O ministro Joaquim Barbosa levará nos próximos dias ao Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) questões de ordem na ação penal referente ao mensalão, nome pelo qual ficou conhecido um suposto esquema de desvio de verbas públicas para pagar deputados por apoio a projetos de interesse do governo no Congresso Nacional. A tomada de depoimento das testemunhas listadas no processo é prejudicada, segundo o ministro, pela declaração de endereços inexistentes ou errados, pela dificuldade de se localizar pessoas no exterior e por exigências de alguns depoentes.

 

Caberá aos ministros da Corte decidir como estes casos específicos serão tratados para que o processo não fique parado. Um das possibilidades é dispensar o depoimento de algumas testemunhas.

 

Respondem à ação penal 39 réus, dentre eles os ex-ministros José Dirceu (Casa Civil), Anderson Adauto (Transportes) e Luiz Gushiken (Comunicação do Governo), os deputados João Paulo Cunha (PT-SP) e José Genoino (PT-SP), o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) e o publicitário Marcos Valério.