Após solicitar a Justiça, através de um mandado de segurança, que bloqueie as contas da prefeitura de São José da Lage, no interior de Alagoas, o prefeito eleito da cidade, Márcio Lira – Dudui (PP), tenta agora organizar as contas do município.

 

A decisão do bloqueio foi do juiz da 16ª Vara Eleitoral, José Braga Neto, que permitiu apenas a liberação do salário dos servidores do município e o repasse do duodécimo da Câmara de Vereadores.

 

O magistrado se baseou nos argumentos apresentados por uma comissão formada por seis vereadores que denunciaram o prefeito tampão da cidade, Cícero Rosalino (PTB), que assumiu o município durante algumas semanas, após a Justiça impedir a posse do antecessor, Paulo Roberto Pereira de Araújo – Neno, acusado de fraude eleitoral.

 

Rosalino é acusado pelos vereadores de não ter realizado o repasse de recursos para a Câmara Municipal, cujo prazo expirou em 25 de março. O município recebeu duas cotas do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que foram repassadas nos dias 10 e 20 de março, respectivamente com os valores de R$ 266.387,47 e R$ 47,112,46. Por conta deste impasse, o juiz da 16ª Zona Eleitoral, José Braga Neto, determinou que os recursos do FPM fossem bloqueados até a posse de Dudui, que pode ser antecipada, após o presidente da Câmara de Vereadores, João Ciríaco não empossar o prefeito eleito.

 

José Braga Neto explicou que a lei prevê a imediata posse depois da diplomação.

 

Abalado devido não ter sido diplomado, Dudui esteve na sede da Polícia Federal, em Maceió, onde entregou diversos documentos, que segundo ele foram encontrados no lixão da cidade.

 

Os documentos, em sua maioria notas fiscais, cópias de títulos eleitorais e carteiras de identidade de moradores da cidade, disquetes e contratos firmados pela prefeitura ao longo das duas últimas administrações, segundo o prefeito foram colocados no lixo por ordem do ex-prefeito da cidade, Cícero Rosalino.

 

Márcio Lira diz que acredita que a atitude de seu antecessor foi adotada para que provas de supostas irregularidades não fossem encontradas.