A Embraer reportou na madrugada desta sexta-feira um prejuízo líquido de R$ 40,6 milhões no quarto trimestre de 2008, ante um lucro líquido de R$ 399,7 milhões registrados em igual período do ano anterior. No acumulado de 2008, a companhia totalizou um lucro líquido de R$ 428,8 milhões. O resultado é 64% inferior quando comparado a R$ 1,185 bilhão visto em 2007.

Em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Embraer atribuiu a queda nos seus resultados ao impacto de variações cambiais sobre ativos e passivos denominados em outras moedas, principalmente em reais.

A receita líquida da Embraer totalizou R$ 4,139 bilhões entre outubro e dezembro de 2008, alcançando um crescimento de 25,49% em relação a R$ 3,298 bilhões registrados no mesmo período do ano anterior. No acumulado de 2008, a receita líquida ficou em R$ 11,746 bilhões, alta de 17,54% em comparação a R$ 9,993 bilhões de 2007.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) da companhia totalizou R$ 564,4 milhões no último trimestre do ano passado, avançando 12,49% ante R$ 501,7 milhões vistos em igual período de 2007. No acumulado de 2008, o Ebitda ficou em R$ 1,499 bilhão, com ganho de 13,39% em termos anuais.

A carteira de pedidos firmes da Embraer encerrou o quarto trimestre em US$ 20,9 bilhões, representando uma queda de 3,2% em relação ao trimestre anterior, já refletindo os impactos da crise econômica mundial iniciada em setembro de 2008.

Nesse período, a companhia vendeu 11 aeronaves comerciais, ou cerca de 10% do total de 112 novos pedidos assinados em 2008. A carteira de pedidos firmes de E-Jets acumulou o total de 876 pedidos firmes e 810 opções de compra.

No quatro trimestre de 2008, a Embraer entregou 44 E-Jets para o segmento de Aviação Comercial e oito Legacy 600, dois Phenom 100 e um Embraer 175 para o segmento de Aviação Executiva, além de quatro jatos para o segmento de Defesa e Governo. Durante 2008, as entregas totalizaram 204 jatos.

Em 20 de fevereiro, a companhia aeronáutica anunciou o corte de 20% ou 4.273 empregados. Após disputa judicial, o Tribunal Regional do Trabalho de Campinas manteve as demissões, mas as considerou abusivas, por falta de negociação prévia da fabricante de aeronaves com o sindicato.