Welton Roberto
Welton Roberto

As viúvas do Aécio

Welton Roberto|

As viúvas do Aécio querem tucanar a democracia. O que decidiu a maioria do país pouco importa para elas, o modelo republicano conquistado no Brasil a duras penas, também não. Cansadas de sofrerem derrotas democráticas nas urnas por meio do voto popular, onde cada um tem peso igual, sem discriminação de raça, sexo, idade, cor, cultura, padrões econômicos ou sociais, elas decidiram que vão impor a sua vontade a qualquer custo. Precisavam de um mote para isso e encontraram no discurso furado da corrupção o seu ideário macabro para tentar enxugar as lágrimas do seu interminável luto, hoje combalido e nefasto luto transformado em golpe.

 

Sim porque o debate que permeia a corrupção é sem confrontos. Ou será que alguém já se posicionou a favor da corrupção? Nem os corruptos assim se declaram. Ou seja, no discurso  míope em tons de moralismo puritano acerca da corrupção não existem dois lados. Há um só. O de que a corrupção precisa e deve ser combatida. Mas as viúvas do Aécio, por falta de leitura, informação, ou por pura má-fé, esqueceram de que a Polícia Federal no tempo do tucanato-mor só servia para tirar passaporte, e não era para todo mundo. Em 08 anos de gestão tucana a PF realizou apenas 48 operações, enquanto que na gestão do Partido dos Trabalhadores a PF realizou mais de 2 mil operações combatendo sistematicamente  a corrupção no país.

 

As viúvas do Aécio também fazem ouvidos moucos para a delação de Pedro Barusco que disse que a PROPINA NA PETROBRÁS teve início em 1997, ou seja, em pleno governo tucano. E onde estava a investigação para tanto?

 

Tucanaram a propina. Tucanaram a corrupção. Tucanaram a investigação. 

 

Ainda, Luis Nassif fez circular e-mail da Rede Globo de televisão onde se proíbia que divulgasse o nome de FHC e seus asseclas envolvidos na operação Lava-Jato, com a demonstração clara e inequívoca de que a corrupção só pode ter um lado.

Agora tucanaram a grande mídia. Tolinhos.

 

Ou seja, o luto das viuvinhas é seletivo. Choram por um olho só. O direito.

 

Na verdade nenhuma delas quer combater a corrupção. Indago: onde estavam estas viúvas quando o partido delas, no comando da Assembleia Legislativa do Estado de Alagoas, pagou regiamente fantasmas e mais fantasmas com dinheiro do povo alagoano? Talvez algumas delas recebendo sem trabalhar... Talvez tendo regalias no poder. Onde estavam as viuvinhas que não viram as centenas de pessoas aboletadas no gabinete do governo tucano por longos e miseráveis 08 anos de gestão em Alagoas que nos deixou um legado de desemprego, violência e o pior índice educacional do país?

 

O diário oficial do governo Renan Filho parecia a chamada do SISU quando “descomissionou” uma centena de apadrinhados que hoje declamam versos contra a corrupção.

Tucanaram os cargos comissionados em Alagoas. 

Vou mais além. Onde estavam as viuvinhas quando as empresas públicas foram sendo doadas uma a uma a preço de bolo de rolo no maior escândalo de apropriação indébita de patrimônio público deste país, conhecido como PRIVATARIA TUCANA? .

 

Nem uma fala, nem um cartaz as viúvas do Aécio produziram. Nada de revolta contra a corrupção sob estes pontos.

 

Agora, feitos maritacas no cio, as viúvas do Aécio inundam as redes sociais, whatsapp e tudo mais convocando os "honrados e honestos" cidadãos para um golpe, para um “impeachment” sem qualquer lastro jurídico, político ou motivacional para tanto, COM O ÚNICO INTENTO de achar que podem tucanar a democracia deste país.

 

Eu só não sei se conto para as viuvinhas ou deixo para contar depois que se houver o impecahment da Dilma, por pura hipótese pedagógica de exercício mental, que o Aécio não assume nada, e sim o Michel Temer, pois o Aécio, VIUVINHAS, perdeu as eleições.

 

Será que vai ser preciso desenhar?

 

SOBRE O AUTOR

Blog do Welton Roberto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados