Um bebê está internado no município de Cachoeira do Sul, Interior do Rio Grande do Sul, com problemas neurológicos. Segundo informações divulgadas nesta terça-feira pela Secretaria Estadual de Saúde, o caso merece atenção especial e é investigado pelo fato de a mãe, que amamenta a criança, ter sido vacinada contra a febre amarela.

 

Desde a semana passada, 19 municípios da região metropolitana, incluindo a capital Porto Alegre, entraram para a área ampliada de vacinação, devido à morte de dois macacos bugios, no município de Guaíba, com a doença. Além dessas cidades, em outros 272 municípios, que já eram monitorados pela secretaria, a vacinação também é necessária.

 

A vacina contra a doença não é indicada para mulheres gestantes ou que estão em período de amamentação. A secretaria não informou os sintomas que a criança apresentou.

 

Uma equipe do Ministério da Saúde visitará a cidade para a investigação do caso, mas ainda não há um prazo para o resultado dos exames.

 

A febre amarela é uma doença infecciosa transmitida por mosquitos, principalmente pelo Aedes aegypti. Se não tratada, pode levar à morte.

 

Os sintomas iniciais são febre, cansaço, mal-estar e dores de cabeça e musculares. Posteriormente, o doente pode apresentar náuseas, vômitos e diarréia.

 

A doença ocorre na maioria das vezes em zonas rurais e de mata. A principal forma de prevenção é a vacinação. É recomendado que a pessoa seja vacinada pelo menos dez dias antes de viajar à área de risco.