determinou o teletrabalho para os funcionários. O valor será destinado à implementação de políticas públicas no Estado. 

De acordo com Gabriel Albino, secretário especial de Planejamento e Orçamento da Seplag, a principal economia de recursos, nesse período, veio a partir das despesas operacionais das secretarias e órgãos da administração pública. 

“Nos últimos 12 meses, de abril de 2020 a março de 2021, considerando a execução orçamentária de todos os poderes, houve uma redução equivalente a aproximadamente R$ 44 milhões em despesas com o fornecimento de água, energia, combustível, diárias, passagens e material de expediente”, explica Albino. 

O montante economizado acaba retornando para a própria população, já que é realocado para o custeio e implementação de políticas públicas finalísticas de interesse social em todo o estado de Alagoas. Segundo o secretário, outro fator a se levar em consideração nesse contexto é que o formato de trabalho responsável por essa economia só pôde ser aplicado em parte da administração pública. 

"Importante salientar que o valor não representa a dinâmica de todos os órgãos nesse período já que, mesmo com a pandemia, alguns tiveram de continuar em pleno funcionamento, a exemplo da Secretaria de Saúde e das forças de segurança”, pontua o secretário. 

Para Fabrício Marques Santos, secretário do Planejamento e Gestão, a economia é indispensável para dar o subsídio necessário às entregas do Estado, algo que pode fazer a diferença principalmente nos períodos mais críticos da pandemia em Alagoas. 

“O teletrabalho foi e está sendo uma realidade muito diferente para o funcionalismo, mas com o engajamento de todos, temos conseguido dar andamento aos projetos e concretizar importantes avanços, mesmo durante um momento difícil como esse. Essa economia reflete também muito dos esforços que tivemos de fazer nesse período e, sem dúvidas, nosso grande objetivo é retornar esse recurso em políticas públicas mais estratégicas para atendimento das demandas da população alagoana”, afirma Fabrício.

*com Agência Alagoas