A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, falou nesta quinta-feira (26) sobre o programa de habitação do governo, lançado na véspera, e negou qualquer tentativa de uso eleitoral do programa.

Em entrevista ao Bom Dia Brasil, ela também se negou a confirmar se será a candidata do governo nas próximas eleições presidenciais, em 2010.

"Nem amarrada eu fico respondendo a essa questão", disse a ministra, quando perguntada se pensava em ser candidata.

Segundo Dilma, quem está "antecipando" a agenda da eleição presidencial é a oposição. "Eu não acho que hoje a pauta da questão eleitoral de 2010 tenha de ser colocada agora", afirmou.

Sobre as insinuações de uso eleitoral do programa de habitação, a ministra afirmou serem tentativas de desqualificar projetos do governo. "Veja bem, essa questão de a gente estar fazendo campanha com o programa de habitação é sistematicamente repetida quando se trata de programas do governo e a oposição teme que dê certo ou acha que é poderoso e resolve o problema”, afirmou.

Questionada, Dilma afirmou que não há risco de se criarem "guetos" onde não há eletricidade e iluminação porque, segundo ela, o programa “Minha casa, minha vida” irá financiar desde a compra do terreno à construção da infraestrutura de água e esgoto e dará condições para instalação de luz elétrica.

 De acordo com a ministra, quem não tiver renda que chegue a um salário-mínimo terá uma prestação mínima de R$ 50. "Mas há margem de manobra para enquadrar famílias que têm meio salário-mínimo e não vão poder pagar R$ 50. Agora, nós calculamos uma média. A maioria das famílias está na faixa de um a três salários-mínimos. É essa faixa que receberá o subsídio maior."