Tudo indica que o assassino em série que, em um ano, matou 35 gatos no Campo Belo , Zona Sul da capital voltou a agir. Mais dois gatos desapareceram. Ontem, a artista plástica e protetora de animais, Martha Cristina Campos de Araújo, de 52 anos, que já teve 12 bichanos envenenados, constatou o sumiço de Frederico e Lilico.

“Desde a noite de terça-feira que não os vejo. Eles jamais ficam esse tempo todo desaparecidos”, observou. Frederico, ou Fefê, é um gato de estimação. Lilico é de uma vizinha, mas que vive na casa de Martha. “Ele fica mais aqui do que lá”, explicou a artista plástica. Apenas neste mês, seis gatos morreram nas ruas Unapitinga e Afonso Bandeira de Melo.