Fiscais da Delegacia do Trabalho no Pará, com apoio do Ministério Público do Trabalho e de agentes da Polícia Federal (PF) libertaram na tarde da última terça-feira (12), dez trabalhadores que viviam em condições degradantes dentro da fazenda Lua Cheia, em Bom Jesus do Tocantins, no sudeste do Pará.

 

Os trabalhadores, após jornada estafante na mata, derrubando a floresta para criação de pasto, dormiam em alojamento sem banheiro, água potável ou local para armazenamento adequado dos alimentos que consumiam. Eles foram levados para Marabá, onde o dono da fazenda se comprometeu em assinar a carteira de trabalho e pagar todos os direitos previstos da legislação.

 

A operação para identificar trabalho escravo e crimes ambientais nos municípios de Bom Jesus do Tocantins e Abel Figueiredo começou no dia 4 passado, mas já tem saldo positivo: seis fazendeiros foram notificados por esses crimes, pagarão multa e ainda irão responder a processo por violação das leis trabalhistas e ambientais.

 

Na fazenda Curitiba, uma das visitadas pela fiscalização, foram encontradas dezenas de árvores derrubadas sem autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).