O cantor Michael Jackson está lutando "em segredo" contra um câncer de pele, mas a doença não deve impedi-lo de atuar nos 50 shows que tem programados para meados do ano em Londres, informa nesta sábado, 16, o jornal britânico The Sun. O tabloide, que cita uma fonte sobre a qual não dá detalhes, os médicos diagnosticaram o câncer no rei do pop nas últimas semanas e lhe garantiram que tem cura.


 "Os exames de Michael mostraram sinais de câncer de pele em seu corpo e células que poderiam provocar câncer de pele no rosto", afirmou a fonte. No início, Jackson, de 50 anos, ficou "muito preocupado", apesar de "os médicos terem garantido que podem tratá-lo (do câncer) e que se recuperará", disse o informante, acrescentando que Jackson quer voltar aos palcos em Londres.

O cantor visitou regularmente um dermatologista em Beverly Hills (EUA) com máscara e gorro, de acordo com o Sun. Segundo o jornal, Jackson também foi visto no Centro Médico Cedar-Sinai, em Los Angeles, que conta com um laboratório especializado em exames para detectar câncer. Apesar de o artista tentar minimizar sua doença, a notícia causou inquietação entre os fãs, diante dos shows prometidos pelo cantor em Londres, que começarão em 8 de julho.

 A última vez que o rei do pop se apresentou na capital britânica foi em 2006, quando discursou na cerimônia dos prêmios World Music, mas decepcionou os fãs ao cantar apenas um trecho da música We Are the World. Essa visita foi a primeira aparição em público do cantor após ser absolvido de supostos crimes de abuso infantil em Los Angeles, no ano anterior.

SAIBA O QUE É O CÂNCER DE PELE:

A pele é o maior órgão do corpo humano. É dividida em duas camadas: uma externa, a epiderme, e outra interna, a derme. A pele protege o corpo contra o calor, a luz e as infecções. Ela é também responsável pela regulação da temperatura do corpo, bem como pela reserva de água, vitamina D e gordura.

Embora o câncer de pele seja o tipo de câncer mais freqüente, correspondendo a cerca de 25% de todos os tumores malignos registrados no Brasil, quando detectado precocemente este tipo de câncer apresenta altos percentuais de cura.

As neoplasias cutâneas estão relacionadas a alguns fatores de risco, como o químico (arsênico), a radiação ionizante, processo irritativo crônico (úlcera de Marjolin), genodermatoses (xeroderma pigmentosum etc) e principalmente à exposição aos raios ultravioletas do sol.

Câncer de pele é mais comum em indivíduos com mais de 40 anos sendo relativamente raro em crianças e negros, com exceção daqueles que apresentam doenças cutâneas prévias. Indivíduos de pele clara, sensível à ação dos raios solares, ou com doenças cutâneas prévias são as principais vitimas do câncer de pele. Os negros normalmente têm câncer de pele nas regiões palmares e plantares.

Como a pele é um órgão heterogêneo, esse tipo de câncer pode apresentar neoplasias de diferentes linhagens. Os mais freqüentes são: carcinoma basocelular, responsável por 70% dos diagnósticos de câncer de pele, o carcinoma epidermóide com 25% dos casos e o melanoma, detectado em 4% dos pacientes. Felizmente o carcinoma basocelular, mais freqüente, é também o menos agressivo. Este tipo e o carcinoma epidermóide são também chamados de câncer de pele não melanoma, enquanto o melanoma e outros tipos, com origem nos melanócitos, são denominados de câncer de pele melanoma.
Veja o vídeo: