A Associação do Ministério Público de Alagoas (Ampal) participou nesta segunda-feira (4) da assinatura do convênio entre o Ministério Público Estadual, por meio do Núcleo de Defesa do Meio Ambiente do 1º Centro de Apoio Operacional e o Instituto para Preservação da Mata Atlântica (IPMA). O convênio faz parte de mais uma ação do Projeto “Maceió Menos 2 graus”, que tem como objetivo reduzir a desertificação urbana, deixando a cidade coberta de árvores e consequentemente mais fresca.

Participaram do evento os secretários Municipal e Estadual de Meio Ambiente, Ricardo Ramalho e Adriano Augusto respectivamente, o procurador-geral de Justiça, Eduardo Tavares Mendes, promotores de Justiça, jovens da Sociedade Pestalozzi de Maceió, entre outras autoridades ligadas ao meio ambiente.

De acordo com a promotora de Justiça do Meio Ambiente, Dalva Tenório a meta é plantar 800 mil mudas de árvores em Maceió. Ela destacou ainda a importância da participação da sociedade no plantio dessas árvores para o sucesso do projeto.

Depois da assinatura do convênio entre as duas entidades foram plantadas no clube social da Associação do Ministério Público mudas de Ipê rosa e Ingá. Todos os participantes participaram do plantio. Para a presidente da Ampal, Neide Camelo, a entidade está a disposição para a causa do meio ambiente e pretende agilizar e ajudar em todas as ações que forem suficientes para a promoção do bem estar comum, através de ações de preservação ambiental.

O procurador-geral de Justiça, Eduardo Tavares destacou os trabalhos desenvolvidos pelo Ministério Público Estadual para a defesa do meio ambiente. “Nós temos projetos para a preservação da caatinga, manguezais e mata atlântica. A nossa meta é trabalhar em prol do meio ambiente para que toda sociedade seja beneficiada”, ressaltou Eduardo Tavares.

O presidente do IPMA, Fernando Pinto, falou do trabalho de reflorestamento desenvolvido pelo instituto, o trabalho de recuperação de mata ciliar e a produção de mudas para reflorestamento.

O CONVÊNIO - O convênio firmado entre o Ministério Público Estadual e o Instituto para Preservação das Mata Atlântica prevê o intercâmbio técnico e científico e a promoção de ações integradas para a proteção do meio ambiente, especialmente da Reserva da Biosfesra da Mata Atlântica e ecossistemas associados.

A Procuradoria vai contar com o auxílio do IPMA para a proteção da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, promover a apuração de danos aos recursos hídricos e ambientais e assegurar ao IPMA a participação em cursos de formação e especialização em direito ambiental.

O IPMA irá fornecer ao MP o apoio técnico e científico, inclusive no curso de processos judiciais, inquéritos civis ou procedimentos administrativos. O Instituto também deverá encaminhar ao MP representações e informações referentes a danos ambientais entre outras ações.