Foto: Thiago Luiz/CM/Arquivo
Josan Leite

O lançamento e divulgação oficial da pré-candidatura do engenheiro Josan Leite pelo partido Patriota à Prefeitura de Maceió foi marcado por discursos voltados para a importância do conservadorismo, o respeito à família e o combate à velha política. O evento aconteceu na manhã desta sexta-feira (07), em Maceió.

Segundo Oliveira Júnior, fundador do Patriota, o partido traz o conservadorismo no estatuto, o respeito a família e pelo povo. Para ele, a chance da cidade mudar é fazendo a retirada dos que já foram e estão tentando voltar.

Foto: Thiago Luiz/CM

“Os que estão tentando voltar não mudam nada. Já vão chegar comprometidos com grupos e políticos do passado. Não queremos chegar ao poder com compromissos políticos e sim, com o povo, os que votam”, disse.

O presidente também disse que não querem um prefeito autoritário, mas que que ele seja ideológico. “É a linha que o Patriota trabalha. Lançando gente nova. Preferimos poucos, mas com qualidade”.

Sobre o apoio ao presidente Jair Bolsonaro, Oliveira disse que o partido continua apoiando o governo “sem acordo, sem cargo, sem espaço nenhum no Planalto”. Mas que apoia porque quer o melhor para o país.

O pré-candidato Josan Leite disse que estava no PSL, mas que o partido tomou um rumo que os pensamentos e ideologias não combinavam. “Eu fui convidado e fui apresentado ao Patriota. Fiquei pensando se era algum partido que queria legenda, mas estudei sobre o partido e vi as pessoas que estavam à frente. E aí percebi que esse era o melhor que eu poderia estar”.

Josan diz que “não podemos admitir que a política seja utilizada para instrumentalizar patrimônios” e que é preciso que as pessoas parem de pensar que devem escolher o menos ruim, o menos pior.

“A política é o mais nobre instrumento de modificação da sociedade. Estou na política para exercer uma missão”, finalizou.

*Estagiário sob a supervisão