Foto: Assessoria
Hermerson Casado

No Dia do Estudante além das comemorações há também muito o que reivindicar. Principalmente em questões de acessibilidade para inclusão de pessoas com deficiência nas diversas etapas do ensino.

De acordo com os dados do Ministério da Educação o número de evasão de estudantes deficientes nas escolas é alto e isso ocorre porque muitas unidades de educação não estão preparadas para acomodar e dar assistência adequadas para crianças, adolescentes, jovens e até adultos.

Diante deste cenário o pré-candidato a vereador por Maceió, o médico Hemerson Casado, expõe que é obrigação dos poderes público garantirem acessibilidade para inclusão de pessoas com deficiência nas unidades públicas de ensino.

“O poder municipal tem obrigação de ofertar as condições ideais para que o aluno especial tenha os seus direitos de aprendizagem assegurados. Não apenas na infraestrutura, mas, principalmente, com educadores qualificados para o ensino de alunos com algum tipo de deficiência. Isso envolve salários, benefícios, treinamentos e escolas de formação na especialidade; como também, programas de saúde adequados que possam atender esses estudantes”, expõe Casado.

Na rede de educação pública de ensino municipal de Maceió o número de alunos com deficiências vem crescendo a cada ano e atualmente já há mais 3,5 mil estudantes que necessitam de assistência especial segundo os dados da Secretaria Municipal de Educação.

Entre eles estão alunos do Ensino Fundamental, da Educação infantil e da Educação de Jovens, Adultos e Idosos (Ejai). Os tipos de deficiência englobam auditiva, múltipla, física, intelectual, autismo infantil, Síndrome de Rett, altas habilidades/ superdotação, cegueira, Síndrome de Asperger, surdez, baixa visão e Transtorno Desintegrativo da Infância.

Convivendo com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), doença rara e incurável que leva à paralisia motora progressiva, desde 2012, o médico Hemerson Casado, que atualmente é aluno do Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), defende políticas para acessibilidade e inclusão na educação para todas as pessoas com deficiência.

Assim, entre suas propostas de atuação caso seja eleito como vereador de Maceió está o fortalecimento de políticas e ações que possam colaborar com as estruturas e profissionais que atuam nas escolas públicas municipais de Maceió.

“Os serviços públicos deveriam estar em um patamar igual ou melhor que os serviços privados. Porém, a falta de valorização do gestores, usuários e prestadores de serviços resultam em problemas. Portanto, só será possível reverter o atual quadro a partir da integração de todos. Só assim o ensino fundamental e as creches terão nos municípios as condições para atender as comunidades mais carentes e os portadores de necessidades especiais”, completa.