Os Bombeiros encontraram no final desta manhã os corpos de três pessoas que foram soterradas por um deslizamento de terra às 23h30 de sexta-feira em Manaus. Os corpos de Valdenilson Rufino de Souza, 26 anos, Michele Souza da Silva, 26 anos, e a filha do casal, Lohana de Souza, 1 ano, foram encontrados sob uma camada de 3 m de lama e lixo.

 

A Defesa Civil do Estado informou que o deslizamento atingiu 11 casas e destruiu totalmente cinco delas. De todos os moradores das residências, apenas o casal e o bebê não conseguiram se salvar. Moradores contam que, na hora do acidente, duas máquinas do tipo retroescavadeira estavam trabalhando no local.

 

"Quando nós ouvimos o barulho, só deu tempo de correr de casa", disse Augusto das Chagas, morador. Durante a manhã, nenhum responsável pela obra apareceu para dar explicações. "Essa é uma atividade de alto risco. Para trabalhar à noite é preciso ter permissão da prefeitura e várias medidas de segurança devem ser tomadas. Os moradores não poderiam estar aqui no local", afirmou Jocimar Milom, engenheirno da Defesa Civil do Estado.

 

Pelo menos outras 10 casas foram isoladas porque ainda há risco de novos deslizamentos. Todas as famílias foram retiradas para um centro de apoio da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semasc). O Ministério Público esteve no local e abriu procedimento para apurar o caso.

 

"Nós já estamos acompanhando a perícia técnica da Polícia Civil para apurar as responsabilidades civil e penal. Há informações de que os operários que estavam operando as máquinas fugiram depois do acidente", afirmou o Promotor da Vara de Acidentes do Trabalho, Agnaldo Concy. Com o resgate das três vítimas fatais, o trabalho agora é de prevenção. "Nós vamos ajeitar o terreno que está na iminência de ceder, porque é só areia e lixo, para evitarmos que novos deslizamentos aconteçam. Depois, é que nós vamos verificar a situação legal da obra", disse o secretário municipal de obras, Américo Goraieb.