A experiência com crises anteriores preparou o Brasil para enfrentar com maior tranquilidade o atual momento da economia mundial, e a consequência é que o País já tem mais respeito diante da comunidade econômica internacional do que há cerca de dez anos. A constatação é do diretor-executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI), Paulo Nogueira Batista Jr.


Na opinião do economista, o Brasil conquistou o respeito do Fundo antes de tê-lo por parte dos próprios brasileiros e, agora que deve passar a ser credor em vez de devedor do FMI, começa a ser bem visto também dentro de casa. “O Brasil ser credor do Fundo, no meio da maior crise dos últimos 70 anos [quer dizer que] alguma coisa mudou”, disse, após participar de um debate no congresso do Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC, na sigla em inglês), neste sábado, em Florianópolis (SC).


Nogueira Jr. Também afirmou que o Brasil tem condições de sair da crise antes da maioria dos países, mas que deve enfrentar dificuldades em 2009, já que o crescimento foi seriamente afetado pela falta de recursos.