A morte de um bebê e o luto silencioso para as mães: Como podemos ajudar?

15c6372e ed47 4f74 9647 997952f1681a

    Quando há um óbito em qualquer estágio da gestação, este tende a ser minimizado ou ignorado pela sociedade como se um bebê que nasceu e morreu logo em seguida fosse menos digno de compaixão.

      Os hospitais em si também não estão preparados para encarar o luto neonatal com um olhar humanizador e empático. A rede de apoio em torno da mulher muitas vezes não está pronta para lidar e acaba disparando palavras que agravam a dor da mulher-mãe-enlutada. Veja como podemos ajudar:

1. Jamais diga a mulher que virão "outros" filhos (ou pergunte se já estão "treinando")

2. Nunca subestime a dor da perda gestacional, cada pessoa reage de uma forma.

3. Não aja em relação aos pais enlutados como se nada tivesse acontecido.

4. Ponha-se a disposição e pergunte se pode ajudar de alguma forma.

5. Se a pessoa quiser falar sobre o assunto, esteja pronto para acolher e ouvir.

6. Se o bebê já tinha um nome escolhido, refira-se assim a ele (Ignorar o nome é fortalecer a idéia de que ele não tinha identidade própria).

7. Não diga que os pais precisam superar rapidamente.

8. Não julgue. Cada um sabe exatamente onde dói.

E o mais importante: Ponha-se no lugar do outro. Imagine como você se sentiria naquela situação e como gostaria de ser tratado.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Gestação, moda e consumismo: Até onde meu orçamento consegue acompanhar?

D926c21b 1728 48df 9401 e6b5afbf660e

     Antigamente o ato de gestar era, sobretudo, uma forma de reunir a família. Os eventos em torno disso fazia com que as mulheres se reunissem, preparassem os quitutes e tudo estava na mais perfeita ordem.

    Com o passar do tempo os costumes foram modificando. Os chás de bebês que antes eram uma simples reunião com o objetivo de montar o enxoval, passou a dar espaço a grandiosas festas com decorações elaboradas, personalizados e fotógrafos. Surgiu também o quase obrigatório book, o chá revelação e o costume de fazer um bolo por mês a cada novo aniversário do bebê (todos eles temáticos e profissionais).

     Obviamente, as pessoas que gostam e tem condições de realizar, irão gastar como bem entende e não há nenhuma crítica a isso.

     A questão central gira em torno daquelas mulheres pobres, com orçamento milimetricamente contado para a manutenção de sua casa. Até onde elas podem acompanhar e o quanto pode entristecê-las não poder seguir o bonde?

      Você não precisa se sentir aquém por não conseguir acompanhar o que a moda diz ou até mesmo fazer malabarismo para desembolsar um dinheiro que lá na frente irá fazer falta.

       Mais importante do que registros fotográficos e festas, é a preparação do lar, do parto (sobretudo) e das pessoas para receberem o bebê recém parido com aconchego. Gestação é um nascimento que acontece primeiramente de dentro pra fora, sem tantos holofotes. Gestação é sentimento.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Estupradas por homens e em muitos casos, violentadas também pela justiça.

     Foi preso na manhã de hoje Diego Novais de 27 anos ao atacar novamente uma passageira dentro do ônibus. Diego Novais protagonizou nesta semana uma cena de horror: Havia sido detido por ejacular numa passageira dentro de um transporte público em São Paulo e solto em seguida pelo fato do juiz não considerar como um evento constragendor à vítima.

    A decisão judicial, fundamentada no sólido e dolorido arcabouço do patriarcado, é reflexo de uma sociedade que não protege suas mulheres, que culpabiliza a vítima e que passa a mão na cabeça de homem violento. Neutralizar um caso de estupro é dar margem para que estejamos cada vez mais vulneráveis e sobretudo, a manutenção das mordaças para que tenhamos medo de denunciar e levar adiante.

     Diego Novais játinha outras quinze passagens na polícia por crimes sexuais contra as mulheres, confira algumas:

2017
12 de junho 
Local: Avenida Paulista
Vítima: de 20 anos
Encostou o pênis no ombro da mulher

1º de maio
Local: Alameda Santos
Vítima: 23 anos
Esfregou pênis na mão da mulher

2 de março
Local: Avenida Paulista
Vítima: 24 anos
Esfregou pênis no braço da mulher

19 de fevereiro
Local: Avenida Paulista
Vítima: 22 anos
Esfregou pênis na mão da mulher

2016
28 de novembro
Local: Avenida Paulista
Vítima: idade não informada
Se masturbou próximo a mulher

21 de novembro
Local: Metrô
Vítima: 17 anos
Esfregou pênis na adolescente

31 de outubro
Local: Avenida Brigadeiro Luis Antonio
Vítima: idade não informada
Esfegou pênis em passageira não identificada

2014
25 de novembro
Local: Cidade Ademar
Vítima: 21 anos
Quis tocar seios e ejaculou em ombro de mulher

2013
2 de fevereiro
Local: Avenida Washington Luiz
Vítima: 47 anos
Esfregou pênis no braço da mulher

2012
1º de agosto
Local: Americanópolis
Vítima: 23 anos
Sem informações detalhadas do que fez

17 de outubro
Local: Santo Amaro
Vítima: 27 anos
Mostrou pênis a mulher

2011
11 de fevereiro
Local: Rua Floriano Peixoto, Sé
Vítima: 22 anos
Sem informações detalhadas do que fez

6 de abril
Local: estação do Metrô Anhangabaú
Vítima: 33 anos
Sem informações detalhadas do que fez

30 de novembro
Local: Santo Amaro
Vítima: 27 anos
Sem informações detalhadas do que fez

2009
12 de dezembro
Local: Lapa
Vítima: 22 anos
Mostrou pênis para mulher

 

Todo repúdio ainda é pouco!

     

    

    

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Será que meu relacionamento é abusivo? Confira doze sinais.

Confira estes doze sinais de que você está num relacionamento abusivo:

1. Ele te sufoca, te controla e te isola dos outros em nome do amor excessivo.

2. Você abre mão de coisas, atitudes ou palavras por medo de como ele vá reagir.

3. Ele fere a sua autoestima.

4. Ele faz acreditar que você é uma mulher difícil de ser amada.

5. Ele faz com que você se sinta culpada pelos erros dele.

6. Em uma briga ele tenta te punir emocionalmente. Uma estratégia típica é o sumiço.

7. Se vocês mantém um relacionamento monogâmico e ele te trai (ainda que virtualmente), também está sendo abusivo.

8. Ele te xinga (observe também como ele se refere a sua ex. Cuidado! Se ele a chama de louca, provavelmente a próxima pode ser você).

9. Ele não comemora suas conquistas

10. Ele não te assume publicamente

11. Ele se coloca sempre numa condição superior ou se vitimiza a ponto de manchar a sua reputação para as pessoas do seu convívio

Ele não te bate mas usa de artifícios psicológicos e emocionais para te manter refém dele. Violência não é apenas física. Você, mulher, merece um amor limpo.

"Coragem, às vezes, é desapego"

Empodera-te, mulher!

 

 

 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

A mulher que acredita em uma revolução a cada parto humanizado

   Sou Carla Perdigão, doula e enfermeira pós graduanda em Obstetrícia. Militante do movimento feminista, atuante pelo empoderamento feminino. 
   Também sou ativista pelo parto humanizado e  acredito que é possível fazer uma revolução a cada nascimento respeitoso a fisiologia humana.
   Poeta nas horas vagas, carrego comigo  toda  ternura e a força  do que é ser uma mulher que pensa, escreve e luta.
   Inicio hoje, com um incomensurável prazer,  essa trajetória no CadaMinuto  através de um bate papo que leve  informação, fortaleça, empodere e fomente  o combate a todo e qualquer tipo de violência contra a mulher. 
   Porque desconstruir é possível e é preciso.

Vamos juntas?!
Até, lá!

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.
Comercial (82) 3313.6040 (82) 99812.2189 comercial@cadaminuto.com.br
Redação (82) 3313.2162 (82) 99664.2221 cadaminutoalagoas@hotmail.com