O ministro das Relações Institucionais, José Múcio, disse ontem (11), após a reunião de coordenação política do governo, que vai trabalhar junto aos líderes governistas para evitar a abertura de uma CPI para investigar a contabilidade da Petrobras. Segundo ele, as CPIs “atrapalham” o andamento do Congresso.

 

A oposição quer abrir uma investigação sobre as mudanças no regime tributário adotado pela Petrobras. A nova fórmula adotada pela empresa, segundo o jornal "O Globo", permitiu uma economia de mais de R$ 4 bilhões em imposto de renda. A empresa diz que a operação é legal.

 

“Nós sabemos que as CPIs atrapalham, e, quando podemos fazer com que esclarecimentos que estão estimulando a comissão possam ser prestados sem que haja CPI, devemos fazer. Nós, a liderança no Senado, a liderança na Câmara, vamos trabalhar para poder evitar isso. Não para esconder absolutamente nada, mas para esclarecer sem que se precise instalar a CPI", disse Múcio.

 

Segundo ele, a CPI "para tudo, muda o foco." "Toda vez que se tem a instalação de uma CPI a politização do instrumento de esclarecimento termina sendo maior do que a própria investigação", afirmou Múcio.