Foto: Reprodução/RPC

Uma das sobreviventes do acidente com um ônibus na BR-376, em Guaratuba, no litoral do Paraná, disse, nesta quarta-feira (27), que percebeu que o veículo iria virar. 19 pessoas morreram e mais de 30 ficaram feridas após o ônibus tombar às margens da rodovia.

"Eu percebi que já ia virar. Todo mundo percebeu. Eu só lembro de vir mochila, vidro, tudo perto de mim", disse Patrícia Macedo dos Santos.

O acidente aconteceu na manhã de segunda-feira (25). O ônibus virou após após bater na mureta de contenção da rodovia.

De acordo com Patrícia, o ônibus estava andando em alta velocidade no trecho da Serra do Mar.

"Se aproximou da serra, ele acelerou muito o ônibus, muito mesmo", disse a passageira.

O motorista disse à polícia, em depoimento na segunda-feira (25), que perdeu o freio do veículo.

Ele também falou que tentou entrar na área de escape que tem na rodovia, cerca de um quilômetro antes do ponto do acidente, mas que não conseguiu entrar no local porque havia uma caminhão ao lado direito dele, impedindo a passagem.

Imagens de câmeras de monitoramento da concessionária que administra a rodovia mostram o ônibus passando pela área de escape.

O vídeo mostra que a área de escape está à esquerda do ônibus, e que há dois carros entre o veículo e a entrada da área.

A Polícia Civil afirmou que está investigando o caso, e que uma perícia vai identificar se houve falha mecânica ou humana.

Conforme a Polícia Civil, os 19 corpos foram levados para o Instituto Médico-Legal (IML) de Curitiba para o Pará.

Na noite de terça (26), o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), informou, em suas redes sociais, que o avião fretado pelo estado para trazer os paraenses vítimas do acidente irá chegar a Belém na quinta-feira (28), à 0h30.

Problemas

A passageira disse que pagou R$ 400 na passagem, e que iria de Belém a Florianópolis, onde se encontraria com uma amiga e tentaria arranjar um emprego.

Ela falou que o ônibus vinha apresentando problemas ao longo da viagem. "Já estava apresentando problema desde Belém", disse ela.

A empresa TC Pires da Cruz, proprietária do ônibus, disse que veículo passou por revisão técnica e mecânica em dezembro de 2020, gerando o Laudo de Inspeção Técnica (LIT), exigido pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

A empresa também afirmou que o ônibus tinha sido fretado por uma outra pessoa.

Tragédia

O acidente aconteceu na altura do km 668, no trecho conhecido como Curva da Santa, no Paraná, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

De acordo com a passageira Patrícia dos Santos, as vítimas mais graves estavam na parte de cima do ônibus. Ela estava na parte inferior do veículo, sentada próxima ao banheiro.

"Quebrou tudo. Quem sobreviveu foram as pessoas da parte de baixo", disse.

Patrícia teve ferimentos leves. Ela chegou a ser encaminhada para o hospital, mas teve alta no mesmo dia do acidente.

Ela disse que, depois da tragédia, não quer mais ficar em Santa Catarina, para onde estava se mudando.

"Eu vou voltar pra casa. Eu estou muito mal. Eu não consigo ficar aqui", disse.

O que diz a empresa

A empresa de turismo dona do ônibus afirmou que o veículo foi fretado por uma terceira pessoa.

A TC Turismo disse que foi até o local do acidente para prestar auxílio às vítimas e que está providenciando um meio de comunicação para prestar informações aos familiares.

"A TC Pires da Cruz informa que prestará todo apoio necessário às vítimas e familiares e não medirá esforços para amenizar a dor de cada um dos paraenses envolvidos no acidente, assim como a dos seus entes queridos, neste momento tão difícil para todos", disse a empresa em nota.