O I Ciclo Nacional de Conversas Negras: “Agosto Negro ou o que a História Oficial Ainda Não Conta” que acontece no período de 24 a 26 de agosto traz como objetivo a construção de conversas negras criando assim possibilidades de reflexão e o redimensionamento da questão estrutural do racismo, não só nos currículos das escolas alagoanas, mas em todos os espaços formativos na busca de criar um processo de diálogo social que contemple e problematize temas relacionados com a descriminação e desigualdades raciais.
Como parte da programação do I Ciclo terá o lançamento do livro: “ O negro na Polícia Militar: cor, crime e carreira no Rio de Janeiro”, a ser lançado, na noite do dia 24 de agosto, após debate com o autor e autoridades competentes.
Carlos Nobre, que é sergipano e professor da PUC-Rio e diz que o trabalho de repressão pública uniformizado nunca despertou o interesse da classe média branca por ser considerado inferior e acabou se tornando um serviço ligado às camadas negras brasileiras.
Segundo Nobre, “ Existe uma tradição negra na Polícia Militar. O trabalho de repressão e controle social sempre esteve nas mãos negras”, destaca o pesquisador. Cita também que os primeiros quadros da Polícia Militar brasileira, criada, em 1809, pelo príncipe regente D. João VI, foram ex-escravos, negros forros e bancos pobres.
Durante o processo de dois anos para construção do livro inúmeros depoimentos foram tomados. Foram ouvidos 49 praças e oficiais de cinco unidades da PM fluminense: o Batalhão de Niterói, Batalhão de Copacabana, o Batalhão de Patrulhamento Turístico, o Grupamento de Apoio em Áreas Especiais e o quartel-general da corporação.
O autor assumiu o papel de policial durante 05 meses e acompanhou de perto o trabalho de implantação de uma unidade de policiamento comunitário nos morros do Pavão-Pavãozinho e Cantagalo,em Ipanema, comandada por um oficial negro.
Carlos Nobre é também autor de Mães de Acari: uma história de luta contra impunidade (Relume-Dumará, RJ, 1994), Mães de Acari: uma história de protagonismo social (Pallas-PUC, RJ, 2005), Que cidadania queremos ? Estudos de cidadania e exclusão ( Sempre Livre, RJ, 2004) e O sêmen celestial (Papel Virtual, RJ, 2006).

O quê? Lançamento do Livro "O negro na Polícia Militar: Cor, Crime e Carreira no Rio de Janeiro"-: I Ciclo de Conversas Negras: Agosto Negro ou o Que a História Oficial Ainda Não Conta”
Valor do livro: Rs35,00
Quando: 24 a 26 de agosto
Onde: Federação das Indústrias do Estado de Alagoas
150 vagas abertas ao público,a partir do dia 30 de julho.
Para solicitar sua inscrição envie um e-mail para:
[email protected], [email protected]
Mais informações: 8815-5794/8898-0689/8882-2033