O coordenador regional da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Raze Razeck, e o delegado da Polícia Federal Flávio Trivella foram impedidos de deixar o prédio da coordenação paulista do órgão após uma reunião com um grupo de índios na manhã desta quarta-feira, em São Paulo.

Os índios invadiram o prédio da Funasa por volta das 12h de terça-feira. Cerca de duas horas depois, sob a justificativa de não terem sido atendidos, fecharam a rua Bento Freitas, na região central de São Paulo, com os carros do próprio órgão.

No final da noite, com a promessa de que Razeck deixaria o cargo, eles liberaram os funcionários e marcaram uma reunião para esta manhã. Com o impasse nesta reunião, a situação voltou a ficar tensa e a entrada e saída do prédio voltou a ser controlada.

Os índios têm como principal reivindicação a saída de Razeck da coordenação da Funasa no Estados. Cerca de 100 índios ocupavam o prédio, controlavam a portaria e impediam a entrada e saída do edifício às 12h.

De acordo com o cacique Barã, um dos líderes do movimento, o impasse aconteceu quando houve contato com o presidente nacional da fundação, Danilo Fortes. "O que está acontecendo com a gente é um desrespeito. Estávamos em contato telefônico com ele e, em determinado momento, o Fortes desligou na nossa cara", afirmou. "Não houve acordo e, a partir de agora, ninguém entra e ninguém sai do prédio."