Reprodução
Médico virologista Maurício Lacerda Nogueira

A reação inusitada do médico virologista Maurício Lacerda Nogueira, pesquisador e professor da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp), ao responder - de forma direta, curta e com um palavrão - uma publicação do Facebook sobre a aplicação da vacina contra o coronavírus acabou viralizando na web.

O “teu c*”, escrito pelo professor em resposta a uma afirmação falsa de que duas pessoas teriam morrido após serem vacinadas com a CoronaVac virou meme entre os internautas. Em entrevista ao UOL, Nogueira afirmou que a resposta não foi planejada, mas representou o que muitas pessoas pensam e querem dizer em manifestação contra o negacionismo. "Acabou a paciência que nós temos em relação à negação da ciência, à negação da pandemia, e também à pandemia de fake news, que é pior ainda do que a pandemia [da covid-19] que estamos vivendo", afirmou.

No dia em que perdeu a compostura, ele contou que a Famerp debatia a realização de uma campanha de vacinação. No horário do almoço, Nogueira saiu para comer em um restaurante, sozinho. "Enquanto eu esperava a refeição, abri o Facebook para passar o olho, ver se achava alguma coisa para dar uma risada. Então eu vejo aquela postagem. E ali foi uma resposta que não veio do cérebro, ela veio do fígado. Respondi e esqueci completamente, jamais imaginei que alguém ia perceber, disse.

Chefe do laboratório de virologia da Famerp, Nogueira é Doutor em Microbiologia e coordena os estudos de diferentes vacinas contra o coronavírus na cidade de São José do Rio Preto, entre elas a da farmacêutica belga Janssen e a CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

O virologista disse que sua intenção não foi fazer a defesa de uma vacina específica, mas, sim, da ciência. "Então, no fim das contas, não adianta ter a minha qualificação toda. Eu tenho que falar mais alto? Pois é, falei mais alto", diz o pesquisador.

"Acho que a mensagem foi dada naquele momento. Vamos voltar às argumentações técnicas. O frustrante é que isso continua não valendo porque a liderança brasileira não vale. Temos um presidente da República que nega a ciência", complementa.

Nogueira diz que não pretende "sair por aí xingando todo mundo", mas reage com humor, classificando a resposta que viralizou como a "obra mais citada" em sua vida.

Utilizar as redes sociais para defender a importância e a valorização da ciência e do pesquisador no país já fazia parte da rotina do professor, mas ele garante que agora, com o nome conhecido por causa da viralização, continuará fazendo essa campanha de conscientização. “Nós temos que valorizar as informações corretas e a ciência. Esse é o ponto-chave. É a única forma de sairmos disso. Não é fazendo intriga e criando realidades alternativas”, afirmou. "O que me levou à resposta [da postagem] foi uma acusação de morte relacionada à vacina, que é absolutamente mentirosa. O que aquela pessoa está fazendo é um crime contra a saúde pública. Alguém vai responsabilizá-la?", complementou.