A ministra Nilcéa Freire, da Secretaria Especial de Políticas para Mulheres, lançou na manhã deste sábado em São Paulo a iniciativa "Mulheres - Diálogos sobre Segurança Pública" com o objetivo de estimular a participação das mulheres na formulação de políticas públicas na área.


Segundo a ministra, as mulheres têm uma vivência sobre a violência diferenciada, e, por este motivo, podem dar uma efetiva contribuição [às políticas da área]. "Sempre falamos das mulheres como vítimas. Estamos propondo que elas sejam protagonistas da solução para a violência, não só a violência contra a mulher, mas a violência nas cidades", disse.


O evento ocorre neste fim de semana em um hotel da cidade de São Paulo e representa o ponto de partida para um estudo que será apresentado na 1ª Conseg (Conferência Nacional de Segurança Pública), em agosto.


Além da ministra, também compareceram ao evento os secretários da Segurança Pública de São Paulo, Antonio Ferreira Pinto, e da Administração Penitenciária, Lourival Gomes. O secretário Gomes afirmou que pretende aumentar os investimentos em presídios femininos.


De acordo com o secretário, é preciso que sejam construídas prisões específicas para este público, ao invés de serem convertidas prisões que até então eram utilizadas por homens. "Haverá espaço para que as mulheres recebam seus filhos, amamentem, e as funcionárias serão treinadas para o atendimento a este público específico", disse Gomes.


Atualmente, são 10.300 mulheres presas no Estado de São Paulo, o dobro do verificado no ano 2000.