O juiz auxiliar da Corregedoria Geral da Justiça (CGJ) Paulo Zacarias da Silva, reuniu-se na manhã desta segunda-feira (27) com representantes da Casa de Adoção Rubens Colaço, para discutir a atual situação dos processos de adoção que se encontram no Juizado da Infância e da Adolescência de Alagoas. O objetivo da reunião foi encontrar alternativas para agilizar a conclusão desses processos para que as crianças possam ser adotadas.    

Atualmente há 17 processos de adoção tramitando no Juizado da Infância e da Juventude e mais seis referentes à destituição do poder familiar. “É preciso cobrar aos juízes competentes uma adoção mais célere, estipulando-lhes um prazo para a conclusão desses processos. Precisamos também aumentar legalmente o número de adoções no Estado”, disse o juiz Paulo Zacarias. “Sou um grande entusiasta da adoção e particularmente tenho muita vontade de fazê-la, por isso incentivo a todos que têm interesse de fazer o mesmo”, acrescentou.

     Segundo Maria da Consolação Cavalcante, coordenadora da Casa de Adoção, há crianças no abrigo com até 10 anos de idade, o que dificulta o interesse de adoção por parte dos possíveis pais. “Com a morosidade na conclusão desses processos, torna-se mais difícil encontrar pessoas que queiram adotar essas crianças, pois geralmente os pais adotivos, sobretudo em Alagoas, preferem bebês às crianças mais velhas”, explicou.

     A Casa de Adoção Rubens Colaço conta com assistência de médicos, psicólogos, fisioterapeutas, assistentes sociais, além de assistência extra-casa. O tempo de permanência estabelecido na casa é de seis meses, mas atualmente há crianças esperando há mais de um ano para adoção.