Arquivo/CM
Arnóbio Cavalcanti

Com quase seis anos à frente da Algás, Arnóbio Cavalcanti Filho não será mais o presidente da distribuidora alagoana de gás natural. O comunicado foi feito pelo Governador Renan Filho ao Conselho de Administração da Algás. A indicação do Governador para o cargo é José Ediberto de Omena, que atualmente preside o Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores do Estado de Alagoas – Ipaseal.

A Algás é uma empresa de economia mista, que tem como acionistas o Estado de Alagoas, a Gaspetro, subsidiária da Petrobras, e a holding japonesa Mitsui Gás e Energia do Brasil. Com uma diretoria executiva composta por três diretores, indicados por cada um dos acionistas, a Algás tem desenvolvido ao longo dos anos boas práticas de gestão, compliance e governança corporativa.

Arnóbio deixa a Companhia com um legado importante: nos últimos cinco anos a Algás investiu R$ 123 milhões e construiu 155 km de rede de distribuição. Tais números correspondem a cerca de 50% dos montantes investidos desde a criação da empresa, em 1993. Dentre os projetos, destacam-se a construção do Gasoduto Penedo – Arapiraca e a duplicação do Gasoduto Pilar – Marechal Deodoro.

Com um futuro promissor, Arnóbio deixa a empresa com o sentimento de missão cumprida. “A Algás é uma peça importante para contribuir com os vetores de desenvolvimento de Alagoas. Quero agradecer ao Governador Renan Filho por nos permitir fazer tanto e sempre de forma ética e responsável”. Com a saída da Algás, Arnóbio se despede também da presidência do Conselho da Abegás, outrora eleito para a gestão 2020/2023.

A partir de 2021 até o final da concessão de distribuição de gás em Alagoas, com término em 2043, a Algás planeja investir no Estado cerca de R$ 405 milhões e construir 820 km de rede de gás em obras como o novo Gasoduto Rio Largo – Messias.