A Gerência Executiva do INSS em Maceió iniciou a instalação de portas detectoras de metal em todas as 19 Agências da Previdência Social em Alagoas, como medida preventiva de segurança contra as agressões sofridas por médicos peritos. As agressões, que têm ocorrido com freqüência em algumas localidades, são motivo de preocupação para a Previdência Social. Em alguns casos, os beneficiários não concordam com a avaliação médico-pericial e agridem verbalmente ou fisicamente, os peritos.

Para aumentar a segurança e evitar qualquer violência contra seus servidores, o INSS fez um mapeamento das condições de trabalho e de segurança nas agências e passou a adotar uma série de medidas. O gerente-executivo Ronaldo Medeiros informa que "além das portas com detectores de metais, as próximas unidades de atendimento do INSS, que estão sendo construídas, serão equipadas com vigilância presencial e eletrônica, campainhas de alarme e rotas de fuga nos consultórios."

A orientação é para que, em qualquer caso de agressão, os servidores fomalizem queixa à Polícia Federal que adotará as medidas judiciais cabíveis. Em casos de agressões físicas, a orientação é para que seja iniciada ação penal contra o agressor. Nos crimes contra o patrimônio são movidas ações cíveis. "Não é admissível qualquer agressão a servidores da Previdência. " diz o gerente.

O INSS também adotou  medidas gerenciais para diminuir o tensionamento entre segurados e peritos médicos. Medeiros disse que "foram implantadas ações com a a realização de campanha publicitária para conscientizar a população sobre o papel do perito médico, a diminuição do tempo entre o agendamento eletrônico e o atendimento dos segurados e a confirmação, por telefone, do comparecimento do segurado para a perícia."

A Gerência do INSS em Alagoas conta com 52 peritos para realizar as perícias médicas. Destes, 47 que tem carga horária de trabalho de 40 horas semanais realizam 1.128 perícias por dia e, cinco, que tem apenas 20 horas, fazem 60 atendimentos. O perito com carga horária de 40 horas semanais, obrigatoriamente, tem de atender 24 segurados por dia. Já o de 20 horas, atende 12 pessoas.

Segundo o médico-perito do INSS, Gilberto Costa, existe pesquisa da ANMP, 93,22% dos médicos sofreram agressão verbal e 21,85% relataram casos de agressões físicas. A consulta teve a participação de 531 dos 3,5 mil médicos do INSS, abrangendo 98 das 102 Gerências Executivas.

Em todo o país, os peritos do INSS realizam 34 mil perícias por dia. Em muitos casos, os segurados procuram o INSS sem que tenham direito a receber o benefício, pois não têm tempo suficiente de contribuições previdenciárias ou não apresentam uma doença que os incapacite para o trabalho.